🔴 RENDA MÉDIA DE ATÉ R$238,02 POR DIA COM APENAS 4 CLIQUES – SAIBA COMO

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Balanço do mês

Bitcoin, ouro e fundos imobiliários são os melhores investimentos de março; veja o ranking completo

Ibovespa fecha em queda novamente e títulos públicos indexados à inflação de prazos mais longos ficam na lanterna

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
28 de março de 2024
18:17
Bitcoin, ouro e imóveis
Bitcoin, ouro e imóveis. - Imagem: Seu Dinheiro/ChatGPT

O bitcoin, o ouro e os fundos imobiliários foram os melhores investimentos de março e também os únicos a fecharem o mês com desempenho acima do CDI.

Em mais um mês de alta nos juros futuros, com queda da bolsa brasileira e também dos títulos públicos prefixados e indexados à inflação, as debêntures, os títulos públicos atrelados à taxa básica de juros (Tesouro Selic) e o dólar também terminaram com desempenho positivo.

O bitcoin subiu 16,82% em reais, acumulando uma alta já superior a 70% no primeiro trimestre do ano. Já o ouro, na medição da variação do ETF brasileiro GOLD11, subiu 9,53%.

Finalmente, o Índice de Fundos Imobiliários (IFIX) avançou 1,43%, na contramão das ações e contrariando o movimento de alta nos juros futuros.

  • [Evento online e 100% gratuito] Luis Stuhlberger, Daniel Goldberg, Marcos Troyjo e outros grandes economistas e gestores debatem cenário macro e oportunidades de investimentos; saiba como participar

Entre os títulos públicos, apenas o Tesouro Prefixado com vencimento em 2027, o mais curto desse tipo oferecido no Tesouro Direto atualmente, conseguiu fechar em alta, com uma valorização de 0,20%.

Todos os demais ficaram no vermelho, com o pódio negativo ocupado por alguns dos títulos mais longos indexados à inflação.

O Ibovespa, por sua vez, amargou mais um mês de queda e fechou em baixa de 0,71%, aos 128.106 pontos. Veja o ranking completo dos melhores e piores investimentos do mês a seguir:

Os melhores investimentos de março

InvestimentoRentabilidade no mêsRentabilidade no ano
Bitcoin16,82%73,15%
Ouro (GOLD11)9,53%10,78%
IFIX1,43%2,92%
CDI*0,92%2,58%
Tesouro Selic 20290,91%2,74%
Índice de Debêntures Anbima Geral (IDA - Geral)*0,90%3,70%
Tesouro Selic 20270,87%2,73%
Dólar à vista0,86%3,34%
Poupança antiga**0,56%1,68%
Poupança nova**0,56%1,68%
Dólar PTAX0,27%3,21%
Tesouro Prefixado 20270,20%-
Tesouro IPCA+ 2029-0,55%-0,30%
Ibovespa-0,71%-4,53%
Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 2035-0,79%-
Tesouro Prefixado 2031-0,95%-
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2035-1,33%-1,83%
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2040-1,96%-2,55%
Tesouro IPCA+ 2035-2,17%-3,52%
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2055-2,73%-3,75%
Tesouro IPCA+ 2045-4,40%-5,88%
(*) Até dia 27/03. (**) Poupança com aniversário no dia 28.
Todos os desempenhos estão cotados em real. A rentabilidade dos títulos públicos considera o preço de compra na manhã da data inicial e o preço de venda na manhã da data final, conforme cálculo do Tesouro Direto.

Fontes: Banco Central, Anbima, Tesouro Direto, Broadcast e Coinbase, Inc..

Bitcoin e ouro na dianteira

O bitcoin deu continuidade ao seu movimento de alta em março, impulsionado pelas aquisições por parte dos investidores institucionais após a aprovação dos ETFs de bitcoin à vista nos Estados Unidos.

Tanto a criptomoeda quanto o ouro, porém, também são beneficiados por uma mesma dinâmica: a perspectiva de queda de juros nos EUA. O metal precioso, aliás, atingiu uma nova máxima histórica em março.

Neste mês, o mercado se animou pelo fato de que, na sua decisão de juros, o Federal Reserve, banco central americano, reafirmou que faria três cortes nas taxas neste ano.

Em busca dos melhores investimentos isentos de IR

O mercado brasileiro se vê sob o efeito de um forte movimento técnico depois que o governo mudou algumas regras para os investimentos do ano passado para cá.

O aperto nas regras de tributação de fundos exclusivos e a restrição de emissões ou prazos de títulos de renda fixa isentos de imposto de renda (LCI, LCA, CRI e CRA) fizeram com que um grande fluxo de recursos saísse em busca de outros ativos isentos cujas regras ainda não tivessem sido modificadas.

Com isso, houve uma grande migração de recursos para debêntures incentivadas e fundos imobiliários, cujos rendimentos são normalmente isentos de IR para as pessoas físicas. Estes últimos também passam por uma forte recuperação com a melhoria das perspectivas econômicas e expectativa de queda na Selic.

Mesmo debêntures não incentivadas (portanto, tributadas) atraíram recursos, uma vez que tendem a pagar mais do que os títulos públicos de mesmo prazo.

Como resultado, temos visto a valorização de debêntures e FIIs, enquanto os títulos públicos prefixados e indexados à inflação ficaram em segundo plano na visão dos investidores, uma vez que sofrem a incidência de tributação.

Banco Central mais duro e risco político e fiscal

Mas também há razões macroeconômicas que pesam sobre esses papéis, bem como sobre as ações.

Se por um lado o Fed reforçou que vai efetuar três cortes de juros neste ano, o que animou o mercado, por outro os investidores adiaram ainda mais as expectativas para o início do afrouxamento monetário, para junho ou até para o segundo semestre.

Já na decisão do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) feita neste mês o tom foi mais duro do que o esperado. Apesar de ter cortado a Selic em mais 0,50 ponto percentual, o BC disse que espera mais um corte de mesma magnitude, no singular, na próxima reunião.

Ao tirar o plural do seu comunicado, o BC deixou a porta aberta para cortes de menor magnitude nas reuniões seguintes, evidenciando que está de olho na inflação e, portanto, colocando um pé no freio.

Os dados de inflação mais recentes, aliás, mostraram pressão sobre os preços, evidenciando que a cautela do BC brasileiro não é injustificada.

O risco fiscal também continua no radar, o que faz com que os juros de longo prazo não consigam ceder enquanto o resto do mundo tiver juros altos.

Do ponto de vista microeconômico, um fator que também pesa sobre o Ibovespa é o risco de interferência do governo nas empresas brasileiras com grande peso no índice.

Em março, chamou muito a atenção dos investidores a retenção dos dividendos extraordinários pela Petrobras, defendido pelo governo, o que fez as ações ordinárias da estatal (PETR3) fecharem em baixa de 7,13%, um dos piores desempenhos do Ibovespa no mês.

As maiores altas do Ibovespa em março

EmpresaCódigoDesempenho no mês
EmbraerEMBR336,35%
BraskemBRKM525,48%
3R PetroleumRRRP318,03%
Natura &CoNTCO313,96%
SuzanoSUZB313,54%
Carrefour/AtacadãoCRFB312,74%
KlabinKLBN1111,92%
PRIOPRIO311,51%
São MartinhoSMTO39,65%
Grupo SomaSOMA38,71%
Fonte: B3/Broadcast

As maiores quedas do Ibovespa em março

EmpresaCódigoDesempenho no mês
Pão de AçúcarPCAR3-26,55%
Grupo Casas BahiaBHIA3-25,00%
Magazine LuizaMGLU3-15,49%
CVCCVCB3-13,43%
CSN MineraçãoCMIN3-12,69%
YduqsYDUQ3-11,05%
UsiminasUSIM5-9,58%
TotvsTOTS3-7,53%
Petrobras ONPETR3-7,13%
Telefônica (Vivo)VIVT3-7,12%
Fonte: B3/Broadcast

Compartilhe

UMA NO CRAVO, OUTRA NA FERRADURA

FMI piora projeção para o PIB do Brasil em 2024 e melhora para 2025, mas impacto das chuvas no RS ainda não está na conta

28 de maio de 2024 - 11:58

FMI apresentou revisão de projeções para o PIB do Brasil em documento divulgado nesta terça-feira

LOTERIAS

Bolão fatura o primeiro prêmio da Lotofácil na semana; Mega-Sena corre hoje valendo R$ 75 milhões

28 de maio de 2024 - 5:40

Enquanto Lotofácil justifica mais uma vez a fama de loteria menos difícil da Caixa, já é possível apostar na Quina de São João

mercado imobiliário

Minha Casa Minha Vida aumenta vendas e lucros da construção civil

27 de maio de 2024 - 19:25

Dados são de pesquisa elaborada pela CBIC sobre o 1º trimestre de 2024

política monetária

Não há pressão grande para Fed cortar juros nos EUA, afirma Campos Neto

27 de maio de 2024 - 17:34

Para ele, apesar dos juros altos, economias do mundo estão surpreendendo para cima

ASTRONÔMICOS

Bancos estão descumprindo a lei? Juro rotativo do cartão sobe para 423,5% ao ano — mesmo após Congresso limitar taxas a 100% 

27 de maio de 2024 - 13:13

As taxas apresentadas pelo BC podem sugerir, portanto, que os bancos estejam descumprindo a lei, mas o que acontece é apenas um registro estatístico

Conteúdo Empiricus

Como ‘travar’ um retorno real de 7% ao ano até 2042? Confira lista de ativos que podem se beneficiar do 2º maior juro real do mundo

27 de maio de 2024 - 10:00

Juro real do Brasil chega aos 6,54% e abre oportunidade para os investidores buscarem retornos reais de 7% ao ano

LOTERIAS

4 apostas dividem prêmio milionário da Lotofácil, Mega-Sena decepciona e +Milionária nem precisa dizer

26 de maio de 2024 - 9:09

Lotofácil justifica mais uma vez a fama de loteria menos difícil da Caixa; prêmio da Mega-Sena salta para R$ 75 milhões

DESANCORADO

As más notícias de Campos Neto: temores fiscais, juros nos EUA e a própria credibilidade do BC dificultam combate à inflação

25 de maio de 2024 - 12:59

Comentários feitos por Campos Neto na tarde de sexta-feira fizeram o dólar e os juros projetados subirem

LOTERIAS

A teimosia compensa! Apostador do RJ insiste nos números e fatura sozinho a Lotofácil

25 de maio de 2024 - 8:12

Lotofácil continua fazendo jus à fama de loteria menos difícil da Caixa, mas não foi a única a distribuir um prêmio milionário ontem; Mega-Sena acumulada corre hoje

DADOS DA RECEITA

Imposto de Renda: pessoas físicas doam R$ 35 milhões do IR para fundos do Rio Grande do Sul; veja como contribuir

24 de maio de 2024 - 19:43

Em meio à tragédia climática de sua história, o estado foi o maior beneficiado desse tipo de direcionamento do IR

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar