🔴 AS BIG TECHS ESTÃO ‘SUGANDO’ DINHEIRO DA BOLSA BRASILEIRA? – VEJA COMO SE PROTEGER

Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @Renan_SanSousa
REFLEXOS DO CORTE

Um raio-X na Argentina de Milei: a motosserra do presidente virou uma faca de dois gumes para a economia do país

Em termos reais, a arrecadação do país caiu em decorrência da baixa atividade econômica, causada pela maxidesvalorização do peso argentino

Renan Sousa
Renan Sousa
5 de abril de 2024
17:50 - atualizado às 15:12
Javier Milei, presidente da Argentina
Javier Milei, presidente da Argentina - Imagem: Montagem Seu Dinheiro / reprodução das redes sociais

As medidas de Javier Milei para tentar retomar o controle da economia da Argentina até o momento se assemelham mais com uma faca de dois gumes do que com a motosserra, símbolo de sua campanha durante a corrida presidencial.

Ao mesmo tempo em que colhe alguns frutos com o superávit recente das contas públicas, o presidente argentino precisa lidar com o aumento da pobreza e um cenário — político e econômico — cada vez mais desafiador para o presidente do país. 

Um exemplo disso é o mais recente dado da arrecadação federal, que pode ser lido com a mesma dualidade.

Segundo a agência que cuida do tema, a arrecadação do país em março atingiu os 7,7 trilhões de pesos argentinos (US$ 9,16 bilhões na cotação oficial, US$ 7,7 bilhões na cotação blue, como é conhecido o preço paralelo do dólar). 

Isso significa que a arrecadação da Argentina cresceu 230,6% em relação ao mesmo período do ano anterior. Parece muito, mas  não o suficiente para cobrir as perdas inflacionárias.

Em termos reais, a arrecadação de março caiu 15%, se considerarmos uma inflação de 11% para o mês, tendo em vista que o dado oficial só deve ser divulgado na semana que vem. 

Os analistas do BTG Pactual creditam essa queda na receita tributária à retração da atividade econômica. 

Um olhar nas contas públicas da Argentina

Graças à tentativa de convergir as taxas de câmbio para apenas uma, Milei acabou realizando uma maxidesvalorização do peso — algo que atingiu até mesmo empresas brasileiras que atuam no país

Se, por um lado, as exportações chegaram a aumentar, essa perda do poder de compra dos argentinos pressionou os setores de serviços e industrial. 

Milei é um autointitulado ultraliberal, o que quer dizer que o presidente é um defensor de uma menor intervenção do Estado na economia, impostos menores e incentivos à iniciativa privada. 

Por exemplo, a arrecadação do imposto sobre a renda dos argentinos caiu 39% em termos reais em relação ao ano passado após uma medida aprovada pelo Congresso em 2023 — herdada do governo anterior, de Alberto Fernández, que buscava se reeleger a qualquer custo —, que eliminou o IR para a maioria dos contribuintes.

Além disso, o governo abriu mão da arrecadação do imposto sobre valor agregado (IVA ou VAT, na sigla em inglês) de 21% sobre alguns bens e serviços. Assim, houve queda de 14% em termos reais no recolhimento do IVA. 

Os únicos aumentos reais

Do outro lado, houve um aumento real de 66% nos impostos sobre exportação, que tiveram um aumento significativo em relação ao ano passado.

A Argentina é um grande exportador de produtos agrícolas e foi severamente afetada pela seca gerada pelo El Niñoum dos gatilhos da crise atual

Do mesmo modo, o Imposto por uma Argentina Inclusiva e Solidária (PAIS) também teve aumento real na arrecadação, crescendo 326,2% em termos reais.

Por ter uma alíquota móvel de até 17,5%, a repartição do PAIS com as províncias foi um dos pontos de inflexão do Congresso para barrar o pacote de medidas econômicas de Milei nas Casas Legislativas

Milei precisará cortar ainda mais Argentina

O governo de Javier Milei mantém como meta zerar o déficit fiscal ainda em 2024. Na visão dos analistas do BTG, o objetivo é “ambicioso” e, para isso, seria preciso continuar o programa de demissões de funcionários públicos do país. 

De um total de aproximadamente 385 mil funcionários públicos, a gestão de Milei anunciou que 15 mil já foram notificados sobre demissões, sendo que 11 mil já estão fora dos seus respectivos postos de trabalho. Além deles, cerca de 70 mil contratos ainda estão sob avaliação. 

Porém, a retomada das contas não pode se basear apenas na capacidade de continuar cortando os gastos de maneira agressiva.

A Argentina também precisa focar na recuperação das receitas, até agora impactadas pela queda na atividade causada em parte pelo ajuste fiscal, dizem os analistas. 

Assim, o banco projeta que o governo ficará aquém da meta de déficit primário de 2%, dificultando ainda mais o objetivo de equilíbrio nas contas.

Reação

Por fim, o BTG Pactual destaca como positiva a alta popularidade do presidente mesmo em meio à crise social do país.

Segundo uma pesquisa recente da consultoria Opina Argentina, em março deste ano, 52% dos argentinos acreditam que a imagem de Milei é positiva; 48%, negativa. 

Porém, o banco ainda leva em conta que as tensões sociais podem se acirrar ainda mais nos próximos dois a três meses.

“A redução do poder de compra e o aumento do desemprego afetarão a atividade econômica, desencadeando demandas dos trabalhadores, com os sindicatos exercendo mais pressão sobre o governo”, dizem os analistas.

O país já sofreu com as paralisações recentes contra o plano de austeridade do presidente e suas medidas, como a LeyÓmnibus, o Decreto de Necesidad y Urgencia (DNU) e o Pacto de Mayo.

Compartilhe

PEDIU O MERCADO EM NAMORO?

De Powell, com amor (mas nem tanto): o que a decisão do Fed diz sobre os juros nos EUA

12 de junho de 2024 - 15:12

Em decisão amplamente esperada, o banco central norte-americano manteve a taxa referencial na faixa entre 5,25% e 5,50% ano — foi o gráfico de pontos que mandou a mensagem aos mercados

GUERRA COMERCIAL

Todos contra a China? União Europeia sai à caça dos elétricos chineses com aumento de impostos

12 de junho de 2024 - 14:38

Medida anunciada nesta quarta-feira (12) pelo bloco europeu vai elevar tarifas em até 38% para os EVs asiáticos e pode afetar a BYD e até a Tesla de Elon Musk

EM ANO DE ELEIÇÃO

Hunter Biden pode ser preso? Filho do presidente dos EUA é condenado por posse ilegal de arma — e o que isso significa para a campanha de Joe Biden

11 de junho de 2024 - 18:14

Hunter, de 54 anos, pode pegar até 25 anos e pagar US$ 750 mil em multas

Política Europeia

Decisão de Macron de dissolver Parlamento e convocar eleições antecipadas é aposta política de alto risco

10 de junho de 2024 - 11:13

Atitude de Macron vem após avanço do partido de extrema direita Reunião Nacional nas eleições do Parlamento Europeu

DEPOIS DO ULTIMATO

E agora, Netanyahu? Ministro de guerra de Israel renuncia ao cargo em meio a conflitos em Gaza

9 de junho de 2024 - 17:48

Benny Gantz deu um ultimato a Netanyahu em maio para que o gabinete de guerra adotasse um “plano de ação” para acabar com a batalha em Gaza

QUER PAGAR COMO?

Putin trocou o dólar pelo real? Rússia dá as costas para “moedas tóxicas” e abre espaço para o Brasil

7 de junho de 2024 - 20:00

Segundo o presidente russo, quase 40% do volume de negócios do país é agora em rublos, uma vez que a parcela realizada em dólares, euros e outras moedas ocidentais “não amigáveis” diminuiu

VAI CAIR OU NÃO VAI?

Juros nos EUA: a mensagem do principal relatório de emprego sobre o futuro das taxas que mexem com as bolsas do mundo

7 de junho de 2024 - 14:01

O mercado torceu o nariz para os dados mais fortes do que o esperado do chamado payroll referente ao mês de maio; entenda a reação e o que esperar agora

COMEÇO, MEIO OU FIM

Mais juros baixos pela frente? Por que o primeiro corte do BCE em 5 anos pode ser uma boa notícia para quem investe na bolsa — e o motivo não é óbvio

6 de junho de 2024 - 13:12

Em uma decisão incomum, o banco central da zona euro cortou os juros antes do Fed — entenda se o movimento é sinal de que uma taxa menor nos EUA está mais perto da realidade agora

Internacional

Na China, investidores migram para títulos públicos por falta de opção melhor para investir, derrubando as taxas

6 de junho de 2024 - 12:03

Banco Popular da China já alertou em relatório sobre investimento especulativo com títulos do governo

APÓS ELEIÇÕES

O “Tigre Maia” vai virar um gatinho? A primeira reação do mercado à nova presidente do México — e o que se pode esperar do futuro

6 de junho de 2024 - 6:20

Claudia Sheinbaum assumirá a presidência do país em outubro deste ano e já garantiu maioria esmagadora no Congresso

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar