🔴 SÉRIE EMPIRICUS IN$IGTS: +100 RELATÓRIOS CORTESIA – LIBERE GRATUITAMENTE

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Retorno menor

Quanto rendem R$ 10 mil na poupança, no Tesouro Direto e em CDB com a Selic em 11,25%?

Banco Central cortou a taxa básica em mais 0,50 ponto percentual nesta quarta; veja como a rentabilidade dos investimentos conservadores deve reagir

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
31 de janeiro de 2024
19:00 - atualizado às 18:49
Desenho de percentual representando taxa de juros; bolsas reagem aos juros ibovespa também
Investimentos indexados à Selic e ao CDI, como os da reserva de emergência, passam a pagar menos. Imagem: Shutterstock

Conforme sinalizado pelo Banco Central e esperado pelo mercado, o Comitê de Política Monetária (Copom) deu o pontapé inicial nas suas reuniões de 2024 com um corte de 0,50 ponto percentual na Selic nesta quarta-feira (31). Assim, a taxa básica de juros passou de 11,75% para 11,25% ao ano.

E como você talvez já tenha notado, juros mais baixos significam remunerações menores na renda fixa conservadora, inclusive na sua reserva de emergência, uma vez que aplicações indexadas à Selic e ao CDI passam a pagar menos.

Desde a reunião do Copom em novembro, o CDI mensal, taxa de juros que se aproxima da Selic, já não rende mais aquele 1,00% ao mês que o brasileiro tanto gosta.

Mas isso não quer dizer que as aplicações conservadoras devam deixar a sua carteira. Embora o cenário já permita, segundo especialistas, reduzir a posição em ativos pós-fixados, ao menos a sua reserva de emergência ainda deve permanecer aplicada neste tipo de investimento.

Além disso, 11,25% ao ano com baixíssimo risco continua sendo uma remuneração formidável.

Quanto rendem os investimentos de renda fixa conservadora com a Selic em 11,25%?

A queda da Selic para 11,25% ainda não é o suficiente para ativar o gatilho que muda a regra de remuneração da caderneta de poupança para 70% da Selic mais Taxa Referencial (TR). Esta mudança só ocorre caso a taxa básica caia abaixo de 8,50%, cenário que ainda está bem distante.

Assim, a poupança continua pagando seu tradicional 0,5% ao mês mais TR e se torna um pouco mais atrativa frente às aplicações financeiras indexadas à Selic e ao CDI – mas ainda com retorno pior, mesmo consideradas eventuais taxas e imposto de renda dos investimentos pós-fixados.

Com a Selic em 11,25% ao ano (e supondo um CDI um pouco inferior, de 11,15%, como costuma acontecer), as rentabilidades mensais e anuais líquidas das principais aplicações financeiras conservadoras ficam assim:

InvestimentoRetorno líquido em 1 mês*Retorno líquido em 1 ano**
Poupança0,57%7,05%
Tesouro Selic 2026 (via Tesouro Direto)0,66%9,10%
CDB 100% do CDI ou fundo Tesouro Selic de taxa zero0,69%9,20%
CDI bruto0,88%11,15%
(*) 1 mês, no caso da poupança, ou 21 dias úteis e mais de 30 dias corridos para os demais investimentos. Alíquota de IR de 22,5%, quando for o caso. (**) 12 meses, no caso da poupança, ou 252 dias úteis e mais de 360 dias corridos para os demais investimentos. Alíquota de IR de 17,5%, quando for o caso.

Parâmetros da simulação

  • Para o cálculo do retorno da poupança, foi considerada a TR média de dezembro de 2023 (0,069%);
  • Para o cálculo do retorno do Tesouro Selic, foram considerados uma taxa de administração igual a zero, o spread de compra e venda (espécie de “pedágio” para a venda do título antes do vencimento) e uma taxa de custódia de 0,20% ao ano sobre todo o montante investido, que é o padrão da calculadora do Tesouro Direto. Atualmente, no entanto, existe uma isenção da taxa de custódia para valores aplicados de até R$ 1 mil, o que significa que a verdadeira rentabilidade do Tesouro Selic, nesses casos, é um pouco maior que a estimada na tabela.

A Selic deve passar por mais quatro cortes de 0,50 ponto percentual e um de 0,25 ponto neste ano, encerrando 2024 a 9,00% ao ano, segundo as projeções das instituições financeiras compiladas no último Boletim Focus do Banco Cental.

Sendo assim, a Selic não deve ficar estagnada em 11,25% por muito tempo. Ou seja, a rentabilidade das aplicações conservadoras dentro de um ano, a partir de agora, deve ser ainda menor do que os valores projetados na tabela anterior.

A DINHEIRISTA - Serasa foi só o começo: “estou sendo processada e meus bens foram bloqueados por dívida com a faculdade”

Importante notar ainda que, mesmo com a permanência da regra de remuneração da poupança em 0,5% mais TR, a rentabilidade da caderneta também vem caindo, ainda que sutilmente. É que, com a redução da taxa de juros, a TR também tende a recuar, embora responda por uma parcela pequena da remuneração.

Assim, para dar uma ideia melhor de como ficará a rentabilidade dos investimentos conservadores daqui para frente, vamos simular diferentes prazos de aplicação utilizando as estimativas do mercado para a Selic e o CDI nos próximos 12 e 24 meses (DI futuro).

Vale frisar, no entanto, que essas projeções podem mudar a partir da decisão do Copom de hoje, bem como das sinalizações do Banco Central para as próximas reuniões. Além disso, as projeções para a poupança continuam considerando a TR de dezembro, mas esta taxa também pode cair daqui para frente.

InvestimentoRetorno líquido em 1 ano*Retorno líquido em 2 anos**
Poupança7,05%14,59%
Tesouro Selic 2026 (via Tesouro Direto)8,11%16,99%
CDB 100% do CDI ou fundo Tesouro Selic de taxa zero8,21%17,16%
LCI 90% do CDI8,91%18,00%
(*) 12 meses, no caso da poupança, ou 252 dias úteis e mais de 360 dias corridos para os demais investimentos. Alíquota de IR de 17,5%, quando for o caso. (**) 24 meses, no caso da poupança, ou 504 dias úteis e mais de 720 dias corridos para os demais investimentos. Alíquota de IR de 15,0%, quando for o caso.

Parâmetros da simulação

  • DI projetado para 1 ano: 9,95% a.a.
  • Selic projetada para 1 ano: 10,05% a.a.
  • DI projetado para 2 anos: 9,63% a.a.
  • Selic projetada para 2 anos: 9,73% a.a.
  • Para o cálculo do retorno da poupança, foi considerada a TR média de dezembro (0,069%);
  • Para o cálculo do retorno do Tesouro Selic, foram considerados uma aplicação de R$ 10 mil, taxa de custódia de 0,20% ao ano, uma taxa de administração igual a zero e o spread de compra e venda (espécie de “pedágio” para a venda do título antes do vencimento).

Veja, na tabela a seguir, quanto você teria ao final de cada período caso aplicasse R$ 10 mil em cada um desses investimentos, nas circunstâncias da simulação anterior:

InvestimentoQuanto você teria após 1 anoQuanto você teria após 2 anos
Caderneta de poupançaR$ 10.704,58R$ 11.458,80
Tesouro Selic 2026R$ 10.811,06R$ 11.698,95
CDB ou fundo Tesouro Selic 100% do CDIR$ 10.820,87R$ 11.715,93
LCI 90% do CDIR$ 10.891,22R$ 11.799,79

Compartilhe

ALTERNATIVA AO PRO SOLUTO

Meu CRI, Minha Vida: em operação inédita, Opea capta R$ 125 milhões para financiar imóvel popular de clientes da MRV

16 de abril de 2024 - 17:27

A Opea Securitizadora e a fintech EmCash acabam de anunciar a emissão do primeiro CRI voltado ao financiamento de unidades lançadas pela MRV dentro do programa habitacional do governo federal

Para onde ir?

Onde investir na renda fixa após tantas mudanças de regras e expectativas? Veja as recomendações das corretoras e bancos

16 de abril de 2024 - 13:03

Mercado agora espera que corte de juro seja menos intenso, e mudanças nos títulos isentos ocasionou alta da demanda por debêntures incentivadas, com queda nas taxas; para onde a renda fixa deve ir, então?

Mordida do Leão

O risco do Tesouro Direto que não te contaram (spoiler: tem a ver com inflação e imposto de renda)

15 de abril de 2024 - 6:04

Mordida do Leão sobre o Tesouro IPCA+ ocorre não só sobre o retorno real do título, mas também sobre a variação da inflação; e isso tem implicações para o investidor

O BRILHO DAS ISENTAS DE IR

A vez da renda fixa: Debêntures impulsionam mercado de capitais no 1T24 após “fim da farra” das LCIs e LCAs 

11 de abril de 2024 - 18:46

A captação do mercado de capitais chegou ao recorde de R$ 130,9 bilhões entre janeiro e março deste ano, impulsionada pelas ofertas de renda fixa

Mudança nas regras

Está faltando papel? Emissões de LCIs e LCAs caíram pela metade depois de aumento do prazo de carência

5 de abril de 2024 - 14:35

Levantamento do JP Morgan mostra queda anual de 40% nas novas emissões de LCIs e LCAs e baixas de 50% a 60% desde aprovação das novas regras; estudo da XP também mostra impacto das medidas na emissão de CRIs e CRAs

Em busca da isenção perdida

Debêntures incentivadas viraram o porto seguro da isenção de IR, mas ainda valem a pena?

4 de abril de 2024 - 6:36

Títulos de dívida emitidos por empresas estão entre os melhores investimentos do ano, com alta de mais de 3,50%; em 12 meses, ganhos ultrapassam 18,50%. Mas depois de toda essa valorização, taxas continuam atrativas?

Oportunidade

Mesmo com a Selic em queda, taxas do Tesouro Direto subiram e voltaram aos níveis de outubro de 2023; vale a pena investir agora?

21 de março de 2024 - 6:00

Títulos públicos mais longos acumulam queda neste início de ano; no caso do Tesouro IPCA+ remuneração voltou a se aproximar dos 6% ao ano mais inflação

Rumo a um dígito

Quanto rendem R$ 100 mil na poupança, no Tesouro Direto e em CDB com a Selic em 10,75%?

20 de março de 2024 - 19:30

Banco Central cortou a taxa básica em mais 0,50 ponto percentual nesta quarta; veja como a rentabilidade dos investimentos conservadores deve reagir

Renda fixa isenta

Sem IR e com dividendos: gestora do Nubank faz oferta pública de cotas do Nu Infra (NUIF11), seu fundo de debêntures incentivadas

18 de março de 2024 - 10:31

Objetivo da Nu Asset é captar R$ 150 milhões para seu fundo de crédito privado focado em infraestrutura

Renda fixa do mês

Itaú BBA e Santander indicam títulos do Tesouro Direto para março; BTG recomenda títulos isentos de imposto de renda

11 de março de 2024 - 16:30

Pós-fixados e indexados à inflação são as escolhas entre os títulos públicos; entre os privados, debêntures incentivadas, CRI e CRA

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar