🔴 SÉRIE EMPIRICUS IN$IGTS: +100 RELATÓRIOS CORTESIA – LIBERE GRATUITAMENTE

Quer ganhar dinheiro na bolsa? Foco no longo prazo não basta. Veja quais são os 3 elementos fundamentais

Não é preciso ser um expert para saber que, por mais que o tempo ajude, um vinho porcaria engarrafado hoje continuará sendo uma porcaria daqui 20 anos – o tempo ajuda, mas não faz milagre. O mesmo vale para investimentos.

6 de outubro de 2023
6:08 - atualizado às 9:19
De R$ 23 a R$ 478 em poucos minutos: saiba como ganhar dinheiro na internet sem trabalho; não é ‘foguetinho’ nem ‘jogo do pênalti’
Imagem: Shutterstock

"Investir é para o longo prazo". Você já deve ter cansado de ouvir essa máxima ao buscar informações ou conselhos sobre investimentos.

Mas você já se perguntou quanto tempo demora para o tal do longo prazo chegar? Além disso, será que ganhar dinheiro na bolsa é tão simples quanto comprar uma ação e apenas esperar o longo prazo chegar?

Na coluna de hoje, vamos aproveitar o aniversário de cinco anos do Seu Dinheiro para tentar entender melhor o que é o longo prazo e, mais importante, quais são as chances de você ganhar dinheiro nos próximos cinco anos se começar a investir agora.

Qual é o prazo do longo prazo?

Antes de mais nada, é importante esclarecer que não existe uma definição para o tal do longo prazo. Alguns dizem se tratar de uma janela de um ano, outros acham que o longo prazo demora dois anos, três… até dez anos eu já ouvi.

Seja qual for a definição que você encontrar por aí, o importante é entender que, quando estamos falando de longo prazo, não estamos falando de meses.

No meu caso, eu gosto de pensar no longo prazo como um período de 5 anos, porque entendo que essa é uma janela suficiente para contemplar diferentes governos, ciclos econômicos diversos, juros altos, juros baixos, algumas crises e euforias, e por aí vai.

A ideia aqui é: se uma empresa é realmente boa, os 5 anos serão um prazo suficiente para mostrar isso para o mercado, mesmo que dentro desse período surjam alguns fatores que pesem contra a tese.

Bolsa: Tempo não basta

Eu confesso que não sou um bom entendedor de vinhos, mas não é preciso ser um expert para saber que, por mais que o tempo ajude, um vinho porcaria engarrafado hoje continuará sendo uma porcaria daqui a 20 anos – o tempo ajuda, mas não faz milagre.

O mesmo vale para investimentos. O tempo ajuda a maturar as boas teses, mostrar como elas sobrevivem às crises e se fortalecem nos períodos favoráveis. Mas uma empresa porcaria, com gestão ruim, cultura fraca e sem vantagens competitivas muito provavelmente continuará sendo ruim daqui cinco anos.

Neste caso, o tempo pode até ser prejudicial, já que a cada ano que passa os resultados vão piorar, o endividamento vai aumentar e a falência também estará mais próxima.

Por isso, muito cuidado com a máxima "não se preocupe com o prejuízo atual, pense no longo prazo".

O tempo ajuda, mas não faz milagre. Se a empresa listada na bolsa que você estiver investindo for uma porcaria, há grandes chances de o longo prazo só piorar as coisas.

Tempo e qualidade também não bastam

O longo prazo e a qualidade da empresa são pilares fundamentais para o bom resultado do seu investimento. Mas há um outro fator determinante: o preço.

Por melhor que seja o negócio e por mais que você esteja disposto a ficar anos com as ações, se você investir quando elas estiverem com múltiplos muito elevados, provavelmente vai perder dinheiro.

Para deixar isso mais claro, eu dividi a última década em duas janelas de cinco anos: 2010 a 2014 e 2015 a 2019.

A primeira metade da década começou com muita euforia para o nosso mercado, com o Brasil crescendo bastante enquanto o resto do mundo ainda sentia os efeitos da crise de 2008.

Com esse otimismo todo, o Ibovespa iniciou a década negociando por 17x preço/lucros, um patamar bastante salgado de preço. Cinco anos depois, estávamos numa crise danada, com os múltiplos em apenas 11x preço/lucros e o Ibovespa tendo derretido -28% no período.

Fonte: Bloomberg/Elaboração: Seu Dinheiro

A segunda metade da década começou como terminou a primeira: um mau humor enorme, mas com um múltiplo de apenas 11x preço/lucros, que já embutia uma expectativa ruim.

Obviamente, os cinco anos seguintes foram muito melhores em termos macro, mas os preços baixos foram fundamentais para que o mesmo Ibovespa se valorizasse 138%.

Fonte: Bloomberg/Elaboração: Seu Dinheiro

E os próximos cinco anos na bolsa?

É por esse motivo que eu tenho boas expectativas para os próximos cinco anos para o mercado de ações brasileiro.

Sim, o macro não tem ajudado, com perspectiva de mais altas de juros lá fora e preocupações fiscais por aqui. Mas também temos que lembrar que os múltiplos hoje estão bastante atrativos de maneira geral.

Fonte: Bloomberg/Elaboração: Seu Dinheiro

Uma carteira de empresas sólidas, pagadoras de dividendos e que estejam negociando por preços atrativos, como a Telefônica Brasil (VIVT3) e todas as outras empresas presentes na série Vacas Leiteiras, tem boas chances de trazer um retorno interessante para você quando estivermos comemorando o aniversário de dez anos do Seu Dinheiro.

Um grande abraço e até lá!

Ruy

Compartilhe

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: ChatGPT resiste às tentações de uma linda narrativa?

17 de abril de 2024 - 20:11

Não somos perfeitos em tarefas de raciocínio lógico, mas tudo bem: inventamos a inteligência artificial justamente para cuidar desses problemas mais chatos, não é verdade?

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Ataque do Irã poderia ter sido muito pior: não estamos diante da Terceira Guerra Mundial — mas saiba como você pode proteger seu dinheiro

16 de abril de 2024 - 6:17

Em outubro, após o ataque do Hamas, apontei para um “Kit Geopolítico” para auxiliar investidores a navegar por esse ambiente incerto

EXILE ON WALL STREET

Felipe Miranda: Cinco coisas que deveriam acabar no mercado financeiro

15 de abril de 2024 - 20:01

O sócio-fundador da Empiricus lista práticas do universo dos investimentos que gostaria de ver eliminadas

DE REPENTE NO MERCADO

O que Elon Musk, Javier Milei, Alexandre de Moraes, o halving do bitcoin e a China têm em comum? 

14 de abril de 2024 - 12:00

Acredite: tudo isso movimentou o mercado financeiro esta semana; veja os destaques

Especial IR 2024

Meu dependente paga pensão alimentícia; posso abatê-la no imposto de renda?

13 de abril de 2024 - 8:00

Titular da declaração de imposto de renda declara o pai como dependente, e ele paga pensão alimentícia à mãe dela. E agora?

SEXTOU COM O RUY

Enquanto você se preocupa com a Oi (OIBR3), esta empresa da B3 virou a campeã de qualidade no serviço de internet – e ainda está barata na bolsa

12 de abril de 2024 - 6:07

Para se diferenciar, essa companhia construiu uma infraestrutura de qualidade, que tem proporcionado prêmios de internet fixa mais rápida do Estado de São Paulo, à frente das gigantes de telecom

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Quintal da China, quintal do mundo

10 de abril de 2024 - 19:15

Se a economia chinesa sofre, nós necessariamente compartilhamos dessa desgraça?

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Juro real de volta aos 6%: com bolsa na pior e dólar nas alturas, essa é uma nova oportunidade?

9 de abril de 2024 - 6:40

Uma regra prática comum para investimentos em renda fixa no Brasil sugere vender títulos quando os juros reais atingem 3% e comprá-los a 6%

EXILE ON WALL STREET

Além do bitcoin (BTC): esta carteira já rendeu 447% acima da maior criptomoeda do mercado

8 de abril de 2024 - 20:01

Acredito que exista uma forma melhor de pensar sobre a ciclicidade do preço do bitcoin (BTC), que historicamente nos ajudou a gerar alfa neste mercado

BOMBOU NO SD

Argentina entra na rota de ‘paraíso fiscal’, China encara mesma crise do Japão e inteligência artificial “sugando” o Ibovespa — veja tudo o que foi destaque na semana

6 de abril de 2024 - 13:36

A crise e os seus reflexos no país vizinho no Brasil despertaram o interesse dos leitores do Seu Dinheiro nos últimos dias

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar