🔴 SÉRIE EMPIRICUS IN$IGTS: +100 RELATÓRIOS CORTESIA – LIBERE GRATUITAMENTE

Carolina Gama
Formada em jornalismo pela Cásper Líbero, já trabalhou em redações de economia de jornais como DCI e em agências de tempo real como a CMA. Já passou por rádios populares e ganhou prêmio em Portugal.
DEPOIS DO BALDE DE ÁGUA FRIA

Mistério revelado? Ata do Fed dá pistas do que pode acontecer com os juros em março

Os investidores aguardavam o documento para entender o futuro da taxa referencial da maior economia do mundo e já se reposicionaram depois dos novos sinais desta quarta-feira (21)

Montagem de homem de cabelos brancos, camiseta branca e uma camisa marrom segurando um balde azul com água e um fundo gráfico do mercado de ações
Jerome Powell, presidente do Federal Reserve (Fed) - Imagem: Montagem Andrei Morais / Adobe Firefly / Federal Reserve

O Federal Reserve (Fed) jogou um verdadeiro balde de água fria nos mercados na primeira reunião de política monetária de 2024. A decisão de janeiro indicou claramente que os juros não começariam a cair no curto prazo nos EUA

Para não deixar dúvidas, na coletiva que seguiu a decisão, o presidente do banco central norte-americano, Jerome Powell, foi enfático ao dizer que, embora o comitê de política monetária decida reunião por reunião sobre a trajetória dos juros, as chances de um afrouxamento em março eram mínimas

"Não acho provável que atingiremos esse nível de confiança suficiente em para cortar os juros em março", disse Powell na ocasião, acrescentando que é preciso ver os dados até lá para saber se isso é possível.

Por isso, os investidores aguardavam com atenção a divulgação da ata desse encontro em busca de pistas sobre o futuro da taxa referencial da maior economia do mundo. 

A paciência, investidores, paciência

Há mais ou menos seis anos, o Fed chamou atenção do mercado ao adotar o termo “paciência” para se referir aos possíveis ajustes na condução da política monetária. Naquele momento, os juros rodavam na casa dos 2,5%, a economia e o mercado de trabalho eram vigorosos e a inflação era baixa. 

Agora, as condições são outras: a economia norte-americana ainda cresce e o mercado de trabalho é sólido, mas os juros estão na faixa dos 5,25% a 5,50% ao ano e a inflação segue acima da meta de 2% do BC dos EUA. 

E mesmo assim, a paciência voltou. Nas últimas semanas, vários dirigentes do Fed indicaram uma abordagem paciente em relação ao corte de juros — e não é à toa. 

Desde a reunião de 30 e 31 de janeiro, a abordagem cautelosa se justificou, uma vez que leituras separadas sobre os preços ao consumidor e ao produtor mostraram que a inflação nos EUA está mais quente do que o esperado e ainda bem acima do objetivo do banco central norte-americano. 

Os juros vão começar a cair em março?

Embora Powell tenha praticamente retirado da mesa a possibilidade de um corte de juros em março — uma aposta que vinha crescendo entre os investidores desde o final do ano passado — nem tudo está perdido.

A ata de hoje indicou que uma discussão mais aprofundada sobre o afrouxamento monetário ocorrerá na reunião de março. 

Em uma entrevista ao “60 Minutes” transmitida poucos dias após a reunião do Fomc de janeiro, Powell disse: “Com a economia forte desta forma, sentimos que podemos abordar cuidadosamente a questão de quando começar a reduzir os juros”. 

Na ocasião, ele acrescentou que está procurando “mais evidências de que a inflação está desacelerando de forma sustentável para 2%”.

Desde então, os investidores tiveram de recalibrar as expectativas em relação aos cortes nas taxas.

Hoje, apenas 6,5% dos traders veem chances de um corte de juros em março, de acordo com a ferramenta FedWatch do CME Group. No final do ano passado, quase metade do mercado via a chance de um afrouxamento no terceiro mês de 2024. 

A maior aposta agora se concentra em junho, com 72,3% — um percentual um pouco menor do que o de terça-feira (21), um dia antes da divulgação da ata de janeiro, quando a probabilidade era de 77,1%, segundo o CME Group. 

A precificação de que um juro menor não vem agora explica um pouco do comportamento de Wall Street após a divulgação da ata: os índices de ações continuaram operando em queda, com os investidores mais concentrados no balanço da gigante dos chips Nvidia, previsto para depois do fechamento de hoje. 

Compartilhe

GUERRA QUENTE

Por essa nem Putin esperava: a previsão que coloca a Rússia à frente da maior economia do mundo

17 de abril de 2024 - 18:41

O Fundo Monetário Internacional (FMI) atualizou as projeções para a economia russa e os números revelam o segredo de Putin para manter o país em expansão

COM OU SEM CHAMPANHE?

O maior bilionário do planeta ficou quase R$ 30 bilhões mais rico hoje. O que fez a fortuna do dono da Dior e da Louis Vuitton disparar?

17 de abril de 2024 - 17:55

O patrimônio do magnata de luxo francês acompanha a valorização das ações da LVMH; conheça os números do conglomerado que animaram o mercado hoje

DECRETO CONTINUA

Milei tem vitória no “STF” da Argentina e mantém decreto em vigor, mas batalha ainda não terminou  

17 de abril de 2024 - 10:31

Mesmo que a Corte resolvesse barrar o DNU, Milei ainda tem uma carta na manga: ele poderá indicar até dois novos juízes para o tribunal

MAGNATA INDONÉSIO

Como este bilionário que você provavelmente não conhece transformou uma fortuna de US$ 5 bilhões em US$ 51 bilhões de em um ano

16 de abril de 2024 - 19:33

O magnata asiático da indústria de energia conseguiu multiplicar a sua fortuna em dez vezes em um ano; entenda o que aconteceu

ELON MUSK TINHA RAZÃO?

Invasão da China: como Biden e Trump querem frear os elétricos chineses liderados pela BYD nos EUA

16 de abril de 2024 - 18:58

Os veículos elétricos ainda não são vendidos no país, mas despertam cada vez mais preocupação de políticos e empresários do segmento, que colocam planos para barrar a maré vermelha à prova

A VIDA VAI MELHORAR (?)

Segura, Javier Milei: Argentina terá inflação de “apenas” 150% em 2024, mas contração econômica será maior, diz FMI

16 de abril de 2024 - 16:47

As projeções para 2025 melhoram, com a expectativa de que a inflação fique em 45% no ano e a atividade econômica cresça 5% em relação a 2024

ÁGUA NO CHOPE DO MERCADO

Juros em alta? Presidente do Fed fala pela primeira vez após dado de inflação e dá sinal claro do que vai acontecer nos EUA — bolsas sentem

16 de abril de 2024 - 15:35

A declaração de Powell voltou a sacudir os mercados: Wall Street devolveu ganhos, com o S&P 500 no vermelho, e os yields (rendimentos) dos títulos do Tesouro norte-americano voltaram a disparar

SEM BANHO-MARIA

Fogo alto: o revide de Israel contra o Irã coloca Netanyahu em uma panela de pressão — mas há uma saída possível

16 de abril de 2024 - 14:34

O mundo se pergunta quando Israel vai revidar à ofensiva iraniana e uma autoridade do país dá uma pista do que pode acontecer daqui para frente

OS ALVOS DO BILIONÁRIO

‘Petróleo branco’, níquel e satélites: conheça interesses de Elon Musk no Brasil

15 de abril de 2024 - 19:06

Entre seus principais alvos está a mineração, que abastece suas indústrias com materiais necessários para produção

O PRATO QUE SE COME FRIO

A resposta de Israel ao Irã ainda não veio: por que você deveria estar preocupado mesmo assim

15 de abril de 2024 - 16:59

Os preços do petróleo ainda rondam patamares elevados e algumas das principais bolsas do mundo operaram em queda nesta segunda-feira (15)

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar