🔴 É HOJE! COMO BUSCAR ATÉ R$ 2 MIL DE RENDA EXTRA TODO OS DIAS – CONHEÇA A ESTRATÉGIA

Tudo indica um cenário favorável para mais bull market nos mercados internacionais

24 de janeiro de 2024
10:21 - atualizado às 10:22
the who
Nesta coluna, João Piccioni faz um paralelo entre The Who, erros do passado e por que investir centavos agora para ganhar dólares depois. -

O guitarrista do “The Who” Pete Townshend tinha uma expectativa elegante ao compor a música “Won’t get fooled again”, nos idos de 1971. A música, que mais tarde se tornaria um dos ícones da banda, começava com um som sintetizado que havia sido construído a partir de batidas do coração, ondas cerebrais e mapas astrológicos de diversos praticantes da música. O objetivo de Townshend era criar um som capaz de restaurar a harmonia para a humanidade quando tocado (escute aqui!).

Provavelmente, suas expectativas iam muito além das possibilidades. Mas, certamente, ele deixou algumas marcas no mundo. Para mim, lembro sempre do refrão da música quando me vejo em encruzilhadas que me forçam a repetir processos mentais que me levaram aos erros no passado. Afinal, se deixar enganar de novo é como entrar em um looping infinito que dificulta substancialmente as tomadas de decisão.

Quem abandonou a renda variável...

Os investidores que abandonaram os mercados de renda variável antes dos últimos dois meses de 2023 caíram em uma bela armadilha. A falsa sensação de controle proporcionada pelas leituras envolvendo as economias globais e dificuldade em se avaliar corretamente as condições dos mundos dos negócios, fizeram com que bons investidores deixassem de auferir ganhos relevantes. E esses mesmos erros continuam a ser cometidos nesse começo de 2024, dada a dificuldade de sair desse emaranhado comportamental. 

Desde minha assunção do cargo de CIO da Empiricus Gestão no começo de novembro/23, tenho comentado sobre a reabertura da janela para a tomada de risco — veja os Diários de Bordo de Novembro e Dezembro. A construção do cenário feita no Outlook 2024 também abriu espaço para essa leitura. Dados os primeiros 20 dias do ano, chegou mais do que a hora de reforçar o call

Os vetores de liquidez no mercado internacional continuam amplamente favoráveis à continuidade do Bull Market, em especial nos EUA. Em primeiro lugar, (i) o Fed vem reduzindo suas operações de Reverse Repo e ampliando as linhas do Bank Term Funding Program (BTFP), aumentando a liquidez do segmento bancário e promovendo uma espécie de Quantitative Easing (QE) light; (ii) o nível de recursos alocados nos Mutual Funds americanos — fundos de curto prazo — atingiu seu recorde na semana passada, e deve ser realocado rapidamente caso o movimento de alta perdure por mais algumas semanas; e, por fim, (iii) a janela das recompras corporativas de ações reabrirá em alguns dias, gerando uma demanda adicional à classe.

Gráfico 1 – FED – Reservas bancárias em 17.01.2024. Fonte: Koyfin, FRED St. Louis.

Além destes fatores, as perspectivas para os balanços nessa temporada de resultados são positivas e devem solidificar ainda mais algumas teses de investimento.

Os primeiros sinais provenientes do mundo da tecnologia apontam para um ano próspero. Na semana passada, a Taiwan Semiconductor Manufacturing Company (TSMC) divulgou números trimestrais acima do esperado. Entretanto, foi a leitura mais detalhada dos resultados a responsável por mover os ponteiros. Ao longo dos últimos trimestres, a companhia vem acelerando a produção dos processadores de 5 nanômetros (nm), utilizados em produtos de tecnologia de ponta — novos smartphones, GPUs e CPUs de última geração. Esses microchips tem como característica uma capacidade de processamento superior e maior dissipação de calor, aspectos fundamentais para o funcionamento das ferramentas de Inteligência Artificial (IA).

Essa leitura indica que o ciclo de criação de novos produtos está recomeçando, calcado nos avanços das ferramentas de IA. Nenhuma companhia quer perder a passada e, para isso, a implementação de tecnologia nos produtos e serviços se tornou peremptória. O lançamento mundial do novo smartphone da Samsung (S24) feito também na semana passada mostrou um pouco da necessidade de se dar passos mais ousados. O iPhone, nessa corrida, ficou para trás… pelo menos até setembro…

O mesmo ocorre no mundo dos serviços, especialmente no segmento de softwares. Alphabet, Microsoft, SalesForce, entre outras, virão à tona com suas novas ferramentas em 2024. Além da promessa de aumento de produtividade para seus clientes, as companhias deverão premiar seus acionistas com resultados ainda mais robustos do que aqueles vistos nos últimos trimestres. 

Os passos positivos estão sendo dados e a “exuberância irracional” está aflorando com velocidade. Neste sentido vejo como possível dentro da matriz de probabilidades um salto descomunal das ações no curto prazo, parecido com aquele visto na primeira metade de 2021. O apetite pelo risco naquele ambiente levou o índice S&P 500 a negociar por cerca de 24 vezes seus lucros projetados, 30% acima do pico registrado em 2020, antes do início da pandemia. Se este for realmente o caso, teríamos um amplo espaço para novos recordes de preços antes dos excessos passarem a ser praticados. Neste ambiente de euforia todo cuidado é pouco. Mas aproveitá-lo é fundamental.

Gráfico 2 – Índice Preço-Lucro projetado do S&P 500 para os próximos 12 meses. Fonte: Koyfin

Do lado da gestão, caminhamos com a avaliação dos negócios das companhias e das suas margens de segurança, criando mecanismos de segurança para as carteiras dos fundos a cada marco atingido. Por ora, os riscos parecem mais distantes no horizonte e o caminho livre para ser aproveitado. Que venha a temporada de resultados.

Como os mercados têm performado em janeiro e as adaptações nas carteiras

Se a dinâmica dos mercados em janeiro tem se mostrado favorável para as ações americanas, o mesmo não pode ser dito sobre os mercados emergentes. Puxados pelas notícias mais preocupantes em relação à inflação global — veja o último Diário de Bordo —, as bolsas dos países periféricos têm apresentado fraco desempenho.

Gráfico 3 – Retorno das Bolsas de países emergentes e do S&P 500 em 2024 (até dia 22.01). Fonte: Koyfin

Por aqui, o Ibovespa voltou a bater os 126.600 pontos na segunda-feira (22), mas com a recuperação de ontem (23), as perdas no mês estão em 4,44%, puxadas pelo mau humor dos investidores locais que insistem em se manter afastados da renda variável. É verdade que o noticiário não ajuda, mas a falta de confiança na dinâmica desinflacionária tem sido a verdadeira vilã. A deterioração das projeções para a inflação em 2024, retratada no Boletim Focus, reforçou essa visão.

As preocupações com a situação fiscal do país ganharam força após o governo anunciar um novo pacote de estímulo industrial ligado ao BNDES (won’t get fooled again…) e os efeitos na curva de juros brasileira e no dólar foram imediatos. Os títulos com vencimento em 10 anos rapidamente passaram a ser negociados por taxas ao redor dos 10,75% ao ano, níveis vistos no início de julho do ano passado, e a moeda americana voltou a tocar os R$ 5,00.

Por ora, tais medidas não são suficientes para provocar o trânsito do nosso cenário base, que contempla a manutenção do processo desinflacionário e a queda da taxa Selic. Entretanto, uma dose cavalar de crédito subsidiado tende a alterar o comportamento do Banco Central, já que inibe os efeitos da política monetária. A continuidade do processo de queda dos juros básicos da economia dependerá do equilíbrio tênue que deve surgir da política fiscal mais agressiva e do crescimento econômico. As memórias do passado não trazem boas recordações, é verdade, mas talvez o momento do mundo seja um pouco diferente. À conferir.

E apesar dos riscos macroeconômicos, permaneço com a visão de que a bolsa brasileira está barata demais para ser ignorada. É verdade que sobre o tema, pareço um disco riscado. Mas o desconto exagerado das ações locais merece uma atenção especial. O ajuste positivo nos preços das ações brasileiras se dará com o encontro entre a maior geração de caixa e a redução dos custos de oportunidade. Já vimos este filme acontecer e não é hora de ficar de fora. 

Nesse sentido, aproveitamos o momento para fazer algumas alterações no Empiricus Deep Value Brasil FIA. Reduzimos a parcela de commodities metálicas na carteira, com o encerramento momentâneo da posição em CSN — o caso permanece em nosso radar, mas aguardamos uma janela mais interessante para realocar —, e a redução da participação nas ações da Vale. 

Em contrapartida, aumentamos a posição nas ações da Caixa Seguridade, Yduqs e Rede D’or. A primeira deve se beneficiar do avanço do programa Minha Casa Minha Vida e, também, de uma eventual migração dos investidores que estavam alocados nas ações da BB Seguridade, cujo risco associado à quebra de safra do agronegócio é maior. Já a Yduqs deve continuar apresentando resultados positivos, embalada pelo acerto estratégico ligado ao segmento premium. Por fim, a Rede D’or deve mostrar avanços de sinergia com a operação com a Sul América, além de menores despesas com juros, o que deve liberar fluxo de caixa livre para os acionistas. A carteira alvo atualizada pode ser vista na tabela 1.

Tabela 1 – Alocação alvo do Empiricus Deep Value Brasil FIA em janeiro de 2024. Fonte: Empiricus Gestão. 

Em relação aos portfólios internacionais, um dos destaques tem sido as ações da Instacart, adicionada às carteiras do Empiricus MoneyBets FIA e Money Rider Hedge Fund FIM IE na virada do ano. A empresa, que avançou substancialmente a partir da pandemia, veio para a bolsa americana no início de setembro do ano passado, após anos de especulação sobre sua abertura de capital. Entrincheirada em um mercado bastante competitivo (supermercados online), ela ainda detém uma fatia significativa de participação de mercado nos EUA — cerca de 21% — e uma estratégia de negócio similar ao do Uber, no qual a logística de entrega é subcontratada. Essa alternativa traz riscos ao negócio, mas também oportunidades (ser adquirida pelo Uber é uma das hipóteses). Em termos de valuation, as ações negociam com desconto interessante em relação ao Doordash — uma espécie de Ifood nos EUA —, fundamentado em parte pelo seu nicho de atuação (14 vezes seus lucros projetados versus 43 vezes do último). Não vejo as ações como uma oportunidade de longuíssimo prazo, mas muito provavelmente adicionarão valor às carteiras — no ano, sobem 10%.

Estamos de olho na temporada de resultados. A primeira investida do Tech Select a abrir a fileira foi o Netflix. Os números superiores às expectativas dos analistas corroboraram minha visão positiva sobre a tese. Depois de anos difíceis, a empresa fundada por Reed Hastings parece ter encontrado o ponto de equilíbrio na utilização do seu caixa. Pelo quarto trimestre consecutivo, a companhia conseguiu gerar mais de US$ 1,5 bilhão em suas operações, sendo que nos 12 meses de 2023 atingiu um patamar de geração de caixa nunca visto em suas operações (US$ 7,3 bilhões). Para frente, as perspectivas são positivas com as novas iniciativas de livestream (assinou contrato com a WWE, por exemplo) e games. Além disso, ao acerto da precificação das suas assinaturas parece ter finalmente estimulado o ingresso de novos assinantes. Vou voltar à prancheta, mas me parece que o espaço para a continuidade do avanço das ações está dado.

Por fim, queria reforçar minha visão sobre o momento atual do mundo dos investimentos. Enquanto os investidores locais se debruçam sobre CRAs, CRIs, LCAs e LCIs, o mundo corre atrás de prêmios deveras mais interessantes. Mesmo no que tange a renda fixa brasileira, os produtos estruturados que estão nascendo têm um poder de remuneração muito maior. Lá fora, em especial no campo da tecnologia, estamos à beira de outro salto exponencial, que levará as companhias a desenvolverem produtos cada vez mais rentáveis e desejáveis pelos seus consumidores. Isso impulsionará a bolsa americana para níveis muito mais altos do que o atual. Deixar esta oportunidade totalmente de lado, me parece uma falha imensa na hora de alocar recursos

Don’t get fooled again: chegou a hora de apostar centavos para ganhar dólares e não ao contrário.

Vamos em frente!

Forte abraço,

João Piccioni

Compartilhe

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Informação exclusiva, últimos dias para declarar o IR 2024 e dólar nas alturas na Argentina — confira as notícias mais lidas da semana no Seu Dinheiro

25 de maio de 2024 - 9:21

A posse da nova presidente da Petrobras, Magda Chambriard, a ata do Fed e a aprovação do ETF do ethereum nos Estados Unidos mexeram com os mercados, mas não brilharam sozinhas

Especial de IR

Fui MEI por um ano, mas não entreguei a declaração de imposto de renda de pessoa física. Posso vir a ter problemas?

25 de maio de 2024 - 7:46

Ela deixou de entregar a declaração de imposto de renda como pessoa física no ano em que trabalhou como MEI, mas pode ter cometido um erro…

SEXTOU COM O RUY

O investimento secreto de Warren Buffett: aprenda a aplicar a mesma estratégia para ganhar dinheiro no Brasil

24 de maio de 2024 - 9:01

Aposta mais recente de Warren Buffett aparecia na SEC como confidencial, o que gerou muita curiosidade entre os investidores

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Adagio ma non troppo: Com Ibovespa em marcha lenta, Wall Street anima os mercados; confira o que movimenta as bolsas hoje

24 de maio de 2024 - 8:50

Caminhos dos juros nos EUA e Brasil voltam a preocupar investidores; balanço da Americanas adiado, novo CEO da Vale e aprovação do ETF de ethereum agitam as bolsas nesta sexta-feira

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

O problema dos 3%: como a desancoragem das expectativas atrapalha a queda dos juros no Brasil

24 de maio de 2024 - 6:34

O ministro Fernando Haddad considera a meta de inflação de 3% praticamente inalcançável, o que eleva ansiedade quanto a uma possível revisão

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Você leu o que o Fed escreveu para você?

22 de maio de 2024 - 20:05

O segredo para uma jornada de sucesso como investidor ou como empreendedor começa com algo bem simples… a leitura.

CRYPTO INSIGHTS

O mercado de criptomoedas está influenciando as eleições nos EUA? O que o ETF de ethereum (ETH) tem a ver com a política americana

21 de maio de 2024 - 20:05

Nesta semana uma votação crucial está prevista para acontecer em Washington e pode remodelar o panorama regulatório para os ativos digitais nos Estados Unidos

EXILE ON WALL STREET

Felipe Miranda: Dez anos de “O Fim do Brasil”

20 de maio de 2024 - 20:01

Dez anos de lançamento de “O Fim do Brasil” e, afinal, a que fim chegou a economia do Brasil? Estamos em queda livre em direção ao pior?

Especial IR

Me mudei para Portugal, mas não entreguei a Declaração de Saída Definitiva do País; como regularizar a situação?

18 de maio de 2024 - 8:00

Documento serve para encerrar as obrigações fiscais do contribuinte no Brasil, mas este leitor não a entregou e agora recebeu uma herança

SEXTOU COM O RUY

A Petrobras (PETR4) desabou mais uma vez: surge uma barganha na bolsa com dividendos bilionários?

17 de maio de 2024 - 6:04

Nas últimas várias trocas no comando da Petrobras, não tivemos grandes mudanças no dia a dia da companhia, o que inclusive permitiu ótimos pagamentos de dividendos nos últimos anos, mesmo com CEOs distintos — será que agora também vai ser assim?

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar