🔴 CHANCE DE MULTIPLICAR O INVESTIMENTO EM ATÉ 14,5X EM 8 DIAS? ENTENDA A PROPOSTA

Camille Lima
Camille Lima
Repórter no Seu Dinheiro. Estudante de Jornalismo na Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Já passou pela redação do TradeMap.
DE OLHO EM SUSTENTABILIDADE

Eletrobras (ELET3) levanta R$ 4,7 bilhões com venda de termelétricas — e ainda diminui o risco do portfólio 

O negócio inclui os últimos ativos termoelétricos da Eletrobras em operação, localizados nos estados do Amazonas e Rio de Janeiro

Camille Lima
Camille Lima
10 de junho de 2024
9:54 - atualizado às 23:50
Eletrobras
Eletrobras - Imagem: Canva/Divulgação / Montagem: Bruna Martins

A Eletrobras (ELET3) anunciou nesta segunda-feira (10) que venderá seu portfólio termoelétrico para a Âmbar Energia. Com o acordo, a ex-estatal federal receberá R$ 4,7 bilhões pelos ativos. 

Deste total, aproximadamente R$ 1,2 bilhão será a título de earn-out, condicionado ao cumprimento de determinadas metas estipuladas em contrato.

De acordo com fato relevante enviado à CVM, a operação permitiu a maximização do valor dos ativos da companhia com “adequada alocação de risco” — eliminando os impactos de inadimplência de contratos de venda de energia elétrica.

Outro objetivo da transação é acelerar o atingimento de uma das metas de sustentabilidade da Eletrobras, de zerar a emissão de carbono até 20230

“As iniciativas reforçam o compromisso da companhia de mitigar riscos operacionais e financeiros, avançar na otimização de seu portfólio e alocação de capital”, disse a empresa.

O negócio térmico da Eletrobras (ELET3)

A venda dos ativos da Eletrobras (ELET3) foi resultado de um processo competitivo iniciado em julho do ano passado.

O negócio inclui os últimos ativos termoelétricos da Eletrobras em operação, localizados nos estados do Amazonas e Rio de Janeiro: as unidades Mauá III; Rio Negro; Aparecida; Anamã; Anori; Codajás; Caapiranga; e Santa Cruz.

Além disso, a transação abrange os direitos de reversão dos produtores independentes de energia (PIEs) das unidades térmicas Cristiano Rocha, Manauara, Jaraqui, Tambaqui e Ponta Negra.

As unidades possuem capacidade instalada total de 2 gigawatts (GW) e prazo médio de contratação de cerca de 2 anos na UTE Santa Cruz — operada pela Furnas no RJ — e de aproximadamente 6 anos para o perímetro Eletronorte, no Amazonas. 

Segundo a empresa, o portfólio será transferido para a Âmbar sem nenhuma dívida ou caixa. 

Em termos financeiros, os ativos vendidos resultaram em uma receita líquida de R$ 2,4 bilhões para a Eletrobras no ano passado. 

Já o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) — usado pelo mercado como uma forma de mensurar a geração de caixa de uma empresa — foi de R$ 1,1 bilhão.

Leia também:

Além da venda…

A Eletrobras (ELET3) ainda assinou nesta segunda-feira outros dois acordos com a Âmbar Energia.

O primeiro deles assegura que, em caso de “operação subsequente envolvendo transferência do controle da distribuidora, contraparte dos contratos de energia dos ativos termoelétricos”, a Eletrobras cederá a totalidade dos créditos para a Âmbar. 

Por sua vez, a companhia terá opção de compra para possibilitar a “captura do benefício econômico” resultante da recuperação operacional e financeira da distribuidora. 

Já o outro contrato tem relação com a compra do complexo eólico Baleia, anunciada em meados de setembro de 2023. 

Com o aditamento do documento, a Eletrobras poderá assumir o resultado integral do direito de recebimento da ação de cobrança sobre a indenização securitária das unidades adquiridas, que ainda está em discussão com a seguradora.

O que dizem os analistas sobre o negócio da Eletrobras

Na avaliação do Itaú BBA, o negócio entre a Eletrobras (ELET3) e a Âmbar Energia foi "altamente positivo".

"A empresa estabeleceu com sucesso um quadro de transações robusto, com vantagens claras, ao mesmo tempo que abordou questões importantes relacionadas com o crédito", escreveu o banco, em relatório.

Nas contas dos analistas, o potencial desinvestimento de participações minoritárias em outras empresas poderia gerar R$ 5 bilhões extras para a Eletrobras.

Segundo o Itaú BBA, com os recursos da emissão de dívida realizada na última semana e da venda de ativos, a Eletrobras teria os recursos necessários para um potencial acordo com o governo federal sobre a disputa de direitos de voto.

Para os analistas, a companhia potencialmente precisaria de mais de R$ 20 bilhões em pagamentos anteriores da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), um fundo usado para bancar subsídios do setor de energia e cobrado diretamente de tarifas dos consumidores.

Compartilhe

ELES VOLTARAM

O plano dos irmãos Wesley e Joesley Batista para ficar com a Amazonas Energia

13 de julho de 2024 - 15:49

Proposta da empresa de energia do grupo J&F, dos irmãos Wesley e Joesley Batista, foi apresentada à Aneel 16 dias após o governo editar medida provisória salvando o caixa da distribuidora

FUTURA POTÊNCIA?

Para o Santander, expansão da IA e demanda por data centers são oportunidades para o Brasil. Veja quais empresas e setores na Bolsa podem se beneficiar

12 de julho de 2024 - 20:00

Segundo o banco, país possui “excesso de oferta” de energia e diversas fontes renováveis

FUSÕES E AQUISIÇÕES

Indo às compras: Suzano adquire fábricas de empresa de embalagens nos EUA por US$ 110 milhões

12 de julho de 2024 - 19:12

Acordo ocorre semanas após a companhia desistir de tratativas para comprar a International Paper por US$ 15 bilhões

A GRANDE APOSTA

Não aposte contra a Nvidia: Para investidor do ‘Big Short’, seria insano apostar na queda da ação da gigante dos chips de inteligência artificial

12 de julho de 2024 - 18:31

Conhecido por fazer fortuna na crise de 2008 com apostas short, Steve Eisman afirma que investidores que operam vendidos nas big techs como a Nvidia têm um “desejo de morte”

ARROZ EM ALTA

Camil (CAML3) sobe 8% após balanço, mas recomendação de compra não é unanimidade entre os bancos

12 de julho de 2024 - 13:45

Resultados do primeiro trimestre divulgados pela companhia animaram o mercado. No entanto, o impulso motivado pela alta no preço do arroz tem data para acabar

DIVIDINDO A RESPONSABILIDADE

Por que a Vale (VALE3) fechou acordo com a BHP em processos no exterior por rompimento de barragem em Mariana 

12 de julho de 2024 - 12:12

O contrato assinado com a BHP tem relação com os processos de ações coletivas no Reino Unido e Holanda ligados ao rompimento da barragem de Fundão

Reforço de caixa

Eletrobras pode levantar até R$ 3,3 bi com oferta secundária de ações da CTEEP (TRLP4); mercado reage e papel tem a maior queda do Ibovespa

12 de julho de 2024 - 11:28

Companhia anuncia venda de 60 milhões de papéis da subsidiária, que pode ser acrescida de mais 70 milhões caso haja demanda

AINDA UMA PENNY STOCK

Em meio a aumento bilionário de capital, Americanas (AMER3) adia grupamento de ações

11 de julho de 2024 - 19:57

Grupamento de ações ordinárias e aquisição do controle da varejista pelos acionistas de referência com aumento de capital foram aprovados nesta semana pelo Cade

CÉU AZUL

Itaú BBA iniciou cobertura da Latam com recomendação de compra e chances de ação decolar 41%; os motivos você confere aqui

11 de julho de 2024 - 19:01

São três pilares que sustentam uma visão positiva sobre a empresa, e quase todos têm a ver com ajustes após a saída do chapter 11

CONSELHO APROVOU

Por que a Santos Brasil (STBP3) quer devolver R$ 1,6 bilhão aos acionistas? Confira a proposta de redução de capital da companhia

11 de julho de 2024 - 18:57

A operação deve ser realizada sem o cancelamento de ações e com restituição em dinheiro aos investidores, mas ainda precisa ser aprovada pelos acionistas

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar