🔴 CHANCE DE MULTIPLICAR O INVESTIMENTO EM ATÉ 14,5X EM 8 DIAS? ENTENDA A PROPOSTA

Beatriz Azevedo
Beatriz Azevedo
Formada em jornalismo pela Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduanda em Comunicação Digital pela ESPM, Beatriz é responsável pelas redes sociais do Seu Dinheiro.
DE OLHO NAS REDES

O que o TikTok, Instagram e Facebook têm a ver com as guerras em Gaza e na Ucrânia

Beatriz Azevedo
Beatriz Azevedo
17 de março de 2024
8:25 - atualizado às 18:48
TikTok, Facebook, Instagram como soldados
Redes sociais e a guerra - Imagem: Montagem Beatriz Azevedo

Começo o texto desta semana com uma história que envolve o TikTok, Vladimir Putin e um jovem sub-astro da rede, filho de dois viciados em droga que perderam a guarda dele antes mesmo de seu primeiro aniversário. 

O contexto que une esses personagens é a guerra na Ucrânia. O jovem em questão é Denys Kostev, rosto que protagoniza uma propaganda pró-Rússia na qual branda: “a vitória será nossa”.  

Mas um detalhe chama a atenção: ele é ucraniano. 

Não só ucraniano, mas um micro influenciador que no início do conflito chegou a gravar vídeos virais para o TikTok em que literalmente xinga o presidente da Rússia e enaltece a coragem ucraniana

O resumo é que ele foi forçado a passar um tempo entre os russos e, quando retornou ao país natal, chegou a dizer que “o exército de Putin não é tão ruim assim” e que tinha nojo da bandeira da Ucrânia. 

A história, que você pode conferir completa neste podcast do The Wall Street Journal, é simbólica do assunto que trago para discussão hoje: o papel das redes sociais na construção de narrativas no ano das guerras. 

Eu não vou entrar no mérito da legitimidade em nenhuma das duas guerras em questão, até porque nem sou qualificada para falar sobre o assunto. 

  • Análises aprofundadas, relatórios e recomendações de investimentos, entrevistas com grandes players do mercado: tenha tudo isso na palma da sua mão, entrando em nossa comunidade gratuita no WhatsApp. Basta clicar aqui. 

A irmã gêmea de toda guerra e o papel do TikTok e Instagram nelas hoje

Toda guerra cria uma irmã gêmea que vive para outro tipo de conquista: a da mente. Seu campo de batalha é a mídia. 

Não seria diferente agora, quando o mundo inteiro assiste ao conflito na faixa de Gaza e na Ucrânia, que possivelmente são as primeiras guerras de grande escala na era das redes sociais. 

Desde o início da invasão russa, Volodymyr Zelensky, presidente da Ucrânia, mostrou que sabia bem jogar o jogo para conquistar a opinião pública nas redes sociais.  

Todos os dias ele faz pelo menos três publicações em seu Instagram e não precisa ser nenhum gênio em semiótica para entender a mensagem que as fotos querem passar para o mundo: a de um político herói que luta contra o mal russo

O ovo pode até ter vindo antes, mas a galinha é bem mais poderosa

Não é fácil justificar uma guerra, é preciso trabalhar para criar um inimigo factível que compense as perdas humanas e capitais que um conflito requer. 

É preciso promover crenças, pintar ideias, criar realidades e, principalmente, deturpar o inimigo. “Para conseguir matar, você precisa primeiro colocar uma coisa num lugar que antes não existia, onde antes tinha uma vida”, diz a personagem principal de The Handmaid 's Tale

Para isso, as nações precisam de propaganda ideológica, tópico sobre o qual tive a honra de estudar por seis meses com o professor da USP, Leandro Leonardo Batista, especialista no assunto. 

“O estudo da ideologia é, entre outras coisas, um exame das formas pelas quais as pessoas podem chegar a investir em sua própria infelicidade”, explica Terry Eagleton, intelectual inglês. 

Esse tipo de comunicação é uma forma distorcida de espalhar a realidade, combinando acontecimentos reais com mentiras. Ou seja, disfarçar a comunicação ideológica em algo do tipo: “deixe que os fatos falem por si mesmos”

Os Estados Unidos são um exemplo de como fazer isso com maestria. 

Durante a Segunda Guerra Mundial, eles usavam o cinema para produção de filmes com ideias favoráveis ao país dissolvidas em uma comunicação simplista e objetiva, com citação de fatos escolhidos a dedo — a exemplo do filme “Why we fight”

Claramente eles não foram os únicos: Alemanha, União Soviética e até mesmo o Brasil ficaram conhecidos por iniciativas do tipo. 

Meu ponto é: não é nenhuma novidade o que está sendo feito, a questão agora é a escala. E é aí que entram as redes sociais. 

Antes era preciso contar com uma cobertura jornalística potencialmente enviesada e um grande investimento em publicidade estatal para conseguir a legitimidade. Hoje, as mídias estão cheias de pseudoespecialistas e verdades mastigadas que disputam o controle da narrativa e tiram o domínio de discurso das nações. 

Ou seja, a propaganda ideológica até existia bem antes de Mark Zuckerberg dar escala global ao Facebook, mas ficou muito mais complexa (e poderosa) agora. 

Os seus monstros agora têm Instagram e TikTok — sejam eles quem forem

Há alguns meses, autoridades norte-americanas acusaram o TikTok de estar promovendo conteúdos pró-Palestina na plataforma. Segundo eles, o número de vídeos com a hashtag #freepalestine é dramaticamente maior do que aqueles com #standwithisrael.

A acusação é a de que a “rede social estaria sendo usada pela China como uma máquina de propaganda para influenciar os americanos”. Eu já falei sobre como as redes sociais são centrais na batalha silenciosa entre EUA e China neste texto

A resposta do TikTok foi, em linhas gerais: “não é o algoritmo, grande parte dos jovens simplesmente são pró-Palestina”. 

E os dados corroboram, pois tanto no Instagram, quanto no Facebook, as hashtags favoráveis à Palestina também são mais citadas do que o contrário, de acordo com dados do The Washington Post. 

Esse episódio ajuda a mostrar como as redes sociais mexem com as dinâmicas de poder quando o assunto é a comunicação ideológica. 

Basicamente, qualquer pessoa pode ter escala o suficiente para propagar uma mensagem contra seus inimigos, buscando criar legitimidade para sua própria causa — e nem é mais preciso atear fogo em si mesmo para conseguir a atenção global, como na Primavera Árabe

Agora todos têm uma máquina de comunicação em massa na mão. 

Isso tem seu lado bom, mas pode também ser um território bem delicado — até perigoso… 

Há alguns meses, os Houthis têm causado grandes turbulências no Oriente Médio com ataques ao Mar Vermelho que mexem com a cadeia global de petróleo. Você pode entender mais sobre isso aqui e aqui

Acontece que o grupo terrorista está usando as redes sociais para espalhar sua mensagem para o mundo, no que o New York Times chama de “incrivelmente robusto aparato de propaganda de guerra”. 

Eu não diria robusto, são ‘apenas’ redes sociais. Eles produzem vídeos musicais, músicas, poemas e etc. Em resumo, são bem ativos nas redes — especialmente no X e TikTok

Isso tem se tornado uma ferramenta bem importante. “O que os Houthis capturam nesses vídeos são formas de pressionar Israel e os aliados a pôr fim na guerra”, diz Michael Barbado, apresentador do podcast The Daily, do NY Times. 

Eles já fizeram até enquetes perguntando se as pessoas estariam do lado “do genocídio norte-americano” ou dos corajosos que estão lutando contra isso. 

É a velha história do mocinho contra o vilão

Não dá para esquecer que o deus das redes sociais é o engajamento, não a informação correta  e aprofundada. 

Ou seja, é muito mais fácil publicar coisas com grande apelo emocional, que claramente define quem são os bonzinhos e os malvados, do que realmente se propor a qualquer aprofundamento em questões tão complexas como a guerra. 

Vídeo de explosões, ataques, frases hiper simplificadas sobre a guerra em Gaza é o que mais vejo hoje nas minhas redes. O que pode ser um problema. 

É uma tarefa impossível pegar algo tão cheio de nuances e tão complicado e transformá-lo em algo simples o suficiente para ser digerido rapidamente.

“Em um mundo de mídia social, o impulso é chegar a uma conclusão com base em suas emoções e compartilhá-la com o mundo da maneira mais rápida e feroz possível”, diz o professor Ken Paulson ao Business Insider. 

São períodos sombrios… 

Enquanto isso, o Seu Dinheiro segue nas redes sociais

Ao que parece, a resposta para esse ‘problema de amplificação’ que as redes sociais trouxeram é acompanhar conteúdos isentos e de qualidade. 

Por isso, o Seu Dinheiro está em todas as redes sociais todos os dias, publicando conteúdo que realmente importa para o seu bolso. Tudo feito pela nossa equipe especial de jornalistas. 

Conheça-nos pelo Youtube e já se inscreva no nosso canal para receber alertas sempre que postarmos algo por lá. Basta clicar aqui. 

VEJA TAMBÉM - BITCOIN A US$ 80 MIL? AS 3 PERGUNTAS MAIS IMPORTANTES SOBRE O BTC RESPONDIDAS

Compartilhe

DE OLHO NAS REDES

Quanto de mim e de você tem no ChatGPT? Como nossos dados viraram o novo petróleo desta revolução

23 de junho de 2024 - 9:06

“As rodas da máquina têm de girar constantemente, mas não podem fazê-lo se não houver quem cuide delas”. Na falta de um jeito original de começar a news desta semana, recorro ao ChatGPT para me fazer parecer mais sofisticada.  Oi, Chat! [digito educadamente na intenção de ser poupada caso as IAs tomem o poder] Quero […]

HISTÓRIA

Lula e Bolsonaro estavam errados sobre o Plano Real — e eles tinham um motivo para isso 30 anos atrás

4 de junho de 2024 - 6:19

Enquanto Bolsonaro votou contra o Plano Real em 1994, Lula disputava a presidência contra Fernando Henrique Cardoso

AUTOMÓVEIS

Os carros mais injustiçados do Brasil: 7 modelos de bons automóveis que andam empacados nas concessionárias — mas talvez não seja à toa

2 de junho de 2024 - 7:50

Esses carros são reconhecidamente bons produtos, mas vendem pouco; saiba quando (e se) vale a pena comprá-los

DE OLHO NAS REDES

Por que tem tanta gente burra nas redes sociais? Você provavelmente é o mais inteligente do seu círculo — qual é o problema oculto disso

26 de maio de 2024 - 8:00

Você provavelmente é mais inteligente entre seus círculo de conhecidos nas redes sociais. E aqui está o real motivo por trás disso

DE OLHO NAS REDES

Como nossos pais: o TikTok não está oferecendo nada além do ultrapassado — e os jovens adoram. Mas por que achamos que seria diferente? 

28 de abril de 2024 - 8:00

“Minha dor é perceber que apesar de termos feito tudo o que fizemos, ainda somos os mesmos e vivemos como os nossos pais”.  Talvez seja um pouco irônico começar um texto sobre nostalgia citando uma música que me foi ensinada pelo meu próprio pai — e que fala sobre conflitos geracionais… A proposta de hoje: […]

DE OLHO NAS REDES

Pesquisei como ganhar R$ 1 mil por mês sem trabalhar — e a resposta mais fácil não estava no Google e sim no TikTok  

17 de dezembro de 2023 - 8:00

Este texto não é sobre ganhar dinheiro, é sobre uma tendência

DE OLHO NAS REDES

O WhatsApp criou mais um arma para espalhar mentiras ou os canais ajudam a quebrar o monopólio do “tio do zap”? 

22 de outubro de 2023 - 9:30

“Ah, é aquela rede social de gente mentirosa”, é o que eu ouço do meu avô de 91 anos ao tentar explicar o que é o Telegram. Assíduo espectador de noticiários, ele se referia não só às vezes em que a plataforma russa teve problemas com a Justiça brasileira, mas também ao seu conhecido uso […]

DE OLHO NAS REDES

Os bilionários piraram? Elon Musk e Mark Zuckerberg ameaçam brigar no ringue, mas tomam nocaute em suas redes sociais

27 de agosto de 2023 - 7:00

Os dois marcaram uma briga física, mas a batalha real é outra

Onde investir em 2023?

Onde investir no segundo semestre de 2023: veja melhores investimentos neste guia gratuito

21 de julho de 2023 - 15:01

Com desafios e oportunidades pela frente, o Seu Dinheiro reuniu as melhores oportunidades indicadas pelos especialistas em um guia exclusivo; baixe gratuitamente

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar