🔴 É HOJE! COMO COMPRAR CARROS COM ATÉ 50% DE DESCONTO NA TABELA FIPE – CONHEÇA A ESTRATÉGIA

Camille Lima
Camille Lima
Repórter no Seu Dinheiro. Estudante de Jornalismo na Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Já passou pela redação do TradeMap.
O BRILHO DAS ISENTAS DE IR

A vez da renda fixa: Debêntures impulsionam mercado de capitais no 1T24 após “fim da farra” das LCIs e LCAs 

A captação do mercado de capitais chegou ao recorde de R$ 130,9 bilhões entre janeiro e março deste ano, impulsionada pelas ofertas de renda fixa

Camille Lima
Camille Lima
11 de abril de 2024
18:46 - atualizado às 18:23
renda fixa
Imagem: Mehaniq

O setor de renda fixa brilhou no primeiro trimestre de 2024, que registrou captação recorde para o período, de R$ 114,1 bilhões em ofertas entre janeiro e março, de acordo com dados da Anbima.

O volume de captação do segmento foi quase o dobro do montante registrado nos três primeiros meses de 2023, com um avanço de 98%.

As debêntures lideraram as captações desse segmento no período, com um aumento de 94% em relação ao primeiro trimestre do ano passado, para R$ 71,9 bilhões. Aliás, esses títulos de dívida emitidos por empresas figuraram no ranking de melhores investimentos de março

O desempenho das ofertas de renda fixa impulsionou o mercado de capitais brasileiro como um todo, que somou uma captação de R$ 130,9 bilhões entre janeiro e março deste ano — a maior cifra registrada na série histórica.

A vez das debêntures incentivadas

Um produto de renda fixa foi destaque no primeiro trimestre de 2024: as debêntures incentivadas

Consideradas um porto seguro de isenção de imposto de renda (IR), as debêntures incentivadas registraram o melhor primeiro trimestre da série histórica, com uma captação de R$ 19,9 bilhões. 

“Esse produto se tornou ainda mais atrativo com as restrições recentes a outros ativos isentos”, disse Guilherme Maranhão, presidente do Fórum de Estruturação de Mercado de Capitais da Anbima. 

Relembrando, no começo deste ano, o governo decidiu alterar as regras para títulos de renda fixa isentos de IR, restringindo a emissão ou aumentando os prazos de carência.

Entre os produtos impactados, estão as letras de crédito imobiliário (LCI) e do agronegócio (LCA), os certificados de recebíveis imobiliários (CRI) e do agronegócio (CRA) e a letra imobiliária garantida (LIG).

Outros destaques do trimestre

E por falar nos instrumentos de securitização, os CRIs fecharam o primeiro trimestre com volume de R$ 15,1 bilhões, crescimento de 162,1% na base anual, enquanto os CRAs encerraram o período com R$ 12,5 bilhões, aumento de 133,3%. 

Já os fundos de investimento em direitos creditórios (FIDCs) tiveram um acréscimo de 81%, para R$ 11,1 bilhões. 

Do lado dos imóveis, os fundos imobiliários (FIIs) tiveram um salto de 226,4%, a R$ 12,8 bilhões.

Enquanto isso, o mercado de ações registrou quatro ofertas subsequentes (follow-ons) no primeiro trimestre, que somaram R$ 3,8 bilhões.

Por sua vez, as emissões externas totalizaram US$ 8,9 bilhões entre janeiro e março de 2024 — equivalente a 58% de todo o volume do ano anterior. Na comparação com o mesmo período do ano anterior, o aumento foi de 795%.

Compartilhe

Ainda atrativa

Onde investir na renda fixa em maio: bancos e corretoras recomendam Tesouro Direto, CDBs, LCAs e outros títulos isentos de IR

19 de maio de 2024 - 8:00

De títulos públicos a debêntures incentivadas, veja as indicações de Santander, XP e BTG na renda fixa para este mês

CRÉDITO PRIVADO

Suzano (SUZB3) vai captar R$ 5,9 bilhões em emissão de debêntures — e você pode investir sem pagar IR

17 de maio de 2024 - 19:35

Debêntures isentas da Suzano devem render uma taxa de juros equivalente à do título público corrigido pelo IPCA; saiba mais

Caiu mais

Quanto rendem R$ 100 mil na poupança, no Tesouro Direto e em CDB com a Selic em 10,50%?

8 de maio de 2024 - 19:25

Banco Central cortou a taxa básica em apenas 0,25 ponto percentual nesta quarta; veja como a rentabilidade dos investimentos conservadores deve reagir

Regra de bolso

Investir na renda fixa quando a Selic paga 1% ao mês dá certo? Esta gestora fez as contas – e traz uma estratégia ainda melhor

8 de maio de 2024 - 9:00

O retorno de 1% ao mês é talvez a âncora mental mais forte do investidor brasileiro, mas investir com foco nisso vale a pena?

Renda fixa incentivada

Órfão das LCI e LCA? Banco indica 9 títulos isentos de imposto de renda que rendem mais que o CDI e o Tesouro IPCA+

24 de abril de 2024 - 17:15

Itaú BBA recomenda nove títulos de renda fixa, entre debêntures, CRIs e CRAs, acessíveis para investidores em geral e isentos de IR

Em busca da liquidez perdida

Ficou mais difícil investir em LCI e LCA após mudanças nas regras? Veja que outras opções você encontra no mercado

22 de abril de 2024 - 6:45

Prazo de carência de LCIs e LCAs aumentou de três para 12 ou nove meses, respectivamente; além disso, emissões caíram e taxas baixaram. Para onde correr?

ALTERNATIVA AO PRO SOLUTO

Meu CRI, Minha Vida: em operação inédita, Opea capta R$ 125 milhões para financiar imóvel popular de clientes da MRV

16 de abril de 2024 - 17:27

A Opea Securitizadora e a fintech EmCash acabam de anunciar a emissão do primeiro CRI voltado ao financiamento de unidades lançadas pela MRV dentro do programa habitacional do governo federal

Para onde ir?

Onde investir na renda fixa após tantas mudanças de regras e expectativas? Veja as recomendações das corretoras e bancos

16 de abril de 2024 - 13:03

Mercado agora espera que corte de juro seja menos intenso, e mudanças nos títulos isentos ocasionou alta da demanda por debêntures incentivadas, com queda nas taxas; para onde a renda fixa deve ir, então?

Mordida do Leão

O risco do Tesouro Direto que não te contaram (spoiler: tem a ver com inflação e imposto de renda)

15 de abril de 2024 - 6:04

Mordida do Leão sobre o Tesouro IPCA+ ocorre não só sobre o retorno real do título, mas também sobre a variação da inflação; e isso tem implicações para o investidor

Mudança nas regras

Está faltando papel? Emissões de LCIs e LCAs caíram pela metade depois de aumento do prazo de carência

5 de abril de 2024 - 14:35

Levantamento do JP Morgan mostra queda anual de 40% nas novas emissões de LCIs e LCAs e baixas de 50% a 60% desde aprovação das novas regras; estudo da XP também mostra impacto das medidas na emissão de CRIs e CRAs

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar