🔴 É HOJE! COMO BUSCAR ATÉ R$ 2 MIL DE RENDA EXTRA TODO OS DIAS – CONHEÇA A ESTRATÉGIA

Camille Lima
Camille Lima
Repórter no Seu Dinheiro. Estudante de Jornalismo na Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Já passou pela redação do TradeMap.
NA CARTEIRA

JP Morgan tira BRF (BRFS3) da geladeira: ações da dona da Sadia e Perdigão disparam na B3 com recomendação de compra 

Analistas do banco norte-americano veem BRF barata mesmo após disparada de 173% em 12 meses na B3

Camille Lima
Camille Lima
15 de abril de 2024
10:38
BRF
BRF - Imagem: Shutterstock

Após quase uma década de prejuízos, o mercado encontra-se “traumatizado” com a BRF — e nem mesmo a disparada de 173% dos papéis na B3 em 12 meses foi capaz de reconquistar a confiança de parte dos investidores. Mas para o JP Morgan, é hora de tirar as ações BRFS3 da “geladeira” e colocar na carteira de investimentos. 

Para os analistas, os papéis da dona da Sadia e da Perdigão estão baratos e podem subir ainda mais na bolsa brasileira. 

Os analistas elevaram a recomendação para as ações BRFS3 para “overweight” — equivalente a “compra” —, com preço-alvo de R$ 20 para o fim de 2024, implicando em um potencial de valorização de 23% em relação ao último fechamento.

Os papéis do frigorífico iniciaram o pregão desta segunda-feira (15) em alta na bolsa brasileira, a maior do Ibovespa. Por volta das 10h20, as ações subiam 6,15%, negociadas a R$ 17,25 na B3. Em 2024, os ativos acumulam alta de 24%. 

Confira a cobertura de mercados em tempo real do Seu Dinheiro aqui.

A tese otimista para BRF (BRFS3)

De acordo com o JP Morgan, o verdadeiro impulsionador da visão mais otimista para a BRF (BRFS3) é o mercado internacional. Isso porque os analistas projetam uma aceleração do resultado no exterior, o que deve levar a uma escalada dos lucros da companhia no primeiro trimestre deste ano.

Para o banco norte-americano, o mercado brasileiro já registrava uma tendência positiva para rentabilidade e custos para a empresa de proteínas, com bons preços de alimentos processados, recuperação nas margens de aves In-Natura e resultados mais tangíveis no programa de eficiência BRF Mais.

Na avaliação dos analistas, os preços de exportação de aves continuam a melhorar diante da perspectiva mais equilibrada do cenário de oferta e demanda, devido às fracas exportações dos Estados Unidos.

As perspectivas mais otimistas para os mercados interno e internacional levaram o banco a aumentar as estimativas para o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) da BRF para o primeiro trimestre em 9,2%, para R$ 1,81 bilhão, com uma margem Ebitda de 13,5%. 

“Em termos de valuation, a empresa ainda parece negociar relativamente barata”, afirmou o banco, em relatório.

Nas contas do JP Morgan, BRF atualmente negocia a um múltiplo de 5,2 vezes a relação valor de firma sobre Ebitda (EV/Ebitda) para 2024, abaixo da média de cinco anos da companhia, de 6,4 vezes. 

“Olhando para a geração de caixa, também vemos melhorias com a expectativa de que a BRF gere R$ 2,77 bilhões de fluxo de caixa livre (FCF) em 2024, com um rendimento de 10%”, escreveram os analistas.

Segundo o banco, esse patamar de FCF deve ser apoiado pela melhoria dos números operacionais, redução nas despesas financeiras líquidas e nível de investimentos (Capex) estável. 

A força do mercado internacional

Para os analistas, as margens do segmento internacional devem se expandir — levando à melhoria dos resultados da BRF (BRFS3) no começo de 2024.

“Essas melhorias observadas nos levam a revisar nossas estimativas para o 1T24 nas operações internacionais, com preços fortes e volumes saudáveis suportando um crescimento de receita de 10,2% ao ano e um sólido Ebitda de US$ 170 milhões, com margem de 13,1%.”

Diante dos sinais de recuperação da relação de oferta e demanda, as exportações de aves do Brasil continuam a ver uma melhora nos preços, com alta de 6% no acumulado do ano, de acordo com a Secex (Secretaria de Comércio Exterior).

Outro ponto positivo para o desempenho do mercado internacional é a diminuição das exportações de aves dos EUA, que atingiram os níveis mais baixos desde fevereiro de 2005, “o que fornece suporte adicional aos fundamentos do mercado avícola no Brasil”, segundo os analistas.

Mas e o Brasil?

Para o JP Morgan, as margens do Brasil devem permanecer elevadas no curto prazo, tanto para os alimentos processados quanto para o frango In-Natura.

Já em relação aos custos, os analistas projetam preços mais comportados para o milho em 2024, devido à ampla oferta do grão após uma safra melhor que o esperado. Vale relembrar que a commodity agrícola é atualmente o principal gasto da BRF (BRFS3).

“No segmento Brasil, esperamos que os preços ainda fiquem ligeiramente mais fracos em termos anuais, levando a uma receita marginalmente decrescente. No entanto, a melhor perspectiva de custos continua sustentando um Ebitda atraente”, afirmam os analistas.

“A cereja do bolo é o programa de eficiência BRF Mais, que deve continuar avançando em 2024, além de melhorar as tendências do FCF”, escreveu o JP Morgan.

Afinal, a BRF+ capturou R$ 3,8 bilhões em 2023 — e a companhia já prevê abocanhar outros R$ 1,8 bilhão neste ano, o que deve apoiar a lucratividade da empresa de proteínas.

Os riscos para a BRF (BRFS3)

No mundo dos investimentos, o exercício de futurologia não garante o retorno futuro — e, segundo o JP Morgan, existem cinco potenciais riscos para a previsão otimista para a BRF (BRFS3) que podem levar a tese a ruir.

O primeiro deles é a chance de o real se valorizar em relação ao dólar, o que pressionaria os negócios de exportação da companhia.

Além disso, uma perspectiva de preços pior do que o esperado, com deterioração das condições de mercado, pode impactar o desempenho da BRF (BRFS3) neste ano.

Do lado dos custos, o aumento dos preços do milho e do farelo de soja poderiam adicionar ainda mais pressão à operação da dona da Sadia e Perdigão.

Outra questão que pode afetar a BRF é uma potencial mudança de estratégia de negócios — que atualmente encontra-se sob revisão, segundo a gestão da empresa.

E por fim, assim como outras empresas do setor de frigoríficos, a questão sanitária também impõe riscos sobre o negócio da BRF. A propagação da gripe aviária no Brasil, por exemplo, poderia levar a proibições de exportação e impactar os resultados da companhia.

Compartilhe

CHAMADA PÚBLICA

Com foco em transição energética, Vale (VALE3) e BNDES querem selecionar fundo de investimento; confira detalhes do edital

27 de maio de 2024 - 16:20

O edital busca estimular atividades de pesquisa e exploração mineral no Brasil e a definição do fundo gestor deverá ocorrer até outubro de 2024

NO ENCALÇO DOS RIVAIS

Elon Musk quer ganhar posição na corrida da inteligência artificial e levanta R$ 30 bilhões para a xAI

27 de maio de 2024 - 15:35

O financiamento veio de gigantes do Vale do Silício e aproxima a empresa de Elon Musk dos concorrentes do mercado de Inteligência Artificial

FOGUETE NÃO TEM RÉ

Nubank (ROXO34) já subiu 40% em NY em 2024 — mas o roxinho continua a brilhar aos olhos do Itaú BBA. O que está por trás do otimismo?

27 de maio de 2024 - 14:26

Os analistas mantêm recomendação de compra para as ações da fintech negociadas em Nova York, com preço-alvo de US$ 13 para o fim de 2024

REESTRUTURAÇÃO

Plano financeiro da Gol (GOLL4) envolve aumento de capital de até US$ 1,5 bilhão e refinanciamento de US$ 2 bilhões para deixar a recuperação judicial

27 de maio de 2024 - 11:08

Contudo, a decisão da Gol de prosseguir com o plano exigirá a aprovação do Tribunal de Falências dos EUA

ATENÇÃO, INVESTIDOR

Dividendos: Banco do Brasil (BBAS3) anuncia R$ 1,1 bilhão em JCP — em proventos antecipados do 2T24

24 de maio de 2024 - 18:52

Para ter direito à remuneração, é necessário possuir ações do BB até o fim do pregão de 23 de junho

TRAGAM A COROA

Tchau, Itaú (ITUB4): Nubank (ROXO34) se torna o banco mais valioso da América Latina pela primeira vez em dois anos

24 de maio de 2024 - 17:24

Atualmente, o banco digital é avaliado em US$ 56,19 bilhões, equivalente a R$ 290,52 bilhões nas cotações atuais

DONA DO CHATGPT

De demissões a polêmicas em Hollywood: por que a gestão de Sam Altman à frente da OpenAI vem sendo alvo de críticas

24 de maio de 2024 - 16:24

Desde que recuperou o trono de CEO em novembro, Sam Altman viu a empresa que fundou adentrar uma nova onda de intrigas — incluindo uma controvérsia com a atriz Scarlett Johansson e acordos altamente restritivos com antigos funcionários

APERTO DE MÃOS

Azul (AZUL4) e Gol (GOLL4) anunciam acordo de cooperação para ‘mesclar’ malhas aéreas em meio a rumores de fusão das empresas

24 de maio de 2024 - 8:34

Entre as novas rotas compartilhadas, os clientes terão à disposição também oportunidades mais convenientes de conexão

UMA BATALHA DE GIGANTES

Mercado Livre quer se tornar maior banco digital do México — mas expansão do Nubank pode atrapalhar os planos

23 de maio de 2024 - 20:04

O banco do cartão roxo liderou a adição de usuários ativos mensais (MAU) no país, de acordo com relatório do Bank of America

UM AUXÍLIO PARA A DANÇA DAS CADEIRAS

Vale (VALE3) contrata consultoria internacional para seleção de novo CEO e dá mais um passo no processo de sucessão do comando

23 de maio de 2024 - 19:22

A escolhida para assessorar o conselho de administração na busca foi a Russell Reynolds, que entregará uma lista de três possíveis nomes para o cargo ao CA

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar