🔴 SÉRIE EMPIRICUS IN$IGTS: +100 RELATÓRIOS CORTESIA – LIBERE GRATUITAMENTE

DECISÃO DO STF

Separação de bens nem tão obrigatória: maiores de 70 anos poderão escolher regime de bens em casamento ou união estável, decide STF

Separação obrigatória de bens para maiores de 70 anos visa a prevenir o popular “golpe do baú”, mas foi considerada discriminatória aos mais velhos

1 de fevereiro de 2024
19:27 - atualizado às 19:36
Casal mais velho tira selfie em iate: diferentes tipos de previdência privada ajudam a poupar para a aposentadoria
Casal aposentado tira selfie em iate. - Imagem: Syda Productions/Shutterstock

Na sua primeira sessão de julgamentos de 2024, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu por unanimidade, nesta quinta-feira (1º), que o regime da separação obrigatória de bens não é mais o único disponível para pessoas que se casam ou iniciam uma união estável com mais de 70 anos de idade.

Na visão dos ministros, a regra estabelecida no artigo 1.641 do Código Civil deve ser interpretada como facultativa. Isto é, a separação obrigatória de bens continua sendo o regime padrão dessas relações, mas passou a ser possível escolher outro.

Além disso, a decisão do STF também deixou claro que a mesma norma deve ser aplicada a uniões estáveis, pois inicialmente o artigo 1.641 fala apenas de casamentos.

O tema é de repercussão geral, o que significa que o desfecho do julgamento será aplicado a outros processos semelhantes em tramitação em todo o país.

Separação obrigatória continua sendo o padrão, mas poderá ser alterada

De acordo com a decisão do Supremo, casais em que um ou os dois cônjuges/companheiros tenham mais de 70 anos de idade podem optar por outro regime de bens – como a comunhão parcial ou universal de bens – desde que manifestem isso expressamente via escritura pública.

Caso não haja tal manifestação oficial, permanece o regime da separação obrigatória de bens, com todas as suas regras originais.

Trata-se de uma lógica parecida com aquela que é aplicada aos casamentos e uniões estáveis de pessoas com menos de 70 anos e plenamente capazes, com a diferença de que, nesses casos, o regime padrão é o de comunhão parcial de bens. Para adotar outro, também é preciso fazer uma escritura pública.

Para a advogada de família Caroline Pomjé, do escritório Silveiro Advogados, trata-se de uma solução interessante por parte do STF, pois continua protegendo a pessoa idosa e seus herdeiros caso ela de fato não tenha completo discernimento por conta da idade, mas também garante que aqueles que tenham plena capacidade – o que pode ser atestado pelo tabelião ao se fazer uma escritura pública – tenham autonomia para escolher.

"A sinalização é positiva, e foi feita uma construção interessante, alinhada à tendência atual, de maior autonomia dos sujeitos. Os ministros trouxeram à tona a questão do etarismo [discriminação por conta da idade], de que assumir que alguém não pode escolher seu regime de bens por conta da idade é uma forma de discriminação", diz Pomjé.

"Pessoas com idade mais avançada estão à frente de grandes empresas, ocupam cargos públicos e políticos. Então, por qual razão seriam incapazes de decidir qual o melhor regime de bens para o seu relacionamento?", pondera a advogada.

A DINHEIRISTA - Serasa foi só o começo: “estou sendo processada e meus bens foram bloqueados por dívida com a faculdade”

Por que a separação de bens é obrigatória para maiores de 70 anos?

O julgamento do STF começou em outubro do ano passado a partir de uma ação que diz respeito a um inventário em que se discutia o regime de bens a ser adotado em uma união estável que se iniciou quando um dos companheiros já tinha mais de 70 anos (mais sobre isso no fim do texto).

Basicamente, a lei diz que se um ou os dois cônjuges se casarem acima desta idade, aplica-se um regime de separação de bens obrigatório, em vez da tradicional comunhão parcial de bens, que a princípio não poderia ser modificado pelo casal.

Neste regime, não só os bens de cada cônjuge não são partilháveis em caso de divórcio como também não há herança para o cônjuge sobrevivente quando um dos dois vem a falecer – diferentemente do que ocorre na separação de bens convencional, aquela que é escolhida pelo casal em pacto antenupcial, em que não há bens comuns, mas o sobrevivente concorre como herdeiro dos bens particulares do falecido.

Segundo Pomjé, na separação obrigatória pode-se abrir uma exceção para os bens deixados para o cônjuge sobrevivente em testamento e bens que tenham sido adquiridos com esforço conjunto de ambos os cônjuges, se existirem, desde que o sobrevivente seja capaz de comprovar isto.

Tal regra foi criada para proteger idosos e seus herdeiros de uniões por interesse econômico – o famoso "golpe do baú", geralmente dado por jovens que se casam com pessoas muito mais velhas de olho no seu patrimônio após sua morte.

O que se questionava na ação de origem e foi analisado pelo STF era se tal dispositivo – que a princípio visa a "proteger" os idosos de golpistas e aproveitadores – não seria na verdade discriminatório, ao impedir que essas pessoas, mesmo sendo consideradas plenamente capazes perante a Lei, escolhessem livremente o que fazer com seu próprio patrimônio, só porque elas já passaram de uma certa idade.

Pomjé lembra que, independentemente do regime de bens da união, já existe uma proteção do patrimônio dos herdeiros, que é a legítima – a metade dos bens do falecido que deve, necessariamente, ser dividida entre os herdeiros obrigatórios.

Assim, a discussão da separação obrigatória para maiores de 70 anos pelo STF ganha importância por se tratar da autonomia das pessoas.

Origem do recurso que questiona a separação de bens obrigatória

A ação de origem do julgamento de hoje diz respeito a um inventário em que se discute o regime de bens a ser aplicado a uma união estável que se iniciou quando um dos companheiros já tinha mais de 70 anos.

O juízo de primeira instância considerou aplicável a comunhão parcial de bens. Assim, o juiz reconheceu o direito da companheira sobrevivente de participar na sucessão com os filhos do falecido, podendo concorrer para ficar com parte dos seus bens.

O magistrado declarou ainda a inconstitucionalidade do artigo 1.641 do Código Civil, que determina a separação de bens obrigatória para maiores de 70 anos, sob o argumento de que tal previsão "fere os princípios da dignidade da pessoa humana e da igualdade."

Assim, de acordo com a decisão, a pessoa com 70 anos é plenamente capaz de todos os atos da vida civil, incluindo escolher seu regime de bens em uma união e fazer o que quiser com seu patrimônio.

Contudo, o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP) reformou a decisão, aplicando à união estável do caso o regime de separação de bens obrigatória.

Para o TJ-SP, a intenção da lei é justamente "proteger a pessoa idosa e seus herdeiros necessários de casamentos realizados por interesses econômico-patrimoniais".

Compartilhe

IR 2024

Pago escola e plano de saúde de um filho ilegítimo; posso abater esses gastos no imposto de renda?

6 de abril de 2024 - 8:00

Filho não assumido rende deduções no imposto de renda? A Dinheirista responde dúvidas de leitores sobre o IR 2024

Mande sua pergunta!

Abri mão de tudo no divórcio, e meu ex morreu pouco tempo depois; eu e meus filhos vamos ficar sem nada?

30 de março de 2024 - 8:00

Ex-marido teve filhos em outro casamento, e mulher quer saber se terá que dividir herança com eles

Mande sua pergunta!

Vale a pena investir em Tesouro IPCA+ mesmo com a Selic em queda?

23 de março de 2024 - 7:47

Leitor está interessado em título do Tesouro Direto, mas teme que, por ser um investimento de renda fixa, seja negativamente impactado pelos juros em queda

Mande sua pergunta!

Engravidei de um homem casado, mas ele não quer assumir; quais são os meus direitos e os do meu filho?

16 de março de 2024 - 8:00

Ele prometeu que ia assumir a criança e pagar pensão alimentícia, mas depois voltou atrás; o que ela pode fazer?

ESPECIAL IR 2024

Sofri um golpe e perdi minhas criptomoedas; elas ainda precisam ser informadas na declaração de imposto de renda?

9 de março de 2024 - 8:00

Vítima de fraude com criptomoedas se vê diante de um dilema: informar ou não os ativos perdidos na declaração de IR 2024?

Especial IR 2024

Imposto de Renda 2024: Sou MEI há 5 anos e nunca declarei IR, mesmo sendo obrigado; posso me dar mal?

2 de março de 2024 - 8:00

O microempreendedor individual (MEI) pode ser obrigado a declarar como pessoa física! Veja o que fazer quando se deixa de entregar a declaração

Mande sua pergunta!

Vi que posso perder minha casa para pagar dívidas de donos anteriores; e no caso de imóvel comprado em leilão, que já vem com dívidas?

24 de fevereiro de 2024 - 8:00

Quem compra imóvel em leilão também pode acabar tendo o bem penhorado para pagar dívidas não pagas atreladas a ele?

Mande sua pergunta!

Pior que o Seu Madruga: Minha mulher não pagou o aluguel, mas o contrato está no meu nome! E agora?

17 de fevereiro de 2024 - 8:00

Responsabilidade de pagar o aluguel é de quem consta no contrato como locatário; na Dinheirista de hoje, veja o que fazer no caso de uma dívida como essa

Mande sua dúvida!

Posso parar de pagar a pensão alimentícia? Não vejo minha filha há quatro anos

10 de fevereiro de 2024 - 8:00

Leitor não tem mais contato com a filha nem consta como pai em um de seus documentos. Será que isso pode desobrigá-lo a pagar pensão?

Mande sua pergunta!

Quando sair de um investimento ou trocar uma aplicação? Muito se fala sobre quando comprar e pouco sobre a hora certa de vender

3 de fevereiro de 2024 - 8:00

Como eu sei que já é hora de vender ou resgatar um ativo, pergunta leitora

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar