🔴 É HOJE! COMO COMPRAR CARROS COM ATÉ 50% DE DESCONTO NA TABELA FIPE – CONHEÇA A ESTRATÉGIA

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Caiu mais

Quanto rendem R$ 100 mil na poupança, no Tesouro Direto e em CDB com a Selic em 10,50%?

Banco Central cortou a taxa básica em apenas 0,25 ponto percentual nesta quarta; veja como a rentabilidade dos investimentos conservadores deve reagir

Renda fixa internacional
Investimentos indexados à Selic e ao CDI, como os da reserva de emergência, passam a pagar menos. Imagem: Freepik

Hoje foi dia de o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) divulgar sua decisão de juros, o que vinha dividindo as expectativas do mercado. E, no fim, o colegiado acabou abandonando totalmente a sinalização que havia dado em sua última reunião, cortando a taxa básica de juros (Selic) em apenas 0,25 ponto percentual nesta quarta-feira (08), de 10,75% para 10,50% ao ano.

Nestes últimos 45 dias desde a última reunião do Copom, o aumento das incertezas em relação ao fiscal doméstico e à política monetária americana levou os investidores a revisarem suas expectativas para a trajetória dos juros.

Ainda que o BC tenha sinalizado mais um corte de 0,50 ponto nesta reunião de maio, boa parte do mercado passou a esperar um corte de menor intensidade, embora não fosse possível descartar totalmente a possibilidade de o Copom manter sua previsão. Tanto que a decisão do colegiado não foi unânime desta vez.

Agora, os juros devem continuar em uma trajetória de baixa mais suave. Mesmo assim, trata-se de mais uma redução no retorno das aplicações de renda fixa conservadora, como aquelas que compõem a sua reserva de emergência, uma vez que elas costumam ser pós-fixadas e indexadas à Selic ou ao CDI, taxa de juros que caminha junto com a taxa básica.

E a expectativa é que esses retornos diminuam ainda mais no futuro próximo. Embora as estimativas dos economistas para a Selic no fim deste ano tenham subido no último mês, ainda assim a taxa prevista para o fim deste ano é de 9,63%, com novos cortes esperados para 2025, quando a Selic pode cair a 9,00%.

A remuneração menor das aplicações conservadoras, entretanto, não significa que elas devam deixar a sua carteira.

Primeiro porque ter uma reserva de emergência alocada em renda fixa pós-fixada, de liquidez diária e com baixo risco de crédito é sempre fundamental, independentemente do patamar de juros.

Segundo porque, ainda que mais baixa, a taxa básica de juros no Brasil ainda é alta frente à inflação. Nos 12 meses terminados em março, o IPCA acumulou variação positiva de 4,66%. Assim, o retorno real (acima da inflação) das aplicações pós-fixadas continua interessante.

Quanto rendem os investimentos de renda fixa conservadora com a Selic em 10,50%?

A queda da Selic para 10,50% ainda não é o suficiente para ativar o gatilho que muda a regra de remuneração da caderneta de poupança para 70% da Selic mais Taxa Referencial (TR). Esta mudança só ocorre caso a taxa básica caia abaixo de 8,50%, cenário que ainda está bem distante.

Assim, a poupança continua pagando seu tradicional 0,50% ao mês mais TR e se torna um pouco mais atrativa frente às aplicações financeiras indexadas à Selic e ao CDI – mas ainda com retorno pior, mesmo consideradas eventuais taxas e imposto de renda dos investimentos pós-fixados.

Com a Selic em 10,50% ao ano (e supondo um CDI um pouco inferior, de 10,40%, como costuma acontecer), as rentabilidades mensais e anuais líquidas das principais aplicações financeiras conservadoras ficam assim:

InvestimentoRetorno líquido em 1 mês*Retorno líquido em 1 ano**
Poupança0,60%7,47%
Tesouro Selic 2027 (via Tesouro Direto)0,62%8,52%
CDB 100% do CDI ou fundo Tesouro Selic de taxa zero0,64%8,58%
CDI bruto0,83%10,40%
(*) 1 mês, no caso da poupança, ou 21 dias úteis e mais de 30 dias corridos para os demais investimentos. Alíquota de IR de 22,5%, quando for o caso. (**) 12 meses, no caso da poupança, ou 252 dias úteis e mais de 360 dias corridos para os demais investimentos. Alíquota de IR de 17,5%, quando for o caso.

Parâmetros da simulação

  • Para o cálculo do retorno da poupança, foi considerada a TR média de abril de 2024 (0,1023%);
  • Para o cálculo do retorno do Tesouro Selic, foram considerados uma taxa de administração igual a zero, o spread de compra e venda (espécie de “pedágio” para a venda do título antes do vencimento) e uma taxa de custódia de 0,20% ao ano sobre todo o montante investido, que é o padrão da calculadora do Tesouro Direto. Atualmente, no entanto, existe uma isenção da taxa de custódia para valores aplicados de até R$ 1 mil, o que significa que a verdadeira rentabilidade do Tesouro Selic, nesses casos, é um pouco maior que a estimada na tabela.

Como a Selic deve cair mais neste ano, ela não ficará estagnada em 10,50% por muito tempo. Ou seja, até o fim do ano, a rentabilidade das aplicações conservadoras será ainda menor que os valores projetados na tabela.

Importante notar ainda que, mesmo com a permanência da regra de remuneração da poupança em 0,50% mais TR, a rentabilidade da caderneta também vem caindo, ainda que sutilmente. É que, com a redução da taxa de juros, a TR também tende a recuar, embora responda por uma parcela pequena da remuneração.

Assim, para dar uma ideia melhor de como ficará a rentabilidade dos investimentos conservadores daqui para frente, vamos simular a aplicação para os prazos de um e dois anos utilizando as estimativas do mercado para a Selic e o CDI (DI futuro) para janeiro de 2025 (10,21%) e janeiro de 2026 (10,47%), respectivamente.

Repare que a primeira prevê um retorno um pouco menor que a Selic atual, mas a segunda já prevê um juro mais próximo do atual.

Ambas as taxas subiram em relação à última reunião do Copom, quando as duas estavam em um dígito, em razão das incertezas que fizeram o mercado passar a precificar uma intensidade menor para os cortes da Selic.

Vale frisar, no entanto, que essas projeções podem mudar a partir da decisão do Copom de hoje, bem como das sinalizações do Banco Central para as próximas reuniões. Além disso, as projeções para a poupança continuam considerando a TR de abril, que também viu uma elevação em relação ao mês anterior, mas esta taxa também pode se mudar daqui para frente.

InvestimentoRetorno líquido em 1 ano*Retorno líquido em 2 anos**
Poupança7,47%15,50%
Tesouro Selic 2027 (via Tesouro Direto)8,36%18,17%
CDB 100% do CDI ou fundo Tesouro Selic de taxa zero8,42%18,73%
LCI 90% do CDI9,14%19,63%
(*) 12 meses, no caso da poupança, ou 252 dias úteis e mais de 360 dias corridos para os demais investimentos. Alíquota de IR de 17,5%, quando for o caso. (**) 24 meses, no caso da poupança, ou 504 dias úteis e mais de 720 dias corridos para os demais investimentos. Alíquota de IR de 15,0%, quando for o caso.

Parâmetros da simulação

  • DI para janeiro de 2025 (simulação de 1 ano): 10,21% a.a.
  • Selic para janeiro de 2025 (simulação de 1 ano): 10,31% a.a.
  • DI para janeiro de 2026 (simulação de 2 anos): 10,47% a.a.
  • Selic para janeiro de 2026 (simulação de 2 anos): 10,57% a.a.
  • Para o cálculo do retorno da poupança, foi considerada a TR média de abril (0,1023%);
  • Para o cálculo do retorno do Tesouro Selic, foram considerados uma aplicação de R$ 100 mil, taxa de custódia de 0,20% ao ano, uma taxa de administração igual a zero e o spread de compra e venda (espécie de “pedágio” para a venda do título antes do vencimento).

Veja, na tabela a seguir, quanto você teria ao final de cada período caso aplicasse R$ 100 mil em cada um desses investimentos, nas circunstâncias da simulação anterior:

InvestimentoQuanto você teria após 1 anoQuanto você teria após 2 anos
Caderneta de poupançaR$ 107.471,90R$ 115.502,09
Tesouro Selic 2027R$ 108.363,14R$ 118.167,69
CDB ou fundo Tesouro Selic 100% do CDIR$ 108.423,25R$ 118.730,78
LCI 90% do CDIR$ 109.143,94R$ 119.630,35

ONDE INVESTIR EM MAIO: VEJA OS MELHORES INVESTIMENTOS- AÇÕES, FIIs, BDRS E ALOCAÇÃO DE ATIVOS

Compartilhe

Ainda atrativa

Onde investir na renda fixa em maio: bancos e corretoras recomendam Tesouro Direto, CDBs, LCAs e outros títulos isentos de IR

19 de maio de 2024 - 8:00

De títulos públicos a debêntures incentivadas, veja as indicações de Santander, XP e BTG na renda fixa para este mês

CRÉDITO PRIVADO

Suzano (SUZB3) vai captar R$ 5,9 bilhões em emissão de debêntures — e você pode investir sem pagar IR

17 de maio de 2024 - 19:35

Debêntures isentas da Suzano devem render uma taxa de juros equivalente à do título público corrigido pelo IPCA; saiba mais

Regra de bolso

Investir na renda fixa quando a Selic paga 1% ao mês dá certo? Esta gestora fez as contas – e traz uma estratégia ainda melhor

8 de maio de 2024 - 9:00

O retorno de 1% ao mês é talvez a âncora mental mais forte do investidor brasileiro, mas investir com foco nisso vale a pena?

Renda fixa incentivada

Órfão das LCI e LCA? Banco indica 9 títulos isentos de imposto de renda que rendem mais que o CDI e o Tesouro IPCA+

24 de abril de 2024 - 17:15

Itaú BBA recomenda nove títulos de renda fixa, entre debêntures, CRIs e CRAs, acessíveis para investidores em geral e isentos de IR

Em busca da liquidez perdida

Ficou mais difícil investir em LCI e LCA após mudanças nas regras? Veja que outras opções você encontra no mercado

22 de abril de 2024 - 6:45

Prazo de carência de LCIs e LCAs aumentou de três para 12 ou nove meses, respectivamente; além disso, emissões caíram e taxas baixaram. Para onde correr?

ALTERNATIVA AO PRO SOLUTO

Meu CRI, Minha Vida: em operação inédita, Opea capta R$ 125 milhões para financiar imóvel popular de clientes da MRV

16 de abril de 2024 - 17:27

A Opea Securitizadora e a fintech EmCash acabam de anunciar a emissão do primeiro CRI voltado ao financiamento de unidades lançadas pela MRV dentro do programa habitacional do governo federal

Para onde ir?

Onde investir na renda fixa após tantas mudanças de regras e expectativas? Veja as recomendações das corretoras e bancos

16 de abril de 2024 - 13:03

Mercado agora espera que corte de juro seja menos intenso, e mudanças nos títulos isentos ocasionou alta da demanda por debêntures incentivadas, com queda nas taxas; para onde a renda fixa deve ir, então?

Mordida do Leão

O risco do Tesouro Direto que não te contaram (spoiler: tem a ver com inflação e imposto de renda)

15 de abril de 2024 - 6:04

Mordida do Leão sobre o Tesouro IPCA+ ocorre não só sobre o retorno real do título, mas também sobre a variação da inflação; e isso tem implicações para o investidor

O BRILHO DAS ISENTAS DE IR

A vez da renda fixa: Debêntures impulsionam mercado de capitais no 1T24 após “fim da farra” das LCIs e LCAs 

11 de abril de 2024 - 18:46

A captação do mercado de capitais chegou ao recorde de R$ 130,9 bilhões entre janeiro e março deste ano, impulsionada pelas ofertas de renda fixa

Mudança nas regras

Está faltando papel? Emissões de LCIs e LCAs caíram pela metade depois de aumento do prazo de carência

5 de abril de 2024 - 14:35

Levantamento do JP Morgan mostra queda anual de 40% nas novas emissões de LCIs e LCAs e baixas de 50% a 60% desde aprovação das novas regras; estudo da XP também mostra impacto das medidas na emissão de CRIs e CRAs

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar