🔴 SÉRIE EMPIRICUS IN$IGTS: +100 RELATÓRIOS CORTESIA – LIBERE GRATUITAMENTE

Todas as histórias do petróleo: há 4 caminhos possíveis para a principal commodity do mundo, mas só um deve prevalecer

Uma grande aposta em andamento contra o petróleo faz com que a commodity funcione como uma proteção estratégica para a carteira

20 de fevereiro de 2024
6:31 - atualizado às 10:17
ação petróleo petroleira petrolífera
Imagem: Imagem: Shutterstock/Montagem: Julia Shikota

Nos últimos dias, o mercado de petróleo testemunhou uma escalada de preços, impulsionada principalmente por tensões geopolíticas, destacando-se os riscos associados ao Oriente Médio.

O preço do Brent manteve-se próximo de suas máximas de três semanas, atingindo US$ 83 por barril, após um incidente em que um navio foi atacado por um míssil no Mar Vermelho, forçando sua tripulação a evacuar.

Em paralelo, a crescente tensão entre Israel e Hamas na Faixa de Gaza sobre a questão dos reféns intensifica a incerteza na região, com uma iminente operação terrestre em Rafah, caso os reféns não sejam liberados antes de meados de março.

Essa situação nos leva a ponderar sobre quatro narrativas predominantes no setor petrolífero.

1 - Transição energética

A primeira, relacionada à transição energética, prevê uma redução significativa ou até mesmo o fim da indústria de petróleo e gás após 2050.

Pessoalmente, considero improvável a extinção completa dessa indústria neste século, uma visão que deixo para os especialistas em futurismo.

Ainda assim, temos um vetor negativo para os preços da commodity em um futuro distante.

2 - Diminuição da capacidade produtiva

A segunda narrativa decorre justamente dessa percepção de que o mundo eventualmente se afastará dos combustíveis fósseis, o que levou a um investimento insuficiente no setor na década antes da pandemia, resultando em uma capacidade produtiva inadequada para atender à demanda crescente.

Isso sugere que os preços do petróleo permanecerão nesses patamares elevados nos próximos anos devido à escassez de oferta. Menos oferta significa maiores preços.

3 - Tensões geopolíticas

A terceira história é marcada por tensões geopolíticas, como a invasão da Ucrânia pela Rússia e a resposta de Israel aos atentados do Hamas, que impactam diretamente os preços do petróleo, elevando-os.

Essa narrativa considera os efeitos dessas tensões na logística global, exemplificados pelos ataques no Mar Vermelho que levaram as transportadoras a adotar rotas alternativas mais longas e caras, como a viagem ao redor do Cabo da Boa Esperança.

Essas mudanças de rota aumentam significativamente os custos de transporte e os prazos de entrega, potencialmente afetando os preços dos produtos e ameaçando o alívio da inflação observado recentemente.

A interrupção das rotas comerciais devido aos ataques no Mar Vermelho provocou atrasos significativos nas entregas, estendendo-se de 10 a 15 dias em destinos como o porto de Barcelona, por exemplo, e resultou em uma diminuição abrupta de 70% no fluxo de contêineres pela rota em dezembro.

Este cenário impactou diretamente o comércio da União Europeia, com reduções de 2% nas exportações e 3,1% nas importações, refletindo uma queda de 1,3% no comércio global. Ou seja, a crise exacerbou a escassez de contêineres e triplicou seus preços, acentuando os desafios logísticos.

4 - Desaceleração econômica

Por fim, enfrentamos o desafio de desaceleração econômica, nossa quarta narrativa.

A inflação pós-pandêmica levou os bancos centrais a elevar as taxas de juros, visando controlar a escalada dos preços.

Embora estejamos começando a ver um relaxamento dessas medidas, o aperto monetário teve como consequência a desaceleração da atividade econômica, diminuindo a demanda e pressionando os preços para baixo.

Nesse contexto, os cortes de oferta da OPEP+ e as políticas dos EUA de estabelecer um preço de referência para recomposição de suas reservas estratégicas agem como fatores adicionais de suporte aos preços do petróleo.

Petróleo vai subir ou vai cair?

Assim, encontramo-nos diante de quatro narrativas que moldam o mercado do petróleo: duas pressionando os preços para cima, devido à diminuição estrutural da oferta e às tensões geopolíticas, e duas pressionando para baixo, refletindo a transição energética e a redução da demanda no curto prazo.

Cinco anos atrás, diante do cenário de recusa europeia às exportações energéticas russas em resposta à invasão da Ucrânia e do risco de conflito regional no Oriente Médio, poderíamos prever preços do petróleo alcançando US$ 150 por barril.

Cotações do petróleo seguem em relativa estabilidade

No entanto, o mercado atual apresenta uma complexidade que vai além dessas expectativas.

Apesar do entrelaçamento de várias dinâmicas globais, os preços do petróleo têm se mantido relativamente estáveis, oscilando entre US$ 75 e US$ 85 por barril, encontrando um ponto de suporte adicional em US$ 70, influenciado por fatores secundários.

Neste panorama, destaca-se o papel dos Estados Unidos como líder indiscutível na produção de petróleo e gás natural nos últimos quinze anos, um título conquistado através da revolução do xisto.

Este movimento, impulsionado por avanços tecnológicos, permitiu a exploração e extração de reservas energéticas que antes eram consideradas inalcançáveis.

Contrariando as expectativas de alguns analistas sobre um declínio iminente nos benefícios da revolução do xisto, os dados recentes da Administração de Informação de Energia dos EUA indicam um futuro promissor: a produção de petróleo, que já havia batido recordes em 2023, é projetada para crescer ainda mais nos próximos anos.

Esta expansão na oferta de energia é um fator contribuinte para a estabilidade dos preços do petróleo, apesar dos desafios impostos pela Opep+ e as tensões geopolíticas envolvendo a Rússia e o Oriente Médio.

Demanda global por petróleo vai continuar em alta

Outro ponto para prestarmos atenção deriva de um relatório recente da OPEP, que sugere que a demanda global por petróleo continuará a crescer, potencialmente alcançando 116 milhões de barris por dia até 2045, impulsionada principalmente pelo aumento do consumo em países como China, Índia, África e Oriente Médio.

Este cenário desafia os apelos por uma desaceleração nos investimentos em novos projetos de petróleo e destaca a necessidade crítica de financiamento, agora estimado em US$ 14 trilhões até 2045, para evitar um futuro de instabilidade econômica e energética.

Leia também

Essa complexidade de fatores, que inclui a resistência estrutural à queda dos preços do petróleo e as implicações da expansão da produção energética, ilustra o delicado equilíbrio entre avanço tecnológico, demanda crescente por energia e os imperativos climáticos globais.

Por isso, mantendo uma perspectiva equilibrada sobre os investimentos em petróleo, este ativo continua sendo uma opção atrativa dada a volatilidade geopolítica, particularmente no Oriente Médio.

Mesmo diante de análises que preveem um potencial excesso de oferta e uma tendência de queda nos preços, uma redução significativa na produção dessa região poderia surpreender o mercado global.

A grande aposta contra o petróleo

Atualmente, existe uma grande aposta contra o petróleo, refletindo um consenso geral de pessimismo sobre a commodity. Isso, paradoxalmente, torna o petróleo um hedge econômico relativamente acessível.

Afinal, um aumento súbito nos preços do petróleo poderia complicar o processo de desinflação em curso, limitando a margem para redução das taxas de juros e impactando negativamente os mercados acionários.

Considerando isso, o petróleo funciona como um hedge estratégico neste momento, oferecendo uma espécie de seguro contra eventos adversos que poderiam abalar o mercado.

Opções de investimento em petróleo

Investir em empresas petrolíferas brasileiras é uma opção válida, com a Petrobras (PETR4) liderando as escolhas domésticas, ao lado de alternativas como a 3R Petroleum (RRRP3), ambas com seus desafios específicos, mas ainda assim valiosas para uma carteira bem diversificada.

Para aqueles que preferem diversificar globalmente, um ETF como o SPDR S&P Oil & Gas Exploration & Production (NYSE: XOP) ou uma ação de uma companhia estabelecida, como a BP (NYSE: BP), pode ser a escolha ideal.

Essa exposição, embora não deva predominar na carteira, deve ser suficientemente sólida para capitalizar sobre o potencial positivo do setor e atuar como um escudo contra a inflação, possivelmente mantendo sua relevância nos próximos anos.

É crucial calibrar o peso desses investimentos de acordo com o perfil de risco individual, integrando-os a uma estratégia de diversificação abrangente e adotando as medidas de proteção apropriadas para garantir um equilíbrio ideal na carteira de investimentos.

  • Petrobras (PETR4) ou 3R Petroleum (RRRP3)? Apenas uma delas está entre as 10 recomendações dos analistas da Empiricus Research para você investir agora. Veja a lista completa neste relatório gratuito.

Compartilhe

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: ChatGPT resiste às tentações de uma linda narrativa?

17 de abril de 2024 - 20:11

Não somos perfeitos em tarefas de raciocínio lógico, mas tudo bem: inventamos a inteligência artificial justamente para cuidar desses problemas mais chatos, não é verdade?

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Ataque do Irã poderia ter sido muito pior: não estamos diante da Terceira Guerra Mundial — mas saiba como você pode proteger seu dinheiro

16 de abril de 2024 - 6:17

Em outubro, após o ataque do Hamas, apontei para um “Kit Geopolítico” para auxiliar investidores a navegar por esse ambiente incerto

EXILE ON WALL STREET

Felipe Miranda: Cinco coisas que deveriam acabar no mercado financeiro

15 de abril de 2024 - 20:01

O sócio-fundador da Empiricus lista práticas do universo dos investimentos que gostaria de ver eliminadas

DE REPENTE NO MERCADO

O que Elon Musk, Javier Milei, Alexandre de Moraes, o halving do bitcoin e a China têm em comum? 

14 de abril de 2024 - 12:00

Acredite: tudo isso movimentou o mercado financeiro esta semana; veja os destaques

Especial IR 2024

Meu dependente paga pensão alimentícia; posso abatê-la no imposto de renda?

13 de abril de 2024 - 8:00

Titular da declaração de imposto de renda declara o pai como dependente, e ele paga pensão alimentícia à mãe dela. E agora?

SEXTOU COM O RUY

Enquanto você se preocupa com a Oi (OIBR3), esta empresa da B3 virou a campeã de qualidade no serviço de internet – e ainda está barata na bolsa

12 de abril de 2024 - 6:07

Para se diferenciar, essa companhia construiu uma infraestrutura de qualidade, que tem proporcionado prêmios de internet fixa mais rápida do Estado de São Paulo, à frente das gigantes de telecom

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Quintal da China, quintal do mundo

10 de abril de 2024 - 19:15

Se a economia chinesa sofre, nós necessariamente compartilhamos dessa desgraça?

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Juro real de volta aos 6%: com bolsa na pior e dólar nas alturas, essa é uma nova oportunidade?

9 de abril de 2024 - 6:40

Uma regra prática comum para investimentos em renda fixa no Brasil sugere vender títulos quando os juros reais atingem 3% e comprá-los a 6%

EXILE ON WALL STREET

Além do bitcoin (BTC): esta carteira já rendeu 447% acima da maior criptomoeda do mercado

8 de abril de 2024 - 20:01

Acredito que exista uma forma melhor de pensar sobre a ciclicidade do preço do bitcoin (BTC), que historicamente nos ajudou a gerar alfa neste mercado

BOMBOU NO SD

Argentina entra na rota de ‘paraíso fiscal’, China encara mesma crise do Japão e inteligência artificial “sugando” o Ibovespa — veja tudo o que foi destaque na semana

6 de abril de 2024 - 13:36

A crise e os seus reflexos no país vizinho no Brasil despertaram o interesse dos leitores do Seu Dinheiro nos últimos dias

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar