🔴 CHANCE DE MULTIPLICAR O INVESTIMENTO EM ATÉ 14,5X EM 8 DIAS? ENTENDA A PROPOSTA

Beatriz Azevedo
Beatriz Azevedo
Formada em jornalismo pela Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduanda em Comunicação Digital pela ESPM, Beatriz é responsável pelas redes sociais do Seu Dinheiro.
DE OLHO NAS REDES

Como nossos pais: o TikTok não está oferecendo nada além do ultrapassado — e os jovens adoram. Mas por que achamos que seria diferente? 

Beatriz Azevedo
Beatriz Azevedo
28 de abril de 2024
8:00 - atualizado às 10:54
Série Sex and the City
Série Sex and the City - Imagem: Reprodução: HBO

“Minha dor é perceber que apesar de termos feito tudo o que fizemos, ainda somos os mesmos e vivemos como os nossos pais”. 

Talvez seja um pouco irônico começar um texto sobre nostalgia citando uma música que me foi ensinada pelo meu próprio pai — e que fala sobre conflitos geracionais…

A proposta de hoje: por que tem tanta coisa antiga bombando nas redes sociais de uns tempos para cá? Músicas, filmes, séries, roupas, ideias…

Claro que a natureza pendular da história explica, em partes, o que está acontecendo. Afinal, o passado sempre parece estar em alta, não importa a geração.   

Mas me parece uma contradição: justo na era do Tiktok, quando meses separam o velho do novo e segundos são o bastante para ficarmos impacientes, por que as pessoas estão buscando alguma coisa logo nele…o antigo? E pior: uma versão requintada.

Minha hipótese passa por outra letra de um clássico: “talvez eu seja simplesmente como um sapato velho, mas ainda sirvo se você quiser… basta você me calçar e eu aqueço o frio dos seus pés”. 

Resumindo: o novo cansa demais, gostoso mesmo é nos acolher no conforto do que já conhecemos. 

TikTok também quer um sapatinho velho 

Há umas duas semanas, eu ouvi da minha irmã de 18 anos que logo eu estaria “velha”, afinal depois dos 25 anos é só ladeira abaixo. Eu tenho 23. 

Na mesma semana, ela me falou que iria começar a ver uma série que está bombando no TikTok: Sex and The City, que de fato é um hit… de 1998. 

A série tem bombado: picos de buscas no Google e TikTok mostram isso — com áudios e mais áudios da icônica Carrie Bradshaw chorando as pitangas pelo Mr. Big.

Tanto é que, antes mesmo da produção entrar para o catálogo da Netflix, Selena Gomez saiu do hiato musical para lançar uma canção lotada de referências à série. Olivia Rodrigo, outra queridinha dos jovens, fez um show com o nome da protagonista em uma camiseta. 

Eu mesma já assisti a série pelo menos três vezes nos últimos 12 meses (enquanto a lista de novas coisas só cresce rs). 

O interesse está se renovando, a última vez que as pesquisas foram tão altas, eu tinha quatro anos de idade. 

Na música, essa nostalgia anda até mais forte. E isso — como mostra uma reportagem do New York Times — pode estar destruindo nosso ecossistema musical hoje. 

Basicamente: o que está acontecendo é que companhias de investimentos estão comprando a rodo os direitos musicais de artistas consolidados e lucrando com a ressurreição dos hits nas redes sociais. 

Empresas como Primary Wave, Carlyle e Blackstone estão por trás desses grandes negócios. Os investidores gastaram US$ 12 bilhões em direitos musicais apenas em 2021 comprando sucessos da década de 2010 de Shakira, Justin Bieber, Justin Timberlake e Katy Perry.   

Isso significa que a estratégia de trazer o passado dos mortos à moda faz parte de uma indústria bilionária. Ou seja, dá certo. 

O que foi a turnê multimilionária da Taylor Swift, a The Eras Tour, além de um limbo dos hits esquecidos em 2010? 

No Brasil não é diferente. O grande sucesso do carnaval de 2023 é uma amostra: a letra de “lovezinho” nada mais é do que uma releitura do clássico Say it Right, da Nelly Furtado, de 2006. 

Os Tribalistas que o digam. A música “Já sei namorar”, que neste ano completa duas décadas, ganhou uma versão ‘proibidona’ que está bombando no TikTok, o nome é “Não vou namorar”. Ouça por sua conta em risco.

Esses são só alguns exemplos, o que mais tem na internet hoje em dia é hit dos anos 2000 voltando em alguma releitura em português. 

Quanto à moda: nunca achei que meus piores pesadelos de criança sairiam rastejando do armário. 

Sapatilhas (pelo amor de Deus), calças de cós baixo, vestidos justos demais, blusas e vestidos ‘tomara que caia’, gloss e todo pacote que qualquer mulher precisa para sair de casa no filme O Diabo Veste Prada. 

Tudo de volta — até a câmera cybershot e o fumar em público.  

Nem ideias foram poupadas… quem diria que voltaria ser cool tentar convencer mulheres de que a melhor coisa que elas poderiam fazer na vida é depender financeiramente do marido? 

Pois é, só dar uma voltinha por lá e você vai achar muuuitos vídeos de mulheres falando o quão felizes estão depois de deixaram de trabalhar para fazer sorvete artesanal para a família. 

Na parede da memória, essa lembrança é o quadro que dói… menos

Existem algumas explicações para esse fenômeno, mas acredito que haja uma linha principal. 

Em um mundo no qual ficar duas horas longe das redes sociais pode te fazer ficar de fora dos assuntos, com cada vez mais e mais conteúdo a ser consumido — pelo amor de Deus, são mais de 400 horas de vídeo publicados por minuto no YouTube todos os dias —  nós nos sentimos cada vez mais deslocados…

Assim, o mundo fica cada vez mais difícil de entender. Talvez seja mais simples e confortável voltar alguns passos e procurar alento. 

Lembranças são nosso túnel do tempo. 

“Em geral, quando você se lembra de algum fato, as áreas cerebrais que se ativam são relacionadas às mesmas que se ativaram quando você viveu aquela experiência, que pode incluir o visual, o auditivo, o olfativo, o prazer ou o desprazer que aquela situação te deu”, explica a neurologista Sonia Maria Dozzia Brucki para o Uol. 

Lembrando da nossa tendência de olhar sempre para o passado amigavelmente, facilmente podemos associar determinada música, série, filme ou estilo de vida a “tempos mais fáceis”, como costumam dizer no X. 

Ou seja, aquilo te transporta, mesmo inconscientemente, para outros tempos — e pode ser por isso que nós estamos revivendo os anos 2000, assim como as gerações anteriores resgataram suas memórias das décadas passadas, mesmo sem o auxílio das redes sociais. 

Aliás, dá para ver que as minhas lembranças são de uma tradicional Gen Z, mas e quando a você: o que desperta suas memórias mais felizes? 

Mas o Seu Dinheiro sempre estará no presente

Mesmo diante das tendências, o Seu Dinheiro está nas redes sociais com a promessa de sempre trazer as notícias e análises mais quentes sobre tudo o que realmente importa para o seu bolso. 

No YouTube, diariamente publicamos vídeos com conteúdos aprofundados que te ajudam a  tomar as melhores decisões para seu patrimônio. Fica o convite para se inscrever por lá.

Até mais e bom domingo. 

Compartilhe

DE OLHO NAS REDES

Quanto de mim e de você tem no ChatGPT? Como nossos dados viraram o novo petróleo desta revolução

23 de junho de 2024 - 9:06

“As rodas da máquina têm de girar constantemente, mas não podem fazê-lo se não houver quem cuide delas”. Na falta de um jeito original de começar a news desta semana, recorro ao ChatGPT para me fazer parecer mais sofisticada.  Oi, Chat! [digito educadamente na intenção de ser poupada caso as IAs tomem o poder] Quero […]

HISTÓRIA

Lula e Bolsonaro estavam errados sobre o Plano Real — e eles tinham um motivo para isso 30 anos atrás

4 de junho de 2024 - 6:19

Enquanto Bolsonaro votou contra o Plano Real em 1994, Lula disputava a presidência contra Fernando Henrique Cardoso

AUTOMÓVEIS

Os carros mais injustiçados do Brasil: 7 modelos de bons automóveis que andam empacados nas concessionárias — mas talvez não seja à toa

2 de junho de 2024 - 7:50

Esses carros são reconhecidamente bons produtos, mas vendem pouco; saiba quando (e se) vale a pena comprá-los

DE OLHO NAS REDES

Por que tem tanta gente burra nas redes sociais? Você provavelmente é o mais inteligente do seu círculo — qual é o problema oculto disso

26 de maio de 2024 - 8:00

Você provavelmente é mais inteligente entre seus círculo de conhecidos nas redes sociais. E aqui está o real motivo por trás disso

DE OLHO NAS REDES

O que o TikTok, Instagram e Facebook têm a ver com as guerras em Gaza e na Ucrânia

17 de março de 2024 - 8:25

Começo o texto desta semana com uma história que envolve o TikTok, Vladimir Putin e um jovem sub-astro da rede, filho de dois viciados em droga que perderam a guarda dele antes mesmo de seu primeiro aniversário.  O contexto que une esses personagens é a guerra na Ucrânia. O jovem em questão é Denys Kostev, […]

DE OLHO NAS REDES

Pesquisei como ganhar R$ 1 mil por mês sem trabalhar — e a resposta mais fácil não estava no Google e sim no TikTok  

17 de dezembro de 2023 - 8:00

Este texto não é sobre ganhar dinheiro, é sobre uma tendência

DE OLHO NAS REDES

O WhatsApp criou mais um arma para espalhar mentiras ou os canais ajudam a quebrar o monopólio do “tio do zap”? 

22 de outubro de 2023 - 9:30

“Ah, é aquela rede social de gente mentirosa”, é o que eu ouço do meu avô de 91 anos ao tentar explicar o que é o Telegram. Assíduo espectador de noticiários, ele se referia não só às vezes em que a plataforma russa teve problemas com a Justiça brasileira, mas também ao seu conhecido uso […]

DE OLHO NAS REDES

Os bilionários piraram? Elon Musk e Mark Zuckerberg ameaçam brigar no ringue, mas tomam nocaute em suas redes sociais

27 de agosto de 2023 - 7:00

Os dois marcaram uma briga física, mas a batalha real é outra

Onde investir em 2023?

Onde investir no segundo semestre de 2023: veja melhores investimentos neste guia gratuito

21 de julho de 2023 - 15:01

Com desafios e oportunidades pela frente, o Seu Dinheiro reuniu as melhores oportunidades indicadas pelos especialistas em um guia exclusivo; baixe gratuitamente

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar