🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @Renan_SanSousa
EL CRIPTOBRO

Obrigado, Milei! Procura por criptomoeda dispara mais de 600% após vitória de ultraliberal — e não foi o bitcoin (BTC); veja qual

Entre 20 e 26 de novembro — ou seja, na semana seguinte à eleição — houve um aumento de mais de 45% na compra de bitcoins em comparação com a semana anterior

Renan Sousa
Renan Sousa
30 de novembro de 2023
8:00 - atualizado às 16:23
Javier Milei, presidente eleito da Argentina e pró bitcoin (BTC)
Javier Milei, presidente eleito da Argentina e pró bitcoin (BTC) - Imagem: Montagem Seu Dinheiro / Reprodução das redes sociais

O presidente eleito da Argentina, Javier Milei, é conhecido por sua proposta de dolarizar a economia e extinguir o BCRA, como é conhecido o Banco Central do país. O que nem todo mundo sabe é que, dentro de seu ultraliberalismo, Milei também é um defensor do bitcoin (BTC).

Mais precisamente, Milei se declara anarcocapitalista, uma corrente de pensamento que cultua o individualismo por intermédio da propriedade privada, do livre mercado e da abolição do Estado.

Sem um país formado, não há moeda fiduciária — emitida por um banco central, como o real ou o dólar — e a unidade de troca utilizada, na visão dos defensores dessa linha ideológica, seria uma criptomoeda. A maior delas, o bitcoin, é a preferida dos “ancaps”. 

Assim, a notícia da chegada de Milei à Casa Rosada se popularizou no universo cripto — e a procura por BTC e outras criptomoedas aumentou na Argentina, conforme levantamento da Ripio. 

“As stablecoins têm sido cada vez mais usadas e as várias instâncias da eleição na Argentina consistentemente aumentaram o volume de busca por elas”, explica Sebástian Serrano, CEO e cofundador da Ripio, empresa de tecnologia blockchain multiprodutos com forte presença no país. 

Em números: a procura por bitcoin na Argentina

A procura por BTC na corretora deu um salto de 20% na semana que confirmou a vitória de Milei. 

Entre 20 e 26 de novembro — ou seja, na semana seguinte à eleição — houve um aumento de mais de 45% na compra de bitcoins em comparação com a semana anterior.

Mas as buscas por stablecoins (criptomoedas lastreadas em ativos estáveis, como o dólar) foram ainda mais surpreendentes, registrando um crescimento de mais de 600% em comparação com o domingo anterior ao pleito. 

Na semana que antecedeu a eleição, mais de 1 milhão de unidades da stablecoin Criptodólar (UXD) foram negociados. O ticket médio de compra dessa criptomoeda também foi 50% maior do que na semana anterior.

Mas por que stablecoins e não o bitcoin?

Em primeiro lugar, os hermanos sempre tiveram preferência pelo dólar americano por questões históricas — a moeda destacou-se como uma reserva de valor capaz de proteger contra as sucessivas crises no país. 

E a recente proposta de dolarização da economia de Milei também ajudou no crescimento dos números da corretora. 

“Esse movimento ficou evidente principalmente com o UXD, que rapidamente se tornou a principal stablecoin negociada na Ripio Wallet, com um market share de cerca de 50%, superando outras moedas como o Dai (DAI), USDt (USDT) e USDC (USDC)”, diz Serrano. 

Desde muito antes…

Esse aumento da procura por criptomoedas na Argentina na verdade é um movimento que passou a acontecer desde o começo do ano, segundo o CEO da Ripio. 

Entre julho e agosto, por exemplo, a corretora registrou um aumento de 110% nas transações de ativos digitais, praticamente dobrando o volume negociado na plataforma.

Já no primeiro turno das eleições houve um aumento significativo. Entre setembro e outubro, a procura foi 68% maior, segundo dados da corretora. Cumulativamente, de julho até o final de outubro, foi possível observar um incremento de 30% no volume de stablecoins negociadas.

O mercado de criptomoedas da Argentina

Um estudo recente da Chainalysis, empresa especializada em levantamentos on-chain envolvendo ativos digitais, mostrou que Brasil e Argentina foram os países que mais receberam criptomoedas entre junho de 2022 e julho de 2023. Cada um recebeu cerca de US$ 85 bilhões, de acordo com a pesquisa.

Contudo, o cenário no país vizinho é bastante diferente. A Argentina lida com uma inflação de três dígitos, a faca do Fundo Monetário Internacional (FMI) no pescoço e uma profunda crise social, com a pobreza atingindo mais de 40% da população. 

Com o peso argentino cada vez mais desvalorizado e uma imposição do governo, que limita o acesso ao dólar para criação de reservas de valor, a população se voltou para as stablecoins lastreadas na moeda norte-americana, identificou a Chainalysis.

“Criptomoedas são amplamente conhecidas na Argentina. Cerca de cinco milhões [de uma população de 45,8 milhões] usam criptomoedas, dois milhões delas na nossa plataforma”, diz o head de compliance da Lemon Cash, uma exchange que opera no país.

Compartilhe

QUANDO A ESMOLA É DEMAIS…

Criptomoedas de graça: entenda o que são ‘Airdrops’, como escapar das ciladas desse mercado — e 5 projetos para investir

21 de fevereiro de 2024 - 6:02

Pode parecer “bom demais para ser verdade”, mas foi uma das formas encontradas por um mercado em desenvolvimento para conseguir ganhar a adesão de investidores

VIROU FESTA?

Por que o Ethereum (ETH) se aproxima dos US$ 3 mil e sobe mais do que o Bitcoin (BTC) nesta segunda-feira? Entenda motivos

19 de fevereiro de 2024 - 10:42

Os dados on-chain mostram que houve um aumento da procura nos últimos dias, fazendo o ethereum renovar patamares de preço que não eram vistos desde abril de 2022

CRIPTOMOEDAS NA BOLSA

Coinbase (COIN) registra primeiro lucro trimestral em dois anos: veja outros 3 motivos para a corretora de criptomoedas saltar mais de 15% hoje

16 de fevereiro de 2024 - 12:13

O inverno cripto passou e a corretora soube aproveitar a primavera, vendo a receita total de transações saltar 64%, para US$ 529 milhões

OS TOUROS VOLTARAM

ETFs de bitcoin (BTC) nos EUA ajudam no rali: maior criptomoeda do mundo sobe mais de 20% na semana — vem mais por aí?

14 de fevereiro de 2024 - 11:13

O aumento da demanda pela criptomoeda — somada à relativa manutenção da oferta — gerou uma disparada das cotações

A CORRIDA CRIPTO

Bitcoin (BTC) atinge os US$ 50 mil pela primeira vez desde 2021; veja o que mexe com o mercado de criptomoedas hoje

12 de fevereiro de 2024 - 14:23

A última vez que o ativo virtual cruzou essa fronteira foi em 24 de dezembro de 2021, quando chegou a US$ 50,8 mil

BLOQUINHO CRIPTO

Carnaval antecipado das criptomoedas: bitcoin (BTC) dispara 6% em 24 horas e samba aos US$ 47 mil. Veja o que mexe com o mercado hoje

9 de fevereiro de 2024 - 10:50

A festança do mercado de criptomoedas é tamanha que o bitcoin cruzou a fronteira dos US$ 47 mil pela primeira vez desde a ressaca após a aprovação dos ETFs de BTC spot

CRIPTOS HOJE

Saiu das férias? Bitcoin (BTC) busca os US$ 45 mil enquanto Solana (SOL) sobe 6%; veja o que movimenta as criptomoedas hoje

8 de fevereiro de 2024 - 10:23

Os investidores seguem o sentimento positivo das bolsas no exterior, apesar de os futuros de Nova York ainda não registrarem altas mais firmes

ENTREVISTA EXCLUSIVA

“Se a XP e o Nubank chegaram aonde chegaram, por que nós não podemos ser o equivalente no mundo cripto?”, diz CEO do Mercado Bitcoin

7 de fevereiro de 2024 - 6:10

Reinaldo Rabelo, CEO do MB, compartilhou sua visão sobre o ano de 2024 em entrevista ao Seu Dinheiro

Não adianta se esconder

O Leão está de olho nos seus bitcoins: com ajuda da inteligência artificial (IA), Receita Federal sabe quem não declarou criptomoedas

1 de fevereiro de 2024 - 14:45

Fisco identificou mais de 25 mil brasileiros que não informaram seus bitcoins na declaração de imposto de renda 2023

ESQUENTANDO

Celsius sai da recuperação judicial, paga US$ 3 bilhões aos credores e irá lançar empresa de mineração de bitcoin (BTC)

1 de fevereiro de 2024 - 11:24

O processo como um todo foi acompanhado por membros de autoridades regulatórias dos Estados Unidos, o que ajuda a respaldar legalmente a nova companhia

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies