🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Simulamos

Menos de 1% ao mês: como fica a renda fixa após a queda da Selic para 12,25%? Veja quanto rendem R$ 10 mil em CDB, LCI, poupança e Tesouro Direto daqui para frente

Banco Central cortou a taxa básica em mais 0,50 ponto percentual nesta quarta; veja como a rentabilidade dos investimentos conservadores deve reagir

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
1 de novembro de 2023
18:32 - atualizado às 18:33
renda fixa
Investimentos indexados à Selic e ao CDI, como os da reserva de emergência, passam a pagar menos. Imagem: Shutterstock

Conforme já era amplamente esperado pelo mercado, o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) reduziu mais uma vez, nesta quarta-feira (1º), a taxa básica de juros em 0,50 ponto percentual. Assim, a Selic agora passa de 12,75% para 12,25% ao ano.

Para o investidor pessoa física, o novo corte nos juros representa mais uma redução na remuneração dos investimentos de renda fixa indexados à taxa básica e ao CDI, como as aplicações mais conservadoras.

Em outras palavras, a rentabilidade da sua reserva de emergência vai diminuir ainda mais. Além disso, com este novo patamar de Selic, o CDI mensal deve voltar a cair abaixo da "marca psicológica" de 1,00% ao mês.

Com a Selic em 12,25% ao ano, teremos as seguintes rentabilidades mensais e anuais líquidas nas principais aplicações financeiras conservadoras:

InvestimentoRetorno líquido em 1 mês*Retorno líquido em 1 ano**
Poupança0,61%7,61%
Tesouro Selic 2026 (via Tesouro Direto)0,72%9,91%
CDB 100% do CDI ou fundo Tesouro Selic de taxa zero0,74%10,02%
CDI bruto0,96%12,15%
(*) 1 mês, no caso da poupança, ou 21 dias úteis e mais de 30 dias corridos para os demais investimentos. Alíquota de IR de 22,5%, quando for o caso. (**) 12 meses, no caso da poupança, ou 252 dias úteis e mais de 360 dias corridos para os demais investimentos. Alíquota de IR de 17,5%, quando for o caso.

Parâmetros da simulação

  • Para o cálculo do retorno da poupança, foi considerada a TR média de setembro (0,1130%);
  • Para o cálculo do retorno do Tesouro Selic, foram considerados uma taxa de administração igual a zero, o spread de compra e venda (espécie de “pedágio” para a venda do título antes do vencimento) e uma taxa de custódia de 0,20% ao ano sobre todo o montante investido, que é o padrão da calculadora do Tesouro Direto. Atualmente, no entanto, existe uma isenção da taxa de custódia para valores aplicados de até R$ 1 mil, o que significa que a verdadeira rentabilidade do Tesouro Selic, nesses casos, é um pouco maior que a estimada na tabela.

Embora a expectativa do mercado em relação ao ciclo de cortes da Selic esteja menos otimista do que na última reunião do Copom, em setembro, em razão da disparada dos retornos dos títulos do Tesouro americano, a taxa básica de juros deve continuar caindo nas próximas reuniões.

Sendo assim, a Selic não deve ficar estagnada em 12,25% por muito tempo. Segundo a última edição do boletim Focus do BC, por exemplo, as instituições financeiras esperam que a meta da taxa básica termine 2023 em 11,75% e chegue a 9,25% ao final de 2024.

Ou seja, a rentabilidade das aplicações conservadoras dentro de um ano, a partir de agora, deve ser ainda menor do que os valores projetados na tabela anterior.

Importante notar ainda que mesmo a rentabilidade da poupança vem caindo. Não que a Selic vá recuar abaixo de 8,50% ao ano, que é o patamar que ativa a mudança na regra de remuneração da caderneta; é que, com a redução da taxa de juros, a TR também tende a reduzir com o tempo.

Assim, para dar uma ideia melhor de como ficará a rentabilidade dos investimentos conservadores daqui para frente, vamos simular diferentes prazos de aplicação utilizando as estimativas do mercado para a Selic e o CDI nos próximos 12 e 24 meses (DI futuro).

Vale frisar, no entanto, que essas projeções podem mudar a partir da decisão do Copom de hoje, bem como das sinalizações do Banco Central para as próximas reuniões. Além disso, as projeções para a poupança continuam considerando a TR de setembro, mas esta taxa também pode cair daqui para frente.

InvestimentoRetorno líquido em 1 ano*Retorno líquido em 2 anos**
Poupança7,61%15,80%
CDB 100% do CDI ou fundo Tesouro Selic de taxa zero9,29%19,82%
Tesouro Selic 2026 (via Tesouro Direto)9,19%19,63%
LCI 90% do CDI10,08%20,76%
(*) 12 meses, no caso da poupança, ou 252 dias úteis e mais de 360 dias corridos para os demais investimentos. Alíquota de IR de 17,5%, quando for o caso. (**) 24 meses, no caso da poupança, ou 504 dias úteis e mais de 720 dias corridos para os demais investimentos. Alíquota de IR de 15,0%, quando for o caso.

Parâmetros da simulação

  • DI projetado para 1 ano: 11,26% a.a.
  • Selic projetada para 1 ano: 11,36% a.a.
  • DI projetado para 2 anos: 11,05% a.a.
  • Selic projetada para 2 anos: 11,15% a.a.
  • Para o cálculo do retorno da poupança, foi considerada a TR média de setembro (0,1130%);
  • Para o cálculo do retorno do Tesouro Selic, foram considerados uma aplicação de R$ 10 mil, taxa de custódia de 0,20% ao ano, uma taxa de administração igual a zero e o spread de compra e venda (espécie de “pedágio” para a venda do título antes do vencimento).

Veja, na tabela a seguir, quanto você teria ao final de cada período caso aplicasse R$ 10 mil em cada um desses investimentos, nas circunstâncias da simulação anterior:

InvestimentoQuanto você teria após 1 anoQuanto você teria após 2 anos
Caderneta de poupançaR$ 10.760,91R$ 11.579,73
CDB ou fundo Tesouro Selic 100% do CDIR$ 10.928,95R$ 11.982,29
Tesouro Selic 2026R$ 10.919,40R$ 11.962,60
LCI 90% do CDIR$ 11.007,94R$ 12.076,33

Onde investir em novembro: ações, dividendos, FIIs, BDRs, criptomoedas - Veja indicações gratuitas

Renda fixa conservadora vai render menos, mas não deve sair da carteira

Com o ciclo de reduções esperadas para a Selic, as aplicações mais conservadoras de renda fixa devem render cada vez menos, mas elas não devem sair da sua carteira – sobretudo no caso da sua reserva de emergência.

Investimentos conservadores e pós-fixados (indexados às taxas de juros) são fundamentais em qualquer portfólio, pois têm baixo risco, pouca volatilidade e, em muitos casos, liquidez diária, deixando os seus recursos disponíveis sempre que você precisar deles.

Além disso, a redução da Selic não se dará da noite para o dia. Uma taxa básica de juros de dois dígitos ainda é bastante alta.

A queda dos juros deve, por outro lado, favorecer os investimentos de mais risco. Dentro da renda fixa, os títulos prefixados e indexados à inflação, que tendem a se valorizar quando os juros caem; na renda variável, ações e fundos imobiliários.

Para quem pretende comprar títulos de renda fixa prefixada ou atrelada à inflação, entretanto, quanto antes fizer isso, melhor. Ainda é possível contratar remunerações elevadas, garantidas para quem levar os títulos até o vencimento. À medida que o ciclo de corte de juros avançar, essas rentabilidades para novos aportes tendem a recuar junto.

Compartilhe

O país da renda fixa

Mesmo com queda de juros, renda fixa cresceu mais que renda variável em 2023; LCI, LCA, CRI e CRA foram os destaques

15 de fevereiro de 2024 - 14:09

Títulos isentos viram crescimentos acima de 50% em número de investidores e volumes; número de CPFs na bolsa se manteve em 5 milhões

OUTRAS OPÇÕES

BTG recomenda 10 títulos de renda fixa isentos de IR para fevereiro – e nenhum deles tem carência como as LCIs e LCAs

9 de fevereiro de 2024 - 13:02

Títulos como debêntures incentivadas, CRIs e CRAs não têm carência, mas têm mais risco que LCIs e LCAs

RENDA FIXA ISENTA

LCI e LCA representam 15% da captação do Itaú. Como a nova regra que restringe os títulos isentos de IR afeta o banco?

6 de fevereiro de 2024 - 12:46

Apesar do volume alto, medida afeta apenas 30% do saldo de LCIs e LCAs que o Itaú emitiu. Ou seja, o impacto recai sobre 4,5% da captação total do banco, diz CEO

Onde os brasileiros investem

Títulos isentos, como LCI e LCA, chegam a quase 20% do volume investido por pessoas físicas, mas cenário pode mudar com novas regras; entenda

5 de fevereiro de 2024 - 14:47

Renda fixa isenta de imposto de renda tem ganhado popularidade nos últimos anos, mas oferta desses títulos pode reduzir; veja onde investiram os brasileiros em 2023

A CONTA DO 'FIM DA FARRA'

Mudança nas regras de LCI, LCA, CRI e CRA deve pesar mais para pessoas físicas; fundos imobiliários podem ‘passar ilesos’

2 de fevereiro de 2024 - 19:19

As novas regras miram em impedir casos emblemáticos como o do Burger King, que utilizou um CRA para financiar a compra de carne dos hambúrgueres, mas devem acabar acertando também empresas que de fato fazem parte da cadeia agro ou imobiliária

ACABOU A FARRA?

O que muda nas emissões de LCI, LCA, CRI e CRA com a medida do governo que restringe as emissões de títulos isentos de IR

2 de fevereiro de 2024 - 9:09

Governo manteve a isenção de imposto de renda, mas restringiu as maneiras como os bancos e as empresas podem emitir papéis como LCI

Retorno menor

Quanto rendem R$ 10 mil na poupança, no Tesouro Direto e em CDB com a Selic em 11,25%?

31 de janeiro de 2024 - 19:00

Banco Central cortou a taxa básica em mais 0,50 ponto percentual nesta quarta; veja como a rentabilidade dos investimentos conservadores deve reagir

Lula sancionou

Renda fixa isenta ameaçada? Conheça as novas debêntures de infraestrutura e saiba se elas podem ‘matar’ as debêntures incentivadas

25 de janeiro de 2024 - 6:07

Governo acaba de aprovar novo título de dívida com vantagens tributárias só para o emissor; será que ele poderá substituir as debêntures isentas de IR?

Carteira recomendada

O que comprar na renda fixa em janeiro: título do Tesouro Direto é destaque da carteira da Genial, que inclui também LCA de bancão

12 de janeiro de 2024 - 12:11

Analistas apostam nos títulos indexados à inflação com vencimentos de até cinco anos, não apenas para o mês, como para o ano; veja todas as recomendações

Tesouro Direto do mês

O que comprar no Tesouro Direto em janeiro: chegou a hora dos títulos atrelados à inflação? Veja as indicações

8 de janeiro de 2024 - 16:41

Prefixados começam a perder espaço nas indicações de bancos e corretoras, após forte valorização de 2023; veja os títulos recomendados para o primeiro mês do ano

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies