🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

Carolina Gama
Formada em jornalismo pela Cásper Líbero, já trabalhou em redações de economia de jornais como DCI e em agências de tempo real como a CMA. Já passou por rádios populares e ganhou prêmio em Portugal.
FECHAMENTO DOS EUA

Inflação e juros: o combo que fez o S&P 500 e o Nasdaq saltarem para um outro recorde intradiário

De um lado, o CPI de maio veio melhor do que as projeções. De outro, o Fed manteve a taxa de juros inalterada e reduziu para um o número de cortes neste ano

Estátua de garota em frente ao touro de Wall Street
Estátua de garota em frente ao touro de Wall Street - Imagem: Shutterstock

O dia dos namorados não trouxe o presente que muito investidor esperava: o sinal claro de que o corte de juros acontecerá no curto prazo nos EUA — mas nem por isso o mercado deixou de celebrar o 12 de junho com recordes do S&P 500 e do Nasdaq

O índice de mercado mais amplo de Nova York chegou a subir 1,2% durante a sessão, enquanto índice tecnológico avançou para a casa dos 2,0%. Vale lembrar que tanto o S&P 500 quanto o Nasdaq haviam conquistado recordes de fechamento na sessão anterior. 

O Dow Jones, por sua vez, viveu uma montanha-russa: subiu, desceu e acabou terminando o dia no vermelho. Confira a variação e a pontuação dos principais índices de ações do mercado norte-americano no fechamento:

  • Dow Jones: -0,09%, 38.712,21 pontos
  • S&P 500: +0,85%, 5.420,96 pontos
  • Nasdaq: +1.53%, 17.608,44 pontos

O combo que levou o S&P 500 e o Nasdaq às máximas

O combo que ajudou o S&P 500 e o Nasdaq a bateram máximas intradiárias foi formado pelo índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) de maio e pela decisão de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano)

O CPI — que não é o índice preferido do Fed para a inflação, mas ajuda o BC dos EUA a balizar os preços — ficou estável em maio ante abril, enquanto as previsões indicavam alta de 0,3% na base mensal.

O núcleo do CPI, que exclui itens mais voláteis como energia e combustíveis, avançou 3,4% em maio, na base anual, ante a estimativa de alta de 3,5% do mercado.

Na decisão dos juros, o Fed manteve a taxa inalterada, como era amplamente esperado. No entanto, as projeções atualizadas também divulgadas nesta quarta-feira (12) mostraram que os membros do comitê de política monetária prevê apenas um corte nos juros este ano — abaixo dos três esperados em março, quando as últimas previsões foram apresentadas. 

O Fed, no entanto, indicou que foram feitos progressos com relação à inflação. Na decisão anterior, o BC dos EUA dizia que praticamente não havia melhora com relação aos preços na direção da meta de 2%. 

E agora, Campos Neto? Inflação acelera em maio depois de sete meses. Como ficam os cortes na Selic

O corte de juros ficou para quando?

Após as projeções do comitê de política monetária do Fed, os investidores refizeram as apostas no corte de juros. 

A probabilidade de redução em setembro subiu de 52,8% de ontem para 63,5% agora. Mais cedo, logo depois da divulgação do CPI, essas chances passavam de 70%.

Para novembro, as apostas subiram de 68,1% ontem para 76,3% agora. Dezembro continuou concentrando a maior parte dessa probabilidade, saltando de 88,9% ontem para 93,2% agora. Os dados são compilados pelo CME Group por meio da ferramenta FedWatch.

“O CPI de maio não é suficientemente bom em relação à meta de inflação de 2%, mas não é suficientemente ruim para reduzir as expectativas de uma maior flexibilização do Fed”, disse Chris Turner, chefe Global de Mercados do ING. 

O banco holandês acredita que se o mercado de trabalho perder força, o BC dos EUA pode cortar os juros em setembro

A CIBC Economics, por sua vez, avaliou que o Fomc  acredita estar no caminho certo para trazer a inflação de volta à meta, mas a política monetária deverá ser aliviada apenas a partir de 2025

"O plano é fazer isso da maneira mais segura neste ano antes de afrouxar a política monetária mais rapidamente nos anos seguintes", diz a CIBC em relatório. 

Para a Jefferies, o Fed demonstrou cautela em abraçar as evidências de desinflação

 "O Fed está claramente tímido em aceitar a evidência de desinflação mostrada nesta manhã, depois de avaliar mal a natureza transitória da inflação no início do ciclo", disse.

Compartilhe

FRIGORÍFICOS

Problemas para a BRF (BRFS3) e a JBS (JBSS3)? Brasil suspende exportações de carne de aves para 44 países — e a China é um deles

20 de julho de 2024 - 12:19

O Ministério da Agricultura decidiu voluntariamente paralisar as exportações de carnes de aves e seus produtos, com restrições que variam de acordo com os mercados

DÁ O PLAY!

Agora vai? Por que a bolsa brasileira despertou em julho e o que esperar das ações agora

20 de julho de 2024 - 11:00

Ibovespa já acumula alta de 3% em julho, depois de quase perder os 120 mil pontos no último mês; mas as ações finalmente vão decolar, ou será mais um voo de galinha?

BOLSA NA SEMANA

Por que as ações do Pão de Açúcar (PCAR3) desabaram 13% e lideraram as perdas do Ibovespa na semana — enquanto Usiminas (USIM5) subiu 5%?

20 de julho de 2024 - 9:22

As ações do Pão de Açúcar atraíram os holofotes dos investidores na semana após uma sangria na bolsa brasileira. Veja o que está por trás da queda dos papéis

PERSPECTIVAS PARA OS PROVENTOS

Com R$ 2 bilhões entrando no caixa, a Eletrobras (ELET3) vai distribuir mais dividendos? Veja o que diz o Goldman Sachs

19 de julho de 2024 - 19:46

O banco acredita que a oferta irá aumentar a liquidez da companhia e potencialmente abrir espaço para proventos mais elevados no futuro

RANKING DA QUANTUM

Os reis das ‘penny stocks’: Americanas (AMER3), Oi (OIBR3) e outras ações com a maior sequência de pregões no patamar de centavos

19 de julho de 2024 - 16:41

Um estudo da Quantum mostra que companhias que enfrentaram processos de recuperação judicial dominam o ranking de penny stocks

GESTÃO EXPLICA

Fundo imobiliário com mais de 150 mil cotistas anuncia os menores dividendos em mais de dois anos; por que os proventos do ALZR11 estão em queda?

19 de julho de 2024 - 13:07

O histórico de distribuições de 2024 mostra que os valores depositados pelo FII recuaram cerca de 11,2% desde janeiro

REAÇÃO DAS BOLSAS

Apagão cibernético: ação da CrowdStrike, empresa que causou a pane nos sistemas da Microsoft e derrubou serviços no mundo todo, despenca em NY

19 de julho de 2024 - 12:08

Vale relembrar que, mais cedo, uma atualização nos sistemas da CrowdStrike causou uma pane generalizada nos sistemas da Microsoft

MERCADO FINANCEIRO

Renda fixa brilha no 1º semestre e impulsiona captação de fundos. Veja as 10 gestoras que mais levantaram dinheiro no período

18 de julho de 2024 - 18:38

No “Top 10” das empresas que mais levantaram dinheiro no período, a cifra chega a R$ 202,2 bilhões, de acordo com a Quantum Finance

DISPARADA DO CÂMBIO

Dólar bate os R$ 5,58 e fecha no maior patamar em duas semanas; confira o gatilho da alta de quase 2%

18 de julho de 2024 - 17:47

Mais cedo, o ministro da Fazenda disse ter recebido o sinal verde de Lula para avançar em estudos de corte no Orçamento, mas falas da ministra do Planejamento impulsionaram a moeda

OFERTA NA BOLSA

Fundo imobiliário VGIR11 anuncia emissão de até R$ 500 milhões e vai oferecer um ‘desconto’ nas cotas; confira os detalhes

18 de julho de 2024 - 14:59

O preço de emissão pago por quem decidir participar da operação, que é voltada a investidores no geral, será de R$ 9,85 por cada nova cota

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar