🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Crédito privado

9 títulos de renda fixa isentos de imposto de renda para investir em novembro, segundo o Itaú BBA

Banco recomenda oito debêntures incentivadas e um CRI para superar o Tesouro Direto no médio/longo prazo

Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
1 de novembro de 2023
12:21 - atualizado às 11:35
Trem da Rumo Logística
Trem da Rumo Logística. - Imagem: Rumo/Divulgação

O Itaú BBA divulgou, nesta quarta-feira (1º) sua carteira recomendada de títulos de renda fixa privada isentos de imposto de renda para os investidores pessoas físicas, os chamados papéis incentivados.

São cinco recomendações de debêntures de infraestrutura para o público geral, acessíveis a qualquer investidor; e quatro indicações para os investidores qualificados, aqueles com mais de R$ 1 milhão em aplicações financeiras, sendo três debêntures incentivadas e um Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI).

Lembrando que debêntures são títulos de dívida emitidos por empresas, e CRIs são títulos utilizados para captar recursos para financiar o mercado imobiliário.

Além de levar em conta critérios de qualidade do crédito e liquidez dos títulos, o Itaú BBA foca a sua análise naqueles papéis cuja remuneração, para quem os adquirir hoje e levá-los ao vencimento, seja capaz de superar o título público Tesouro IPCA+ de prazo equivalente, uma vez que a rentabilidade dos papéis recomendados também costuma ser indexada à inflação.

Veja as recomendações de renda fixa privada isenta de IR para novembro:

Carteira recomendada para o investidor em geral

Para os investidores em geral, foram mantidas as mesmas empresas emissoras da carteira recomendada para outubro e praticamente os mesmos papéis. Houve mudanças apenas na indicação de uma das debêntures da Rota das Bandeiras e no papel da Rumo.

TítuloCódigoData de vencimentoClassificação de risco (rating)Taxa indicativa de retorno
Debênture CARTCART1215/12/2024brAA+ (S&P)8,4% + IPCA
Debênture RumoRUMOA215/02/2029brAAA (S&P) / AAA(bra) (Fitch)6,8% + IPCA
Debênture Rota das BandeirasCBAN5215/07/2034br.AAA (Moody's) / AAA(bra) (Fitch)7,3% + IPCA
Debênture Rota das BandeirasCBAN1215/07/2034br.AAA (Moody's) / AAA(bra) (Fitch)7,4% + IPCA
Debênture CSN MineraçãoCMIN2215/07/2037brAAA (S&P) / AAA(bra) (Fitch)7,0% + IPCA

Carteira recomendada para investidores qualificados

Já para a carteira de qualificados, foram mantidas, em relação ao mês passado, as debêntures da Manaus Ambiental e da CSN Mineração, além do CRI do Grupo Mateus. O CRI da Hypera e o CRA da Vamos foram substituídos pela debênture da Holding do Araguaia.

TítuloCódigoData de vencimentoClassificação de risco (rating)Taxa indicativa de retorno
Debênture Manaus AmbientalMNAU1315/06/2025AA-.br (Moody's)7,5% + IPCA
Holding do AraguaiaHARG1115/10/2036brAAA (S&P)7,1% + IPCA
CRI Grupo Mateus22C136214117/07/2034AAA(bra) (Fitch)7,1% + IPCA
Debênture CSN MineraçãoCMIN2115/07/2036brAAA (S&P) / AAA(bra) (Fitch)7,5% + IPCA

Onde investir em novembro: ações, dividendos, FIIs, BDRs, criptomoedas - Veja indicações gratuitas

Sobre as empresas e as razões para as recomendações

  • CART: a Concessionária Auto Raposo Tavares (CART) é responsável pela administração e exploração do corredor rodoviário Raposo Tavares, que totaliza 834 quilômetros entre Bauru e Presidente Epitácio, no estado de São Paulo. A concessão assinada com o Governo do Estado de São Paulo tem vencimento em 2039. Para o Itaú, as características do segmento de concessões rodoviárias possibilitam alta previsibilidade para a geração de caixa da empresa, que também tem planos de investimentos moderados, destinados sobretudo a revitalizações.
  • Rumo: é a maior operadora ferroviária do Brasil, com concessões tanto em malhas ferroviárias como terminais portuários e de contêineres. Historicamente, a companhia tem mantido métricas de crédito conservadoras, apesar dos altos investimentos realizados, o que os analistas do Itaú esperam que continue ocorrendo no futuro próximo.
  • Rota das Bandeiras: é a concessionária responsável pela administração do Corredor Dom Pedro, que liga o Vale do Paraíba com a Região Metropolitana de Campinas (RMC) e o Circuito das Frutas. A concessão foi firmada com o Estado de São Paulo em abril de 2009 e tem validade por 30 anos. A receita da companhia está fortemente ligada ao ciclo econômico, mas os reajustes tarifários atrelados à inflação e sua localização numa região com PIB per capita elevado lhe conferem forte resiliência aos choques de demanda. A companhia espera concluir a maior parte dos seus investimentos em 2023, o que deve contribuir para uma gradual redução da sua alavancagem líquida nos próximos anos.
  • CSN Mineração: a mineradora controlada pela CSN atua na produção e venda de minério de ferro. Como segunda maior exportadora da commodity do Brasil, tem exposição a moedas fortes, com as exportações representando a maior parte da receita. Tem sido beneficiada pelo preço elevado do minério de ferro e recentemente anunciou um pacote de investimentos para expansão de R$ 31,3 bilhões para os próximos 12 anos. Para o Itaú, sua forte estrutura de capital deve sustentar o plano de investimentos e permitir que a alavancagem se mantenha em níveis adequados.
  • Manaus Ambiental: a concessionária é responsável pelos serviços de abastecimento de água, coleta e tratamento de esgoto na capital do Estado do Amazonas desde julho de 2000. Para o Itaú, as características do setor contribuem para a estabilidade dos fluxos de caixa, por se tratar de setor regulado e serviço essencial. A companhia possui um extensivo plano de investimentos, o que pode pressionar sua liquidez, mas os analistas acreditam que conseguirá manter métricas de crédito adequadas, devido à sua capacidade de geração de caixa.
  • Grupo Mateus: a rede de supermercados é a terceira maior do varejo alimentar brasileiro, além de líder nas regiões Norte e Nordeste. Possui um forte plano de expansão, focado sobretudo na abertura de lojas de atacarejo. Também iniciou sua incursão n Apesar disso, tem baixa alavancagem e uma posição de caixa robusta, capaz de tolerar o ambiente de juros altos. Também atua na venda de produtos de primeira necessidade, gerando demanda estável. A redução da inflação tem sido benéfica para o negócio.
  • Holding do Araguaia: é uma subsidiária da Ecorodovias, uma das maiores operadoras de rodovias do Brasil, com mais de 4,7 mil quilômetros sob administração por meio de 11 concessões, além de um ativo portuário. A Ecorodovias tem compensado o vencimento de suas concessões maduras com extensões e novas concessões. Para os analistas, investimentos devem pressionar a alavancagem da companhia no curto prazo, mas a geração de caixa dos ativos deve contribuir para a gradual recuperação das métricas de crédito.

Alguns pontos de atenção sobre os títulos de renda fixa privada

Vale lembrar que, embora sejam recomendações mensais, as carteiras de títulos de renda fixa de crédito privado funcionam de maneira um pouco diferente das carteiras recomendadas de ações.

Trata-se das recomendações que apresentam bom risco-retorno para compra naquele momento, e o objetivo costuma ser que o investidor fique com o papel até o vencimento.

Assim, alterações na carteira de um mês para outro não necessariamente representam uma recomendação de venda dos títulos retirados da seleção.

Além disso, cada instituição financeira recomenda os ativos disponíveis para os seus próprios clientes na sua plataforma. É possível que um título oferecido por uma não seja encontrado em outras, por exemplo. E, caso seja possível encontrar um mesmo título em diferentes instituições financeiras, as condições de remuneração também podem variar de uma para outra.

Finalmente, não se esqueça de que, ao investir em títulos de renda fixa de crédito privado, você está exposto ao risco de crédito das empresas emissoras, isto é, à sua saúde financeira, que depende da sua capacidade de gerar caixa e do seu endividamento.

Esses papéis não contam com proteção do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), como CDBs, LCIs e LCAs, e são tipicamente mais arriscados que os títulos do Tesouro Direto.

Compartilhe

O país da renda fixa

Mesmo com queda de juros, renda fixa cresceu mais que renda variável em 2023; LCI, LCA, CRI e CRA foram os destaques

15 de fevereiro de 2024 - 14:09

Títulos isentos viram crescimentos acima de 50% em número de investidores e volumes; número de CPFs na bolsa se manteve em 5 milhões

OUTRAS OPÇÕES

BTG recomenda 10 títulos de renda fixa isentos de IR para fevereiro – e nenhum deles tem carência como as LCIs e LCAs

9 de fevereiro de 2024 - 13:02

Títulos como debêntures incentivadas, CRIs e CRAs não têm carência, mas têm mais risco que LCIs e LCAs

RENDA FIXA ISENTA

LCI e LCA representam 15% da captação do Itaú. Como a nova regra que restringe os títulos isentos de IR afeta o banco?

6 de fevereiro de 2024 - 12:46

Apesar do volume alto, medida afeta apenas 30% do saldo de LCIs e LCAs que o Itaú emitiu. Ou seja, o impacto recai sobre 4,5% da captação total do banco, diz CEO

Onde os brasileiros investem

Títulos isentos, como LCI e LCA, chegam a quase 20% do volume investido por pessoas físicas, mas cenário pode mudar com novas regras; entenda

5 de fevereiro de 2024 - 14:47

Renda fixa isenta de imposto de renda tem ganhado popularidade nos últimos anos, mas oferta desses títulos pode reduzir; veja onde investiram os brasileiros em 2023

A CONTA DO 'FIM DA FARRA'

Mudança nas regras de LCI, LCA, CRI e CRA deve pesar mais para pessoas físicas; fundos imobiliários podem ‘passar ilesos’

2 de fevereiro de 2024 - 19:19

As novas regras miram em impedir casos emblemáticos como o do Burger King, que utilizou um CRA para financiar a compra de carne dos hambúrgueres, mas devem acabar acertando também empresas que de fato fazem parte da cadeia agro ou imobiliária

ACABOU A FARRA?

O que muda nas emissões de LCI, LCA, CRI e CRA com a medida do governo que restringe as emissões de títulos isentos de IR

2 de fevereiro de 2024 - 9:09

Governo manteve a isenção de imposto de renda, mas restringiu as maneiras como os bancos e as empresas podem emitir papéis como LCI

Retorno menor

Quanto rendem R$ 10 mil na poupança, no Tesouro Direto e em CDB com a Selic em 11,25%?

31 de janeiro de 2024 - 19:00

Banco Central cortou a taxa básica em mais 0,50 ponto percentual nesta quarta; veja como a rentabilidade dos investimentos conservadores deve reagir

Lula sancionou

Renda fixa isenta ameaçada? Conheça as novas debêntures de infraestrutura e saiba se elas podem ‘matar’ as debêntures incentivadas

25 de janeiro de 2024 - 6:07

Governo acaba de aprovar novo título de dívida com vantagens tributárias só para o emissor; será que ele poderá substituir as debêntures isentas de IR?

Carteira recomendada

O que comprar na renda fixa em janeiro: título do Tesouro Direto é destaque da carteira da Genial, que inclui também LCA de bancão

12 de janeiro de 2024 - 12:11

Analistas apostam nos títulos indexados à inflação com vencimentos de até cinco anos, não apenas para o mês, como para o ano; veja todas as recomendações

Tesouro Direto do mês

O que comprar no Tesouro Direto em janeiro: chegou a hora dos títulos atrelados à inflação? Veja as indicações

8 de janeiro de 2024 - 16:41

Prefixados começam a perder espaço nas indicações de bancos e corretoras, após forte valorização de 2023; veja os títulos recomendados para o primeiro mês do ano

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies