🔴 É HOJE! COMO COMPRAR CARROS COM ATÉ 50% DE DESCONTO NA TABELA FIPE – CONHEÇA A ESTRATÉGIA

Rodolfo Amstalden: ChatGPT resiste às tentações de uma linda narrativa?

Não somos perfeitos em tarefas de raciocínio lógico, mas tudo bem: inventamos a inteligência artificial justamente para cuidar desses problemas mais chatos, não é verdade?

17 de abril de 2024
20:11 - atualizado às 17:54
Inteligência artificial (IA)
Inteligência artificial (IA) - Imagem: DALL-E/ChatGPT

A morte recente de Daniel Kahneman nos deixa órfãos de uma mente extraordinária, mas também contribui para sacralizar alguns de seus achados mais importantes.

Diante de amostras enviesadas, seguimos sucumbindo ao poder da indução narrativa, eternos reféns que somos da falácia da conjunção (popularmente conhecida como "o problema de Linda").

Do enunciado original:

Linda tem 31 anos, é solteira, falante e muito inteligente. Ela se formou em filosofia. Quando era estudante, ela se preocupava profundamente com questões de discriminação e justiça social, e também participava de manifestações antinucleares.

O que é mais provável?

a) Linda é caixa de banco.

b) Linda é caixa de banco e participa do movimento feminista.

Via de regra, 80% dos respondentes escolhem a alternativa B, ainda que ela seja um subconjunto lógico da alternativa A.

  • Análises aprofundadas, relatórios e recomendações de investimentos, entrevistas com grandes players do mercado: tenha tudo isso na palma da sua mão, entrando em nossa comunidade gratuita no WhatsApp. Basta clicar aqui.

Segundo a interpretação de Kahneman & Tversky, isso acontece pois a caracterização de Linda acaba direcionando a cabeça do leitor a uma representação mais específica da personagem, atropelando os princípios estatísticos comumente associados à Teoria dos Conjuntos.

Talvez o cérebro humano esteja fadado a conviver com os seus vícios evolutivos, tanto quanto com as suas virtudes.

Não somos perfeitos em tarefas de raciocínio lógico, mas tudo bem: inventamos a inteligência artificial justamente para cuidar desses problemas mais chatos, não é verdade?

Essa ponderação levou o Prof. Ole Peters, do London Mathematical Lab, a promover um teste fundamental para Linda, sob interação direta com o ChatGPT.

Uma segunda chance para o ChatGPT

Ao contrário do que poderíamos esperar de uma máquina fria e calculista, o ChatGPT reproduziu o mesmo erro dos humanos, caindo de cabeça na falácia da conjunção.

Dada a enorme quantidade de parâmetros simultâneos, ninguém sabe exatamente como o ChatGPT funciona (nem mesmo os seus criadores).

Porém, acumulam-se evidências de que, por aprender com base na experiência humana, a ferramenta pode replicar - e também amplificar - as confusões humanas.

Ainda assim, eu quis dar uma chance adicional à IA, já que - em tese - ela está sempre aprendendo, e pode corrigir seus próprios erros.

Ao repetir os passos do Prof. Ole Peters enquanto escrevia este Day One, recebi o output correto do GPT-4:

Teria a ferramenta simulado um aprendizado a partir da repercussão vexatória dos posts de Ole Peters, ou será que ela de fato chegou por conta própria ao tipo certo de raciocínio?

Não dá para saber.

Compartilhe

EXILE ON WALL STREET

Felipe Miranda: Dez anos de “O Fim do Brasil”

20 de maio de 2024 - 20:01

Dez anos de lançamento de “O Fim do Brasil” e, afinal, a que fim chegou a economia do Brasil? Estamos em queda livre em direção ao pior?

Especial IR

Me mudei para Portugal, mas não entreguei a Declaração de Saída Definitiva do País; como regularizar a situação?

18 de maio de 2024 - 8:00

Documento serve para encerrar as obrigações fiscais do contribuinte no Brasil, mas este leitor não a entregou e agora recebeu uma herança

SEXTOU COM O RUY

A Petrobras (PETR4) desabou mais uma vez: surge uma barganha na bolsa com dividendos bilionários?

17 de maio de 2024 - 6:04

Nas últimas várias trocas no comando da Petrobras, não tivemos grandes mudanças no dia a dia da companhia, o que inclusive permitiu ótimos pagamentos de dividendos nos últimos anos, mesmo com CEOs distintos — será que agora também vai ser assim?

CRYPTO INSIGHTS

Os sinais favoritos para entender o curto prazo do bitcoin (BTC)

14 de maio de 2024 - 19:17

A tendência macroeconômica é de expansão de liquidez, e os indicadores de curto prazo que mais gosto estão favorecendo a tese de que estamos próximos do fundo local para a mais recente correção do mercado

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Vai piorar antes de melhorar? Milei começa a arrumar uma Argentina economicamente destruída

14 de maio de 2024 - 6:01

Em poucos meses, Milei conseguiu diminuir inflação, cortar os juros e aumentar reservas do Banco Central da Argentina, mas custo social é alto

EXILE ON WALL STREET

Felipe Miranda: O real vai morrer aos 30?

13 de maio de 2024 - 20:01

A decisão do Copom na semana passada foi inequivocamente ruim. Quando você tem um colegiado dividido entre os “novos” e os “velhos”, alimentam-se os piores medos. O Copom deveria saber disso.

Especial IR

Dúvidas cruéis sobre declaração de ações no IR: isenção, retificação, mudança de ticker, prejuízos e investimento no exterior

11 de maio de 2024 - 8:00

A Dinheirista responde algumas das suas dúvidas mais cabeludas sobre como declarar ações no imposto de renda

SEXTOU COM O RUY

Bolsa barata não basta: enquanto os astros locais não se alinham, esses ativos são indispensáveis para a sua carteira

10 de maio de 2024 - 6:07

Eu sei que você não tem sangue de barata para deixar todo o patrimônio em ações brasileiras – eu também não me sinto confortável em ver os meus ativos caindo. Mas há opções para amenizar as turbulências internas.

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Selic — uma decisão com base em dados, não em datas

8 de maio de 2024 - 16:42

Hoje em dia, ao que parece, tudo tem que terminar cedo, e bebidas alcoólicas são proibidas. Por conseguinte, os debates deram lugar a decisões secas e comunicados pragmáticos

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Divididos entre o conservadorismo salutar e a cautela exagerada, Copom e Campos Neto enfrentam um dilema

7 de maio de 2024 - 6:18

Os próximos passos do Copom dependem, em grande medida, da reação da economia norte-americana à política monetária do Fed

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar