🔴 É HOJE! COMO COMPRAR CARROS COM ATÉ 50% DE DESCONTO NA TABELA FIPE – CONHEÇA A ESTRATÉGIA

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Renda fixa do mês

Itaú BBA e Santander indicam títulos do Tesouro Direto para março; BTG recomenda títulos isentos de imposto de renda

Pós-fixados e indexados à inflação são as escolhas entre os títulos públicos; entre os privados, debêntures incentivadas, CRI e CRA

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
11 de março de 2024
16:30 - atualizado às 15:43
Lâmpada ao lado de moedas empilhadas, representando renda fixa
Imagem: Shutterstock

Se você está à procura de opções na renda fixa para investir em março, três grandes bancos fizeram recomendações. Itaú BBA e Santander publicaram relatórios com sugestões de títulos públicos no Tesouro Direto; já o BTG Pactual trouxe uma carteira de títulos privados isentos de imposto de renda, entre debêntures incentivadas, CRIs e CRAs.

Confira:

Tesouro Direto: pós-fixados e indexados à inflação longos se mantêm atrativos

O Itaú BBA manteve o perfil da sua carteira recomendada de títulos públicos, que continua com alocação balanceada entre títulos pós-fixados, atrelados à inflação de longo prazo e posições mais pontuais em prefixados.

No entanto, a mudança anual feita na oferta de títulos pelo Tesouro Direto fez com que a gestora do banco substituísse alguns papéis da carteira, trocando o Tesouro Selic 2026 e o Tesouro Prefixado 2026, que deixaram de ser oferecidos para o investidor comprar, pelos títulos mais curtos que passaram a ser oferecidos: o Tesouro Selic 2027 (com 30% de exposição da carteira) e o Tesouro Prefixado 2027 (com exposição de 20% da carteira).

  • Existe renda fixa “imune” à queda da Selic? Analista recomenda títulos que podem render bem mais do que o IPCA e do que CDI. Baixe o relatório gratuito aqui.

Quem já tem os títulos com vencimento em 2026 na carteira, porém, pode carregá-los ao vencimento, se desejar, ou então resgatá-los a qualquer momento. Mesmo não sendo mais oferecidos para compra, eles ainda mantêm a sua liquidez diária.

Assim, a carteira recomendada de títulos públicos do Itaú BBA ficou assim:

Título públicoRentabilidade anualPeso
Tesouro Selic 2027Selic + 0,1030%30%
Tesouro Prefixado 20279,99%20%
Tesouro IPCA+ 2029IPCA + 5,55%30%
Tesouro IPCA+ 2045IPCA + 5,79%20%
Fonte: Itaú BBA

Já o Santander manteve a sua recomendação de compra para o Tesouro IPCA+ 2035. “Se os ventos domésticos se provarem favoráveis para os ativos de risco (menores ruídos políticos, inflação convergindo à meta no médio prazo e promessas de responsabilidade fiscal em 2024), podemos ver um menor prêmio de risco para os títulos públicos reais, favorecendo a marcação a mercado deles. Caso a percepção de risco piore e o dólar volte a se valorizar, a proteção contra a inflação do título recomendado exercerá sua função”, diz o banco.

Em outras palavras, por um lado o título tem potencial de valorização caso o cenário melhore para os ativos de risco e os juros futuros recuem; por outro, a proteção contra a inflação se mostra útil em um cenário em que a percepção de risco piore.

Títulos privados incentivados: CRIs e CRAs dividem espaço com debêntures incentivadas

Já o BTG Pactual publicou alterações na sua carteira de títulos de crédito isentos de IR, que agora conta com um CRA a mais.

Ainda assim, a retirada de papéis da carteira não necessariamente corresponde a uma recomendação de venda.

Para o mês de março, o BTG retirou a debênture da TIM (TIMS12) e a CRI de Localiza (23C0247702), uma vez que ambas se valorizaram e viram uma queda de taxa devido à demanda maior recentemente. Mesmo assim, a recomendação do banco para quem tem esses ativos na carteira é manutenção, não venda.

No lugar desses dois papéis foram acrescentados um novo CRI, desta vez da Original Holding (Automob), negociada sob o código 22L2288683; e um CRA, da Armac, negociado sob o código CRA022007KH.

Entre os motivos para as escolhas do CRI, o BTG cita a fiança da holding Simpar e a posição de liderança do emissor no segmento de automóveis de luxo; já para o CRA, o banco cita a queda na alavancagem, a posição de caixa confortável e a posição de liderança do emissor.

Veja todas as recomendações do BTG Pactual na renda fixa isenta de IR para março:

TítuloSetorClassificação de risco (rating)Data de vencimentoRentabilidade anual***
CRA Armac (CRA022007KH)Transporte e logísticaAA-15/06/2029IPCA + 6,08%
Debênture Equatorial Gás (CGOS24)*Distribuição de energiaAAA15/10/2031IPCA + 5,16%
Debênture Rota das Bandeiras (CBAN12)Concessão rodoviáriaAAA15/07/2034IPCA + 5,86%
Debênture Hélio Valgas (HVSP11)Geração de energia (solar)AA-15/06/2038IPCA + 6,23
Debênture Origem Energia (ORIG11)Óleo e GásA15/12/2035IPCA + 7,18%
Debênture Mata de Santa Genebra (MSGT33)Transmissão de energiaAA15/11/2037IPCA + 5,83%
Debênture Iguá Rio de Janeiro (IRJS14)SaneamentoAA+15/05/2043IPCA + 6,29%
CRA Minerva (CRA02300MJ9)**FrigoríficoAAA15/09/2028CDI + 0,80%
CRI Yduqs (23J1142031)**EducaçãoAAA16/10/2028CDI + 0,40%
CRI Original Holding (Automob) (22L2288683)Transporte e logísticaAAA15/04/2030CDI + 1,20%
(*) Apenas para investidor profissional, aqueles com mais de R$ 10 milhões em aplicações financeiras
(**) Apenas para investidor qualificado, aqueles com mais de R$ 1 milhão em aplicações financeiras
(***) Na plataforma do BTG Pactual
Fonte: BTG Pactual.

Compartilhe

Ainda atrativa

Onde investir na renda fixa em maio: bancos e corretoras recomendam Tesouro Direto, CDBs, LCAs e outros títulos isentos de IR

19 de maio de 2024 - 8:00

De títulos públicos a debêntures incentivadas, veja as indicações de Santander, XP e BTG na renda fixa para este mês

CRÉDITO PRIVADO

Suzano (SUZB3) vai captar R$ 5,9 bilhões em emissão de debêntures — e você pode investir sem pagar IR

17 de maio de 2024 - 19:35

Debêntures isentas da Suzano devem render uma taxa de juros equivalente à do título público corrigido pelo IPCA; saiba mais

Caiu mais

Quanto rendem R$ 100 mil na poupança, no Tesouro Direto e em CDB com a Selic em 10,50%?

8 de maio de 2024 - 19:25

Banco Central cortou a taxa básica em apenas 0,25 ponto percentual nesta quarta; veja como a rentabilidade dos investimentos conservadores deve reagir

Regra de bolso

Investir na renda fixa quando a Selic paga 1% ao mês dá certo? Esta gestora fez as contas – e traz uma estratégia ainda melhor

8 de maio de 2024 - 9:00

O retorno de 1% ao mês é talvez a âncora mental mais forte do investidor brasileiro, mas investir com foco nisso vale a pena?

Renda fixa incentivada

Órfão das LCI e LCA? Banco indica 9 títulos isentos de imposto de renda que rendem mais que o CDI e o Tesouro IPCA+

24 de abril de 2024 - 17:15

Itaú BBA recomenda nove títulos de renda fixa, entre debêntures, CRIs e CRAs, acessíveis para investidores em geral e isentos de IR

Em busca da liquidez perdida

Ficou mais difícil investir em LCI e LCA após mudanças nas regras? Veja que outras opções você encontra no mercado

22 de abril de 2024 - 6:45

Prazo de carência de LCIs e LCAs aumentou de três para 12 ou nove meses, respectivamente; além disso, emissões caíram e taxas baixaram. Para onde correr?

ALTERNATIVA AO PRO SOLUTO

Meu CRI, Minha Vida: em operação inédita, Opea capta R$ 125 milhões para financiar imóvel popular de clientes da MRV

16 de abril de 2024 - 17:27

A Opea Securitizadora e a fintech EmCash acabam de anunciar a emissão do primeiro CRI voltado ao financiamento de unidades lançadas pela MRV dentro do programa habitacional do governo federal

Para onde ir?

Onde investir na renda fixa após tantas mudanças de regras e expectativas? Veja as recomendações das corretoras e bancos

16 de abril de 2024 - 13:03

Mercado agora espera que corte de juro seja menos intenso, e mudanças nos títulos isentos ocasionou alta da demanda por debêntures incentivadas, com queda nas taxas; para onde a renda fixa deve ir, então?

Mordida do Leão

O risco do Tesouro Direto que não te contaram (spoiler: tem a ver com inflação e imposto de renda)

15 de abril de 2024 - 6:04

Mordida do Leão sobre o Tesouro IPCA+ ocorre não só sobre o retorno real do título, mas também sobre a variação da inflação; e isso tem implicações para o investidor

O BRILHO DAS ISENTAS DE IR

A vez da renda fixa: Debêntures impulsionam mercado de capitais no 1T24 após “fim da farra” das LCIs e LCAs 

11 de abril de 2024 - 18:46

A captação do mercado de capitais chegou ao recorde de R$ 130,9 bilhões entre janeiro e março deste ano, impulsionada pelas ofertas de renda fixa

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar