🔴 META: ATÉ R$ 3.000 POR DIA COM 2 OPERAÇÕES – CONHEÇA O INDICADOR X

Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Plataformas de investimento

XP e Modal ‘juntos e separados’: o que está por trás da compra e o que muda para o investidor

Na guerra das plataformas de investimento, XP pagou barato e ainda eliminou um concorrente ao comprar o Modal por um valor equivalente a R$ 3 bilhões

Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
7 de janeiro de 2022
15:03 - atualizado às 20:44
modalmais cartão
Modal seguirá operando de forma independente da XP Imagem: Divulgação

A XP conquistou um território estratégico na guerra das plataformas de investimentos com a compra do Banco Modal, dono da modalmais, anunciada nesta sexta-feira.

O Modal foi uma das instituições que se aventuraram na trilha aberta pela própria XP, pioneira e líder entre as plataformas fora dos grandes bancos.

No anúncio do negócio, inclusive, XP e Modal procuraram ressaltar que os bancões continuam sendo os grandes inimigos a serem batidos. Afinal é neles onde ainda mora a maior parte do dinheiro dos brasileiros.

XP pagou barato pelo Modal

A venda do Modal acontece menos de um ano depois de a plataforma de investimentos e banco digital captar R$ 1 bilhão em uma oferta pública inicial de ações (IPO) na B3.

A XP vai usar como moeda as próprias ações e emitir 19,5 milhões de papéis para incorporar o concorrente. E a primeira conclusão a que podemos chegar é que a corretora pagou barato — ao menos relativamente.

Isso porque os múltiplos usados para avaliar o Modal foram menores que os da própria XP, de acordo com a apresentação feita pela companhia a analistas.

Quando convertemos o valor das ações da XP — que é listada na bolsa norte-americana Nasdaq — levando em conta a cotação de fechamento ontem (US$ 27,09) e do dólar (R$ 5,68), chegamos a uma avaliação de R$ 3 bilhões pelo Modal.

O valor representa um prêmio de mais de 50% em relação ao valor de mercado do Modal ontem na B3. Não por acaso, os certificados de ações (units) do banco (MODL11) dispararam 44,91% nesta sexta-feira na bolsa, cotados a R$ 12,10.

Essa pode ser uma ótima notícia para quem eventualmente comprou MODL11 na bolsa ontem. Mas esse valor ainda segue bem abaixo do preço que os investidores pagaram no IPO. Apesar da alta de hoje, os papéis seguem 35% abaixo da cotação de estreia na B3.

“Não estamos vendendo, estamos nos juntando à XP”, afirmou Cristiano Ayres, CEO do Modal, ao ser questionado por um analista das razões para o negócio antes que os resultados do IPO da plataforma pudessem se materializar.

Os trâmites da operação, que ainda precisa ser aprovada pelos acionistas minoritários e pelos órgãos reguladores, devem levar até 15 meses. Até lá, a tendência é que as ações do Modal andem junto com as da XP.

Após a troca de ações, os acionistas do Modal terão uma participação de 3,49% no capital da XP, e Ayres assume um assento no comitê executivo da corretora. Mas antes disso o Modal pretende converter todas as ações preferenciais em ordinárias e migrar para o Novo Mercado da B3.

O que está por trás do negócio

A compra do Modal acontece em um momento mais delicado para as plataformas de investimento. Isso porque a alta da taxa básica de juros (Selic) desacelera a tese do "financial deepening" — ou seja, o movimento de migração dos investidores para produtos com foco em maior retorno e risco fora da prateleira dos grandes bancos.

Ainda que a briga de verdade seja com os bancões, as plataformas acabam competindo entre si e também com os novos bancos digitais como Nubank e Inter. O negócio com o Modal, portanto, elimina um concorrente direto pelo dinheiro dos investidores.

No pregão de hoje, as ações da XP reagiram em alta de 2,40% na Nasdaq, mas acumulam uma queda de mais de 30% nos últimos 12 meses.

XP e Modal: juntos e separados

No fim de setembro, o Modal contava com R$ 30,4 bilhões em ativos sob custódia e pouco mais de 500 mil clientes ativos. Se você é um deles, saiba que nada muda agora e provavelmente nem depois da conclusão do negócio.

O Modal deve se transformar em uma quarta marca sob o guarda-chuva da XP, que também é dona das corretoras Rico e Clear.

As empresas vão continuar a atuar de forma separada e mesmo assim conseguirão capturar as sinergias típicas de uma fusão, segundo Thiago Maffra, CEO da XP.

Leia também:

Compartilhe

Internacionalização

Práticas e acessíveis, contas em dólar podem reduzir custo do câmbio em até 8%; saiba se são seguras e para quem são indicadas

9 de setembro de 2022 - 6:30

Contas globais em moeda estrangeira funcionam como contas-correntes com cartão de débito e ainda oferecem cotação mais barata que compra de papel-moeda ou cartão pré-pago. Saiba se são para você

Valuation

BofA dá sinal verde para BTG (BPAC11) e recomenda compra do papel. Mas XP segue no amarelo

6 de setembro de 2022 - 16:27

Para o BofA, o BTG pactual está bem posicionado para apresentar resultados financeiros fortes nos próximos anos

ANOTE NO CALENDÁRIO

Atenção, investidor: Confira como fica o funcionamento da B3 e dos bancos durante o feriado de 7 de setembro

6 de setembro de 2022 - 11:29

Não haverá negociações na bolsa nesta quarta-feira. Isso inclui os mercados de renda variável, renda fixa privada, ETFs de renda fixa e de derivativos listados

Recadinho

Indireta para o Nubank? Itaú diz que “é muito fácil crescer oferecendo preços baixos e subsidiados para atrair clientes”

1 de setembro de 2022 - 10:43

Executivos do Itaú avaliam que alta dos juros tem feito os problemas dos grandes bancos se estenderem à nova concorrência

ARRUMANDO A CASA

Itaú (ITUB4) vai propor reorganização societária aos acionistas; banco deve assumir parte das atividades do Itaucard

31 de agosto de 2022 - 19:55

Segundo a instituição financeira, a reorganização faz parte da estratégia de “racionalização do uso dos recursos e otimização das
estruturas e negócios”

MUDANÇAS

Banco Bmg (BMGB4) faz reorganização societária e cria nova área de seguros

31 de agosto de 2022 - 10:22

Bmg (BMGB4) também anunciou a criação de uma nova holding chamada Bmg Seguradoras, que será subsidiária desta área de seguros

Marketplace

Itaú (ITUB4) entra na disputa das vendas online com shopping virtual; Magazine Luiza está entre os primeiros parceiros

29 de agosto de 2022 - 14:18

A intenção do Itaú é de que a nova loja virtual funcione como um ecossistema de compras de produtos e serviços

ATENÇÃO, ACIONISTA!

Dividendos e JCP: Banco do Brasil (BBAS3) anuncia pagamento de R$ 781 milhões em proventos; confira prazos

26 de agosto de 2022 - 18:54

A distribuição do montante será feita em antecipação ao terceiro trimestre de 2022, de acordo com informações do próprio banco

Market Makers

Banco do Brasil (BBAS3) está ‘ridiculamente barato’, diz Sara Delfim, da Dahlia

25 de agosto de 2022 - 18:00

Analista e sócia-fundadora da Dahlia Capital, Sara Delfim retorna ao Market Makers ao lado de Ciro Aliperti, da SFA Investimentos, para detalhar suas teses de investimento

Viva México

Se cuida, Nubank: Bradesco compra instituição no México e vai lançar conta digital no país

25 de agosto de 2022 - 12:08

Com a aquisição, o Bradesco terá licença para atuar como se fosse um banco digital no México. O país é um dos focos de expansão do Nubank

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar