🔴 É HOJE! COMO COMPRAR CARROS COM ATÉ 50% DE DESCONTO NA TABELA FIPE – CONHEÇA A ESTRATÉGIA

Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo pela Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
"União e reconstrução" é o lema

Posse: Lula parte para o ataque em primeiro discurso como presidente empossado e faz críticas ao teto de gastos e ao governo Bolsonaro

Em cerimônia marcada por simboliismos e diversas quebras de protocolo, Lula criticou o teto de gastos e deu um panorama do que será o seu terceiro mandato

Jasmine Olga
Jasmine Olga
1 de janeiro de 2023
18:55 - atualizado às 19:01
Luiz Inácio Lula da Silva recebe a faixa presidencial de representantes da sociedade civil
O presidente Lula sobe a rampa do Palácio do Planalto e recebe a faixa durante posse de seu 3° mandato, na cidade de Brasília, DF, neste domingo, 01. - Imagem: André Ribeiro / Futura Press / Estadão Conteúdo

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o vice-presidente Geraldo Alckmin estão oficialmente empossados e prontos para iniciar os trabalhos do novo governo após uma cerimônia de posse marcada pela forte participação popular e simbolismo cheio de emoção. 

Na ausência de Jair Bolsonaro, que se recusou a fazer a tradicional transferência da faixa presidencial, o item simbólico foi entregue ao novo presidente por membros da sociedade civil, representantes de minorias e pautas importantes para o governo do petista — em um sinal de que o "povo" reconduziu Lula ao Planalto.

Embora o ex-presidente não tenha sido citado nominalmente nenhuma vez, Bolsonaro não foi esquecido — e nem deve ser tão cedo. 

Em seu primeiro discurso após a assinatura do termo de posse, Lula optou por um tom duro em suas críticas ao governo de Bolsonaro, sem poupar sinalizações de que irregularidades na condução da crise do coronavírus serão investigadas e julgadas. 

Isso sem falar nas críticas com relação ao abandono de diversos setores de grande importância social e ao orçamento — sem que essas questões fossem tratadas como prioridades, o que levou o governo eleito a costurar a PEC da transição para adequar recursos para suas promessas de campanha. 

O presidente eleito fez dois discursos muito semelhantes em conteúdo, mas em sua fala ao Congresso, no primeiro pronunciamento, aproveitou para desenhar o panorama geral do que espera que seja o seu governo — dando grande destaque para a recuperação do poder de compra do brasileiro e na defesa de minorias como mulheres, negros e povos originários. 

Além de prometer derrubar as normas que facilitam o acesso à munições e armas, Lula também se comprometeu a reverter os sigilos impostos por seu antecessor, assim como reinstalar as ferramentas de transparência do governo. 

Ao longo de sua fala, que teve duração de cerca de 30 minutos, o presidente passou por diversos temas — defesa da democracia e do sistema eleitoral brasileiro, agradecimento à frente  ampla que o ajudou a ser eleito e a sua luta para que o seu novo mandato seja marcado pelas mesmas conquistas sociais das duas primeiras vezes em que ocupou o Planalto. 

O discurso denso também abarcou alguns temas de grande importância para o mercado financeiro e que devem repercutir nos próximos dias nos corredores da Faria Lima. 

Ao falar sobre medidas econômicas tomadas nos últimos quatro anos, Lula acusou o governo Bolsonaro de ter utilizado as empresas públicas apenas para agradar os acionistas privados, deixando de lado o seu caráter social e o papel no desenvolvimento da economia. 

O presidente recém-empossado também voltou a ser crítico ao teto de gastos — chamando-o de “estupidez” e afirmando que a regra será revogada. Sobre as estatais, o discurso deixou claro que o objetivo da nova gestão será utilizá-las como apoio para estimular o crescimento da economia. 

Lula, no entanto, tentou responder algumas críticas também. Ao falar sobre a preocupação dos economistas com os gastos públicos, ele reforçou que os seus primeiros mandatos foram marcados pela responsabilidade fiscal e que será preciso construir um orçamento com equilíbrio para suprir todas as demandas sociais e de crescimento sem comprometer as contas públicas. 

Confira alguns trechos sobre os principais temas abordados por Lula em seu discurso de posse:

Economia 

“O diagnóstico que recebemos do Gabinete de Transição é estarrecedor. Esvaziaram os recursos da Saúde. Desmontaram a Educação, a Cultura, a Ciência e a Tecnologia. Destruíram a proteção ao Meio Ambiente. Não deixaram recursos para a merenda escolar, a vacinação, a segurança pública”. 

“Vamos recompor os orçamentos da Saúde para garantir a assistência básica, a Farmácia Popular, promover o acesso à medicina especializada. Vamos recompor os orçamentos da Educação, investir em mais universidades, no ensino técnico, na universalização do acesso à internet, na ampliação das creches e no ensino público em tempo integral”. 

“O modelo que propomos, aprovado nas urnas, exige, sim, compromisso com a responsabilidade, a credibilidade e a previsibilidade; e disso não vamos abrir mão. Foi com realismo orçamentário, fiscal e monetário, buscando a estabilidade, controlando a inflação e respeitando contratos que governamos este país”. 

“Dilapidaram estatais e bancos públicos, os recursos foram raptados para saciar rentistas”. 

Meio ambiente

"Incentivaremos, sim, a prosperidade na terra. Liberdade e oportunidade de criar, plantar e colher continuará sendo nosso objetivo. O que não podemos admitir é que seja uma terra sem lei. Não vamos tolerar a violência contra os pequenos, o desmatamento e a degradação do ambiente, que tanto mal já fizeram ao País”. 

"Nossa meta é alcançar desmatamento zero na Amazônia e emissão zero de gases do efeito estufa na matriz elétrica, além de estimular o reaproveitamento de pastagens degradadas. O Brasil não precisa desmatar para manter e ampliar sua estratégica fronteira agrícola"

Pós-eleições

“Não carregamos nenhum ânimo de revanche contra os que tentaram subjugar a Nação a seus desígnios pessoais e ideológicos, mas vamos garantir o primado da lei. Quem errou responderá por seus erros, com amplo direito de defesa, dentro do devido processo legal". 

"Ao ódio, responderemos com amor. À mentira, com verdade. Ao terror e à violência, responderemos com a Lei e suas mais duras consequências”. 

Direitos humanos

“É inaceitável que continuamos a conviver com preconceito, discriminação e racismo. Ninguém será cidadão ou cidadã de segunda classe. Ninguém terá mais ou menos amparo do Estado, ninguém será obrigado a enfrentar mais obstáculos pela cor de sua pele".

Compartilhe

FLEXIBILIZAÇÃO DA PENA

George Washington, bolsonarista que planejou atentado a bomba no aeroporto no Distrito Federal, vai para o semiaberto

19 de maio de 2024 - 15:34

A mudança do regime fechado para o semiaberto foi reconhecida porque ele já cumpriu um sexto da pena, requisito estabelecido na Lei de Execução Penal

MÃO PESADA?

Anatel poderá ser supervisor das redes sociais: presidente da agência defende que órgão regule plataformas 

19 de maio de 2024 - 11:22

O dirigente da Anatel explicou que a agência não tem, no entanto, como atuar sobre postagem e perfis específicos

ACONTECE EM OUTUBRO

Aquecendo os motores para as eleições municipais: Testes em urnas eletrônicas reiteram que sistema de votação é seguro

18 de maio de 2024 - 11:55

Dos 35 planos de teste realizados, cinco apontaram melhorias nos sistemas, que foram acatadas pelos técnicos do tribunal

"TUDO NORMAL"

Jair Bolsonaro recebe alta após 13 dias internado e já anuncia planos

17 de maio de 2024 - 16:46

“Em uma semana, tudo normal”, escreveu no X (antigo Twitter) Bolsonaro, que estava com quadro de erisipela e desconforto abdominal

VAI MELHORAR?

O que Haddad espera da economia? Projeções da Fazenda esperam inflação e PIB maiores para 2024

16 de maio de 2024 - 15:33

Para 2025, a projeção de IPCA passou de 3,10% para 3,20%. A atualização acontece um mês após o último boletim macrofiscal da SPE.

POLÍTICA

Sérgio Moro vai perder o mandato? Veja como será o julgamento do senador no TSE

16 de maio de 2024 - 11:14

Julgamento que pode resultar na cassação do mandato de Sérgio Moro e torná-lo inelegível começa hoje no TSE

PESQUISA QUAEST

Lula “merece” ou não ser reeleito? Pesquisa aponta nome mais forte que Jair Bolsonaro para eleição de 2026

13 de maio de 2024 - 8:35

Vale lembrar que Bolsonaro está inelegível até a eleição de 2030, de acordo com uma decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE)

DECISÃO DA CORTE

STF barra indicações políticas para estatais — mas mantém nomeações feitas por Lula

10 de maio de 2024 - 9:19

Assim, com a decisão, ficam proibidas futuras nomeações políticas para cargos de chefia em empresas públicas, sociedades de economia mista e suas subsidiárias

LEVANTAMENTO

Governo Lula melhor que o de Bolsonaro? Veja o que a pesquisa CNT/MDA descobriu

7 de maio de 2024 - 18:32

O levantamento foi encomendado pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT) e executado pelo Instituto MDA Pesquisa. A margem de erro é de 2,2 pontos porcentuais.

NAS CASAS LEGISLATIVAS

Comissão do Senado dá sinal verde para projeto de lei que recria seguro obrigatório DPVAT e libera R$ 15 bilhões de crédito

7 de maio de 2024 - 14:49

“A recriação do DPVAT, agora SPVAT, não tem nenhum condão do ponto de vista do governo de fazer caixa”, disse o senador Jaques Wagner durante a votação

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar