🔴 CHANCE DE MULTIPLICAR O INVESTIMENTO EM ATÉ 14,5X EM 8 DIAS? ENTENDA A PROPOSTA

Larissa Vitória
Larissa Vitória
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo portal SpaceMoney e pelo departamento de imprensa do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).
SEM BOLA DIVIDIDA NO BC

Campos Neto interrompe cortes na Selic: em decisão unânime, Copom mantém a taxa básica de juros em 10,5% ao ano

A decisão vem em linha com as expectativas do mercado, que já esperava a manutenção após a deterioração do cenário fiscal brasileiro e as incertezas sobre o rumo dos juros nos Estados Unidos

Larissa Vitória
Larissa Vitória
19 de junho de 2024
18:39 - atualizado às 19:34
Montagem com Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central | Selic
Campos Neto com bolsa de valores e prédios ao fundo - Imagem: Imagens: Canva / Montagem: Isabelle Santos

Dez meses e sete reduções depois, o ciclo de cortes da taxa básica de juros foi interrompido nesta quarta-feira (19). O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) optou por manter a Selic em 10,50% ao ano.

A decisão vem em linha com as expectativas do mercado, que já esperava a manutenção após a deterioração do cenário fiscal brasileiro e as incertezas sobre o rumo dos juros nos Estados Unidos. A real dúvida dos investidores era se ela seria ou não unânime

E, ao contrário da reunião anterior, Roberto Campos Neto, presidente do BC, e seus diretores não divergiram sobre os rumos dos juros.

O voto pela interrupção dos cortes veio de todos os membros do comitê — entre eles Gabriel Galípolo e Paulo Picchetti, indicados pelo governo ao BC e cotados como possíveis sucessores do presidente.

O futuro da Selic

Além dos ruído políticos, outra grande dúvida do mercado é se a manutenção dos juros hoje indica que o ciclo de cortes chegou ao fim ou se essa é apenas uma interrupção temporária no afrouxamento monetário.

Nesse sentido, o comunicado divulgado junto à decisão repete a pista que já havia sido dada em março ao dizer que o cenário global é incerto, com dúvidas sobre o afrouxamento monetário nos EUA, e o quadro doméstico está marcado por "expectativas desancoradas" que demandam mais cautela.

"A política monetária deve se manter contracionista por tempo suficiente em patamar que consolide não apenas o processo de desinflação como também a ancoragem das expectativas em torno de suas metas", destaca o comitê.  

Para os diretores, indicadores de atividade econômica e do mercado de trabalho segue apresentando "dinamismo maior do que o esperado". Avaliam ainda que medidas de inflação subjacente se situaram "acima da meta" nas divulgações recentes.

Outro ponto atenção para o BC é a política fiscal brasileira. Para os diretores, uma diretriz "crível" e comprometida com a sustentabilidade da dívida contribuiria para reduzir os prêmios de risco dos ativos financeiros e, consequentemente, impactaria a política monetária.

Lula criou saia justa entre Campos Neto e os indicados do governo?

Vale relembrar que o cenário fiscal ficou ainda mais conturbado dias que antecederam o encontro do Copom.

Os ruídos incluíram falas do presidente Luiz Inácio Lula da Silva que indicaram que o ajuste nas contas da União deve vir principalmente por meio de um aumento na receita. Na sequência, em uma derrota para o governo, o Congresso devolveu uma medida provisória que visava justamente reequilibrar a arrecadação.

A decisão em consenso também ocorre apenas um dia após Lula voltar a fazer duras críticas ao presidente do BC, cujo mandato termina no fim deste ano. As falas geraram incertezas a respeito do posicionamento dos indicados do governo no BC — e se eles cederiam à pressão pública para seguir com os cortes.

Na véspera da decisão, Lula qualificou o Banco Central como a “única coisa desajustada no Brasil” e afirmou que a autarquia não respeita a independência que conquistou. No campo dos ataques ao presidente da instituição, ele disse que Campos Neto não demonstra “capacidade de autonomia” e tem “lado político”.

A declaração faz referência a um evento da última segunda-feira (10), em que o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), havia convidado para um jantar o presidente do BC, além de outras figuras importantes como banqueiros, políticos e empresários. 

Tarcísio é considerado um herdeiro político do ex-presidente Jair Bolsonaro, que também foi responsável pela indicação de RCN ao Banco Central.

Na visão de Lula, a aproximação de ambos no campo político minaria a confiança de que o BC age de maneira técnica. “A quem esse rapaz é submetido? Como vai a festa em São Paulo quase assumindo candidatura a cargo no governo de SP? Cadê a autonomia dele?”, questionou o presidente na ocasião.

Compartilhe

LOTERIAS

Essa é fácil mesmo: Lotofácil tem 5 ganhadores; Quina e Mega-Sena acumuladas prometem verdadeiras fortunas hoje

13 de julho de 2024 - 8:23

Enquanto a Quina acumulou de novo, a Lotofácil voltou a fazer jus à fama de loteria menos difícil da Caixa Econômica Federal

REGULANDO AS REDES

Elon Musk no alvo: União Europeia acusa empresa do bilionário de enganar usuários e violar regras do bloco

12 de julho de 2024 - 15:03

A União Europeia poderá multar o X, antigo Twitter, em até 6% do faturamento anual da big tech, comprada por Elon Musk em 2022. A empresa ainda não se pronunciou sobre o caso.

PATINANDO NA PRAÇA DA SÉ

Adeus, bolsa? B3 (B3SA3) reporta saída de CPFs pelo segundo mês seguido

12 de julho de 2024 - 8:38

Volume financeiro médio diário total em ações caiu 21,4% em um ano, mas bolsa ainda tem mais de 5 milhões de CPFs

LOTERIAS

Lotofácil faz 2 quase milionários; Quina acumula e continua pagando mais que a Mega-Sena

12 de julho de 2024 - 5:53

Enquanto a Quina segue acumulando, a Lotofácil continua fazendo jus à fama de loteria menos difícil da Caixa Econômica Federal

NOVA POLÊMICA

Vem mais imposto por aí? Após Senado “rejeitar” aumento da CSLL, líder sugere taxação sobre setor financeiro para compensar desoneração da folha

11 de julho de 2024 - 19:45

Aumento seria feito caso as medidas apontadas pelo Senado não sejam suficientes para equalizar a renúncia do benefício fiscal aos 17 setores e às pequenas e médias prefeituras

APÓS 40 ANOS

Ela está chegando: Câmara aprova texto-base da reforma tributária, zera taxa sobre carnes e mantém armas e munições isentas do ‘imposto do pecado’

11 de julho de 2024 - 7:48

Agora, os deputados votam os cinco destaques (tentativas de alterar o texto-base), antes de a proposta ser enviada ao Senado

LOTERIAS

Lotofácil faz 2 meio-milionários; Mega-Sena acumula, mas não consegue superar premiação da Quina

11 de julho de 2024 - 5:50

Lotofácil continua fazendo jus à fama de loteria menos difícil da Caixa Econômica Federal; Quina acumulada corre hoje valendo R$ 17 milhões

IPCA

Inflação mais fraca em junho tira pressão do dólar e dos DIs, mas ainda não afeta projeções para Selic

10 de julho de 2024 - 11:46

IPCA mensal desacelerou de 0,46% para 0,21% na passagem de maio para junho; analistas esperavam inflação de 0,32%

LOTERIAS

Lotofácil faz primeiro milionário da semana; Quina acumula e paga mais que a Mega-Sena hoje

10 de julho de 2024 - 5:53

A máquina de milionários da Lotofácil voltou a funcionar na noite de terça-feira; calendário da Mega-Sena está diferente, mas é só nesta semana

PESQUISA BGC

Mercado acha que Lula não vai cumprir meta fiscal de 2024 e maioria espera que cortes feitos não mexam com os negócios

9 de julho de 2024 - 17:01

Do total de entrevistados, 46% acreditam que a meta fiscal de 2024 será alterada no quarto trimestre, enquanto 19% acham que a revisão virá um pouco antes, no terceiro trimestre

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar