🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

As ações da Vivara (VIVA3) deixaram de ser uma joia, mas será que ainda merecem um espaço na sua carteira?

Temos que admitir que, apesar da troca truculenta de comando, Nelson Kaufman é um profundo conhecedor do negócio que ele ergueu praticamente do zero

22 de março de 2024
6:11 - atualizado às 9:24
Nelson Kaufman, presidente da Vivara
Nelson Kaufman, presidente da Vivara - Imagem: Montagem Seu Dinheiro / Divulgação

A Vivara (VIVA3) foi o grande assunto da semana dentro do universo de small caps, muito embora os motivos não tenham sido nada agradáveis para a companhia e muito menos para os seus acionistas.

Caso não tenha visto, na sexta-feira passada (15), Paulo Kruglensky apresentou uma surpreendente carta de renúncia ao cargo de CEO. Surpreendente porque ninguém esperava a saída de um CEO que estivesse há tão pouco tempo e entregando tão bons resultados.

Só a troca de supetão já mereceria uma boa dose de preocupação, mas a história fica pior…

O novo (velho) CEO

Quem (re)ocupará a cadeira será Nelson Kaufman, fundador e maior acionista da companhia após 13 anos longe do cargo – o que confirmou algumas apreensões (como a de que provavelmente houve um atrito no comando) e levantou uma série de outras preocupações sobre a governança e a futura alocação de capital.

Além de insistir que existem muitas coisas erradas na Vivara hoje – o que não condiz com os resultados entregues e nem com o preço (até então) recorde das ações –, e de algumas gafes em sua teleconferência de "boas-vindas" aos investidores, Kaufman disse que vai reassumir com o objetivo internacionalizar a companhia, e nós já estamos bastante calejados para saber que planos de internacionalização costumam se transformar em ralo de dinheiro.

Com todos esses sinais ruins, VIVA3 perdeu o status de "preciosa", e desabou 20% desde a renúncia de Kruglensky. A pergunta que fica agora é: depois da queda, ainda faz sentido investir nas ações?

Vivara: à primeira vista, sem grandes mudanças estratégicas

Não há dúvida de que, em termos de governança, a Vivara é hoje uma companhia bem pior do que na semana passada, mas ninguém sabe ainda qual será o impacto das mudanças nos resultados.

Ainda que Kaufman tenha dito que vai implementar mudanças nas lojas, obviamente, a nossa maior preocupação reside no plano de internacionalização, por conta do menor poder de marca da Vivara lá fora – um ambiente bem mais competitivo e menos conhecido.

Apesar de não sermos fãs da ideia, na tal teleconferência, Kaufman disse que o capex com planos internacionais será limitado a 5% do Ebitda (R$ 25 milhões/ano), o que não é bom, mas também não é um desastre – apenas como base de comparação, a companhia tem investido aproximadamente entre 21% e 26% em novas lojas e reformas no Brasil.

Fonte: Vivara

Kaufman também mencionou que a Vivara não vai abrir lojas em avenidas famosas no exterior, ou seja, serão lojas relativamente baratas e com o objetivo de tornar as joias mais acessíveis para um público de renda média, não muito diferente do que ela já faz no Brasil.

Além disso, o CFO Otávio Lyra disse que nenhuma grande mudança acontecerá na alocação de capital, o que indica que a estratégia atual, especialmente com foco nas lojas Life, deve continuar.

Se serão somente essas as mudanças, a queda de 20% realmente terá sido exagerada, mas isso só o tempo e os resultados futuros vão dizer.

Negócio de qualidade e aparentemente barato

O fato é que depois da derrocada, o valuation da companhia voltou para patamares bem mais atrativos, dado o nível de qualidade do negócio – menos de 12x lucros, contra 14x de Lojas Renner e do Grupo Soma, por exemplo, que estão em um setor muito mais arisco e competitivo.

Fonte: Bloomberg/ Elaboração: Seu Dinheiro

Um outro ponto que temos que admitir é que, apesar da troca truculenta de comando, Kaufman é um profundo conhecedor do negócio que ele ergueu praticamente do zero, e aqui entra um outro ponto importante.

Para nós, a Vivara tem um dos melhores modelos de negócios da bolsa brasileira, com marca forte, margens elevadas, resiliente, capacidade de crescimento, um ROIC muito acima do custo de capital, etc…

Em alusão à clássica frase de Warren Buffett, desconfiamos que esse seja um daqueles casos clássicos de negócios à prova de "gestões medianas".

Mas só o tempo vai confirmar essa suspeita.

Por ora, a VIVA3 segue na carteira do Microcap Alert, com um peso que já havia sido bastante reduzido no dia 27 de fevereiro, quando as ações estavam próximas das máximas históricas.

Mas é preciso entender que neste momento se trata de uma tese com maiores riscos de governança e piora na alocação de capital.

Por entender que ainda estamos diante de um modelo de negócios diferente, com margens elevadas e retornos sobre o capital investido (ROIC) muito acima da média do varejo brasileiro, manteremos uma exposição aos papéis, mas pequena como deve ser nesses casos de maiores incertezas.

Por outro lado, em casos no quais, além de um bom potencial de crescimento de lucros, também há maior confiança nos resultados futuros, gostamos de alocar uma parcela relevante da carteira.

Por exemplo, apenas duas empresas que gostamos muito são responsáveis por 50% do portfólio do Microcap Alert, não só porque contam com resultados resilientes, mas porque as ações ainda guardam um ótimo potencial de retorno.

Se quiser conferir essas duas teses, e todas as outras empresas que compõem a carteira, deixo aqui o convite.

Um grande abraço e até a semana que vem.

Ruy

Compartilhe

Mande sua dúvida!

Meus pais fizeram dívidas no meu CPF e fiquei com o nome sujo; terei que processá-los?

20 de julho de 2024 - 8:00

Muitos pais usam o CPF dos filhos menores de idade indevidamente, mas isso pode configurar fraude! Veja o que a vítima deve fazer

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Ibovespa repercute Orçamento congelado, privatização da Sabesp e pane em sistemas da Microsoft

19 de julho de 2024 - 8:17

Governo anuncia congelamento de R$ 15 milhões no Orçamento de 2024 em tentativa de cumprir meta fiscal

SEXTOU COM O RUY

Aumento de capital bilionário e aquisição de 4 usinas: o que isso significa para os acionistas da Eneva (ENEV3) e por que você deveria comprar as ações agora

19 de julho de 2024 - 6:07

Por 9x Valor da Firma/Ebitda, novos ativos entrando em operação e um cenário hidrológico que começou a ficar mais favorável, o papel é uma opção para a carteira

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Com Biden e Trump tão diferentes e tão iguais, Ibovespa começa o dia a reboque do exterior em dia de decisão do BCE

18 de julho de 2024 - 8:10

Ibovespa retomou caminho das altas ontem e hoje flerta com os 130 mil pontos; suspeitas de intervenção no iene pressionam moedas emergentes, inclusive o real

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Qual o real significado das séries invictas?

17 de julho de 2024 - 20:00

No futebol, ficamos tentados a avaliar o potencial preditivo das séries invictas, bem como de suas quebras

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Nada sobe para sempre: Depois de cair pela primeira vez em julho, Ibovespa busca retomar caminho das altas com Vale, Livro Bege e guerra tecnológica no radar

17 de julho de 2024 - 8:12

Embora tenha caído pela primeira vez no mês na sessão de ontem, o Ibovespa ainda acumula alta de mais de 4% no que vai de julho

CRYPTO INSIGHTS

Trump, eleições americanas — e a salvação do bull market das criptomoedas

16 de julho de 2024 - 19:28

A rotação de alguns centímetros da cabeça, em uma fração de segundos foi o bastante para impedir uma catástrofe; há quem diga que foi também a diferença entre o BTC a US$ 30 mil e o BTC acima de US$ 60 mil

EXILE ON WALL STREET

Felipe Miranda: Francis ou Francisco: dançando à beira do vulcão

16 de julho de 2024 - 9:08

Não há como subestimar o atentado contra Donald Trump. Quando Francisco Ferdinando foi assassinado, ninguém imaginou que caminharíamos para a Primeira Guerra Mundial

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Ibovespa flerta com os 130 mil pontos em dia de agenda fraca e mercado engajado no Trump trade

16 de julho de 2024 - 8:05

O Ibovespa continua protagonizando sua melhor sequência positiva desde a passagem de 2017 para 2018 e já acumula alta de 4,4% em julho

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Enquanto atentado impulsiona o ‘Trump trade’, democratas ainda precisam decidir quem vai perder a eleição

16 de julho de 2024 - 6:44

Atentado do último fim de semana fez aumentarem substancialmente as chances de vitória de Donald Trump em novembro

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar