🔴 ALGORITMO MOSTRA COMO BUSCAR ATÉ R$ 3 MIL POR DIA – CONHEÇA

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Pé no freio

Em decisão não unânime, Copom abandona a própria sinalização e corta Selic em apenas 0,25 ponto, para 10,50% ao ano

Postura mais conservadora do colegiado já era esperada por boa parte do mercado, mas possíveis sucessores de Roberto Campos Neto não votaram com o presidente do BC e defenderam redução maior nos juros

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
8 de maio de 2024
18:47 - atualizado às 19:17
Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central
Liderado por Roberto Campos Neto, Copom havia indicado mais um corte de 0,50 ponto na reunião de hoje. - Imagem: Marcos Oliveira/Agência Senado

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) cortou, nesta quarta-feira (08), a meta da taxa básica de juros em 0,25 ponto percentual. Com isso, a Selic passa de 10,75% para 10,50% ao ano.

A nova queda nos juros já era esperada, mas originalmente o Copom havia sinalizado um corte de magnitude maior, de 0,50 ponto percentual, na sua última reunião, realizada em março.

Assim, a queda de 0,25 ponto indica que o colegiado abandonou de fato a sua própria sinalização (forward guidance) e decidiu ficar mais conservador diante do aumento das incertezas em relação ao risco fiscal doméstico e à política monetária americana.

  • [Transmissão especial] Como a decisão do Copom mexe com o seu bolso? Especialistas discutem as melhores estratégias para o seu patrimônio com a nova Selic, anunciada neste dia 8 de maio. Receba o link de acesso gratuito aqui.

O principal motivo destacado no comunicado do Copom para o corte mais brando foram as incertezas do ambiente externo. A nota abre com o seguinte parágrafo:

"O ambiente externo mostra-se mais adverso, em função da incerteza elevada e persistente referente ao início da flexibilização de política monetária nos Estados Unidos e à velocidade com que se observará a queda da inflação de forma sustentada em diversos países. Os bancos centrais das principais economias permanecem determinados em promover a convergência das taxas de inflação para suas metas em um ambiente marcado por pressões nos mercados de trabalho. O Comitê avalia que o cenário segue exigindo cautela por parte de países emergentes."

Já no cenário doméstico, o colegiado destacou os indicadores de atividade econômica e do mercado de trabalho apresentando dinamismo maior que o esperado. "A inflação cheia ao consumidor manteve trajetória de desinflação, enquanto medidas de inflação subjacente se situaram acima da meta para a inflação nas divulgações mais recentes", diz ainda o comunicado.

Sobre o fiscal, o comitê diz ter acompanhado "com atenção os desenvolvimentos recentes da política fiscal e seus impactos sobre a política monetária" e reafirmou que "uma política fiscal crível e comprometida com a sustentabilidade da dívida contribui para a ancoragem das expectativas de inflação e para a redução dos prêmios de risco dos ativos financeiros, consequentemente impactando a política monetária."

Decisão não foi unânime, e possíveis sucessores de Campos Neto votaram por corte maior

O resultado da reunião de hoje era muito aguardado pelo mercado, cujas estimativas se “dividiam” (de maneira desigual) entre o corte inicialmente indicado, de 0,50 ponto, e um mais conservador, de 0,25 ponto, possibilidade que concentrava a maior parte das apostas.

A divisão de opiniões não foi vista apenas entre os investidores, mas também no próprio Copom, uma vez que a decisão que reduziu a Selic hoje para 10,50% ao ano não foi unânime.

O presidente do BC e do Copom, Roberto Campos Neto, votou pela redução de 0,25 ponto, junto com outros quatro diretores, totalizando cinco votos a favor da postura mais conservadora; os outros quatro votos foram para a redução de 0,50 ponto, entre eles os de Gabriel Galípolo e Paulo Picchetti, cotados como possíveis sucessores de Campos Neto, cujo mandato termina no fim deste ano.

A divergência de visões entre o atual presidente e seus possíveis sucessores não deve ser bem acolhida pelo mercado, que tem Campos Neto em alta conta e teme pela futura indicação do PT para liderar o BC.

Além disso, os votos de Galípolo e Picchetti indicam uma postura mais 'dovish', isto é, menos dura em relação à inflação, o que é justamente o temor do mercado quanto ao futuro presidente da autarquia.

Ainda assim, o comunicado do Copom diz que "o comitê, unanimemente, avalia que o cenário global incerto e o cenário doméstico marcado por resiliência na atividade e expectativas desancoradas demandam maior cautela."

"A conjuntura atual, caracterizada por um estágio do processo desinflacionário que tende a ser mais lento, expectativas de inflação desancoradas e um cenário global desafiador, demanda serenidade e moderação na condução da política monetária", diz o comitê.

Aumento das incertezas e dos riscos afetou a trajetória da Selic

Na reunião de março, a sinalização do Copom já havia jogado um pouco de água na cerveja do mercado ao tirar o plural do comunicado que anunciou a decisão do corte de juros.

Até então, o colegiado vinha prevendo novas reduções de mesma magnitude (0,50 ponto percentual), no plural; mas, em março, a expressão veio no singular, indicando apenas mais uma queda nessa intensidade.

De lá para cá, dados econômicos e de inflação fortes nos Estados Unidos assustaram, sugerindo que o corte de juros por lá poderia levar mais tempo para ocorrer e ser menos intenso do que o esperado, o que acaba segurando também a queda de juros por aqui.

Além disso, o fiscal doméstico passou a deixar o mercado mais pessimista depois que o Ministério da Fazenda reduziu a meta fiscal do ano que vem de um superávit de 0,5% do PIB para um déficit zero.

Para completar, as fortes chuvas e inundações no Rio Grande do Sul nos últimos dias aumentaram o risco de pressão no fiscal e na inflação, por conta do importante papel do estado na produção de alimentos.

Na semana passada, o presidente do Federal Reserve, o banco central americano, afastou a possibilidade de uma nova alta nos juros, o que era um dos temores do mercado.

Já na sexta-feira (03), o payroll, principal relatório de emprego do país, finalmente mostrou uma desaceleração no mercado de trabalho americano, o que melhorou as expectativas para os cortes de juros por lá.

Mesmo assim, o Copom preferiu manter uma postura mais cautelosa e optou por um corte menor na Selic. "O Comitê avalia que as conjunturas doméstica e internacional devem se manter mais incertas, exigindo maior cautela na condução da política monetária", diz o comunicado da decisão de hoje.

Sem 'forward guidance': o que o Copom espera daqui para frente

O comitê não se comprometeu, desta vez, com um novo corte na Selic nem com a magnitude deste possível novo corte na próxima reunião do colegiado, a ser realizada em junho.

Em seu comunicado, o comitê apenas ressalta que a política monetária deve se manter contracionista até que se consolide não apenas o processo de desinflação como também a ancoragem das expectativas em torno de suas metas.

Sobre os ajustes futuros na Selic, o colegiado deixa os próximos passos em aberto: "O Comitê também reforça, com especial ênfase, que a extensão e a adequação de ajustes futuros na taxa de juros serão ditadas pelo firme compromisso de convergência da inflação à meta."

O Copom projeta uma inflação de 3,8% para este ano, acima das projeções do último boletim Focus, de 3,7%; para 2025, o comitê espera uma inflação de 3,3%, inferior à estimativa de 3,6% do Focus.

São vistos ainda fatores de risco tanto de alta como de baixa para a inflação. No lado do risco de alta, destacam-se:

  • uma maior persistência das pressões inflacionárias globais; e
  • uma maior resiliência na inflação de serviços do que a projetada em função de um hiato do produto mais apertado.

Já entre os riscos de baixa, destacam-se:

  • uma desaceleração da atividade econômica global mais acentuada do que a projetada; e
  • os impactos do aperto monetário sincronizado sobre a desinflação global se mostrarem mais fortes do que o esperado.

ONDE INVESTIR EM MAIO: VEJA OS MELHORES INVESTIMENTOS- AÇÕES, FIIs, BDRS E ALOCAÇÃO DE ATIVOS

Compartilhe

BC NA MIRA DO GOVERNO

Lula volta a soltar farpas contra Campos Neto e cita “nervosismo especulativo” com dólar

21 de junho de 2024 - 18:29

Presidente também chamou o líder do Banco Central de “adversário político”

DINHEIRO NO BOLSO

Receita Federal abre consulta ao segundo lote da restituição do Imposto de Renda; veja como acessar

21 de junho de 2024 - 9:09

Mais de 5,75 milhões de brasileiros serão beneficiados no segundo lote da restituição do Imposto de Renda. Contribuintes do Rio Grande do Sul fazem parte da lista de prioridades

LOTERIAS

Mega-Sena acumula e Lotofácil tem 3 ganhadores, mas só se fala na Quina de São João

21 de junho de 2024 - 5:37

Ganhadores da Lotofácil estão bem espalhados pelo Brasil; prêmio da Mega-Sena vai a R$ 86 milhões; Quina de São João corre amanhã

FUTEBOL

Brasil x Argentina: qual é a seleção mais valiosa? A resposta pode surpreender; veja os dias dos jogos da seleção na Copa América

20 de junho de 2024 - 16:12

A Copa América de 2024 começa hoje nos Estados Unidos, mas a estreia do Brasil está programada apenas para a próxima segunda-feira

LOTERIAS

Ainda não jogou na Quina de São João? Corre que ainda dá tempo; veja como apostar

20 de junho de 2024 - 5:52

Enquanto a Quina de São João se aproxima, a Lotofácil continua justificando a fama de loteria menos difícil do Brasil

SEM BOLA DIVIDIDA NO BC

Campos Neto interrompe cortes na Selic: em decisão unânime, Copom mantém a taxa básica de juros em 10,5% ao ano

19 de junho de 2024 - 18:39

A decisão vem em linha com as expectativas do mercado, que já esperava a manutenção após a deterioração do cenário fiscal brasileiro e as incertezas sobre o rumo dos juros nos Estados Unidos

LOTERIAS

Enquanto a Mega-Sena acumula de novo, a Lotofácil faz o primeiro milionário da semana

19 de junho de 2024 - 5:43

Uma pessoa ganhou sozinha na Lotofácil e o prêmio da Mega-Sena está agora em R$ 60 milhões; enquanto isso, a Caixa Econômica Federal se prepara para sortear a Quina de São João

AVANÇO OU RETROCESSO?

O Banco Central vai virar empresa pública? Senado discute a autonomia financeira do BC — veja o que pensam especialistas 

18 de junho de 2024 - 19:10

Audiência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) foi realizada nesta terça-feira (18) com a presença de economistas e ex-presidentes do BC

E AGORA, SHEIN?

A taxação das ‘blusinhas’ vem aí: Lula dá sinal de que vai sancionar impostos sobre compras internacionais — mas não está feliz com isso

18 de junho de 2024 - 13:29

Para o petista, a decisão de taxar as compras internacionais de até US$ 50 com um imposto de 20% é “equivocada”; entenda a situação

MERCADOS HOJE

Dólar salta na abertura e vai a R$ 5,44: o ataque de Lula à Campos Neto que fez o real cair ainda mais

18 de junho de 2024 - 10:32

O presidente da República deu entrevista à Rádio CBN de Londrina e voltou a criticar o posicionamento político do chefe da autoridade monetária

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar