🔴 AS BIG TECHS ESTÃO ‘SUGANDO’ DINHEIRO DA BOLSA BRASILEIRA? – VEJA COMO SE PROTEGER

Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @Renan_SanSousa
BOM, MAS…

FMI elogia ‘progresso’ da Argentina sob Javier Milei, mas deixa a ele um alerta

O superávit fiscal primário de US$ 1,45 bilhão em fevereiro, anunciado pelo ministro da Economia, Luis “Toto” Caputo, contrasta com a pobreza atingindo 57,4% da população

Renan Sousa
Renan Sousa
26 de março de 2024
18:27 - atualizado às 18:05
Javier Milei, novo presidente da Argentina
Javier Milei, novo presidente da Argentina - Imagem: Reprodução das redes sociais

A profunda crise na economia da Argentina está longe do fim. No entanto, o Fundo Monetário Internacional (FMI) afirmou que o país fez um “progresso impressionante” desde que Javier Milei assumiu a presidência em dezembro do ano passado.

O rumo econômico e as consequências imediatas da implementação do plano de desregulamentação da economia foram elogiados por Rodrigo Valdés, diretor do departamento do hemisfério ocidental do fundo.

Contudo, há um longo caminho pela frente. O superávit fiscal primário de US$ 1,45 bilhão em fevereiro, anunciado pelo ministro da Economia, Luis “Toto” Caputo, contrasta com a pobreza atingindo 57,4% da população.

“O BCRA [Banco Central da República da Argentina] está recompondo suas reservas internacionais, a inflação está baixando em um ritmo mais rápido do que esperávamos e a diferença no câmbio segue caindo”, afirmou Valdés. 

Contudo, o representante do FMI, que foi ministro das Finanças do Chile entre 2015 e 2017, não deixou a cautela de lado, apesar do afago aos planos de Milei.

Isso porque os dados dos primeiros meses da gestão do novo presidente ainda são primários e há que se ter cautela daqui em diante. 

FMI faz alerta para Argentina

Valdés ainda afirmou: "devemos manter os esforços para dar apoio aos mais vulneráveis, para que o peso do ajuste não caia desproporcionalmente nas famílias trabalhadoras".

O representante do FMI destaca que o fundo acompanha a evolução das pautas do governo no Congresso, como a Ley Ómnibus, o Decreto de Necesidad y Urgencia (DNU) e o Pacto de Mayo

As medidas são bastante impopulares entre a população, o que se reflete em uma série de protestos que o país vem enfrentando.

Além disso, a falta de articulação política do La Libertad Avanza (LLA), partido de Milei, também é um entrave para a aprovação das propostas. 

  • [Macro Summit Brasil 2024] Evento online do Market Makers em parceria com o Seu Dinheiro traz Luis Stuhlberger, Daniel Goldberg e outros grandes nomes do mercado; retire seu ingresso gratuito

Alívio daqui até o fim do ano

Não apenas isso, mas Valdés afirmou que o alívio monetário dos Estados Unidos “é importante para a região”.

Após a decisão de juros da mais recente Super Quarta, o comitê de política monetária (Fomc, na sigla em inglês) manteve a projeção de três cortes de juros este ano.

A expectativa da maioria dos investidores é que essa previsão poderia cair para duas reduções em 2024.

Dado que a dívida argentina chegou a quase 90% do PIB antes da eleição de Milei, uma evidente implosão das contas públicas de uma economia parcialmente dolarizada, o alívio dos juros por lá poderia ajudar a Argentina a voltar aos trilhos. 

Por fim, vale relembrar que o plano de Milei é extinguir o BCRA e o peso, tornando o dólar a moeda oficial do país, mas essas propostas ainda permanecem no plano das ideias dada a dificuldade de articulação do LLA no Congresso.

Compartilhe

PEDIU O MERCADO EM NAMORO?

De Powell, com amor (mas nem tanto): o que a decisão do Fed diz sobre os juros nos EUA

12 de junho de 2024 - 15:12

Em decisão amplamente esperada, o banco central norte-americano manteve a taxa referencial na faixa entre 5,25% e 5,50% ano — foi o gráfico de pontos que mandou a mensagem aos mercados

GUERRA COMERCIAL

Todos contra a China? União Europeia sai à caça dos elétricos chineses com aumento de impostos

12 de junho de 2024 - 14:38

Medida anunciada nesta quarta-feira (12) pelo bloco europeu vai elevar tarifas em até 38% para os EVs asiáticos e pode afetar a BYD e até a Tesla de Elon Musk

EM ANO DE ELEIÇÃO

Hunter Biden pode ser preso? Filho do presidente dos EUA é condenado por posse ilegal de arma — e o que isso significa para a campanha de Joe Biden

11 de junho de 2024 - 18:14

Hunter, de 54 anos, pode pegar até 25 anos e pagar US$ 750 mil em multas

Política Europeia

Decisão de Macron de dissolver Parlamento e convocar eleições antecipadas é aposta política de alto risco

10 de junho de 2024 - 11:13

Atitude de Macron vem após avanço do partido de extrema direita Reunião Nacional nas eleições do Parlamento Europeu

DEPOIS DO ULTIMATO

E agora, Netanyahu? Ministro de guerra de Israel renuncia ao cargo em meio a conflitos em Gaza

9 de junho de 2024 - 17:48

Benny Gantz deu um ultimato a Netanyahu em maio para que o gabinete de guerra adotasse um “plano de ação” para acabar com a batalha em Gaza

QUER PAGAR COMO?

Putin trocou o dólar pelo real? Rússia dá as costas para “moedas tóxicas” e abre espaço para o Brasil

7 de junho de 2024 - 20:00

Segundo o presidente russo, quase 40% do volume de negócios do país é agora em rublos, uma vez que a parcela realizada em dólares, euros e outras moedas ocidentais “não amigáveis” diminuiu

VAI CAIR OU NÃO VAI?

Juros nos EUA: a mensagem do principal relatório de emprego sobre o futuro das taxas que mexem com as bolsas do mundo

7 de junho de 2024 - 14:01

O mercado torceu o nariz para os dados mais fortes do que o esperado do chamado payroll referente ao mês de maio; entenda a reação e o que esperar agora

COMEÇO, MEIO OU FIM

Mais juros baixos pela frente? Por que o primeiro corte do BCE em 5 anos pode ser uma boa notícia para quem investe na bolsa — e o motivo não é óbvio

6 de junho de 2024 - 13:12

Em uma decisão incomum, o banco central da zona euro cortou os juros antes do Fed — entenda se o movimento é sinal de que uma taxa menor nos EUA está mais perto da realidade agora

Internacional

Na China, investidores migram para títulos públicos por falta de opção melhor para investir, derrubando as taxas

6 de junho de 2024 - 12:03

Banco Popular da China já alertou em relatório sobre investimento especulativo com títulos do governo

APÓS ELEIÇÕES

O “Tigre Maia” vai virar um gatinho? A primeira reação do mercado à nova presidente do México — e o que se pode esperar do futuro

6 de junho de 2024 - 6:20

Claudia Sheinbaum assumirá a presidência do país em outubro deste ano e já garantiu maioria esmagadora no Congresso

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar