🔴 AS BIG TECHS ESTÃO ‘SUGANDO’ DINHEIRO DA BOLSA BRASILEIRA? – VEJA COMO SE PROTEGER

Camille Lima
Camille Lima
Repórter no Seu Dinheiro. Estudante de Jornalismo na Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Já passou pela redação do TradeMap.
POLÍTICA MONETÁRIA

Até quanto Roberto Campos Neto vai cortar a Selic? Esses três ex-diretores do BC traçaram suas apostas para os juros

Para um ex-diretor do BC, existe a possibilidade de que a nova diretoria do Banco Central passe a “reescrever o jogo” dos juros

Camille Lima
Camille Lima
2 de abril de 2024
19:04 - atualizado às 18:13
campos neto selic taxa de juros ações
Imagem: Freepik/Agência Brasil

A mudança de tom do Copom em relação à trajetória da política monetária no Brasil levantou dúvidas entre os integrantes do mercado financeiro sobre até onde Roberto Campos Neto pretende cortar a Selic.

Afinal, na última reunião do colegiado do Banco Central, Campos Neto passou a sinalizar apenas mais um corte de meio ponto percentual nos juros, e não mais uma sequência de reduções naquela magnitude.

A ligeira mudança de letra foi o suficiente para elevar a incerteza sobre o que esperar para a Selic — e nem mesmo os antigos diretores do Banco Central estão em harmonia sobre onde a taxa básica de juros vai parar ao fim do ciclo de cortes.

Durante o evento Brazil Investment Forum, do Bradesco BBI, os ex-BCs Alexandre Schwartsman, Carlos Viana e Fabio Kanczuk traçaram suas apostas para os juros e a nova direção do Banco Central.

  • [Evento online e 100% gratuito] Luis Stuhlberger, Daniel Goldberg, Marcos Troyjo e outros grandes economistas e gestores debatem cenário macro e oportunidades de investimentos; saiba como participar

As apostas de Fabio Kanczuk para a Selic

No caso de Fabio Kanczuk, que atualmente trabalha como head de macroeconomia na ASA Investments, a expectativa é que o Copom faça apenas mais um corte de 0,50 ponto percentual na Selic na próxima reunião. 

Dali em diante, a estimativa é que Campos Neto continue o ciclo de cortes, mas desacelere o passo para reduções de 0,25% em 0,25%, até que a Selic atinja o patamar de 8,5% ao ano no final de 2025.

“O Fed [Federal Reserve, o banco central dos EUA] também deve começar a cortar os juros em 0,25 ponto percentual a cada duas reuniões e não deve atrapalhar por aqui. Já a inflação deve ficar meio chatinha, perto de 4%, mas mesmo assim o Banco Central vai até 8,5%”, disse Kanczuk, durante o evento

Relembrando, Kanczuk atuou como diretor de política econômica do Banco Central de 2019 a 2021. Antes disso, o economista trabalhou como secretário de política econômica durante o governo Michel Temer, de 2016 a 2018, ao lado do então ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que deu vida ao teto de gastos.

Até onde o Banco Central vai cortar os juros?

A aposta de Carlos Viana — head de research na Kapitalo Investimentos e ex-diretor do Banco Central entre 2016 e 2019 — para a Selic “terminal” também é de 8,5% ao ano no final de 2025. 

Porém, segundo Viana, serão dois ciclos de cortes de juros devido à mudança de diretoria do Banco Central.

Para Viana, o Banco Central deve começar a tatear “o nível para parar” de diminuir os juros a partir de junho. Na visão do ex-BC, o Copom deve anunciar só mais uma redução de 0,50 ponto percentual, chegando a cerca de 9,5% ao ano em setembro.

“A partir daí, segue em aberto a possibilidade de continuidade do ciclo já no ano que vem, levando a Selic para perto de 8% ou 8,5% ao ano”, disse o antigo diretor do Banco Central.

“O BC está comunicando que quer parar num nível contracionista dadas as circunstâncias aqui, e depois a pressão para que a política monetária se torne menos contracionista vai acabar levando a uma distensão adicional.” 

Por sua vez, Alexandre Schwartsman — que trabalhou como diretor do Banco Central entre 2003 e 2006 — aposta que a Selic chegue a 9,5% no final da rodada de reduções pelo Copom comandado por Roberto Campos Neto.

A sucessão no Banco Central

Vale lembrar que o mandato de Roberto Campos Neto na chefia do Banco Central terminará no fim de 2024, levantando temores de uma mudança de direção do Copom em relação aos juros.

Para Fabio Kanczuk, quem deverá ocupar o lugar de presidente será Gabriel Galípolo, o atual diretor de política monetária do Banco Central.

“O presidente Lula vai atazanar [Galípolo] para jogar o juros para baixo. Ele vai resistir da melhor forma possível, mas vai ficar nesse embate.”

Enquanto isso, Alexandre Schwartsman vê um “conjunto vazio” no leque de possibilidades de novos diretores do BC. 

“Qual é o perfil que eu acharia ideal? Tem dois na minha frente”, disse o economista, apontando para Kanczuk e Viana. “Mas qual desses dois é palatável para o atual governo? Desconfio que nenhum dos dois. A sinalização não é que o governo vai encaçapar alguém que queira seguir a regra do jogo.”

Schwartsman destaca a possibilidade de que o Banco Central possa “reescrever o jogo” dos juros. “Teve diretoria do BC que jogou o livro de regras pela janela, então pode ser que, sob nova direção, a gente veja uma política monetária mais agressiva, mas é complicado imaginar que a expectativa de inflação vai ficar parada.”

Compartilhe

MINISTROS DIVIDIDOS

Julgamento sobre FGTS que afeta o setor imobiliário e pode custar quase R$ 300 bilhões para o governo é retomado no STF; veja como está o placar

12 de junho de 2024 - 16:15

Atualmente, os valores depositados no fundo remuneram a Taxa Referencial (TR) mais 3% ao ano, além do eventual lucro no período

MP da Compensação

Senado avalia usar Imposto de Renda, repatriação e dinheiro esquecido para compensar a desoneração da folha

12 de junho de 2024 - 12:03

Uma das fontes avaliadas pelo Senado para compensar desoneração é a taxação de compras internacionais

AI MINHAS COMPRINHAS

Câmara aprova lei que taxa compras internacionais de varejistas como Shein, AliExpress e Shopee. Lula vai vetar?

12 de junho de 2024 - 10:08

A alíquota de 20% sobre o e-commerce estrangeiro foi um “meio-termo” e substituiu a ideia inicial de aplicar uma cobrança de 60% sobre mercadorias que vêm do exterior

LOTERIAS

Lotofácil faz novos milionários pelo Brasil enquanto Mega-Sena acumula e Caixa recebe apostas exclusivas para a Quina de São João

12 de junho de 2024 - 5:53

Se o prêmio acumulado da Mega-Sena rapidamente atingiu a marca de R$ 40 milhões, a Lotofácil teve 3 ganhadores, mas fez apenas 2 novos milionários

MP da Compensação

Pacheco devolve MP do PIS/Cofins e impõe derrota ao governo Lula

11 de junho de 2024 - 19:03

Presidente do Senado diz que MP descumpre princípio de anterioridade para questões tributárias

Leilão polêmico

O que levou o governo Lula a cancelar o leilão para compra de arroz importado?

11 de junho de 2024 - 16:32

Segundo o governo, anulação se deu por falta de capacidade financeira das empresas em honrar os compromissos

NÃO É PRA JÁ

Inflação acelera em maio e agora é improvável que o Copom volte a cortar os juros tão cedo

11 de junho de 2024 - 12:36

A inflação acelerou a +0,46% na passagem de abril para maio; no acumulado em 12 meses, o IPCA subiu depois de sete meses seguidos de desaceleração

CRISE FISCAL

O governo não vai cumprir a meta de déficit zero — e isso traz uma notícia boa e outra ruim, segundo economista-chefe do BTG Pactual

11 de junho de 2024 - 12:00

Para Mansueto Almeida, nem tudo ainda está perdido do lado fiscal. Ele também disse quando acredita que o Ibovespa pode voltar a subir

HISTÓRIA (DO) REAL

O dia em que Plano Real quase foi pelo ralo: um relato de Gustavo Franco

11 de junho de 2024 - 6:27

Durante evento realizado na semana passada em SP, Gustavo Franco contou os motivos que deixaram o Plano Real por um fio antes mesmo de seu lançamento

CAIU NA CONTA?

Faz um Pix: Meio de pagamento alcança novo recorde, diz Banco Central — após disparada de popularidade em 2023

10 de junho de 2024 - 14:21

Em 48 horas, mais de 400 milhões de transações foram realizadas com o sistema de pagamentos entre quinta (6) e sexta-feira (7)

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar