🔴 CHANCE DE MULTIPLICAR O INVESTIMENTO EM ATÉ 14,5X EM 8 DIAS? ENTENDA A PROPOSTA

Beatriz Azevedo
Beatriz Azevedo
Formada em jornalismo pela Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduanda em Comunicação Digital pela ESPM, Beatriz é responsável pelas redes sociais do Seu Dinheiro.
DE OLHO NAS REDES

O WhatsApp criou mais um arma para espalhar mentiras ou os canais ajudam a quebrar o monopólio do “tio do zap”? 

Beatriz Azevedo
Beatriz Azevedo
22 de outubro de 2023
9:30 - atualizado às 7:55
Aprenda como investir em ações em novo curso gratuito disponível no WhatsApp oferecido pela maior casa de análise financeira do país

“Ah, é aquela rede social de gente mentirosa”, é o que eu ouço do meu avô de 91 anos ao tentar explicar o que é o Telegram. Assíduo espectador de noticiários, ele se referia não só às vezes em que a plataforma russa teve problemas com a Justiça brasileira, mas também ao seu conhecido uso para a disseminação de informações falsas. 

Nos últimos anos, o posicionamento do Telegram tem feio jus aos critérios que meu avô usa para descrevê-lo. Afinal, a rede já teve uma série de problemas legais sobre fake news. 

Com mais de 700 milhões de usuários no mundo e cerca de 40 milhões no Brasil, a rede social pode ser considerada uma mídia opaca, ou seja, não dá para saber o que acontece lá dentro a não ser que você de fato esteja num grupo, por exemplo. 

Enquanto isso, o WhatsApp não se sai muito melhor. Afinal, os famosos  grupos do aplicativo de mensagens muitas vezes também são usados com o mesmo propósito: espalhar notícias falsas, falo mais sobre isso neste texto.

Mas agora, a equipe de Mark Zuckerberg acaba de lançar uma ferramenta que tornou o WhatsApp ainda mais parecido com a rede russa, os canais

Dando um giro pela ferramenta, dá para perceber que fizeram o possível para replicar o rival. Quando eu vi essa nova funcionalidade, meu primeiro pensamento foi: “eba, agora podemos fazer para o Seu Dinheiro!”, mas logo depois desse veio uma desconfiança, “será que a coisa vai degringolar?”.

VEJA TAMBÉM - Meu nome foi parar no Serasa por ser fiador de um inadimplente. E agora? Confira o caso no novo episódio de A Dinheirista!

Como funcionam os canais

Antes de mais nada, cabe uma explicação sobre como funcionam os canais do WhatsApp. Esse espaço no aplicativo se diferencia dos grupos porque apenas o administrador pode enviar mensagens. Além disso, não há limites de participantes. Para fazer parte do canal do Seu Dinheiro, por exemplo, basta clicar aqui.

Os canais ampliam de forma praticamente irrestrita o poder do WhatsApp como ferramenta de comunicação. Até porque a única ‘vantagem’ que o Telegram tinha sobre o verdinho era justamente a possibilidade de contar com um número de participantes maior nas transmissões de mensagens. Ou seja, as informações que circulam lá tinham um potencial muito maior de se espalhar. 

Vou descrever uma experiência pessoal para demonstrar o quanto o Telegram facilitava as coisas para quem tinha más intenções. Antes de o WhatsApp liberar os canais, a moda eram as comunidades, que tinham limite de 2 mil membros. 

Acima disso teriam que ser criados mais grupos e o conteúdo era enviado por meio de uma plataforma bem chatinha que vivia dando problema. Mas o russo não, sempre foi muito tranquilo, bastava enviar e pronto!

Basicamente o que eu estou te falando é o seguinte: o WhatsApp nivelou o jogo, é a agora que a porca torce o rabo. 

Isso porque, enquanto o Telegram tem cerca de 700 milhões de usuários ativos no mundo e 40 milhões no Brasil, a rede de mensagens de Zuckerberg tem mais de 120 milhões só no Brasil e 2 bilhões no total. 

O “tio do zap” não está mais sozinho, mas isso basta? 

Um detalhe que não dá para deixar escapar é que antes dos canais, o WhatsApp era terra de ninguém, ou melhor, terra do famigerado “tio do zap”. Aqui, cabe esclarecer, o termo designa um estado de espírito: o das pessoas dispostas a compartilhar fake news. 

Não importa se é homem, mulher, jovem ou mais velho. O que une todos esses indivíduos é a disposição em enviar mensagens como: “URGENTE: Cientistas descobrem que a varíola dos macacos é consequência da vacina do covid”. 

Agora, com os canais, os veículos ganham espaço e disputam a atenção dos usuários lá dentro do WhatsApp. Ou seja, o tio do zap ganhou companhia. 

A grande questão é: a nova ferramenta veio para ajudar na trincheira contra fake news ou vai seguir os passos do Telegram a ponto de deixar meu avô confuso sobre qual das duas seria de fato a “rede dos mentirosos”? 

Cabe lembrar que o Telegram também conta com a presença de portais jornalísticos relevantes, mas não dá para negar que o “outro lado” é bem mais conhecido pelo público em geral. Ou vai me dizer que você já ouviu alguém comentar sobre o potencial educativo da rede? 

Nos próximos parágrafos me dedico a discutir o papel informativo do WhatsApp até hoje e como os canais entram nesse bolo. 

WhastsApp: o mecanismo que ajuda a mentira

“Há uma máquina de desinformação em operação dentro do WhatsApp”. Essa fala é de  Fabrício Benevenuto, pesquisador responsável pelo projeto Eleições sem Fake, do Departamento de Ciência da Computação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Ele falou com a Agência Pública. 

Para ele, as mensagens com “fator bombástico, revoltante, algo divisível, repugnante ou que colocam o outro como inimigo têm um poder de espalhamento muito mais forte”. Por isso, ele explica, as notícias falsas são mais compartilhadas que as verdadeiras.

Fora que o potencial destrutivo é gigantesco, principalmente no Brasil. O único país que nos ultrapassa no número de usuários é a Índia (que é 7 vezes maior do que nós). Somos a terra do WhatsApp!

Estamos falando de uma rede social que consome poucos dados de internet móvel, dispara mensagens de graça (diferente do serviço de SMS) e ainda é o único app que todas as operadoras de telefonia deixam funcionando quando os dados móveis do celular terminam.

De acordo com a professora da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Letícia Cesarino, a estratégia predominante de grupos no Whatsapp é o uso de uma constante ameaça para a mobilização de afetos.

Os sentimentos mais explorados são o medo, ressentimento ou ódio. Entre eles, não há uma utopia a ser realizada, apenas um inimigo a ser combatido — que é o culpado pelos sofrimentos e frustrações daquele grupo. 

Isso, inclusive, vem sendo muito explorado para espalhar notícias falsas sobre a guerra que acontece entre Israel e Hamas. Ganham as pessoas pelo ódio e medo. 

No geral, a verdade é pouco apelativa nas redes sociais como um todo, mas no WhatsApp as coisas acontecem meio ‘no escuro’. A destruição ia se espalhando aos poucos nos relativamente pequenos grupos, um a um. 

Ou pelo menos era assim que acontecia antes dos canais.

Os canais do WhatsApp elevam o nível do jogo ou vieram para destruir de vez a verdade? 

É claro que os veículos jornalísticos não detêm o monopólio da verdade e estão sujeitos a cometer erros. Mas os canais de notícias dentro do WhatsApp podem ajudar a equilibrar o jogo — desde, é claro, que as pessoas sigam fontes confiáveis. Ainda assim, desconfio se as coisas podem realmente melhorar lá dentro.

Isso porque as informações falsas muitas vezes atendem a uma das necessidades mais fundamentais do ser humano. Estou falando aqui do viés de confirmação, que tem apoio inclusive na biologia. Nosso cérebro odeia opiniões discordantes. E isso não sou eu quem diz. Francis Bacon, filósofo inglês, sintetizou essa ideia em 1620: 

“Uma vez que o entendimento de um homem se baseia em algo — seja porque é uma crença já aceita, ou porque o agrada — , isso atrai tudo à sua volta para apoiar e concordar com a opinião adotada. Mesmo que um número maior de evidências contrárias seja encontrado, ele as ignora ou desconsidera, ou faz distinções sutis para rejeitá-las, preservando a autoridade imparcial de suas primeiras concepções.” 

Outros pesquisadores da área afirmam que as pessoas aceitam qualquer tipo de informação não apenas por serem ingênuas, mas por alimentar as relações sociais e fortalecer as crenças anteriores. Os laços humanos se fortalecem nas crenças em comum e nós fazemos o possível para os dados da realidade fortalecerem isso. 

O que eu quero dizer é que nossas crenças são importantes para nós e o nosso cérebro faz de tudo para protegê-las. 

Afinal, é a nossa leitura e entendimento de mundo que estão em jogo e quando alguém ameaça atacá-las (mesmo que seja com a realidade), nós tendemos a ficar na defensiva e queremos protegê-las. Trata-se, inclusive, de um mecanismo evolutivo.

Vamos imaginar a seguinte situação: você é um nômade vivendo há milhares de anos e convivendo com uma série de animais perigosos. Se você ouve um barulho no meio dos arbustos, o mais sensato a se fazer é tentar sair de perto. Se o ruído é ou não um animal disposto a te matar, o mais sábio é não ficar ali para descobrir. 

Ou seja, a crença de que atrás do arbusto teria algum ser querendo te matar protegeu a humanidade por anos. O fato em si nunca importou, a nossa crença, sim. 

Até porque, quem foi conferir o que estaria causando tanto barulho, tem chances de não ter sobrevivido para contar história. Quem fala mais sobre isso é o professor de Psicologia social da crença da USP, Wellington Zagari. É difícil lutar contra milhares de anos de evolução, o que dá para fazer é controlar o instinto racionalmente. 

Enquanto isso, o canal do Seu Dinheiro está à sua disposição 

Em meio a essa guerra de realidades, o Seu Dinheiro também se “entrincheirou” no WhatsApp. No nosso canal, publicamos diariamente as notícias que mexem com o seu bolso, além de análises e entrevistas exclusivas. 

Clique aqui para participar e até a próxima! 

Compartilhe

DE OLHO NAS REDES

Quanto de mim e de você tem no ChatGPT? Como nossos dados viraram o novo petróleo desta revolução

23 de junho de 2024 - 9:06

“As rodas da máquina têm de girar constantemente, mas não podem fazê-lo se não houver quem cuide delas”. Na falta de um jeito original de começar a news desta semana, recorro ao ChatGPT para me fazer parecer mais sofisticada.  Oi, Chat! [digito educadamente na intenção de ser poupada caso as IAs tomem o poder] Quero […]

HISTÓRIA

Lula e Bolsonaro estavam errados sobre o Plano Real — e eles tinham um motivo para isso 30 anos atrás

4 de junho de 2024 - 6:19

Enquanto Bolsonaro votou contra o Plano Real em 1994, Lula disputava a presidência contra Fernando Henrique Cardoso

AUTOMÓVEIS

Os carros mais injustiçados do Brasil: 7 modelos de bons automóveis que andam empacados nas concessionárias — mas talvez não seja à toa

2 de junho de 2024 - 7:50

Esses carros são reconhecidamente bons produtos, mas vendem pouco; saiba quando (e se) vale a pena comprá-los

DE OLHO NAS REDES

Por que tem tanta gente burra nas redes sociais? Você provavelmente é o mais inteligente do seu círculo — qual é o problema oculto disso

26 de maio de 2024 - 8:00

Você provavelmente é mais inteligente entre seus círculo de conhecidos nas redes sociais. E aqui está o real motivo por trás disso

DE OLHO NAS REDES

Como nossos pais: o TikTok não está oferecendo nada além do ultrapassado — e os jovens adoram. Mas por que achamos que seria diferente? 

28 de abril de 2024 - 8:00

“Minha dor é perceber que apesar de termos feito tudo o que fizemos, ainda somos os mesmos e vivemos como os nossos pais”.  Talvez seja um pouco irônico começar um texto sobre nostalgia citando uma música que me foi ensinada pelo meu próprio pai — e que fala sobre conflitos geracionais… A proposta de hoje: […]

DE OLHO NAS REDES

O que o TikTok, Instagram e Facebook têm a ver com as guerras em Gaza e na Ucrânia

17 de março de 2024 - 8:25

Começo o texto desta semana com uma história que envolve o TikTok, Vladimir Putin e um jovem sub-astro da rede, filho de dois viciados em droga que perderam a guarda dele antes mesmo de seu primeiro aniversário.  O contexto que une esses personagens é a guerra na Ucrânia. O jovem em questão é Denys Kostev, […]

DE OLHO NAS REDES

Pesquisei como ganhar R$ 1 mil por mês sem trabalhar — e a resposta mais fácil não estava no Google e sim no TikTok  

17 de dezembro de 2023 - 8:00

Este texto não é sobre ganhar dinheiro, é sobre uma tendência

DE OLHO NAS REDES

Os bilionários piraram? Elon Musk e Mark Zuckerberg ameaçam brigar no ringue, mas tomam nocaute em suas redes sociais

27 de agosto de 2023 - 7:00

Os dois marcaram uma briga física, mas a batalha real é outra

Onde investir em 2023?

Onde investir no segundo semestre de 2023: veja melhores investimentos neste guia gratuito

21 de julho de 2023 - 15:01

Com desafios e oportunidades pela frente, o Seu Dinheiro reuniu as melhores oportunidades indicadas pelos especialistas em um guia exclusivo; baixe gratuitamente

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar