🔴 META: ATÉ R$ 3.000 POR DIA COM 2 OPERAÇÕES – CONHEÇA O INDICADOR X

Liliane de Lima
É repórter do Seu Dinheiro. Jornalista formada pela PUC-SP, já passou pelo portal DCI e setor de análise política da XP Investimentos.
PRIMEIRAS IMPRESSÕES

Semana de 4 dias de trabalho: o que deu certo e o que deu errado no teste-piloto no Brasil 

A redução da jornada semanal de trabalho já é realidade para quase 300 brasileiros desde janeiro; o projeto deve ser concluído em junho

Liliane de Lima
30 de abril de 2024
17:47 - atualizado às 16:28
semana de 4 dias úteis no Reino Unido
Imagem: Unsplash/Shutterstock/Montagem Brenda Silva

Muitos brasileiros vão experimentar a semana de 4 dias úteis com o feriado do Dia do Trabalho nesta quarta-feira (1°). Mas essa modalidade de trabalho já é uma realidade para alguns trabalhadores há pelo menos 16 semanas.

Para 280 funcionários de 22 empresas localizadas em cinco estados brasileiros, o teste-piloto da semana de 4 dias úteis se iniciou em janeiro — seja em toda a companhia ou em alguns departamentos específicos. 

Por aqui, todas as empresas participantes adotaram o dia de folga às sextas-feiras, com exceção dos feriados — que, para a maioria das companhias, é considerado o dia de folga.  

Mas como nem todas as empresas podem parar, algumas equipes foram divididas de tal modo que parte dos funcionários folgam às segundas-feiras e outra, às sextas-feiras. Isso sem reduzir os salários dos funcionários. 

Com detalhes à parte, os quatro meses iniciais do teste já começaram a dar resultados em solo brasileiro. Entre eles, a redução do estresse e da exaustão com o trabalho, melhoria na relação entre vida profissional e pessoal e a produtividade. 

Vale lembrar que o experimento no Brasil termina em junho e é coordenado pela organização sem fins lucrativos 4 Day Week e organizado pela Reconnect Happiness at Work, em parceria da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e da Boston College. 

O que deu certo: resultados iniciais da semana de 4 dias

O relatório com os primeiros resultados da semana de quatro dias no Brasil apresenta uma série de benefícios observados nesses quatro meses de teste-piloto tanto para as empresas quanto para os trabalhadores. 

Bem-estar entre os funcionários, equilíbrio entre a vida pessoal e profissional, produtividade e permanência de colaboradores nas empresas foram os destaques. Vamos aos números:

Para as companhias: 

  • 61,5% das empresas notaram aumento de produtividade; 
  • 58,5% apontaram aumento na criatividade na realização das atividades.  

Para os funcionários: 

  • 78,1% relataram maior disposição para momentos de lazer ou estar com a família e amigos;
  • 62,7% relataram redução de estresse no trabalho;
  • 64,9% não se sentem desgastados no final do dia; 
  • 64,5% relataram menor exaustão por causa do trabalho; 
  • 50% reduziram os sintomas de insônia; 
  • 49,3% perceberam menos desgaste emocional; 
  • 44,4% perceberam uma melhora na relação com o gestor.

Além disso, 56,6% dos participantes responderam que não estão mais frustrados como antes do início do teste-piloto e 28,6% dos funcionários não mudariam de emprego para trabalhar cinco dias por semana por salário nenhum.

Para este primeiro relatório, foram coletadas 205 respostas durante o mês de abril, o que representa que 71% dos participantes responderam ao questionário. 

  • LEIA MAIS: Guia gratuito “Carreiras e afins” oferece dicas para aumentar a produtividade, fazer reuniões mais eficientes, dar e receber feedbacks mais assertivos e negociar aumento de salário – baixe aqui

O que deu errado

Ainda com base nos dados preliminares, um dos principais problemas enfrentados pelas companhias e, consequentemente, pelos funcionários participantes é a satisfação do cliente e o atendimento em cenários de equipe reduzida. 

Outra dificuldade encontrada é manter a flexibilidade e relações humanizadas já existentes na empresa, aumentar a produtividade conseguindo manter pausas necessárias e tempo para a atenção às emoções, relações interpessoais e cuidado mútuo.

Além disso, há também quem deseja voltar ao modelo tradicional — o da semana de cinco dias úteis. 

Cerca de 23,3% dos entrevistados retomariam o modelo tradicional, desde que houvesse aumentos entre 26% e 50% nos salários. 

Já 36,8% dos entrevistados dizem que receber um reajuste salarial superior a 50% seria suficiente para que retornassem a trabalhar cinco dias na semana.

Empresas participantes 

As empresas participantes possuem sedes em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Campinas e Porto Alegre e atuam no segmentos de saúde, jurídico, comunicação, tecnologia, alimentação e entretenimento.

Confira algumas empresas que estão no teste-piloto: 

  • Editora MOL
  • Smart Duo
  • T4S - Thanks for Sharing Comunicação
  • GR ASSESSORIA CONTABIL
  • Brasil dos Parafusos
  • Abaeterno
  • Plonge
  • Haze Shift Consultoria
  • Oxygen Experiências, Capacitação e Conteúdo em Inovação
  • Alimentare Nutrição e Serviços
  • PiU Comunica
  • Innuvem
  • Inspira
  • Clementino e Teixeira Advocacia
  • Hospital Indianópolis

Ao todo, 280 colaboradores com idades acima de 18 e acima de 50 anos participaram do projeto. Dentro deste número, 38,1% são homens e 59,3% mulheres. Já os modelos de trabalho em que atuam são 40,2% presencial; 34,4% remoto e 25,4% em modelo híbrido.

Por fim, outras duas pesquisas do teste-piloto devem ser divulgadas em breve: uma ao final da experiência em meados de julho e outra, um ano após a conclusão do projeto. 

Compartilhe

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar