🔴 É HOJE! COMO COMPRAR CARROS COM ATÉ 50% DE DESCONTO NA TABELA FIPE – CONHEÇA A ESTRATÉGIA

Carolina Gama
Formada em jornalismo pela Cásper Líbero, já trabalhou em redações de economia de jornais como DCI e em agências de tempo real como a CMA. Já passou por rádios populares e ganhou prêmio em Portugal.
ÁGUA NO CHOPE DO MERCADO

Juros em alta? Presidente do Fed fala pela primeira vez após dado de inflação e dá sinal claro do que vai acontecer nos EUA — bolsas sentem

A declaração de Powell voltou a sacudir os mercados: Wall Street devolveu ganhos, com o S&P 500 no vermelho, e os yields (rendimentos) dos títulos do Tesouro norte-americano voltaram a disparar

Carolina Gama
16 de abril de 2024
15:35 - atualizado às 16:48
Jerome Powell, presidente do Fed, com efeito
Montagem com Jerome Powell, presidente do Fed - Imagem: Federal Reserve / Montagem Brenda Silva

Quando a inflação nos EUA veio acima do esperado pela terceira vez seguida em março, o mercado correu para recalibrar as expectativas para o início do corte de juros pelo Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) — e o que se viu por aí foi muito bancão transferindo as apostas de junho para setembro e até dezembro deste ano. 

De lá para cá, o mercado recebeu novos dados econômicos e a guerra entre Israel e Irã colocou o Oriente Médio em chamas — com o petróleo disparando na sexta-feira (12) junto com o dólar, o ouro e os títulos do Tesouro norte-americano.

Os investidores, mais uma vez, se apressaram para ajustar posições sobre o afrouxamento monetário nos EUA e voltaram a ver uma redução da taxa referencial até julho, afinal, uma guerra alastrada pelo Oriente Médio demandaria apoio econômico por parte dos bancos centrais ao redor mundo. 

Tudo como dantes no quartel de Abrantes, certo? Tudo estaria na mesma se o presidente do Fed, Jerome Powell, não viesse a público para falar pela primeira vez sobre a trajetória dos juros depois dos dados de inflação de março. 

Wall Street voltou a correr nesta terça-feira (16). Após as declarações de Powell, as bolsas em Nova York devolveram os ganhos, o S&P 500 inverteu o sinal para negativo e os yields (rendimentos) dos Treasurys voltaram a disparar. Por aqui, os ativos domésticos mostraram instabilidade. Acompanhe nossa cobertura ao vivo dos mercados

  • VOCÊ JÁ DOLARIZOU SEU PATRIMÔNIO? A Empiricus Research está liberando uma carteira gratuita com 10 ações americanas pra comprar agora. Clique aqui e acesse.

O que Powell falou sobre os juros, afinal?

Dificilmente, o presidente do Fed diz o que vai acontecer com os juros, afinal, existem muitos eventos até a próxima reunião que podem mudar os rumos da política monetária norte-americana. No entanto, Powell costuma dar muitas pistas sobre a tendência dos juros caso a situação não mude até lá. E foi isso que ele fez hoje.

Falando em um fórum centrado nas relações entre EUA e Canadá, o chefão do principal banco central do mundo disse que a economia dos EUA, embora forte, não vê a inflação voltar à meta de 2% — apontando para a maior probabilidade de que os cortes de juros não sejam iminentes. 

"Dados mais recentes mostram um crescimento sólido e uma força contínua no mercado de trabalho, mas também uma falta de progresso adicional até agora neste ano na volta à nossa meta de inflação de 2%"

Jerome Powell, presidente do Fed

O Fed mantém os juros na faixa entre 5,25% e 5,50% ao ano desde julho de 2023. Esse é o maior nível da taxa referencial nos EUA em 23 anos e é o resultado de 11 aumentos consecutivos iniciados em março de 2022.

IRÃ VS. ISRAEL: DÓLAR SOBE, TRUMP SE BENEFICIA, E CORTE DE JUROS PODE SER ADIADO

Sem confiança não dá

Repetidas vezes, Powell disse que o banco central norte-americano precisa ter confiança de que a inflação está em uma trajetória descendente para começar a cortar os juros. 

A leitura do índice de preços ao consumidor de março, divulgada na semana passada, mostrou que a inflação registrou uma taxa anual de 3,5% — bem longe do pico de quase dois dígitos de meados de 2022, mas em movimento de aceleração desde outubro de 2023.

“Os dados recentes claramente não nos deram maior confiança e, em vez disso, indicam que é provável que demore mais do que o esperado para alcançar essa confiança”, afirmou Powell. “Dito isto, pensamos que a política está bem posicionada para lidar com os riscos que enfrentamos.”

Powell acrescentou que até que a inflação mostre mais progresso, “podemos manter o atual nível de restrição pelo tempo que for necessário”.

  • Como proteger os seus investimentos: dólar e ouro são ativos “clássicos” para quem quer blindar o patrimônio da volatilidade do mercado. Mas, afinal, qual é a melhor forma de investir em cada um deles? Descubra aqui.

Juros: qual a aposta do mercado agora?

Os mercados precisaram redefinir as expectativas de cortes de juros este ano. No início de 2024, os traders apostavam em seis ou sete cortes este ano, a partir de março. À medida que os dados econômicos foram sendo divulgados, essas projeções mudaram para um ou dois cortes, assumindo movimentos de 0,25 ponto percentual (pp) não começando antes de setembro.

Na atualização mais recente, feita em março, os membros do comitê de política monetária do Fed indicaram três cortes este ano. No entanto, vários deles sublinharam nos últimos dias a natureza dependente dos dados e não se comprometeram a definir um nível de cortes para os juros.

Assim que Powell começou a falar, a probabilidade de o Fed cortar juros em 0,25 pp em 2024 subiu. A chance estimada para esse cenário avançou a 35,6% depois que o dirigente começou a discursar, ante 33,9% instantes antes, de acordo com dados compilados pelo CME Group. 

Antes das declarações, a redução de 0,25 pp era tão provável quanto a hipótese de cortes de 0,50 pp, cuja chance caiu de 33,7% para 32,9%.

O mercado também ampliou apostas em uma manutenção do juros em junho, de 80,6% para 84,8%. Por sua vez, a probabilidade de corte recuou de 19,4% a 15,2%. Em julho, a chance de manutenção ficou praticamente estável, passando de 55,6% a 55,5%. E as apostas majoritárias voltaram para setembro, a 62,5%.

Compartilhe

NÃO DEIXOU BARATO

Na mira de Xi Jinping: China impõe sanções à Boeing e mais duas empresas dos EUA por venda de armas a Taiwan

20 de maio de 2024 - 19:22

A medida é a mais recente de uma série de sanções anunciadas pelo Gigante Asiático nos últimos anos contra companhias pelo fornecimento de armamento a Taipé

INTERNACIONAL

Presidente do Irã morre em queda de helicóptero; aiatolá já decidiu quem será o sucessor

20 de maio de 2024 - 7:53

Além de Ebrahim Raisi, seu ministro das Relações Exteriores e mais 7 pessoas morreram no incidente, ocorrido no norte do Irã

LOBBY DE BANCOS

CEO do JP Morgan levou outros presidentes de bancos para pressionar Federal Reserve por normas mais frouxas

19 de maio de 2024 - 16:47

Agora, o Fed e dois outros reguladores querem um novo plano, que reduziria o aumento obrigatório de capital — de quase 20% — para os maiores bancos dos EUA

NO ORIENTE MÉDIO

Membro do gabinete de Guerra de Israel ameaça pedir demissão caso não haja plano para conflito em Gaza

19 de maio de 2024 - 14:55

Benny Gantz reconheceu o impacto prejudicial que a guerra está tendo sobre os civis, mas insistiu que a “decisividade” é necessária

NO ORIENTE MÉDIO

Helicóptero que levava presidente e ministros do Irã faz pouso forçado; equipes tentam acessar o local

19 de maio de 2024 - 13:23

Houve registro de chuva forte e neblina com algum vento, o que poderia ter causado uma instabilidade na aeronave

SÓ UMA PROMESSA?

Vai fechar o banco central, Milei? A nova declaração do presidente da Argentina sobre o futuro do BC do país

17 de maio de 2024 - 18:45

O presidente argentino está na Espanha e deu diversas declarações polêmicas a um público que o aplaudiu calorosamente; veja o que mais ele disse

O CUSTO DA NOVA ORDEM MUNDIAL

Xi Jinping na Rússia: o presidente da China está disposto a pagar o preço pela lealdade de Putin?

16 de maio de 2024 - 18:37

O líder chinês iniciou nesta quinta-feira (16) uma visita de Estado de dois dias à Rússia e muito mais do que uma parceria comercial está em jogo, mas o momento para Pequim é delicado

UM SUSPIRO

Os juros continuarão altos nos EUA? Inflação de abril traz alívio, mas Fed ainda tem que tirar as pedras do caminho

15 de maio de 2024 - 14:54

O índice de preços ao consumidor norte-americano de abril desacelerou para 3,4% em base anual assim como o seu núcleo; analistas dizem o que é preciso agora para convencer o banco central a iniciar o ciclo de afrouxamento monetário por lá

DESINFLAÇÃO ACELERADA

Boas notícias para Milei: Argentina tem inflação de um dígito e Banco Central promove corte de juros maior que o esperado

15 de maio de 2024 - 10:19

Os preços tiveram alta de 8,8% em abril, em linha com o esperado pelo mercado, que estimavam um avanço de preços entre 8% e 9%

UM PRATO QUE SE COME FRIO

A vingança da China: EUA impõem pacote multibilionário de tarifas a carros elétricos chineses e Xi Jinping quer revanche

14 de maio de 2024 - 20:03

O governo chinês disse que o país tomaria medidas resolutas para defender os seus direitos e interesses e instou a administração Biden a “corrigir os seus erros”

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar