🔴 É HOJE! COMO BUSCAR ATÉ R$ 2 MIL DE RENDA EXTRA TODO OS DIAS – CONHEÇA A ESTRATÉGIA

Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @Renan_SanSousa
ENXADRISTA DA ECONOMIA?

Argentina quer adiar pagamentos ao FMI, mas é por uma boa causa: Milei quer usar ‘jogada’ com Fundo para tirar restrições ao dólar

O fundo permite que os pagamentos sejam agregados no final do mês, dando a chance para o governo Milei fazer uma negociação de “grão mestre” com o órgão

Renan Sousa
Renan Sousa
8 de abril de 2024
16:45 - atualizado às 14:01
Javier Milei, presidente da Argentina
Javier Milei, presidente da Argentina - Imagem: Montagem Seu Dinheiro

Uma das habilidades mais valorizadas no xadrez é a capacidade de compor jogadas e prever a reação do oponente. Na Argentina de Javier Milei, cada passo interessa para tentar tirar o país vizinho da crise. 

Para isso, Luiz Caputo, ministro da Economia da Argentina, adiou o pagamento de cerca de US$ 2 bilhões devidos ao Fundo Monetário Internacional (FMI) para o fim de abril.

Pode parecer estranho comemorar tal movimento. Afinal, cerca de US$ 1,3 bilhão deveriam ser pagos ao órgão na próxima terça-feira (9) e outros US$ 700 milhões na semana seguinte. 

Contudo, o FMI permite que os pagamentos sejam agregados no final do mês — dando a chance de Caputo fazer uma negociação de “grão mestre” com o órgão internacional. 

O ministro viajará a Washington para a reunião de primavera com o fundo entre 17 e 20 de abril.

Enquanto negocia com o maior fornecedor de crédito do país, do outro lado do tabuleiro, Milei elabora um plano para retirar as travas do dólar.

  • Como proteger os seus investimentos: dólar e ouro são ativos “clássicos” para quem quer blindar o patrimônio da volatilidade do mercado. Mas, afinal, qual é a melhor forma de investir em cada um deles? Descubra aqui.

Argentina tirará “cepo” do dólar, diz Milei

Em entrevista à CNN, o chefe da Casa Rosada afirmou que a Argentina irá abrir mão do “cepo” cambial — isto é, restrições para a compra de dólares para evitar uma maior desvalorização do peso argentino. 

No início do segundo mandato de Cristina Kirchner em 2011, as restrições começaram como uma maneira forçada de fazer a economia argentina reter dólares e evitar a saída em massa da moeda norte-americana. 

Agora, Milei busca primeiro sanar o balanço do Banco Central da República da Argentina (BCRA) antes de retirar as restrições. O objetivo está longe, mas houve uma melhora significativa nas contas do BC do país.

Pente fino nas contas

Em novembro do ano passado, as reservas internacionais do país chegaram a US$ 20,9 bilhões, mas cresceram para cerca de US$ 28,2 bilhões após o superávit nos meses de janeiro e fevereiro.

Segundo o presidente, a expectativa é chegar ao segundo semestre sem as restrições cambiais. Ainda, o governo continua na busca por um novo financiamento de US$ 15 bilhões para engordar as reservas do BCRA. 

“Quando o FMI fez as contas, disse que poderíamos levar até metade do ano [para por fim às restrições do câmbio], mas isso depende da vontade dos indivíduos para trocar os títulos”, disse Milei, em referência à recente proposta de trocar títulos da dívida em pesos por aqueles em dólares

Jogada de Caputo para a Argentina

Já no campo de xadrez em Washington, durante o encontro de primavera, o ministro da Economia tentará colocar no papel a exigência de Milei de redução das taxas e sobretaxas do FMI. 

O chamado Programa de Financiamento Ampliado (EFF, na sigla em inglês) permite que o país pegue um empréstimo de até três vezes o tamanho da sua cota junto ao FMI.

No entanto, quando há atrasos nos pagamentos e esse montante supera quatro vezes o valor da cota do país, há uma sobretaxa de 2% sob o montante excedente da dívida inicial. 

Vale lembrar que a Argentina é, atualmente, o maior credor do FMI, mas é esperado que, em 2024, o país alcance um saldo  de US$ 33 bilhões com o fundo. 

Afinal: quanto a Argentina deve?

Em 2018, a Argentina contraiu uma dívida de US$ 44 bilhões com o FMI no governo de Mauricio Macri, a uma taxa de 4,1% ao ano.

Porém, foram aplicados outros quatro pontos percentuais sobre outros empréstimos excedentes do país, dentro dos moldes do EFF.

Devido a esse aumento das taxas nos últimos anos, a Argentina terá que pagar US$ 3,4 bilhões em juros ao FMI em 2024.

Por isso, o trabalho de Caputo é tão importante neste momento: reduzir as sobretaxas do empréstimo poderia economizar à Argentina até US$ 1 bilhão este ano, quase 30% do valor total dos juros.

Compartilhe

INVESTIMENTO EM TECNOLOGIA

China cria fundo multibilionário para desenvolver cadeia própria de semicondutores e enfrentar os EUA

27 de maio de 2024 - 10:22

Esse montante marca a terceira fase do chamado Fundo de Investimento da Indústria de Circuitos Integrados da China e representa o dobro do total levantado nas fases anteriores

DÊ O PLAY!

Javier Milei já conseguiu avançar muito na Argentina — mas os últimos cortes deixaram a ‘faca’ do presidente cega?

25 de maio de 2024 - 11:00

Esse foi o tema do mais recente episódio do Touros e Ursos, o podcast do Seu Dinheiro, que contou com a presença do nosso colunista, Matheus Spiess

AYUDA, HERMANOS

A motosserra de Milei ficou sem combustível? Entenda por que o dólar voltou a bater máximas na Argentina — e por que isso já era esperado

23 de maio de 2024 - 12:55

Ao mesmo tempo em que o mercado aumentou o apetite por dólares, Javier Milei, o presidente do país, virou capa da revista Time

VAI VOLTAR A SUBIR?

Ata do Fed joga balde de água fria nas bolsas — entenda o que acabou de vez com o apetite por risco dos investidores hoje

22 de maio de 2024 - 16:04

Dirigentes do Fed estão descontentes com o ritmo da queda da inflação nos EUA e veem juros no atual nível por mais tempo

REI CHARLES AUTORIZOU

Primeiro-ministro dissolve o Parlamento e antecipa as eleições gerais no Reino Unido

22 de maio de 2024 - 14:44

Assim, os deputados perdem o seu mandato e agora precisam fazer campanha para a reeleição se quiserem continuar

EL PELUCA

Seis meses de Javier Milei: como está a Argentina hoje para o investidor — e para o viajante — após novo presidente assumir? 

22 de maio de 2024 - 6:20

Desde que assumiu, Milei colecionou algumas vitórias e derrotas no seu primeiro semestre de gestão; conheça algumas delas e saiba se a Argentina ainda é um destino turístico atrativo, do ponto de vista financeiro

NÃO DEIXOU BARATO

Na mira de Xi Jinping: China impõe sanções à Boeing e mais duas empresas dos EUA por venda de armas a Taiwan

20 de maio de 2024 - 19:22

A medida é a mais recente de uma série de sanções anunciadas pelo Gigante Asiático nos últimos anos contra companhias pelo fornecimento de armamento a Taipé

INTERNACIONAL

Presidente do Irã morre em queda de helicóptero; aiatolá já decidiu quem será o sucessor

20 de maio de 2024 - 7:53

Além de Ebrahim Raisi, seu ministro das Relações Exteriores e mais 7 pessoas morreram no incidente, ocorrido no norte do Irã

LOBBY DE BANCOS

CEO do JP Morgan levou outros presidentes de bancos para pressionar Federal Reserve por normas mais frouxas

19 de maio de 2024 - 16:47

Agora, o Fed e dois outros reguladores querem um novo plano, que reduziria o aumento obrigatório de capital — de quase 20% — para os maiores bancos dos EUA

NO ORIENTE MÉDIO

Membro do gabinete de Guerra de Israel ameaça pedir demissão caso não haja plano para conflito em Gaza

19 de maio de 2024 - 14:55

Benny Gantz reconheceu o impacto prejudicial que a guerra está tendo sobre os civis, mas insistiu que a “decisividade” é necessária

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar