🔴 É HOJE! COMO COMPRAR CARROS COM ATÉ 50% DE DESCONTO NA TABELA FIPE – CONHEÇA A ESTRATÉGIA

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Renda fixa incentivada

Órfão das LCI e LCA? Banco indica 9 títulos isentos de imposto de renda que rendem mais que o CDI e o Tesouro IPCA+

Itaú BBA recomenda nove títulos de renda fixa, entre debêntures, CRIs e CRAs, acessíveis para investidores em geral e isentos de IR

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
24 de abril de 2024
17:15 - atualizado às 10:02
Leão enjaulado
Imagem: Shutterstock

Os títulos de renda fixa isentos de imposto de renda ficaram mais escassos no mercado e com taxas menores desde que o Conselho Monetário Nacional (CMN) mudou algumas regras de LCI, LCA, CRI e CRA.

No caso das LCI e LCA, a carência dos títulos subiu de três para 12 e nove meses, respectivamente, o que pesou negativamente para os investidores que priorizam liquidez e que não querem ficar com o dinheiro “preso”.

Já entre os CRI e CRA, foram limitados os tipos de empresas que podem emitir esses títulos, bem como os ativos que podem ser usados como garantia.

Entre outros motivos, essas alterações levaram muitos recursos que estavam alocados nesses títulos a migrarem para as debêntures incentivadas – títulos isentos, emitidos por empresas e que não sofrem com carência, podendo ser negociados no mercado secundário antes do vencimento.

Com a demanda mais alta, os preços das debêntures acabaram subindo, o que reduziu suas taxas. Mas isso não significa que não haja mais boas oportunidades entre os papéis incentivados.

O Itaú BBA, por exemplo, acaba de fazer nove recomendações de CRI, CRA e debêntures incentivadas acessíveis a qualquer investidor e que rendem mais que o CDI ou que os títulos públicos Tesouro IPCA+ de prazo equivalente (mesmo antes de descontar o IR, neste último caso).

Não se trata de títulos com risco tão baixo quanto as LCI e LCA, é verdade. Afinal, não têm cobertura o Fundo Garantidor de Créditos (FGC) e, se vendidas antes do vencimento, ficam sujeitas aos preços de mercado, que podem oscilar bastante, causando inclusive desvalorizações.

Mas são papéis que pagam a rentabilidade definida no momento da compra se levados ao vencimento e que não têm carência caso o investidor precise do dinheiro antes do fim do prazo, permitindo-lhe inclusive realizar lucros, caso se valorizem.

O ideal, para quem deseja investir diretamente nos papéis em vez de recorrer a fundos, é priorizar emissores com baixo risco de crédito, que sejam considerados bons pagadores, uma vez que o investidor está exposto ao risco de calote do emissor.

Vamos às recomendações do Itaú BBA:

Títulos isentos de imposto de renda que pagam mais que o Tesouro IPCA+

Para os investidores em geral, o Itaú BBA recomenda sete títulos isentos, sendo um CRA e seis debêntures incentivadas. Veja:

AtivoCódigoVencimentoRetorno anualRetorno sobre o Tesouro IPCA+ de referência* (em pontos percentuais)
CRA Atacadão (Carrefour Brasil)CRA02300W3P15/01/20296,30% + IPCA1,67 p.p.
Debênture RumoRUMOA215/02/20296,20% + IPCA1,58 p.p.
Debênture Águas do Rio 1RISP1215/01/20347,10% + IPCA2,51 p.p.
Debênture Rota das BandeirasCBAN7215/07/20347,00% + IPCA2,42 p.p.
Debênture Rota das BandeirasCBAN1215/07/20346,50% + IPCA1,98 p.p.
Debênture RumoRUMOB515/12/20356,20% + IPCA1,70 p.p.
Debênture CSN MineraçãoCMIN2215/07/20377,10% + IPCA2,53 p.p.
(*) Excesso de retorno do título em relação ao retorno líquido de IR do Tesouro IPCA+ de prazo correspondente.
Fonte: Itaú BBA.

Títulos isentos de imposto de renda que rendem mais que o CDI

O banco também recomenda dois CRIs disponíveis para o público geral que garantem uma rentabilidade superior ao CDI:

AtivoCódigoVencimentoRetorno
CRI Localiza23C024770211/03/2030CDI + 0,60%
CRI Raia Drogasil23H119189916/09/2030CDI + 0,80%
Fonte: Itaú BBA.

O banco nota que o retorno de CDI + 0,60% equivale ao retorno de CDI + 2,60% num título não isento de IR, enquanto o retorno de CDI + 0,80% equivale ao retorno de CDI + 2,70% num título não isento.

  • VEJA TAMBÉM - HERANÇA EM VIDA? O PAI COMPROU O APARTAMENTO DELA, MAS IRMÃO NÃO GOSTOU DISSO. ELE TEM DIREITO A METADE?

Critérios de seleção do Itaú BBA para debêntures, CRI e CRA

O banco explica que sua carteira de top picks de títulos isentos de imposto de renda é composta de papéis que, na visão casa, estão em um momento interessante para compra com vistas ao longo prazo.

O Itaú BBA parte da base dos papéis oferecidos ao mercado pelas principais corretoras e busca selecionar opções de títulos com diferentes prazos, cujos emissores apresentem forte perfil de crédito e uma boa relação de risco-retorno, explica a gestora do banco.

Para a análise de risco dos emissores são considerados seu rating (nota de crédito) médio, a situação atual da empresa/projeto e a evolução esperada das suas métricas de crédito de curto e médio prazo.

“Destacamos que, para o mês de abril, os títulos selecionados possuem ratings médios entre AA+ e AAA, o que indica o perfil “high grade” dos emissores, conferindo um perfil conservador à seleção de Top Picks”, diz o Itaú BBA.

Também são adotados critérios adicionais, como reporte trimestral de resultados pela devedora ou garantidora dos papéis; garantia de uma holding de baixo risco de crédito para todo o prazo do papel ou emissores que possuam histórico relevante de operação ou alavancagem controlada, no caso de debêntures emitidas por projetos; e saldo dos papéis em circulação acima de R$ 150 milhões.

  • [Relatórios gratuitos] Quer receber as melhores ofertas de renda fixa da semana? Cadastre-se AQUI para receber os relatórios mais atualizados da analista Lais Costa, publicados em plataforma exclusiva para os investidores interessados.

Compartilhe

Ainda atrativa

Onde investir na renda fixa em maio: bancos e corretoras recomendam Tesouro Direto, CDBs, LCAs e outros títulos isentos de IR

19 de maio de 2024 - 8:00

De títulos públicos a debêntures incentivadas, veja as indicações de Santander, XP e BTG na renda fixa para este mês

CRÉDITO PRIVADO

Suzano (SUZB3) vai captar R$ 5,9 bilhões em emissão de debêntures — e você pode investir sem pagar IR

17 de maio de 2024 - 19:35

Debêntures isentas da Suzano devem render uma taxa de juros equivalente à do título público corrigido pelo IPCA; saiba mais

Caiu mais

Quanto rendem R$ 100 mil na poupança, no Tesouro Direto e em CDB com a Selic em 10,50%?

8 de maio de 2024 - 19:25

Banco Central cortou a taxa básica em apenas 0,25 ponto percentual nesta quarta; veja como a rentabilidade dos investimentos conservadores deve reagir

Regra de bolso

Investir na renda fixa quando a Selic paga 1% ao mês dá certo? Esta gestora fez as contas – e traz uma estratégia ainda melhor

8 de maio de 2024 - 9:00

O retorno de 1% ao mês é talvez a âncora mental mais forte do investidor brasileiro, mas investir com foco nisso vale a pena?

Em busca da liquidez perdida

Ficou mais difícil investir em LCI e LCA após mudanças nas regras? Veja que outras opções você encontra no mercado

22 de abril de 2024 - 6:45

Prazo de carência de LCIs e LCAs aumentou de três para 12 ou nove meses, respectivamente; além disso, emissões caíram e taxas baixaram. Para onde correr?

ALTERNATIVA AO PRO SOLUTO

Meu CRI, Minha Vida: em operação inédita, Opea capta R$ 125 milhões para financiar imóvel popular de clientes da MRV

16 de abril de 2024 - 17:27

A Opea Securitizadora e a fintech EmCash acabam de anunciar a emissão do primeiro CRI voltado ao financiamento de unidades lançadas pela MRV dentro do programa habitacional do governo federal

Para onde ir?

Onde investir na renda fixa após tantas mudanças de regras e expectativas? Veja as recomendações das corretoras e bancos

16 de abril de 2024 - 13:03

Mercado agora espera que corte de juro seja menos intenso, e mudanças nos títulos isentos ocasionou alta da demanda por debêntures incentivadas, com queda nas taxas; para onde a renda fixa deve ir, então?

Mordida do Leão

O risco do Tesouro Direto que não te contaram (spoiler: tem a ver com inflação e imposto de renda)

15 de abril de 2024 - 6:04

Mordida do Leão sobre o Tesouro IPCA+ ocorre não só sobre o retorno real do título, mas também sobre a variação da inflação; e isso tem implicações para o investidor

O BRILHO DAS ISENTAS DE IR

A vez da renda fixa: Debêntures impulsionam mercado de capitais no 1T24 após “fim da farra” das LCIs e LCAs 

11 de abril de 2024 - 18:46

A captação do mercado de capitais chegou ao recorde de R$ 130,9 bilhões entre janeiro e março deste ano, impulsionada pelas ofertas de renda fixa

Mudança nas regras

Está faltando papel? Emissões de LCIs e LCAs caíram pela metade depois de aumento do prazo de carência

5 de abril de 2024 - 14:35

Levantamento do JP Morgan mostra queda anual de 40% nas novas emissões de LCIs e LCAs e baixas de 50% a 60% desde aprovação das novas regras; estudo da XP também mostra impacto das medidas na emissão de CRIs e CRAs

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar