🔴 É HOJE! COMO COMPRAR CARROS COM ATÉ 50% DE DESCONTO NA TABELA FIPE – CONHEÇA A ESTRATÉGIA

Carolina Gama
Formada em jornalismo pela Cásper Líbero, já trabalhou em redações de economia de jornais como DCI e em agências de tempo real como a CMA. Já passou por rádios populares e ganhou prêmio em Portugal.
UM SUSPIRO

Os juros continuarão altos nos EUA? Inflação de abril traz alívio, mas Fed ainda tem que tirar as pedras do caminho

O índice de preços ao consumidor norte-americano de abril desacelerou para 3,4% em base anual assim como o seu núcleo; analistas dizem o que é preciso agora para convencer o banco central a iniciar o ciclo de afrouxamento monetário por lá

Carolina Gama
15 de maio de 2024
14:54 - atualizado às 15:01
Montagem de Jerome Powell em carro de fórmula 1 atrás da curva competindo com carro da frente com nome de inflação
Jerome Powell em carro de fórmula 1 atrás de carro da inflação que está na frente - Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock / Divulgação

O índice de preços ao consumidor norte-americano de abril trouxe alívio para os investidores, mas está longe de ser o suficiente para que o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) inicie o tão esperado ciclo de afrouxamento monetário. Atualmente, os juros por lá estão na faixa entre 5,25% e 5,50% ao ano, o maior nível em mais de 20 anos.

Em abril, o chamado CPI subiu 0,3% ante março, segundo dados com ajustes sazonais publicados nesta quarta-feira (15) pelo Departamento do Trabalho. O núcleo do CPI, que exclui os voláteis preços de alimentos e energia, também avançou 0,3% na comparação mensal. 

Em termos anuais, o CPI dos EUA subiu 3,4% em abril, desacelerando frente ao aumento de 3,5% de março. Já o núcleo do CPI teve incremento anual de 3,6% no mês passado, perdendo força ante a alta de 3,8% de março.

As leituras, em sua maioria, vieram em linha com a expectativa do mercado e também deram uma trégua em relação aos três últimos meses, que trouxeram dados acima do projetado pelo mercado. Ainda assim, não é o suficiente para convencer o Fed a cortar os juros agora. 

  • Como proteger os seus investimentos: dólar e ouro são ativos “clássicos” para quem quer blindar o patrimônio da volatilidade do mercado. Mas, afinal, qual é a melhor forma de investir em cada um deles? Descubra aqui.

“Jay Powell respirará aliviado depois que o relatório de inflação de abril mostrou que as pressões sobre os preços diminuíram um pouco”, disse a CIBC Economics em relatório, acrescentando que “o Fed precisa ver mais” para começar o ciclo de afrouxamento monetário nos EUA. 

Ainda assim, os mercados se animaram com o dado. Em Wall Street, o S&P 500 e o Nasdaq subiram para máximas intradiárias, enquanto o yield (rendimento) dos títulos do Tesouro norte-americano de dez e dois anos recuaram pelo menos seis pontos-base. Acompanhe nossa cobertura ao vivo dos mercados

Por aqui, o CPI ficou em segundo plano, ofuscado pela demissão do presidente da Petrobras (PETR4), Jean Paul Prates, na noite anterior. O Seu Dinheiro conta tudo para você sobre as mudanças na estatal e o que fazer com as ações da petroleira agora.

O que falta para os juros caírem nos EUA?

O presidente do Fed, Jerome Powell, repetidamente diz que o banco central norte-americano precisa de confiança nos dados da inflação para começar a cortar os juros — ele quer garantias de que os preços nos EUA estão em trajetória sustentável de queda

Além disso, Powell também já afirmou várias vezes que o comitê de política monetária (Fomc, na sigla em inglês) não toma decisões baseadas em um dado isolado — é preciso um conjunto de dados que apontem uma tendência para convencer o banco central norte-americano a cortar ou subir os juros. 

Não por acaso, falando na véspera da divulgação do CPI, em evento na Holanda, Powell foi categórico ao dizer que é preciso ter paciência e deixar a política monetária restritiva fazer seu trabalho com relação à inflação. 

"Provavelmente é mais uma questão de deixar juros no nível atual por mais tempo", disse ele durante uma sessão de perguntas e respostas em evento da Foreign Bankers Amsterdam.

FED VAI 'ATRAPALHAR' A BOLSA BRASILEIRA?

Powell reconheceu que o Fed fez um progresso real no combate à inflação, ressaltando a desaceleração vista no ano passado e afirmou esperar que os preços baixem a um nível próximo ao de antes da pandemia da covid-19. 

Ainda assim, segundo ele, Fed ainda não sabe se a inflação será mais persistente que o previsto. 

"O aperto monetário poderá levar mais tempo que o esperado para fazer seu trabalho e desacelerar a inflação", afirmou Powell, acrescentando que  sua confiança na desinflação não está tão forte como esteve no ano passado, embora tenha reiterado que vai conseguir atingir a meta de 2% ao ano. 

Dá para dizer quando os juros vão cair?

Saber quando os juros vão cair nos EUA não é tarefa fácil — ainda mais quando nem mesmo o presidente do Fed é capaz de dar um sinal mais claro sobre o afrouxamento monetário. Mas o mercado renova suas apostas a cada novo dado de inflação e emprego

A Capital Economics, por exemplo, avalia que o CPI de abril é consistente com uma redução dos juros em setembro. 

A consultoria vê a alta mensal do CPI tanto no índice cheio quanto no núcleo em 0,3% como "melhor ainda do que parecia", em particular diante de componentes do índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) que integram o índice de preços para gastos com consumo (PCE, na sigla em inglês) e que vieram, no geral, mais fracos que o esperado.

  • VOCÊ JÁ DOLARIZOU SEU PATRIMÔNIO? A Empiricus Research está liberando uma carteira gratuita com 10 ações americanas pra comprar agora. Clique aqui e acesse.

Para a Oxford Economics, o CPI de abril é um pequeno passo na direção certa, mas não justifica mudanças na previsão do primeiro corte de juros em setembro e outro em dezembro.

O mercado, por sua vez, reforçou as apostas no cortes de juros dos EUA de 50 pontos-base neste ano, começando até setembro, após o CPI, as vendas no varejo e a atividade industrial.

De acordo com dados compilados pelo CME Group, a chance de o Fed cortar juros até setembro —- que já era majoritária — subiu de 69% antes dos CPI para 71,6% assim que o dado foi divulgado. 

O cenário mais provável para dezembro, que é de redução acumulada de 50 pontos-base ao longo de 2024, também teve as probabilidades levemente fortalecidas, subindo de 37,3% a 38,3%.

Compartilhe

NÃO DEIXOU BARATO

Na mira de Xi Jinping: China impõe sanções à Boeing e mais duas empresas dos EUA por venda de armas a Taiwan

20 de maio de 2024 - 19:22

A medida é a mais recente de uma série de sanções anunciadas pelo Gigante Asiático nos últimos anos contra companhias pelo fornecimento de armamento a Taipé

INTERNACIONAL

Presidente do Irã morre em queda de helicóptero; aiatolá já decidiu quem será o sucessor

20 de maio de 2024 - 7:53

Além de Ebrahim Raisi, seu ministro das Relações Exteriores e mais 7 pessoas morreram no incidente, ocorrido no norte do Irã

LOBBY DE BANCOS

CEO do JP Morgan levou outros presidentes de bancos para pressionar Federal Reserve por normas mais frouxas

19 de maio de 2024 - 16:47

Agora, o Fed e dois outros reguladores querem um novo plano, que reduziria o aumento obrigatório de capital — de quase 20% — para os maiores bancos dos EUA

NO ORIENTE MÉDIO

Membro do gabinete de Guerra de Israel ameaça pedir demissão caso não haja plano para conflito em Gaza

19 de maio de 2024 - 14:55

Benny Gantz reconheceu o impacto prejudicial que a guerra está tendo sobre os civis, mas insistiu que a “decisividade” é necessária

NO ORIENTE MÉDIO

Helicóptero que levava presidente e ministros do Irã faz pouso forçado; equipes tentam acessar o local

19 de maio de 2024 - 13:23

Houve registro de chuva forte e neblina com algum vento, o que poderia ter causado uma instabilidade na aeronave

SÓ UMA PROMESSA?

Vai fechar o banco central, Milei? A nova declaração do presidente da Argentina sobre o futuro do BC do país

17 de maio de 2024 - 18:45

O presidente argentino está na Espanha e deu diversas declarações polêmicas a um público que o aplaudiu calorosamente; veja o que mais ele disse

O CUSTO DA NOVA ORDEM MUNDIAL

Xi Jinping na Rússia: o presidente da China está disposto a pagar o preço pela lealdade de Putin?

16 de maio de 2024 - 18:37

O líder chinês iniciou nesta quinta-feira (16) uma visita de Estado de dois dias à Rússia e muito mais do que uma parceria comercial está em jogo, mas o momento para Pequim é delicado

DESINFLAÇÃO ACELERADA

Boas notícias para Milei: Argentina tem inflação de um dígito e Banco Central promove corte de juros maior que o esperado

15 de maio de 2024 - 10:19

Os preços tiveram alta de 8,8% em abril, em linha com o esperado pelo mercado, que estimavam um avanço de preços entre 8% e 9%

UM PRATO QUE SE COME FRIO

A vingança da China: EUA impõem pacote multibilionário de tarifas a carros elétricos chineses e Xi Jinping quer revanche

14 de maio de 2024 - 20:03

O governo chinês disse que o país tomaria medidas resolutas para defender os seus direitos e interesses e instou a administração Biden a “corrigir os seus erros”

VIVA EL DÓLAR

Vitória para Milei: FMI anuncia novo acordo para desembolsar quase US$ 1 bi em pacote de ajuda à Argentina

13 de maio de 2024 - 15:00

Segundo o fundo, a Argentina apresenta “desempenho melhor que o esperado”, com queda na inflação, reconstrução da credibilidade, programas de consolidação fiscal, entre outros

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar