🔴 SÉRIE EMPIRICUS IN$IGTS: +100 RELATÓRIOS CORTESIA – LIBERE GRATUITAMENTE

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
O país da renda fixa

Mesmo com queda de juros, renda fixa cresceu mais que renda variável em 2023; LCI, LCA, CRI e CRA foram os destaques

Títulos isentos viram crescimentos acima de 50% em número de investidores e volumes; número de CPFs na bolsa se manteve em 5 milhões

B3 com gráficos
B3 divulgou o levantamento anual de número de investidores e volumes nas principais aplicações financeiras do país. Imagem: Shutterstock / Divulgação / Montagem Brenda Silva

Mesmo em um cenário de queda na taxa Selic, a renda fixa cresceu mais que a renda variável em número de investidores pessoas físicas e volume investido no ano passado.

E os destaques foram justamente os títulos isentos de imposto de renda, como LCI, LCA, CRI e CRA, cuja emissão pode diminuir neste ano após restrições impostas pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

Segundo levantamento divulgado pela B3 nesta quinta-feira (15), o número de investidores pessoas físicas (CPFs) com posição em ativos de renda variável na bolsa brasileira no ano passado ficou mais ou menos estável em 5 milhões, com uma leve queda de 1% entre o quarto trimestre de 2023 e o quarto trimestre de 2022.

Já na renda fixa, o número de investidores pessoas físicas (CPFs) cresceu 15% no período, passando de 14,8 milhões para 17,1 milhões.

O valor em custódia nesta classe de ativos cresceu 30% na mesma base de comparação, de R$ 1,65 trilhão para R$ 2,14 trilhão, enquanto na renda variável a alta foi de 20%, passando de R$ 459 bilhões para R$ 551 bilhões.

O volume médio negociado por dia na bolsa, aliás, caiu 26%, de R$ 8,3 bilhões para R$ 6,1 bilhões.

A queda na taxa básica de juros reduz a rentabilidade da renda fixa pós-fixada (indexada à Selic ou ao CDI) e favorece os ativos de risco; e realmente o Ibovespa terminou 2023 com um bom desempenho, marcando uma alta de 22,28%, uma das maiores do ano entre as principais classes de ativos.

Porém, 2023 foi marcado por alta volatilidade na bolsa, enquanto os ativos de renda fixa prefixada e atrelada à inflação viram fortes valorizações, fora a atratividade da isenção de imposto de renda em vários desses títulos.

LCI e CRI apresentaram os maiores crescimentos na renda fixa

Um olhar mais detido sobre cada tipo de ativo no levantamento da B3 mostra que os papéis isentos apresentaram os maiores crescimentos dentro da renda fixa, tanto em número de CPFs quanto em volume investido, superando as altas vistas entre CDBs, RDBs e debêntures.

As Letras de Crédito Imobiliário (LCIs) viram um crescimento de 58% no número de investidores em 2023, passando de 1,5 milhão para 2,3 milhões de CPFs; o volume investido subiu 52%, de R$ 234,6 bilhões para R$ 357,1 bilhões.

Os Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs), por sua vez, viram alta de 53% em número de investidores, passando de 200 mil para 307 mil CPFs, e de 56% em volume investido, passando de R$ 44,4 bilhões para R$ 69,2 bilhões.

Entre os títulos do agro, os Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRAs) viram os maiores crescimentos: 51% no número de investidores, de 307 mil para 462 mil CPFs, e 52% no volume investido, de R$ 70,4 bilhões para R$ 100 bilhões.

Finalmente, as Letras de Crédito do Agronegócio (LCAs) cresceram 29% em número de investidores, de 1,35 milhão para 1,74 milhão de CPFs, e 37% em volume, de R$ 335,1 bilhões para 457,9 bilhões.

As LCIs e LCAs se mantêm como os títulos isentos mais populares, até por serem os mais abundantes e acessíveis entre as pessoas físicas, além de contarem com a proteção do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), garantia que CRIs, CRAs e debêntures não têm.

VEJA TAMBÉM EM A DINHEIRISTA - Posso parar de pagar pensão alimentícia para filha que não vejo há quatro anos?

Na renda variável, ETFs e BDRs viram quedas no número de CPFs

Analisando-se individualmente os ativos de renda variável, houve uma queda no número de investidores com posição em ETFs (fundos de índice negociados em bolsa) e BDRs (recibos de ações estrangeiras) em 2023, de 5% e 41%, respectivamente, embora o valor em custódia tenha subido em ambas as categorias.

O crescimento foi de 30% no caso dos ETFs, de R$ 8,1 bilhões para R$ 10,4 bilhões, e de 42% entre os BDRs, de R$ 5,6 bilhões para R$ 8,2 bilhões.

As ações negociadas no mercado à vista viram um crescimento de 9% no número de investidores, passando de 3,4 milhões para 3,7 milhões de CPFs. O valor em custódia subiu 19%, de R$ 329 bilhões para R$ 391 bilhões.

Já os fundos imobiliários viram um crescimento de 25% no número de investidores, de 2 milhões para 2,5 milhões de CPFs. O volume cresceu 19%, de R$ 107 bilhões para R$ 129 bilhões.

Os investimentos mais populares entre as pessoas físicas brasileiras

Embora criado para ser a porta de entrada dos brasileiros no mundo dos investimentos, o Tesouro Direto ainda não se tornou o investimento mais popular entre as pessoas físicas depois da poupança.

Em 2023, houve crescimento de 16% no número de investidores em títulos públicos pelo programa do Tesouro Nacional, passando de 2,1 milhões para 2,5 milhões. O volume subiu 27%, de R$ 99,6 bilhões para R$ 126,8 bilhões.

Os números, porém, ainda estão bem atrás da aplicação mais popular, os Certificados de Depósitos Bancários (CDBs). Emitidos e distribuídos por bancos – o que facilita para que estes papéis cheguem à pessoa física – os CDBs são tributados, mas também contam com a proteção do FGC e são muito comuns no mercado.

No ano passado, o número de CPFs com CDBs na carteira cresceu 12%, de 10,4 milhões para 11,7 milhões. O volume investido aumentou 15%, de R$ 621,6 bilhões para R$ 712,3 bilhões.

Compartilhe

ALTERNATIVA AO PRO SOLUTO

Meu CRI, Minha Vida: em operação inédita, Opea capta R$ 125 milhões para financiar imóvel popular de clientes da MRV

16 de abril de 2024 - 17:27

A Opea Securitizadora e a fintech EmCash acabam de anunciar a emissão do primeiro CRI voltado ao financiamento de unidades lançadas pela MRV dentro do programa habitacional do governo federal

Para onde ir?

Onde investir na renda fixa após tantas mudanças de regras e expectativas? Veja as recomendações das corretoras e bancos

16 de abril de 2024 - 13:03

Mercado agora espera que corte de juro seja menos intenso, e mudanças nos títulos isentos ocasionou alta da demanda por debêntures incentivadas, com queda nas taxas; para onde a renda fixa deve ir, então?

Mordida do Leão

O risco do Tesouro Direto que não te contaram (spoiler: tem a ver com inflação e imposto de renda)

15 de abril de 2024 - 6:04

Mordida do Leão sobre o Tesouro IPCA+ ocorre não só sobre o retorno real do título, mas também sobre a variação da inflação; e isso tem implicações para o investidor

O BRILHO DAS ISENTAS DE IR

A vez da renda fixa: Debêntures impulsionam mercado de capitais no 1T24 após “fim da farra” das LCIs e LCAs 

11 de abril de 2024 - 18:46

A captação do mercado de capitais chegou ao recorde de R$ 130,9 bilhões entre janeiro e março deste ano, impulsionada pelas ofertas de renda fixa

Mudança nas regras

Está faltando papel? Emissões de LCIs e LCAs caíram pela metade depois de aumento do prazo de carência

5 de abril de 2024 - 14:35

Levantamento do JP Morgan mostra queda anual de 40% nas novas emissões de LCIs e LCAs e baixas de 50% a 60% desde aprovação das novas regras; estudo da XP também mostra impacto das medidas na emissão de CRIs e CRAs

Em busca da isenção perdida

Debêntures incentivadas viraram o porto seguro da isenção de IR, mas ainda valem a pena?

4 de abril de 2024 - 6:36

Títulos de dívida emitidos por empresas estão entre os melhores investimentos do ano, com alta de mais de 3,50%; em 12 meses, ganhos ultrapassam 18,50%. Mas depois de toda essa valorização, taxas continuam atrativas?

Oportunidade

Mesmo com a Selic em queda, taxas do Tesouro Direto subiram e voltaram aos níveis de outubro de 2023; vale a pena investir agora?

21 de março de 2024 - 6:00

Títulos públicos mais longos acumulam queda neste início de ano; no caso do Tesouro IPCA+ remuneração voltou a se aproximar dos 6% ao ano mais inflação

Rumo a um dígito

Quanto rendem R$ 100 mil na poupança, no Tesouro Direto e em CDB com a Selic em 10,75%?

20 de março de 2024 - 19:30

Banco Central cortou a taxa básica em mais 0,50 ponto percentual nesta quarta; veja como a rentabilidade dos investimentos conservadores deve reagir

Renda fixa isenta

Sem IR e com dividendos: gestora do Nubank faz oferta pública de cotas do Nu Infra (NUIF11), seu fundo de debêntures incentivadas

18 de março de 2024 - 10:31

Objetivo da Nu Asset é captar R$ 150 milhões para seu fundo de crédito privado focado em infraestrutura

Renda fixa do mês

Itaú BBA e Santander indicam títulos do Tesouro Direto para março; BTG recomenda títulos isentos de imposto de renda

11 de março de 2024 - 16:30

Pós-fixados e indexados à inflação são as escolhas entre os títulos públicos; entre os privados, debêntures incentivadas, CRI e CRA

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar