🔴 É HOJE! COMO COMPRAR CARROS COM ATÉ 50% DE DESCONTO NA TABELA FIPE – CONHEÇA A ESTRATÉGIA

Camille Lima
Camille Lima
Repórter no Seu Dinheiro. Estudante de Jornalismo na Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Já passou pela redação do TradeMap.
SD ENTREVISTA

No cartão e no carnê digital: Os planos do Magazine Luiza (MGLU3) para expandir o crédito ao consumidor em 2024 

O gerente de relações com investidores do Magalu, Lucas Ozório, revelou os planos de lançamento da varejista para oferecer crédito aos clientes

Fachada de um das lojas do Magazine Luiza (MGLU3)
Entrada de loja do Magazine Luiza (MGLU3). - Imagem: Shutterstock

Depois de reestruturar o balanço afetado pela alta dos juros, o Magazine Luiza (MGLU3) decidiu apostar no bom e velho crédito ao consumidor para voltar a crescer.

Após anunciar um aporte de até R$ 1 bilhão na Luizacred — financeira de cartões de crédito que tem em conjunto com o Itaú —, a varejista confirmou as expectativas de que lançará novos produtos para o crediário ainda em 2024.

Em entrevista ao Seu Dinheiro, o gerente de relações com investidores do Magalu, Lucas Ozório, afirmou que a varejista oficialmente deve trazer o “carnezinho” para a internet. 

Atualmente, é possível adquirir produtos pelo carnê nas lojas físicas do Magalu e parcelar as compras em até 24 vezes. 

O crédito direto ao consumidor (CDC) atrelado ao produto é uma das principais apostas da empresa para a fintech MagaluBank. Hoje, o crediário do Magalu possui uma carteira de R$ 1,4 bilhão, com crescimento de quase 30% no comparativo com 2023.

“É um produto rentável para a nossa operação, porque além de dar um up nas vendas, a gente também dá crédito para o consumidor. A operação financeira está em um patamar sustentável hoje na loja física e nós queremos levar ela para o e-commerce”, disse Ozório.

Vale lembrar que hoje a empresa possui o “Carnê digital Magalu”, que permite que os clientes visualizem todos os carnês em aberto, negociem os pagamentos em atraso e até quitem os débitos. Entretanto, até o momento, é possível fazer compras com o carnê do Magazine Luiza somente nas lojas físicas da varejista.

“Habilitando essa função para o online, você atrai novos consumidores que não são os clientes de loja e consegue dar o poder de compra para eles”, afirmou, durante a entrevista.

Segundo o executivo, o Magazine Luiza atualmente estuda vários mecanismos para aumentar a penetração de serviços no canal digital da varejista, tanto no oferecimento de cartão de crédito pré-aprovado pela Luizacred quanto pelo lançamento do CDC online.

De acordo com o gerente de RI, o crediário e a Luizacred são duas frentes que tendem a crescer neste ano e que “visam aumentar a venda e contribuir também para a geração de riqueza, Ebitda e lucro líquido da empresa”.

Além do “carnê digital” do Magazine Luiza (MGLU3) 

A versão online do carnê do Magalu ainda está em processo de lançamento. O gerente de RI da varejista não deu uma projeção de quando o produto deve chegar ao mercado. 

Além do CDC online, a equipe da fintech MagaluBank atualmente estuda outros lançamentos de serviços no e-commerce do Magazine Luiza, segundo Lucas Ozório.

Entre elas, estão as possibilidades de realizar compras com dois cartões de crédito no site do Magalu ou de efetuar parte do pagamento no Pix e outra parcela no cartão de crédito, assim como já acontece nas lojas físicas do Magazine Luiza.

“São features que ainda não estão habilitadas online, mas que, assim que lançadas, também vão dar um impulso nas vendas, já que oferecem maior poder de compra para o cliente.”

Mais cedo nesta sexta-feira (10), o CEO da operação de fintech MagaluBank, Carlos Mauad, sinalizou uma retomada da oferta de crédito de maior risco.

A expectativa é aproveitar a melhora no ambiente de crédito para ampliar a oferta de financiamento em produtos de maior retorno, principalmente nas lojas, de acordo com Mauad. “Com a queda da taxa de juros, conseguimos ser mais flexíveis.”

Porém, segundo o presidente da fintech do Magalu, a flexibilização de crédito será realizada “com muita diligência” devido ao porte da dívida da companhia. 

O Magazine Luiza divulgou na noite de ontem o balanço do primeiro trimestre de 2024. Apesar de o resultado ter vindo acima do esperado, as ações MGLU3 reagiram mal ao anúncio. Os papéis fecharam em forte queda de 7,78% na B3, a R$ 1,54. No ano, a desvalorização chega a 27%.

“Todos esperávamos que a ação fosse subir hoje. Nós conseguimos controlar de fato o micro da empresa. O macro não nos compete. O curto prazo não conseguimos controlar porque depende do macro, mas no médio e longo prazo, o micro da empresa se sobressai”, projetou Lucas Ozório.

Compartilhe

AVAL DOS MUNICÍPIOS

Sinal verde para privatização: Municípios de SP aprovam “último passo” para desestatizar a Sabesp (SBSP3)

20 de maio de 2024 - 18:47

No passo final do processo de desestatização, centenas de prefeitos de São Paulo assinaram um contrato unificado com a companhia de saneamento

DE OLHO NAS REDES

Interferência na Petrobras ainda vai longe? Os planos de Lula para a empresa não agradam nem um pouco o mercado — e agora? 

20 de maio de 2024 - 18:11

Os ruídos dentro na Petrobras (PETR4) não são de agora e a principal preocupação do investidor de PETR4 é a influência do presidente Luiz Inácio Lula da Silva na estatal.  Enquanto o governo quer que a estatal faça cada vez mais investimentos, o mercado enxerga que isso pode ser um perigo, dado o risco de […]

ENTENDA O IMBRÓGLIO

Vibra (VBBR3) compra seu edifício-sede no Rio, mas transação causa impasse para investidores de CRI e fundos imobiliários

20 de maio de 2024 - 17:02

Não se trata de um calote como os vistos no mercado de CRI no ano passado, mas sim de uma situação muito mais complexa do ponto de vista jurídico

MAIOR CAUTELA

Fusão entre Petz (PETZ3) e Cobasi anima analistas — mas esse bancão ainda vê potencial de alta limitado para ações

20 de maio de 2024 - 16:02

Bank of America elevou o preço-alvo dos papéis da Petz nesta segunda-feira (20), mas manteve recomendação neutra; entenda

DE OLHO NO AGRO

Como ficam as ações das empresas do agronegócio na B3 que atuam no RS após a tragédia climática no Estado?

20 de maio de 2024 - 6:22

Para analistas, empresas como Camil (CAML3) e 3tentos (TTEN3) podem compensar eventuais perdas com a alta dos preços em razão da restrição da oferta

UNIÃO DA MODA

Fusão da moda: Arezzo (ARZZ3) e Grupo Soma (SOMA3) acertam termos e condições para incorporação que criará gigante do varejo

19 de maio de 2024 - 9:03

De acordo com as informações mais recentes dos respectivos balanços, as empresas, juntas, faturam algo em torno de R$ 12,765 bilhões

CRISE NA ESTATAL

Justiça nega pedido por assembleia na Petrobras (PETR4) que atrasaria posse de Magda Chambriard

18 de maio de 2024 - 17:02

Em sua reclamação na Justiça, o deputado do Novo alega que, eventualmente reconhecida a queda do CA em efeito dominó após a saída de Prates

QUASE 10 ANOS DEPOIS

Vale (VALE3), BHP e Samarco fazem nova proposta de R$ 127 bilhões para compensar tragédia em Mariana, mas acordo não deve evoluir agora

18 de maio de 2024 - 14:44

Valor de R$ 127 bilhões oferecido na última proposta, do final de abril, foi mantido, mas as empresas retomariam agora obrigações que tinham ficado de fora

SUBIU, DESCEU

Volta da febre das “meme stocks”: GameStop cai quase 20% em um único pregão, mas fecha semana com ganhos de 23%

18 de maio de 2024 - 13:26

Também pressionaram os papéis da mais famosa “ação meme” a divulgação de dados trimestrais preliminares da empresa

Dá o play!

Óleo no chope da bolsa: como ficam seus investimentos após mais uma intervenção na Petrobras (PETR4)

18 de maio de 2024 - 11:00

O podcast Touros e Ursos recebeu Karina Choi, sócia da Cordier Investimentos, para comentar os possíveis impactos da decisão do presidente Lula de demitir Jean Paul Prates da presidência da estatal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar