🔴 É HOJE! COMO COMPRAR CARROS COM ATÉ 50% DE DESCONTO NA TABELA FIPE – CONHEÇA A ESTRATÉGIA

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Regra de bolso

Investir na renda fixa quando a Selic paga 1% ao mês dá certo? Esta gestora fez as contas – e traz uma estratégia ainda melhor

O retorno de 1% ao mês é talvez a âncora mental mais forte do investidor brasileiro, mas investir com foco nisso vale a pena?

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
8 de maio de 2024
9:00 - atualizado às 17:44
Cofrinhos de porquinho representando investimento em poupança, CDB e renda fixa em geral
Imagem: Shutterstock

O retorno de 1% ao mês é talvez a âncora mental mais forte do investidor brasileiro, principalmente do mais conservador e afeito às aplicações de renda fixa.

Por isso, quando a Selic cai abaixo de 12% ao ano – fazendo com que os investimentos de menor risco deixem de oferecer a rentabilidade almejada – quem tem dinheiro guardado e muita aversão a risco costuma ficar chateado.

Mas mesmo os investidores que não se importam de tomar risco fogem da renda variável para a renda fixa quando a taxa básica de juros está mais elevada.

Hoje, o Brasil vive um ciclo de cortes de juros, que trouxe a taxa básica de 13,75% ao ano, em agosto de 2023, para os atuais 10,75%, e com expectativa de uma nova queda nesta quarta-feira (08).

Ou seja, há algum tempo os investimentos mais conservadores, que rendem 100% do CDI ou a variação da Selic, já não pagam mais aquele 1% ao mês.

Mas essa estratégia de mirar em um retorno de 1% ao mês é mesmo a mais acertada? Ou melhor, a escolha deste "número mágico" faz sentido, ou é meio arbitrária?

A âncora do 1% ao mês faz sentido?

Quem também se questionou sobre isso e tentou dar uma resposta a essa pergunta em sua carta mensal de maio foi a gestora de ações Ártica, responsável pelo fundo Ártica Long Term FIA.

Liderada por Ivan Barboza e Raphael Castilho, a equipe da Ártica fez, na sua comunicação com os cotistas, um exercício para verificar a eficiência da estratégia de migrar para a renda fixa sempre que a Selic esteja num patamar capaz de fazer as aplicações conservadores pagarem 1% ao mês.

A gestora parte da premissa de que boa parte dos investidores brasileiros – dos iniciantes aos mais abastados – preferem a renda fixa quando o juros estão acima de 12% ao ano e só exploram outras classes de ativos quando as taxas caem abaixo deste patamar, a fim de buscar o almejado 1% ao mês novamente.

A questão colocada é: há racionalidade na escolha de uma taxa de retorno fixa? E nesta de 1% ao mês, especificamente?

Segundo a Ártica, do ponto de vista histórico, a escolha do 1% ao mês até que fez sentido. A gestora lembra que, nos últimos 20 anos, a média da Selic, foi próxima de 11% ao ano, e é daí que vem a referência do 1% ao mês como sendo a taxa de retorno típica da renda fixa no Brasil.

É claro que a Selic oscilou bastante ao longo dos anos, tendo chegado inclusive a cair abaixo de 2% ao ano em 2020; também houve grande variação na taxa de juro real, isto é, a diferença entre a Selic e a inflação.

"O retorno real, o que verdadeiramente importa para investimentos, é ainda mais volátil que a Selic", escreve a Ártica. Afinal, apenas um ganho real de fato deixa o investidor mais rico, para além de apenas preservar seu poder de compra.

Aliás, embora o juro real tenha sido quase sempre positivo, em dois anos das últimas duas décadas ele foi negativo, como mostra o gráfico a seguir, elaborado pela Ártica e considerando a meta da taxa Selic:

Evolução da meta da Selic, da inflação pelo IPCA e dos juros reais entre 2004 e 2024
Fonte: Ártica, com dados do Banco Central e do IBGE.

A 'armadilha' da busca por 1% ao mês

Para testar se a regra intuitiva do investidor brasileiro está correta – isto é, investir em renda fixa quando os juros estão acima de determinado patamar e em bolsa quando os juros estão abaixo desta taxa –, a Ártica simulou o retorno de uma carteira de investimentos que ficasse 100% alocada em renda fixa sempre que a meta para a Selic fosse maior ou igual a 12% ao ano e 100% alocada em renda variável quando a meta da taxa básica caísse abaixo desse patamar.

O retorno adotado para a renda fixa foi a variação do CDI e, para a renda variável, o do Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira.

No período entre janeiro de 2004 e março de 2024, pouco mais de 20 anos, a estratégia teve um retorno anual médio de 11,8% ao ano (ou cerca de 1% ao mês), de fato superando tanto o CDI, que rendeu 10,7% ao ano no período, quanto o Ibovespa, que rendeu 9,0% ao ano no período.

Ou seja, de fato essa regra intuitiva do brasileiro deu um resultado positivo a menos nas últimas duas décadas. "Porém, não há um racional claro para usar uma taxa nominal fixa como referência em decisões de alocação ou para que 12% seja o melhor valor para essa taxa", alerta a gestora.

Em outras palavras, por que 12% e não outra taxa? Por sinal, nas simulações da Ártica, a taxa de referência que maximizaria o retorno no período considerado é 11,4% – se tivesse investido tudo em renda fixa quando a meta da Selic estivesse em 11,4% ou acima e tudo em renda variável se os juros estivessem abaixo desta taxa, o investidor teria auferido um retorno médio de 12,50% ao ano no período.

Já se fosse adotada uma taxa de 10% ou 13% como referência para mudar a alocação nessa estratégia, o retorno já teria sido inferior ao CDI.

"A sensibilidade do retorno à taxa exata usada como referência indica a natureza casuística desses resultados e o problema de adotar regras não fundamentadas. Por isso, convém buscar alguma regra mais eficiente, ainda exigindo que seja simples e prática o suficiente para qualquer investidor adotar", diz a carta.

  • Existe renda fixa “imune” à queda da Selic? Analista recomenda títulos que podem render bem mais do que o IPCA e do que CDI. Baixe o relatório gratuito aqui.

Em busca de uma regra de bolso com base na taxa Selic

Juros altos tendem a derrubar os preços das ações, primeiro porque dificultam o crescimento econômico ao encarecer o custo do crédito, segundo porque tornam a renda fixa mais atrativa, fazendo com que o investidor passe a exigir uma taxa de retorno maior na renda variável, a fim de compensar o risco em relação à renda fixa.

Assim, se o fluxo de caixa de uma empresa permanecer o mesmo, com a Selic mais alta, os preços das suas ações precisam cair para que estes retornos fiquem atrativos. As ações, então, ficam baratas.

"Dessa maneira, a estratégia mais eficaz seria investir em renda variável quando os juros estiverem em seu patamar máximo e voltar para renda fixa no patamar mínimo dos juros. O problema é que máximas e mínimas de juros não são fáceis de se prever, tornando essa estratégia pouco implementável na prática", diz a carta da Ártica.

Assim, a gestora propõe uma alternativa mais factível a essa estratégia: priorizar o investimento em renda variável quando os juros estiverem começando a cair e priorizar a renda fixa quando as taxas estiverem começando a subir. Afinal, uma vez iniciado um ciclo, o Banco Central começa a dar mais previsibilidade sobre a trajetória dos juros.

A partir dessa ideia, a gestora simulou o que aconteceria se o investidor alocasse 100% da carteira em ações no início de um ciclo de cortes na meta da Selic (ou seja, com a taxa próxima da máxima) e migrasse a totalidade do seu portfólio para renda fixa quando a meta da Selic estivesse no início de um ciclo de altas (isto é, próxima da mínima) – algo contraintuitivo e diferente do que os investidores costumam fazer.

Com essa estratégia, o retorno anual médio do investidor teria sido de 16,3% ao ano nos últimos 20 anos, bem mais do que os 11,8% da estratégia do 1% ao mês. Confira o gráfico com os resultados das simulações das duas estratégias e os desempenhos do CDI e do Ibovespa no período:

Comparação entre as estratégias de investimento com base na Selic com Ibovespa e CDI feita pela gestora Ártica na sua carta aos cotistas de maio de 2024.
Fonte: Ártica

"Também ressaltamos como investir em renda variável pode levar a retornos substancialmente maiores do que apenas manter todo o patrimônio alocado em renda fixa, mesmo nessa análise em que usamos o Ibovespa como referência para retorno da renda variável", observa a gestora, na carta.

A Ártica lembra que simplesmente investir em um veículo atrelado ao Ibovespa é uma estratégia totalmente passiva, em que se seleciona apenas as ações mais negociadas do mercado, sem preocupação de escolher necessariamente as melhores empresas para se investir.

Em seguida, dão o exemplo do retorno do próprio fundo da casa, o Ártica Long Term FIA, que tem uma gestão ativa e apresentou um retorno médio anual de 30,5% ao ano (21,6% ao ano acima da inflação), nos seus 11 anos de existência.

VEJA TAMBÉM: O choque de realidade de CAMPOS NETO: como ficam BOLSA e RENDA FIXA? I TOUROS E URSOS

Conclusões

O exercício da Ártica leva em consideração uma alocação um tanto radical, uma vez que o investidor está sempre concentrado em uma única classe de ativos, sem qualquer diversificação entre classes, o que não é o ideal do ponto de vista do risco, embora tenha funcionado no período estudado em termos de retorno.

Ele é feliz, no entanto, em mostrar que considerar a trajetória da Selic para priorizar uma classe de ativos em relação às outras a depender da trajetória de juros pode fazer sentido.

A Ártica termina sua carta propondo uma estratégia de investimentos simples a partir dessa visão, mas que também leve em conta o fator risco.

Para a gestora, a melhor estratégia não é determinar uma taxa de retorno alvo fixa (por exemplo, 1% ao mês ou 12% ao ano), como o investidor pessoa física tende a fazer, intuitivamente.

Isso porque essa estratégia levaria o investidor a se acomodar na renda fixa nos momentos de juros altos, que são geralmente aqueles em que há mais oportunidades no mercado, uma vez que é quando os ativos de risco justamente ficam mais baratos.

Por outro lado, o investidor seria levado a correr riscos apenas quando os juros estão baixos, a fim de sair "em busca do 1% perdido", que é justamente quando os prêmios dos ativos de risco ficam menores.

Assim, a melhor estratégia, para os gestores da Ártica, é priorizar os ativos de risco quando o mercado estiver pessimista e os juros estiverem altos e voltar para as classes mais conservadoras, como renda fixa pós-fixada, quando o mercado estiver otimista e os juros estiverem baixos.

"Pode parecer contraintuitivo por ser o inverso do que a maioria dos investidores faz, mas lembre-se que é dos erros da maioria dos investidores que vêm os retornos extras da minoria de investidores muito bem-sucedidos", conclui a Ártica, citando frases célebres de grandes investidores que apontam neste sentido:

“Seja receoso quando os outros estão gananciosos e ganancioso quando os outros estão receosos.” – Warren Buffett

“Quando o mundo só quer comprar títulos do Tesouro, você quase pode fechar os olhos e comprar ações.” – Michael Steinhardt

“A melhor hora para comprar uma casa é quando mais ninguém quer uma.” – John Maynard Keynes

Compartilhe

Ainda atrativa

Onde investir na renda fixa em maio: bancos e corretoras recomendam Tesouro Direto, CDBs, LCAs e outros títulos isentos de IR

19 de maio de 2024 - 8:00

De títulos públicos a debêntures incentivadas, veja as indicações de Santander, XP e BTG na renda fixa para este mês

CRÉDITO PRIVADO

Suzano (SUZB3) vai captar R$ 5,9 bilhões em emissão de debêntures — e você pode investir sem pagar IR

17 de maio de 2024 - 19:35

Debêntures isentas da Suzano devem render uma taxa de juros equivalente à do título público corrigido pelo IPCA; saiba mais

Caiu mais

Quanto rendem R$ 100 mil na poupança, no Tesouro Direto e em CDB com a Selic em 10,50%?

8 de maio de 2024 - 19:25

Banco Central cortou a taxa básica em apenas 0,25 ponto percentual nesta quarta; veja como a rentabilidade dos investimentos conservadores deve reagir

Renda fixa incentivada

Órfão das LCI e LCA? Banco indica 9 títulos isentos de imposto de renda que rendem mais que o CDI e o Tesouro IPCA+

24 de abril de 2024 - 17:15

Itaú BBA recomenda nove títulos de renda fixa, entre debêntures, CRIs e CRAs, acessíveis para investidores em geral e isentos de IR

Em busca da liquidez perdida

Ficou mais difícil investir em LCI e LCA após mudanças nas regras? Veja que outras opções você encontra no mercado

22 de abril de 2024 - 6:45

Prazo de carência de LCIs e LCAs aumentou de três para 12 ou nove meses, respectivamente; além disso, emissões caíram e taxas baixaram. Para onde correr?

ALTERNATIVA AO PRO SOLUTO

Meu CRI, Minha Vida: em operação inédita, Opea capta R$ 125 milhões para financiar imóvel popular de clientes da MRV

16 de abril de 2024 - 17:27

A Opea Securitizadora e a fintech EmCash acabam de anunciar a emissão do primeiro CRI voltado ao financiamento de unidades lançadas pela MRV dentro do programa habitacional do governo federal

Para onde ir?

Onde investir na renda fixa após tantas mudanças de regras e expectativas? Veja as recomendações das corretoras e bancos

16 de abril de 2024 - 13:03

Mercado agora espera que corte de juro seja menos intenso, e mudanças nos títulos isentos ocasionou alta da demanda por debêntures incentivadas, com queda nas taxas; para onde a renda fixa deve ir, então?

Mordida do Leão

O risco do Tesouro Direto que não te contaram (spoiler: tem a ver com inflação e imposto de renda)

15 de abril de 2024 - 6:04

Mordida do Leão sobre o Tesouro IPCA+ ocorre não só sobre o retorno real do título, mas também sobre a variação da inflação; e isso tem implicações para o investidor

O BRILHO DAS ISENTAS DE IR

A vez da renda fixa: Debêntures impulsionam mercado de capitais no 1T24 após “fim da farra” das LCIs e LCAs 

11 de abril de 2024 - 18:46

A captação do mercado de capitais chegou ao recorde de R$ 130,9 bilhões entre janeiro e março deste ano, impulsionada pelas ofertas de renda fixa

Mudança nas regras

Está faltando papel? Emissões de LCIs e LCAs caíram pela metade depois de aumento do prazo de carência

5 de abril de 2024 - 14:35

Levantamento do JP Morgan mostra queda anual de 40% nas novas emissões de LCIs e LCAs e baixas de 50% a 60% desde aprovação das novas regras; estudo da XP também mostra impacto das medidas na emissão de CRIs e CRAs

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar