🔴 CHANCE DE MULTIPLICAR O INVESTIMENTO EM ATÉ 14,5X EM 8 DIAS? ENTENDA A PROPOSTA

Beatriz Azevedo
Beatriz Azevedo
Formada em jornalismo pela Universidade de São Paulo (USP) e pós-graduanda em Comunicação Digital pela ESPM, Beatriz é responsável pelas redes sociais do Seu Dinheiro.
DE OLHO NAS REDES

A morte da internet, o caso Choquei e o crime sem solução: o que Trump tem a ver com isso — e os desafios para redes em 2024

Você pode sair deste texto preocupado…

Beatriz Azevedo
Beatriz Azevedo
14 de janeiro de 2024
8:00 - atualizado às 9:12
Trump ao lado do logo da Choquei
Imagem: Montagem Seu Dinheiro com imagens Agência Brasil e reprodução.

O ano era 2010. Eu aproveitava minhas tardes depois da escola como qualquer outra criança comum de dez anos: lendo a revista Capricho, vendo Hannah Montana e interagindo no Orkut

Na época, acredite ou não, as pessoas se juntavam em grandes grupos nas redes para direcionar seu ódio a coisas bobas, como “acordar cedo”, ou apenas para declarar seu amor à ouvir músicas no volume máximo. 

Algoritmos? Desconheço. Likes? Nada disso. Se eu desligasse o computador, tudo ia embora na hora. 

Você já sentiu como se essa certa leveza inicial das redes sociais tivesse desaparecido? Como se aquele primeiro significado tivesse sido roubado num crime que permaneceu sem solução — ou nem sequer foi importante o suficiente para ser investigado? 

Eu sinceramente não sentia … até começar a escrever este texto. 

Minha intenção hoje é tentar entender o que enfrentaremos em 2024 nas redes sociais. O que de novo vem por aí? É bom ou ruim? Quais assuntos vão dominar as plataformas?. 

Afinal, estamos em um mundo online sobre o qual não entendemos muita coisa, mas que nos enche de certezas.

01.  A voz dos influenciadores é a nova voz de Deus? 

Eu até tentei fugir desse assunto, acreditem. Até porque é um dos temas mais cabulosos e cheios de ruídos que existe nas redes hoje: o marketing de influência. 

O papo veio à tona em meio à confusão envolvendo páginas de fofoca. O caso da Choquei, que divulgou informações falsas que acabaram motivando o suicídio da jovem Jéssica Canedo, foi um deles. 

Houve também a polêmica dos golpes da Blaze, divulgada pelo Fantástico, em que influenciadores motivaram seu público a apostar e muitos perderam dinheiro. Se eu fosse entrar no detalhe dos dois, este texto só falaria disso. 

Então o foco desse tópico é a estratégia em si. A pergunta a ser respondida é: a voz dos influencers é a nova voz de Deus

O manual é simples: se algo precisa cair na boca do povo, é só chamar os influenciadores. Com milhões e milhões de seguidores unidos, eles conseguem viralizar assunto X ou Y. Isso existe desde os primórdios das redes sociais. Nada de novo sob o sol. 

Mas a pergunta agora é: até que ponto essas pessoas são capazes de mudar nossa percepção da realidade? 

Se muitos influencers falam sobre uma coisa, parece que o mundo inteiro está falando sobre isso. Como filtrar o que realmente faz sentido quando alguém em quem você confia faz propagandas de coisas que podem efetivamente causar impacto negativo na sua vida? 

Até porque esse é justamente o apelo de um influencer, usar as redes sociais para te fazer sentir como se ele estivesse próximo, como se fosse acessível. Diferente, por exemplo, da televisão, que cria uma certa hierarquia entre astro e espectador. 

Outra pergunta: os assuntos que bombam realmente são espontâneos ou fazem parte de uma estratégia de marketing? Quem ganha com o buzz gerado? Fora isso: o que impede que perfis como o Choquei causem mais estragos irreparáveis? 

A França já percebeu esse problema e criou, no ano passado, uma lei para regular a profissão de influenciador e conter abusos — como a promoção de remédios que fazem mal à saúde, jogos de aposta e etc, etc. 

A pena é de dois anos de prisão mais multa de 300 mil euros (cerca de R$ 1,6 milhão na cotação atual).  

E, enquanto o país europeu tem meros 150 mil influencers, o Brasil tem 500 mil, de acordo com uma pesquisa da Nielsen. Eles se igualam ao contingente de médicos e superam os engenheiros civis. 

Quando será nossa vez de colocar as rédeas?

02. A morte da internet e o próximo emprego a ser roubado pelo ChatGPT

O Seu Dinheiro recebe comentários assim em todas as publicações. Seja no YouTube ou no Instagram, eles estão sempre lá: os bots. Aposto que você também recebe muitas mensagens assim. 

A presença massiva desses robozinhos mais o avanço da inteligência artificial (IA) trouxeram de volta à vida a teoria da Internet morta, que basicamente parecia ser muito radical há algum tempo, mas agora parece ganhar contornos bem factíveis.  

Basicamente, a tese prevê que a internet seria toda dominada por IA e bots e que não existiria mais espaço para interações reais. Como uma boa teoria da conspiração, temos que deixar de lado algumas coisas. 

Mas, para Diogo Cortiz, PhD em tecnologias da Inteligência e Design Digital pela Université Paris I - Sorbonne, é inegável que a ‘previsão’ tem se aproximado cada vez mais da realidade com o avanço da IA. 

“A web como a conhecemos pode não estar morta, mas está se transformando. E essa transformação desafia o nosso entendimento do que ela representa e suas consequências para a humanidade e as próprias máquinas”, explica em um texto para o UOL. 

Um dos sinais que apontam para isso é a quantidade de portais que publicam conteúdo cem por cento feito pela inteligência artificial. O número saltou de 49, em meados de maio do ano passado, para 634 no mundo todo, de acordo com o News Guard, ferramenta que monitora a desinformação.  

Tudo isso para ganhar dinheiro por meio de mídia programática — aquela na qual sites faturam veiculando anúncios promovidos pelo Google

“Mais de uma centena de empresas pagam, sem saber, para aparecer em sites controlados por robôs”, explica o físico Pedro Loos, em seu vídeo sobre a teoria da Internet morta, por onde eu fiquei sabendo sobre o tema. 

Para Timothy Shoup, do Instituto de Estudos do Futuro de Kopenhagen, a estimativa é de que, até 2030, mais de 99% vai ser gerado por inteligência artificial. 

E se você acha que estou exagerando, receba este dado: cerca de 64% do tráfego da internet hoje em dia já é gerado por robôs, de acordo com a Barracuda Networks, uma das maiores empresas de segurança de dados dos EUA. O relatório está aqui

E não é só minha profissão (jornalista) que corre risco. 

Até os influenciadores podem ser substituídos pela IA, já que os influencers digitais (figuras que não existem, mas atuam como se o fizessem nas redes)  são cada vez mais parte da nossa realidade, como eu explico aqui e aqui

Até o Elon Musk parece bem preocupado com isso, tanto que quase melou as negociações de compra do falecido Twitter por não saber a quantidade de bots por lá.

Nas redes o impacto chega na artificialidade das interações e engajamento. A questão é: como saber se você está impactando pessoas reais? 

E outra: como descobrir se os assuntos não estão sendo impulsionados por IA para atingir mais pessoas, com objetivos específicos (como política)? Está aí uma discussão que conseguiu alugar um baita triplex na minha cabeça…

Basicamente, tanto o primeiro quanto o segundo tópico baseiam a teoria de que as redes sociais estão menos sociais. 

Quando a influência pode ser comprada e o engajamento é falso, o que sobra de nós nas redes? Nos reservam apenas o direito de sermos influenciados. 

Assim, entramos no terceiro (e último) ponto desta análise.

03. As eleições Trump (e as outras também)

Em 2024, acontecerão as eleições na chamada maior democracia do mundo, os Estados Unidos. Se não for impedido pelos tribunais, Donald Trump provavelmente concorrerá com Joe Biden, numa disputa que replica 2020, mas que pode ter outro vencedor. 

O empresário que pode expulsar quem o expulsou da Casa Branca já esteve envolvido num escândalo sobre o uso de dados do Facebook para influenciar o resultado das eleições de 2016 por lá.  

A campanha de Trump foi acusada de trabalhar com a Cambridge Analytica, que à época era presidida por Steve Bannon, para tentar garantir a vitória. 

Eu não falei do Biden pois não há nada que indique que ele usou de mecanismos obscuros para se beneficiar na corrida de 2020, mas fique à vontade para me contestar. 

O ponto é: o que garante que, agora que estão muito mais evoluídos, esses mecanismos não vão influenciar significativamente o processo eleitoral no mundo inteiro? 

E como ter certeza de que esses candidatos, que já usaram isso a seu favor, não o farão novamente? E qual será o papel das redes, do jeito que estão se desenhando cada vez mais complexas e influentes, na própria democracia ao redor do mundo

Eu também já escrevi sobre o papel das redes em processos eleitorais no Brasil aqui e aqui e tenho certeza que esse será um dos principais assuntos nessa seara para 2024 – e eu terei que atualizar os conteúdos, porque as coisas estão mudando rápido… 

Mas o Seu Dinheiro persiste

Como de costume, faço o convite para você nos seguir no Instagram (só clicar aqui) e se inscrever no nosso canal do YouTube (cá está)

Afinal, em uma internet que caminha para conteúdos produzidos artificialmente e com pouca profundidade, nós trabalhamos diariamente para trazer tudo o que realmente importa para o seu bolso. 

Não somos negacionistas da revolução que a inteligência artificial pode trazer. 

Mas em meio a tanta confusão, saber quem está por trás dos assuntos que você consome faz grande diferença e você pode ver nossa carinha todos os dias pelo YouTube.

Compartilhe

DE OLHO NAS REDES

Quanto de mim e de você tem no ChatGPT? Como nossos dados viraram o novo petróleo desta revolução

23 de junho de 2024 - 9:06

“As rodas da máquina têm de girar constantemente, mas não podem fazê-lo se não houver quem cuide delas”. Na falta de um jeito original de começar a news desta semana, recorro ao ChatGPT para me fazer parecer mais sofisticada.  Oi, Chat! [digito educadamente na intenção de ser poupada caso as IAs tomem o poder] Quero […]

HISTÓRIA

Lula e Bolsonaro estavam errados sobre o Plano Real — e eles tinham um motivo para isso 30 anos atrás

4 de junho de 2024 - 6:19

Enquanto Bolsonaro votou contra o Plano Real em 1994, Lula disputava a presidência contra Fernando Henrique Cardoso

AUTOMÓVEIS

Os carros mais injustiçados do Brasil: 7 modelos de bons automóveis que andam empacados nas concessionárias — mas talvez não seja à toa

2 de junho de 2024 - 7:50

Esses carros são reconhecidamente bons produtos, mas vendem pouco; saiba quando (e se) vale a pena comprá-los

DE OLHO NAS REDES

Por que tem tanta gente burra nas redes sociais? Você provavelmente é o mais inteligente do seu círculo — qual é o problema oculto disso

26 de maio de 2024 - 8:00

Você provavelmente é mais inteligente entre seus círculo de conhecidos nas redes sociais. E aqui está o real motivo por trás disso

DE OLHO NAS REDES

Como nossos pais: o TikTok não está oferecendo nada além do ultrapassado — e os jovens adoram. Mas por que achamos que seria diferente? 

28 de abril de 2024 - 8:00

“Minha dor é perceber que apesar de termos feito tudo o que fizemos, ainda somos os mesmos e vivemos como os nossos pais”.  Talvez seja um pouco irônico começar um texto sobre nostalgia citando uma música que me foi ensinada pelo meu próprio pai — e que fala sobre conflitos geracionais… A proposta de hoje: […]

DE OLHO NAS REDES

O que o TikTok, Instagram e Facebook têm a ver com as guerras em Gaza e na Ucrânia

17 de março de 2024 - 8:25

Começo o texto desta semana com uma história que envolve o TikTok, Vladimir Putin e um jovem sub-astro da rede, filho de dois viciados em droga que perderam a guarda dele antes mesmo de seu primeiro aniversário.  O contexto que une esses personagens é a guerra na Ucrânia. O jovem em questão é Denys Kostev, […]

DE OLHO NAS REDES

Pesquisei como ganhar R$ 1 mil por mês sem trabalhar — e a resposta mais fácil não estava no Google e sim no TikTok  

17 de dezembro de 2023 - 8:00

Este texto não é sobre ganhar dinheiro, é sobre uma tendência

DE OLHO NAS REDES

O WhatsApp criou mais um arma para espalhar mentiras ou os canais ajudam a quebrar o monopólio do “tio do zap”? 

22 de outubro de 2023 - 9:30

“Ah, é aquela rede social de gente mentirosa”, é o que eu ouço do meu avô de 91 anos ao tentar explicar o que é o Telegram. Assíduo espectador de noticiários, ele se referia não só às vezes em que a plataforma russa teve problemas com a Justiça brasileira, mas também ao seu conhecido uso […]

DE OLHO NAS REDES

Os bilionários piraram? Elon Musk e Mark Zuckerberg ameaçam brigar no ringue, mas tomam nocaute em suas redes sociais

27 de agosto de 2023 - 7:00

Os dois marcaram uma briga física, mas a batalha real é outra

Onde investir em 2023?

Onde investir no segundo semestre de 2023: veja melhores investimentos neste guia gratuito

21 de julho de 2023 - 15:01

Com desafios e oportunidades pela frente, o Seu Dinheiro reuniu as melhores oportunidades indicadas pelos especialistas em um guia exclusivo; baixe gratuitamente

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar