🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Surfando a onda

Retorno dos títulos do Tesouro americano está no seu maior patamar em 16 anos; veja como investir nos Treasurys e lucrar em dólar

O investidor pessoa física pode aproveitar as taxas gordas pagas pelo ativo mais seguro do mundo; veja como comprar Treasurys, títulos do Tesouro americano

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
7 de outubro de 2023
15:00 - atualizado às 13:55
Fed compra de ativos
Imagem: Shutterstock

A disparada recente dos retornos dos títulos do Tesouro americano tem sido a grande vilã dos mercados globais. Na última semana, os juros pagos pelos Treasurys de 10 anos chegaram a beirar os 5,0% ao ano, seu maior patamar desde 2007, quando os EUA estavam às vésperas da crise dos subprime; já os rendimentos dos títulos de 30 anos superaram esse patamar.

Tudo isso porque, na sua última decisão de juros, no mês passado, o Federal Reserve, banco central americano, frisou que a política monetária deverá ainda se manter restritiva por um bom tempo. Na ocasião, o Fed manteve a taxa básica de juros americana entre 5,25% e 5,50% ao ano.

Por consequência, aqueles investidores que esperavam que o aperto monetário poderia parar e até ser revertido em breve resolveram encarar a dura realidade: de que a taxa de juros dos Estados Unidos deverá ainda se manter alta por um bom tempo.

Essa expectativa de juros elevados por tempo prolongado, combinada com a situação fiscal delicada dos Estados Unidos e os dados de inflação e atividade econômica ainda fortes no país levaram os rendimentos dos Treasurys a disparar, derrubando os preços dos ativos de risco, como ações e títulos de dívida de empresas.

Juros altos representam empréstimos mais caros e preços dos ativos mais baixos. Afinal, títulos públicos que pagam retornos elevados atraem investidores, que preferem deixar os ativos de risco – ações, imóveis, títulos de dívida de empresas, criptoativos e negócios da economia real em geral – para se aninhar na segurança de um investimento garantido pelo governo.

E quando falamos dos retornos dos Treasurys, o efeito contágio na economia global é impressionante. Os títulos do Tesouro americano são os ativos livres de risco por excelência, considerados os investimentos mais seguros do mundo. Eles ditam as taxas de juros e, consequentemente, os custos dos empréstimos em todo planeta e, no patamar atual, uma remuneração tão alta com um risco tão baixo anda difícil de superar.

Leia também

Brasileiros também podem investir em Treasurys

Tudo bem que um retorno de 5% ao ano pode parecer baixo para o investidor brasileiro, mas lembre-se de que estamos falando de um ativo cotado em dólar, cujo retorno também é dolarizado.

O investimento em Treasurys hoje já é acessível aos brasileiros e pode ser até melhor que os fundos cambiais de dólar para se começar a diversificação internacional da carteira. Isso porque, além de oferecer proteção cambial, eles também pagam juros, o que a compra pura e simples da moeda americana não proporciona.

E momentos em que os retornos desses títulos estão elevados e em níveis recorde são os mais interessantes para compra. Isso porque eles se comportam de forma parecida com os nossos prefixados, isto é, ao comprar um título você trava o seu retorno até o vencimento.

Embora o investimento em Treasuries tenha se tornado substancialmente mais acessível às pessoas físicas nos últimos anos, a compra direta desses títulos por brasileiros ainda é para poucos, em razão do alto valor inicial do investimento.

Entretanto, há outras duas maneiras de se expor indiretamente ao desempenho dos títulos do Tesouro americano, e uma delas é bastante acessível ao público geral.

Em todas elas, porém, a liquidez é grande, então o investidor consegue vender a sua posição rapidamente e resgatar seus recursos quando desejar.

Como investir em Treasurys

ETFs e BDRs de ETFs

A forma mais acessível para a pessoa física investir em Treasuries, em termos de valor de aplicação inicial, é por meio de ETFs, fundos com cotas negociadas em bolsa que replicam o desempenho de índices de mercado.

Neste caso, o investidor deve recorrer a ETFs que sigam índices de Treasurys. Para investir nesses fundos, é preciso ter conta numa instituição financeira que dê acesso ao investimento nas bolsas americanas.

É o caso da corretora Avenue, da conta em dólar Nomad, da plataforma de investimentos globais do banco Inter e da conta global de investimentos do C6 Bank. Eu falo um pouco mais dessas contas nesta outra matéria.

Outra forma de aplicar em ETFs gringos é por meio de BDRs, os Brazilian Depositary Receipts, recibos que representam ativos estrangeiros na bolsa brasileira. Para isso, uma conta em qualquer corretora de valores que permita ao investidor operar na B3 serve.

Em ambos os casos pode ser necessário pagar taxas para a negociação, mas há corretoras que oferecem, por exemplo, corretagem e custódia zero, tanto para investimentos locais quanto globais.

Existem hoje oito ETFs de Treasurys geridos pela BlackRock (série iShares) com BDRs na bolsa brasileira, como você pode ver na lista a seguir. O último da tabela é recomendado na série Os Melhores Fundos de Investimento, da Empiricus: o iShares US Treasury Bond ETF (BGOV39), que tem uma taxa de administração de apenas 0,05% ao ano.

Nome do ETFCódigo de negociação na B3
iShares 0-3 Month Treasury Bond ETFBSGO39
iShares 1-3 Year Treasury Bond ETFBSHY39
iShares 20 Year Treasury Bond ETFBTLT39
iShares 3-7 Year Treasury Bond ETFBIEI39
iShares 7-10 Year Treasury Bond ETFBIYT39
iShares Short Treasury Bond ETFBSHV39
iShares Treasury Floating Rate Bond ETFBTFL39
iShares US Treasury Bond ETFBGOV39

Investimento direto nos títulos do Tesouro americano

Outra forma de investir em Treasuries é a compra direta dos títulos por meio de uma corretora que dê acesso a investimentos de renda fixa nos Estados Unidos, como a Avenue.

O problema dessa modalidade é o valor de investimento inicial: por volta de US$ 50 mil, o equivalente hoje a mais de R$ 250 mil. Não é todo mundo que tem esse valor disponível apenas para diversificação no exterior.

Uma das grandes vantagens de investir diretamente em títulos do Tesouro americano, no entanto, é que alguns deles pagam cupom, isto é, uma remuneração periódica, quase sempre semestral, o que pode ser interessante para quem gostaria de receber uma renda em dólar.

Investimento via fundos de renda fixa estrangeiros que aplicam em Treasuries

Finalmente, é possível investir em títulos do Tesouro americano via fundos de renda fixa globais que tenham exposição a esse tipo de ativo. Estamos falando agora de fundos abertos, do tipo que permite aplicações e resgates, e não de fundos fechados como os ETFs, que têm cotas negociadas em bolsa.

Atualmente, diversas plataformas de investimento de corretoras e bancos brasileiros já têm fundos estrangeiros nas suas prateleiras. E a até pouco tempo atrás, apenas investidores qualificados tinham acesso a fundos que investem 100% do patrimônio lá fora.

Mas desde a última segunda-feira (02), quando entraram em vigor as novas normas que regem os fundos de investimento no Brasil, fundos com essas características já podem começar a ser abertos para o público geral. Assim, em breve é possível que todos os investidores pessoas físicas tenham acesso a fundos globais diretamente na plataforma da sua corretora.

Além do BDR de ETF BGOV39, a Empiricus também tem uma recomendação de fundo aberto de Treasuries, que pode ser encontrado na plataforma de investimentos do Itaú. Trata-se do Itaú Tesouro Americano USD 10 anos FIC Multimercado.

Embora restrito a investidores qualificados, seu valor de aplicação inicial é de apenas R$ 1, e a taxa de administração é de 0,5% ao ano.

ONDE INVESTIR EM OUTUBRO? Analistas da Empiricus Research revelam suas principais recomendações para o mês em entrevista completa para o Youtube do Seu Dinheiro. Assista agora:

De olho no Leão!

É preciso levar em conta que cada modalidade de investimento citada nesta matéria é tributada de uma forma, e isso pode fazer diferença dependendo do quanto você pretende investir e com que frequência movimentaria sua aplicação em Treasurys.

No caso dos fundos globais oferecidos em plataformas brasileiras, a tributação é a mesma dos fundos de investimento brasileiros de multimercados e renda fixa, que segue aquela tabela regressiva cujas alíquotas variam de 22,5% a 15% a depender do prazo de aplicação (de menos de seis meses a mais de dois anos). Não há, portanto, hipótese de isenção.

Já os Treasurys e os ETFs comprados diretamente lá fora seguem a tributação para investimentos no exterior. O envio de recursos para fora do Brasil para investir requer uma conversão cambial sujeita a um IOF de 0,38%.

Os lucros com a venda dos Treasurys e cotas de ETFs, bem como os juros recebidos na forma de cupom, são considerados ganhos de capital e estão sujeitos à cobrança de imposto de renda.

Isso significa que vendas de um mesmo tipo de ativo inferiores ao equivalente a R$ 35 mil por mês são isentas, mas acima deste valor a tributação é, geralmente, de 15%. O recolhimento do IR é de responsabilidade do próprio investidor.

A partir do ano que vem, porém, essa regra deve mudar. Passarão a ficar isentos somente os rendimentos (não mais as vendas) inferiores ao equivalente a R$ 6 mil no ano. Acima desse valor, os lucros serão tributados em 15% (até R$ 50 mil) ou 22,5% (acima de R$ 50 mil). Mais detalhes sobre isso aqui.

Finalmente, os BDRs são tributados de forma muito mais parecida com as ações negociadas na B3, embora sem aquela isenção para vendas inferiores a R$ 20 mil num único mês.

Isto significa que lucros com a venda de BDRs são sempre tributados, e a alíquota é de 15% para as operações comuns e 20% para as operações day trade (quando a compra e a venda ocorrem no mesmo dia). O recolhimento também é de responsabilidade do investidor.

Mas aqui entra uma vantagem que as demais modalidades não têm: a possibilidade de abater prejuízos dos lucros tributáveis de forma a pagar menos IR, desde que os ganhos e as perdas tenham sido gerados por ativos de bolsa tributados da mesma maneira. No caso dos BDRs, ações, ETFs e derivativos também seguem as mesmas regras de tributação.

Atenção para os riscos!

Antes de investir é preciso ter em mente que há dois fatores que podem fazer o seu investimento em títulos do Tesouro americano oscilar: a variação cambial, isto é, a flutuação do dólar ante o real; e a marcação a mercado – afinal, se os papéis podem se valorizar quando há perspectivas de queda nos juros, eles também podem se desvalorizar diante de uma expectativa de alta nos juros.

Ou seja, apesar de ser um investimento de renda fixa, isso não significa que seus títulos vão apenas apresentar variações positivas. Haverá flutuação no dia a dia conforme variáveis de mercado como câmbio e juros.

Compartilhe

O país da renda fixa

Mesmo com queda de juros, renda fixa cresceu mais que renda variável em 2023; LCI, LCA, CRI e CRA foram os destaques

15 de fevereiro de 2024 - 14:09

Títulos isentos viram crescimentos acima de 50% em número de investidores e volumes; número de CPFs na bolsa se manteve em 5 milhões

OUTRAS OPÇÕES

BTG recomenda 10 títulos de renda fixa isentos de IR para fevereiro – e nenhum deles tem carência como as LCIs e LCAs

9 de fevereiro de 2024 - 13:02

Títulos como debêntures incentivadas, CRIs e CRAs não têm carência, mas têm mais risco que LCIs e LCAs

RENDA FIXA ISENTA

LCI e LCA representam 15% da captação do Itaú. Como a nova regra que restringe os títulos isentos de IR afeta o banco?

6 de fevereiro de 2024 - 12:46

Apesar do volume alto, medida afeta apenas 30% do saldo de LCIs e LCAs que o Itaú emitiu. Ou seja, o impacto recai sobre 4,5% da captação total do banco, diz CEO

Onde os brasileiros investem

Títulos isentos, como LCI e LCA, chegam a quase 20% do volume investido por pessoas físicas, mas cenário pode mudar com novas regras; entenda

5 de fevereiro de 2024 - 14:47

Renda fixa isenta de imposto de renda tem ganhado popularidade nos últimos anos, mas oferta desses títulos pode reduzir; veja onde investiram os brasileiros em 2023

A CONTA DO 'FIM DA FARRA'

Mudança nas regras de LCI, LCA, CRI e CRA deve pesar mais para pessoas físicas; fundos imobiliários podem ‘passar ilesos’

2 de fevereiro de 2024 - 19:19

As novas regras miram em impedir casos emblemáticos como o do Burger King, que utilizou um CRA para financiar a compra de carne dos hambúrgueres, mas devem acabar acertando também empresas que de fato fazem parte da cadeia agro ou imobiliária

ACABOU A FARRA?

O que muda nas emissões de LCI, LCA, CRI e CRA com a medida do governo que restringe as emissões de títulos isentos de IR

2 de fevereiro de 2024 - 9:09

Governo manteve a isenção de imposto de renda, mas restringiu as maneiras como os bancos e as empresas podem emitir papéis como LCI

Retorno menor

Quanto rendem R$ 10 mil na poupança, no Tesouro Direto e em CDB com a Selic em 11,25%?

31 de janeiro de 2024 - 19:00

Banco Central cortou a taxa básica em mais 0,50 ponto percentual nesta quarta; veja como a rentabilidade dos investimentos conservadores deve reagir

Lula sancionou

Renda fixa isenta ameaçada? Conheça as novas debêntures de infraestrutura e saiba se elas podem ‘matar’ as debêntures incentivadas

25 de janeiro de 2024 - 6:07

Governo acaba de aprovar novo título de dívida com vantagens tributárias só para o emissor; será que ele poderá substituir as debêntures isentas de IR?

Carteira recomendada

O que comprar na renda fixa em janeiro: título do Tesouro Direto é destaque da carteira da Genial, que inclui também LCA de bancão

12 de janeiro de 2024 - 12:11

Analistas apostam nos títulos indexados à inflação com vencimentos de até cinco anos, não apenas para o mês, como para o ano; veja todas as recomendações

Tesouro Direto do mês

O que comprar no Tesouro Direto em janeiro: chegou a hora dos títulos atrelados à inflação? Veja as indicações

8 de janeiro de 2024 - 16:41

Prefixados começam a perder espaço nas indicações de bancos e corretoras, após forte valorização de 2023; veja os títulos recomendados para o primeiro mês do ano

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies