🔴 SÉRIE EMPIRICUS IN$IGTS: +100 RELATÓRIOS CORTESIA – LIBERE GRATUITAMENTE

Vale a pena investir em empresas de crescimento? Só quando não é o Coringa que toma as decisões

Isso é muito mais comum do que você imagina, e há grandes chances de você ser acionista de alguma empresa que tem um Coringa como CEO ou presidente do Conselho

2 de fevereiro de 2024
6:05 - atualizado às 10:55
Coringa de braços abertos com chamas atrás dele
Imagem: Reprodução/ Wallpaper Flare

Eu nunca fui um grande fã de filmes de super-heróis, e confesso que passei a gostar menos ainda nos últimos anos, quando a Marvel passou a lançar praticamente um por semana.

Ainda assim, existem alguns que eu gosto bastante. Um deles é Batman: O Cavaleiro das Trevas, com o Coringa interpretado brilhantemente por Heath Ledger.

Em uma das cenas mais memoráveis do filme, o vilão coloca fogo em bilhões de dólares de notas empilhadas e diz: "não é sobre dinheiro, é sobre passar uma mensagem", enquanto assiste com prazer as notas queimarem.

Imagem: Reprodução/Wallpaper Flare

Pode parecer loucura, mas tem muita empresa por aí que deixaria o Coringa orgulhoso. Elas demoram anos para juntar uma pilha de dinheiro e, num piscar de olhos, fazem bilhões de reais virarem cinzas.

Sabe o que é pior? Isso é muito mais comum do que você imagina, e há grandes chances de você ser acionista de alguma empresa que tem um Coringa como CEO ou presidente do Conselho.

Por exemplo, olha só o que ocorreu com a Natura. Em 2017, a companhia anunciou a compra da The Body Shop (TBS), que era uma rede de cosméticos em decadência na Europa, mas que a gestão da Natura entendia que poderia trazer uma expertise em lojas físicas que ela não tinha.

A Natura pagou 1 bilhão de euros, R$ 3,6 bilhões na taxa de conversão da época. Os anos passaram, os resultados não chegaram, e no fim de 2023 a Natura, enfim, vendeu a TBS, por apenas R$ 1,25 bilhão. Só nessa "brincadeira", a Natura perdeu quase R$ 2,5 bilhões.

E você achando que empresas não queimam dinheiro…

ONDE INVESTIR EM FEVEREIRO: AÇÕES, DIVIDENDOS, FIIS, BDRS E CRIPTOMOEDAS - MELHORES INVESTIMENTOS

Alocação de capital é a escolha mais importante para uma empresa

Desde cedo no mundo dos investimentos, aprendemos que é importante buscar por empresas lucrativas e geradoras de caixa.

O que ninguém vai te ensinar é que não adianta nada gerar um caminhão de caixa, se no fim do dia a gestão vai transformá-lo em cinzas. Muito mais importante do que gerar caixa, é saber utilizá-lo de maneira inteligente, é aí que se encontra a verdadeira fonte de geração de valor para o acionista.

Vamos voltar ao caso da Natura. Já ficou claro que a decisão de investir na The Body Shop foi uma furada.

Mas será que ela tinha outra escolha? Será que ela poderia ter dado outro destino para o dinheiro que foi investido na TBS?

A resposta é sim!

Ao invés de ter comprado a TBS, ela poderia não ter feito nada com o dinheiro. Se tivesse guardado os R$ 3,6 bilhões debaixo do colchão, teria deixado de perder R$ 2,5 bilhões nessa aventura. Ou seja, fazer absolutamente nada já seria uma decisão muito melhor para os acionistas. Mas calma, porque essa comparação pode ficar ainda pior.

Imagine que, ao invés de ter comprado a TBS, os executivos da Natura decidissem distribuir a grana para os acionistas na forma de dividendos, e que todos esses acionistas juntos aplicassem o montante recebido em Tesouro Selic – a tabela abaixo mostra o valor corrigido pela taxa Selic do período.

Fonte: Calculadora do Cidadão

Os R$ 3,6 bilhões teriam se transformado em R$ 5,86 bilhões! Ou seja, se os acionistas tivessem aplicado a grana no título mais seguro do mercado, ainda assim teriam conseguido um lucro de mais de R$ 2,2 bilhões, infinitamente melhor do que o prejuízo de mais de R$ 2 bilhões que a companhia teve com a aquisição da TBS.

E isso nos leva a uma conclusão que muitos CEOs, CFOs e até mesmo acionistas parecem não entender: crescer muitas vezes não é a melhor decisão para uma empresa.

A Natura é apenas um exemplo, mas existem incontáveis casos de companhias que teriam gerado retornos muito mais interessantes se tivessem apenas distribuído o dinheiro na forma de dividendos, ao invés de ter torrado o dinheiro dos acionistas em aquisições mirabolantes.

Até mesmo encolher pode ser uma boa estratégia

O problema é que, muitas vezes, investidores e executivos confundem crescimento com geração de valor, quando na verdade, até mesmo encolher pode ser a melhor estratégia para fazer as ações subirem.

A Alpargatas, dona das Havaianas, é outro exemplo de empresa que poderia apenas distribuir dividendos, mas teima em "queimar" o dinheiro dos acionistas.

No passado, a companhia pegava praticamente toda a ótima geração de caixa recebida com a venda de sandália Havaianas para fazer aquisições de marcas que não eram tão boas assim: Rainha, Topper, Osklen, Timberland, etc.

Todas elas trouxeram retornos ruins e, a partir de julho de 2017, quando o novo bloco de controle formado por Itaúsa e Cambuhy assumiu, o discurso mudou. Ao invés de gastar dinheiro comprando marcas que não geravam retorno, a companhia começaria a vender essas marcas e passaria a focar apenas nas Havaianas, sua galinha dos ovos de ouro.

O tamanho da companhia diminuiu com a venda dessas marcas, mas as ações subiram, e muito: elas saltaram de R$ 10 para R$ 60 desde a entrada da Itaúsa no controle até agosto de 2021.

Infelizmente, tem coisas que parecem não mudar. Na segunda metade de 2021, a companhia voltou a querer crescer. Anunciou um investimento de US$ 475 milhões na Rothy's, que nem lucro dava. O que o mercado achou da aquisição? Veja você mesmo o que aconteceu:

Fonte: TradingView

O que eu quero que você entenda é que investir em empresas de crescimento nem sempre será uma boa alternativa, especialmente quando os executivos não têm a diligência necessária para fazer aquisições apenas quando elas fazem sentido.

Na verdade, como vimos nos casos de Natura, Alpargatas e outros tantos por aí, crescer significa destruir bilhões de valor quando feito sem a disciplina necessária.

Não me entenda mal, existem boas empresas de crescimento, mas essa não é uma categoria tão fácil para investir. É preciso ter muita confiança na capacidade e disciplina da gestão.

Os riscos tendem a ser menores quando há dividendos

Muito provavelmente, se a Natura e a Alpargatas preferissem pagar dividendos ao invés de comprar qualquer ativo que aparecesse pela frente, elas estariam em uma situação muito melhor na bolsa hoje.

É por esse motivo que eu gosto tanto das boas pagadoras dividendos. Além da renda extra que proporcionam aos acionistas, elas normalmente são menos propensas a correr esses riscos de M&A.

Em alguns casos, essas empresas têm espaço para crescer, e fazem algumas aquisições vez ou outra, mas elas normalmente não precisam disso e só comprarão outra empresa ao invés de distribuir dividendos se isso realmente fizer sentido financeiro e estratégico.

Na série Vacas Leiteiras, buscamos exatamente esse tipo de empresa, uma estratégia que tem gerado bastante valor nos últimos anos.

Desde que Rodolfo, Richard e eu assumimos a série, nosso rebanho se valorizou 21%, ante uma alta de apenas 8% do Ibovespa.

Se quiser saber melhor sobre essa estratégia de investimento e conhecer a lista completa de ações da nossa carteira, deixo aqui o convite.

  • Essas são as 5 melhores empresas para você investir em busca de dividendos agora, segundo Ruy Hungria: conheça as companhias sólidas, com capacidade de geração de caixa e que podem fazer bons pagamentos nos próximos meses. O relatório gratuito está aqui.

Um grande abraço e até a semana que vem.
Ruy

Compartilhe

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: ChatGPT resiste às tentações de uma linda narrativa?

17 de abril de 2024 - 20:11

Não somos perfeitos em tarefas de raciocínio lógico, mas tudo bem: inventamos a inteligência artificial justamente para cuidar desses problemas mais chatos, não é verdade?

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Ataque do Irã poderia ter sido muito pior: não estamos diante da Terceira Guerra Mundial — mas saiba como você pode proteger seu dinheiro

16 de abril de 2024 - 6:17

Em outubro, após o ataque do Hamas, apontei para um “Kit Geopolítico” para auxiliar investidores a navegar por esse ambiente incerto

EXILE ON WALL STREET

Felipe Miranda: Cinco coisas que deveriam acabar no mercado financeiro

15 de abril de 2024 - 20:01

O sócio-fundador da Empiricus lista práticas do universo dos investimentos que gostaria de ver eliminadas

DE REPENTE NO MERCADO

O que Elon Musk, Javier Milei, Alexandre de Moraes, o halving do bitcoin e a China têm em comum? 

14 de abril de 2024 - 12:00

Acredite: tudo isso movimentou o mercado financeiro esta semana; veja os destaques

Especial IR 2024

Meu dependente paga pensão alimentícia; posso abatê-la no imposto de renda?

13 de abril de 2024 - 8:00

Titular da declaração de imposto de renda declara o pai como dependente, e ele paga pensão alimentícia à mãe dela. E agora?

SEXTOU COM O RUY

Enquanto você se preocupa com a Oi (OIBR3), esta empresa da B3 virou a campeã de qualidade no serviço de internet – e ainda está barata na bolsa

12 de abril de 2024 - 6:07

Para se diferenciar, essa companhia construiu uma infraestrutura de qualidade, que tem proporcionado prêmios de internet fixa mais rápida do Estado de São Paulo, à frente das gigantes de telecom

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Quintal da China, quintal do mundo

10 de abril de 2024 - 19:15

Se a economia chinesa sofre, nós necessariamente compartilhamos dessa desgraça?

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Juro real de volta aos 6%: com bolsa na pior e dólar nas alturas, essa é uma nova oportunidade?

9 de abril de 2024 - 6:40

Uma regra prática comum para investimentos em renda fixa no Brasil sugere vender títulos quando os juros reais atingem 3% e comprá-los a 6%

EXILE ON WALL STREET

Além do bitcoin (BTC): esta carteira já rendeu 447% acima da maior criptomoeda do mercado

8 de abril de 2024 - 20:01

Acredito que exista uma forma melhor de pensar sobre a ciclicidade do preço do bitcoin (BTC), que historicamente nos ajudou a gerar alfa neste mercado

BOMBOU NO SD

Argentina entra na rota de ‘paraíso fiscal’, China encara mesma crise do Japão e inteligência artificial “sugando” o Ibovespa — veja tudo o que foi destaque na semana

6 de abril de 2024 - 13:36

A crise e os seus reflexos no país vizinho no Brasil despertaram o interesse dos leitores do Seu Dinheiro nos últimos dias

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar