🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Carolina Gama
MUDANÇA DE CENÁRIO À VISTA

Dado crucial de inflação nos EUA faz Dow Jones saltar quase 300 pontos e renovar máxima do ano — por que isso importa para você?

As preocupações com o PIB mais forte do terceiro trimestre cederam lugar ao esfriamento de preços na maior economia do mundo e isso mexe diretamente com o seu bolso; entenda alguns motivos

Carolina Gama
30 de novembro de 2023
15:01 - atualizado às 16:13
touro
O Touro de Wall Street, no distrito financeiro de Manhattan, em Nova York, nos EUA. - Imagem: Shutterstock

Quando o mercado conheceu ontem (29) os dados do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA do terceiro trimestre, viu a maior economia do mundo crescendo ainda mais do que o esperado — o que manteria a porta aberta para um convidado indesejado: o aumento da taxa de juros

As preocupações com o PIB de 5,2%, no entanto, duraram 24h. Nesta quinta-feira (30), a medida preferida do Federal Reserve (Fed) para a inflação deu novos sinais de que o trabalho do banco central norte-americano em relação ao aumento dos preços pode realmente estar perto do fim

O núcleo do índice de preços para gastos pessoais (PCE, na sigla em inglês) subiu em linha com as expectativas em outubro: 0,2% em base mensal e 3,5% em termos anuais.

Wall Street recebeu bem os dados da inflação: O Dow Jones deu um salto de quase 300 pontos hoje e renovar as máximas do ano. 

EUA: o que vem por aí?

Não é de hoje que o mercado flerta com a possibilidade de o Fed não só parar de vez de subir os juros como começar a cortar a taxa referencial — e os motivos para isso não faltam: o esfriamento da inflação e o temor de uma recessão são alguns deles. 

Com os dados econômicos recentes, essas apostas ganham ainda mais força. Até mesmo o bilionário Bill Ackman passou a prever que os juros devem baixar nos EUA antes mesmo do que o mercado espera. 

Os traders estão precificando um corte na taxa em junho de 2024, com a chance de um corte acontecer em maio cotada em cerca de 80%, de acordo com dados compilados pelo CME Group.

Ackman, no entanto, acredita que o primeiro corte de juros desse novo ciclo pode começar já no primeiro trimestre do ano que vem, muito provavelmente em março. 

13º SALÁRIO CAIU? VEJA SE VOCÊ TEM DIREITO A UM '14º SALÁRIO' DA RECEITA FEDERAL EM 2024

O que pensam os especialistas

Para João Piccioni, analista da Empiricus, o Fed tem espaço para cortar juros. 

“Ainda vemos robustez na economia dos EUA, mas há dados que mostram que há um processo desinflacionário em curso que dá espaço para o Fed segurar a taxa de juros no patamar atual — que é elevado para os padrões lá de fora — e começar a pensar em um afrouxamento”, disse. 

A mesma opinião é compartilhada por James Knightley, economista-chefe internacional do ING. 

“Os dados fornecem cada vez mais provas da moderação do crescimento, do alívio das pressões inflacionistas e do arrefecimento do mercado de trabalho — o que confirma as expectativas do mercado de que a próxima ação do Fed será um corte nas taxas de juros”, afirma. 

Shernette McLeod, economista da TD Economics, diz que o banco central norte-americano não pode baixar a guarda de vez. 

“As informações sobre inflação no relatório de hoje são significativas. No entanto, com o PIB crescendo a um ritmo ainda acima da tendência, o Fed tem de permanecer ainda mais vigilante para garantir que o processo de desinflação não estagne ou, pior ainda, se desfaça”, diz. 

Por que isso importa pra você

Quando os juros estão altos, os ativos de risco sofrem. As empresas, de modo geral, pagam mais caro para se financiar, passam a valer menos e as ações sentem esse impacto — um sinal nada positivo para o investidor. 

No entanto, com o fim do ciclo de aperto monetário nos EUA cada vez mais próximo, a tendência é que a bolsa sinta o alívio do afrouxamento monetário que começa a se desenhar na maior economia do mundo. 

“A economia dos EUA até caminha para desaceleração ou uma eventual recessão, mas quando a gente olha o caminho da política monetária, vejo espaço para a bolsa continuar subindo em 2024”, diz Piccioni, da Empiricus. 

Segundo ele, as empresas vêm arrumando a casa desde 2022, ainda que alguns setores tenham sofrido bastante, e 2024 pode ser um ano mais positivo para as empresas de capital aberto. 

“Dessa vez, o Fed está com muito cartucho na agulha. O banco central norte-americano vai conseguir proteger se vier algum momento de ruptura e as empresas estão muito mais blindadas agora do que antes”, acrescenta.

Compartilhe

DEPOIS DO BALDE DE ÁGUA FRIA

Mistério revelado? Ata do Fed dá pistas do que pode acontecer com os juros em março

21 de fevereiro de 2024 - 17:27

Os investidores aguardavam o documento para entender o futuro da taxa referencial da maior economia do mundo e já se reposicionaram depois dos novos sinais desta quarta-feira (21)

A VISTA DE BLINKEN

Outro puxão de orelha em Lula? O que o braço direito de Biden disse para o petista em duas horas de conversa e no meio de uma crise

21 de fevereiro de 2024 - 16:11

O chefe da diplomacia norte-americana esteve no Palácio do Planalto em meio à tensão nas relações entre Brasil e Israel; saiba o que foi assunto neste encontro

FUGINDO DA MORDIDA DO LEÃO

Como Jeff Bezos “driblou” impostos para embolsar uma quantia bilionária com a venda de ações da Amazon

21 de fevereiro de 2024 - 14:30

O dono da gigante do varejo eletrônico vendeu agora mais 14 milhões de ações da empresa, levantando US$ 2,4 bilhões com a transação

SEM CÉU DE BRIGADEIRO

Vai desbancar a Airbus? A gigante “Made in China” que pode provocar turbulência na aviação global

20 de fevereiro de 2024 - 19:58

Pequim criou uma empresa de aviação para bater de frente com rivais estrangeiras — e Airbus responde a concorrência à altura

COM OS DIAS CONTADOS

A China vai tombar de vez? O empurrão dos EUA que pode colocar a segunda maior economia do mundo em xeque

19 de fevereiro de 2024 - 19:50

No passado, o governo de Xi Jinping já alertou Washington sobre o “erro histórico” de impor limites à Pequim

SÓ DOR DE CABEÇA

A nova insônia da Argentina: o dado que vai tirar o sono de Javier Milei — e não é a inflação

19 de fevereiro de 2024 - 19:09

O governo já se defendeu dos números que devem trazer mais dor de cabeça para a Casa Rosada

SOB A LUPA EUROPEIA

Mais problemas para o TikTok? Rede social das dancinhas cai na mira da União Europeia — e pode receber multa pesada

19 de fevereiro de 2024 - 18:15

A UE vai investigar se a rede social viola as regras de conteúdo online destinadas a proteger as crianças na plataforma

O PODER DE UMA PAIXÃO

O caso amoroso que pode salvar Trump de ser condenado

19 de fevereiro de 2024 - 15:15

O romance em questão não está diretamente ligado ao ex-presidente dos EUA, mas pode ajudá-lo no processo sobre a tentativa do republicano reverter a derrota nas eleições de 2020

ANO NOVO, VIDA NOVA?

Viagens e gastos de turistas durante ano-novo na China superam níveis pré-pandemia, mas algo ainda incomoda os economistas

19 de fevereiro de 2024 - 11:37

Deslocamentos internos e gastos em viagens pela China mostram recuperação enquanto governo tenta impulsionar o consumo

MARCADOS PELA OPOSIÇÃO

Todos contra Putin: os inimigos que ousaram desafiar o homem mais poderoso da Rússia e não tiveram um final feliz

16 de fevereiro de 2024 - 19:43

A lista de desafetos do presidente russo é longa. O Seu Dinheiro separou os principais nomes de oposição e conta para você o destino — às vezes trágico — de cada um deles

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies