🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

Carolina Gama
Formada em jornalismo pela Cásper Líbero, já trabalhou em redações de economia de jornais como DCI e em agências de tempo real como a CMA. Já passou por rádios populares e ganhou prêmio em Portugal.
COMEÇO, MEIO OU FIM

Mais juros baixos pela frente? Por que o primeiro corte do BCE em 5 anos pode ser uma boa notícia para quem investe na bolsa — e o motivo não é óbvio

Em uma decisão incomum, o banco central da zona euro cortou os juros antes do Fed — entenda se o movimento é sinal de que uma taxa menor nos EUA está mais perto da realidade agora

Carolina Gama
6 de junho de 2024
13:12 - atualizado às 13:13
Touro e urso nos mercados financeiros
Touro e urso nos mercados financeiros - Imagem: DALL-E/ChatGPT

O corte dos juros pelo Banco Central Europeu (BCE) — o primeiro desde 2019 — não é a notícia mais aguardada pelo mercado, mas abre caminho para o que muito investidor — seja aqui ou lá fora — espera: que o Federal Reserve (Fed) inicie o ciclo de afrouxamento monetário nos EUA

A telegrafada decisão de cortar os juros em 25 pontos-base, para 3,75% de 4% — nível mantido desde setembro de 2023 e o mais alto da zona do euro — mexeu com as expectativas de o banco central norte-americano seguir pelo mesmo caminho.

Assim que o primeiro corte de juros do BCE em cinco anos foi confirmado, os investidores correram para ajustar as apostas na queda da taxa referencial nos EUA: a possibilidade de uma redução nos juros pelo Fed até setembro aumentou imediatamente de 68,9% para 69,9%, de acordo com a ferramenta FedWatch do CME Group. 

A reação dos investidores tem fundamento: é incomum o BCE iniciar um ciclo de corte de juros antes do banco central norte-americano.

“Não é apenas uma das poucas vezes em que o BCE dá uma guinada na política monetária antes do Fed, mas também é a primeira vez que o BCE começa a cortar juros após um ciclo de aperto sem enfrentar uma recessão ou crise”, disseram economistas do ING em nota. 

“Na verdade, se não fosse pela comunicação muito vocal desde fevereiro, os dados macro mais recentes poderiam facilmente ter justificado outra pausa na reunião de hoje", acrescentaram. 

Se o Fed embarca na decisão do BCE, as chances de os ativos mais arriscados se tornarem mais atrativos aumenta e muito e isso pode beneficiar os investidores em ações, por exemplo.

O corte de juros nos EUA

O primeiro corte de juros nos EUA vem sendo adiado desde março, quando a maioria dos investidores apostava em pelo menos três reduções em 2024.

Acontece que dados seguidos de uma inflação mais resistente do que o esperado — e ainda acima da meta de 2% do BC norte-americano — tem impedido que os membros do comitê de política monetária (Fomc, na sigla em inglês) tenham a confiança necessária de que os preços se manterão em uma trajetória descendente sustentável. 

Isso fez com que o início do ciclo de afrouxamento nos EUA fosse adiado e que o número de cortes de juros também caísse: boa parte dos investidores espera agora uma redução este ano — algo que também vem sendo sinalizado por alguns membros do Fomc nas últimas semanas. 

No detalhamento dos dados do CME Group, assim que a decisão do BCE saiu, havia 59,3% de chance de um corte de 25 pontos-base nos juros pelo Fed e 10,6% de uma redução de 50 pb, com 30,1% de manutenção. Para dezembro, o quadro visto como mais provável por 42,7% é de um corte de 50 pb nos juros. 

Vem mais corte de juros na zona do euro?

"Estamos apenas moderando o nível de restrição neste momento". Foi assim que a presidente do BCE, Christine Lagarde, iniciou a explicação do primeiro corte de juros desde 2019 na zona do euro

Mas se engana quem acha que esse é o início de um processo contínuo de afrouxamento monetário. "Sabemos o destino e a direção que estamos tomando, mas precisamos ter certeza sobre o processo de desinflação", acrescentou. 

Segundo Lagarde, os dirigentes precisarão de mais dados e análises sobre a trajetória da inflação para conquistar essa certeza e definir a velocidade ou ritmo do relaxamento da política monetária.

Lagarde reiterou que o BCE acredita que a inflação continuará desacelerando e que há declínio no avanço dos salários — dois pontos essenciais para determinar os cortes de juros — mas alertou que o caminho terá sobressaltos até alcançar a meta.

Para o Nordea, os próximos cortes nos juros na zona do euro devem ocorrer em setembro e dezembro. Em relatório, o banco finlandês argumenta que a inflação caminhará para a meta e que o cenário-base mais plausível é de cortes graduais. Por isso, o Nordea projeta cortes de 25 pontos-base por trimestre.

Andrew Kenningham, economista para a Europa da Capital Economics, diz que as orientações e previsões que acompanharam  a decisão de hoje sugerem que o BCE irá proceder com cautela.

“Pensamos agora que o BCE irá reduzir os juros em apenas mais 50 pontos base antes do final do ano, com o próximo corte em setembro”, disse. 

O ING acredita que, caso a economia da zona do euro se comporte como o BCE espera, deve haver mais cortes de juros, mas acrescenta que "é real o risco de atraso ou mesmo reversão" da política monetária. 

Segundo o banco holandês, a decisão de hoje não marca, necessariamente, o início de um ciclo de relaxamento. Para o ING, o BCE não decidiu de fato sobre os próximos passos. 

ONDE INVESTIR EM JUNHO: MELHORES INVESTIMENTOS NA BOLSA - AÇÕES, FIIs, DIVIDENDOS, BDRS + ALOCAÇÃO

A reação dos mercados

Embora a decisão do BCE de hoje tenha sido amplamente antecipada, as bolsas na Europa operam em alta — o índice pan-europeu Stoxx 600 chegou a bater recorde intradiário depois que o corte dos juros na zona do euro foi anunciado. Acompanhe nossa cobertura ao vivo dos mercados.

Nos EUA, a história é outra. Os principais índices de ações de Nova York pouco reagiram à decisão do BCE. Wall Street está aguardando o principal relatório de emprego previsto para sexta-feira (7). 

Os investidores estão em busca de sinais de enfraquecimento do mercado de trabalho norte-americano, o que poderia apoiar cortes de juros por parte do Fed. Economistas consultados pela Dow Jones esperam a criação de 190 mil vagas em maio no país.

Compartilhe

ELEIÇÕES NOS EUA

Não deu para Biden: presidente dos EUA cede à pressão e desiste da reeleição — saiba o que acontece daqui para frente 

21 de julho de 2024 - 15:44

No que depender de Biden, sua vice Kamala Harris deve ser o nome do partido para enfrentar Donald Trump nas urnas em 5 de novembro; Trump se manifesta sobre a desistência

ATUALIZANDO O PORTFÓLIO

Por que Warren Buffett decidiu vender US$ 1,48 bilhão em ações de um bancão norte-americano

20 de julho de 2024 - 17:48

A Berkshire Hathaway vendeu cerca de 33,9 milhões de ações desta instituição financeira em diversas transações nesta semana

MELHORES MOMENTOS GIRO DO MERCADO

Trump mais vivo do que nunca: os impactos no dólar, cripto e juros — e os principais riscos da provável vitória do republicano 

19 de julho de 2024 - 18:14

Donald Trump saiu do atentado do último sábado mais vivo do que nunca. Agora, se já não era antes, o republicano é o nome mais forte na corrida e provavelmente voltará a ocupar a Casa Branca — e os mercados já estão tentando prever os impactos disso.  A percepção de que o ex-presidente saiu ganhando […]

ELEIÇÕES NOS EUA

Pseudoconciliação e promessa de deportação em massa: o que você precisa saber sobre o último discurso de Trump

19 de julho de 2024 - 11:10

Donald Trump discursou no fim da noite de quinta-feira ao aceitar a indicação do Partido Republicano para concorrer à presidência dos EUA em novembro

UNINDO FORÇAS

O “quarteto mortal”: os países que vão tirar o sono dos EUA e da Europa e podem levar a uma nova guerra global

18 de julho de 2024 - 19:58

Especialistas destacam o poder econômico do Ocidente, mas reconhecem que a missão de conter o avanço do grupo de quatro países não é fácil

MAIS POLÊMICA

CEO de empresa ligada à rede social de Trump é alvo de investigação por fraude nos Estados Unidos

18 de julho de 2024 - 14:00

Patrick Orlando é acusado pela SEC americana de mentir sobre os planos de sua “companhia do cheque em branco” de se fundir com a startup por trás da Truth Social

Restrição monetária

Lagarde mantém juros restritivos na Europa e diz o que é preciso para as taxas baixarem

18 de julho de 2024 - 13:07

Banco Central Europeu procura trazer a inflação da zona do euro para a meta de 2%

ELEIÇÕES NOS EUA

Biden revela o que o faria desistir de disputar presidência contra Trump em entrevista divulgada horas após diagnóstico de covid

18 de julho de 2024 - 10:59

Biden recebeu diagnóstico de infecção por covid-19 na quarta-feira e precisou interromper sua campanha à reeleição

MILES GUO

Ex-magnata chinês aliado de Steve Bannon é condenado por fraude bilionária nos EUA

17 de julho de 2024 - 15:00

Miles Guo vivia exilado nos Estados Unidos e é crítico do Partido Comunista chinês

CABO DE GUERRA

A disputa pelo fundo do mar: a próxima fronteira da briga tecnológica entre EUA e China

16 de julho de 2024 - 20:00

Projetados para transportar conexões de dados e telecomunicações entre continentes, os cabos submarinos se tornaram uma nova fonte para conflitos geopolíticos

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar