🔴 ALGORITMO MOSTRA COMO BUSCAR ATÉ R$ 3 MIL POR DIA – CONHEÇA

Liliane de Lima
É repórter do Seu Dinheiro. Jornalista formada pela PUC-SP, já passou pelo portal DCI e setor de análise política da XP Investimentos.
AÇÃO DO MÊS

O casal da festa junina da B3: Petrobras (PETR4) e Itaú (ITUB4) são as ações mais indicadas para junho; veja as favoritas das carteiras recomendadas de 10 corretoras

As ações da estatal seguem brilhando aos olhos do mercado apesar da forte queda do petróleo; Itaú está em ‘luta de braços’ para manter-se como o banco mais valioso da América Latina

Liliane de Lima
5 de junho de 2024
6:58 - atualizado às 16:25
Ações do mês | Vale VALE3 Suzano SUZB3 Itaú ITUB4 Ação | Vivara VIVA3
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Depois de uma estrada sinuosa em maio, os sons das festas juninas e as bandeirolas coloridas começam a enfeitar as ruas. Uma combinação perfeita de clima mais ameno e vinho quente pode ser capaz de espantar o “frio” do Ibovespa e impulsionar a recuperação das perdas do mês anterior. 

Agora, a quadrilha da B3 é estrelada por Petrobras (PETR4) — que ganhou até uma noiva, ou melhor, uma nova presidente da companhia. E quem acompanha a dança é o Itaú Unibanco (ITUB4), segundo o levantamento exclusivo do Seu Dinheiro, que reúne a recomendação de 10 analistas de corretoras e casas de análise. 

Nesta edição da “Ação do mês”, a petroleira e o banco receberam quatro recomendações cada. Outros papéis citados tiveram apenas uma indicação. 

Entendendo a Ação do Mês: todos os meses, o Seu Dinheiro consulta as principais corretoras do país para descobrir quais são suas apostas para o período. Dentro das carteiras recomendadas, normalmente com até 10 ações, os analistas indicam as suas três prediletas. Com o ranking nas mãos, selecionamos os que contaram com pelo menos duas indicações.

Ações do Itaú Unibanco (ITUB4): a fogueira que aquece 

Entre as empresas mais valiosas da América Latina, o Itaú Unibanco (ITUB4) entrou em uma disputa acirrada com o Nubank. Mas continua a esquentar as mãos na fogueira de São João.

A lenha é o resultado do primeiro trimestre do banco. O Itaú registrou um lucro líquido de R$ 9,771 bilhões nos primeiros três meses do ano, um crescimento de 15,8% em relação ao mesmo período de 2023. 

O número também ficou levemente acima das estimativas dos analistas, que projetavam um lucro de R$ 9,719 bilhões, de acordo com dados compilados pelo Seu Dinheiro.

O analista-chefe da Planner Investimentos, Mario Mariante, vê uma oportunidade de melhor precificação no curto prazo para as ações ITUB4. 

Já para a Empiricus, a performance do banco é o diferencial, sobretudo em termos de crédito e inadimplência. 

“A capacidade de antecipar ciclos de crédito, aumentando ou diminuindo o risco da carteira conforme o cenário antevisto, é uma habilidade que a gestão atual provou ter nos últimos anos, quando atravessamos picos de inadimplência no Brasil, e o Itaú manteve seus calotes abaixo dos pares”, afirma a analista Larissa Quaresma. 

Vale ressaltar que o índice de inadimplência do Itaú no primeiro trimestre foi de 2,7%. Trata-se de uma queda de 0,1 ponto percentual no trimestre e de 0,2 ponto na comparação anual.

Outro destaque é o pagamento de dividendos. Na teleconferência de resultados, o CEO Milton Maluhy Filho deixou a janela aberta para a distribuição de proventos extraordinários. 

"Nossa política será trabalhar com capital adequado. Não tenho meta de dividendo, mas em tendo sobra [de capital] a ideia é distribuir, sim, e fazer um novo dividendo extraordinário", disse. 

Nos últimos anos, o Itaú aumentou a proporção do lucro que distribui aos acionistas. O que, para a Empiricus, confere um importante carrego para a posição. Além disso, a ação do banco negocia com prêmio em termos de valuation. 

“Contudo, em relação a sua média histórica, ainda enxergamos o momento atual como um ponto de entrada interessante”, afirma Quaresma. 

Sem contar que o banco cravou a sua bandeira na orla de Copacabana, com o show da cantora Madonna — que movimentou mais de R$ 400 milhões — como parte da celebração dos cem anos do Itaú.  

  • As melhores recomendações da Empiricus na palma da sua mão: casa de análise liberou mais de 100 relatórios gratuitos; acesse aqui

Petrobras (PETR4): Um vinho quente para relaxar 

Apesar da turbulência enfrentada no último mês, com a troca no comando da Petrobras (PETR4) e as incertezas sobre a distribuição dos dividendos extraordinários, as ações preferenciais da estatal seguem brilhando aos olhos dos analistas consultados pelo Seu Dinheiro. 

Com um vinho quente na mão, os papéis retornaram ao pódio da “ação do mês” depois de quatro meses. Em fevereiro, PETR4 teve quatro recomendações entre as 11 indicações de analistas de casas de análise e corretoras coletadas na época

Dessa vez, a expectativa renovada sobre a questão dos proventos é um dos motivos. Na primeira entrevista coletiva após assumir o comando da companhia, Magda Chambriard disse que a distribuição está garantida, a depender do lucro da estatal. 

"Respeito a lógica empresarial: dando lucro, vamos fazer", disse Chambriard, que acrescentou que tem certeza que a Petrobras vai lucrar "muito".

"A palavra chave é conversa. Temos que conversar muito e entender as demandas de cada um. E colocar a Petrobras para atender os interesses dos seus acionistas majoritários e minoritários dentro da lógica empresarial", disse a nova presidente da Petrobras.

Compartilhe

FECHAMENTO DO MERCADO

Dólar supera os R$ 5,46: por que a moeda norte-americana voltou a subir e fechou no maior nível em quase dois anos

20 de junho de 2024 - 17:34

O dólar abriu o dia em queda, mas o alívio pós-decisão do Copom durou pouco e a moeda emendou o quinta pregão consecutivo de ganhos

GESTORAS

Studio Investimentos muda gestão de fundo após queda acumulada de mais de 30% no ano

20 de junho de 2024 - 16:57

A saída aconteceu pela necessidade de “alterar e reforçar a gestão” da família de fundos da casa, de acordo com a Studio, que tem R$1 bilhão sob gestão

(MAIS) DINHEIRO NO BOLSO

Os dividendos deste fundo imobiliário com mais de 40 mil cotistas devem subir nos próximos meses, segundo os cálculos da gestão

20 de junho de 2024 - 15:07

O SNCI11 já pagará proventos cerca de 5% maiores neste mês e, com um novo cenário macroeconômico traçado pelo mercado, a gestão espera dividendos ainda maiores

LADEIRA ABAIXO

Ações da rede social de Trump chegam a cair 15% hoje — o que explica a queda livre dos papéis?

20 de junho de 2024 - 14:11

A empresa que controla Truth Social perdeu US$ 2 bilhões em valor desde o início do mês; entenda o que está acontecendo com os papéis

AS QUERIDINHAS DA BAIXA RENDA

Cinco fatores por trás do otimismo com as ações de Direcional (DIRR3) e Cury (CURY3) — e qual delas é a favorita do Itaú BBA

20 de junho de 2024 - 13:21

O banco de investimentos revisou as suas estimativas para ambas as companhias e reforçou a visão positiva para o setor

MERCADOS HOJE

Lula não gostou, mas o mercado sim: após decisão de manter Selic em 10,5% e comunicado duro, Ibovespa salta 1% hoje

20 de junho de 2024 - 12:15

No mesmo horário, o dólar à vista era negociado próximo da estabilidade, ainda na faixa de R$ 5,40, reagindo ao cenário internacional

REPORTAGEM ESPECIAL

Taesa (TAEE11) e ISA Cteep (TRPL4): por que parte do mercado aposta na queda das ações preferidas dos “caçadores de dividendos”

20 de junho de 2024 - 6:18

Duas das principais transmissoras de energia do País, Taesa e ISA Cteep vêm recebendo desde o ano passado recomendações de “venda” de analistas

MOEDA EM ALTA

Não para de subir: dólar salta para R$ 5,47 hoje — e desta vez, o responsável não é (só) Lula

19 de junho de 2024 - 11:46

O feriado nos Estados Unidos reduziu a liquidez do dia, contribuindo com a volatilidade, além da aversão ao risco em relação à expectativas com o fim da reunião do Copom

DESTAQUES DA BOLSA

Ações de desenvolvedora imobiliária disparam mais de 5% na bolsa após contratação de banco para venda de ativos, incluindo hotéis em SP

18 de junho de 2024 - 11:22

A HBR Realty contratou o Bradesco BBI para ajudar na execução da estratégia de reciclagem de ativos da companhia

DE OLHO NAS REDES

O Brasil não tem condições para uma Selic de um dígito em 2024: por que este estrategista acredita ser impossível juros abaixo de 10% em 2024

17 de junho de 2024 - 16:41

Com a próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) se aproximando, o mercado parece está cada vez menos esperançoso sobre os cortes na taxa básica de juros, a Selic. Para Rogério Benevente, sócio da GWM Investments e convidado desta semana do podcast Touros e Ursos, “é impossível pensar numa Selic abaixo de 10% em […]

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar