🔴 SÉRIE EMPIRICUS IN$IGTS: +100 RELATÓRIOS CORTESIA – LIBERE GRATUITAMENTE

O poder oculto da fofoca: como ela pode alavancar ou destruir sua carreira

A fofoca é uma prática comum em qualquer ambiente. Mas é preciso ter cuidado com os comentários, especialmente no meio profissional

11 de junho de 2023
8:03 - atualizado às 8:57
Ilustração de uma mulher contando uma fofoca ou segredo
Imagem: Shutterstock

“O Homo Sapiens é, antes de mais nada, um animal social. A cooperação social é essencial para a sobrevivência e a reprodução”

Yuval Noah Harari

No livro "Sapiens: Uma Breve História da Humanidade", o historiador e filósofo Yuval Noah Harari destaca que nossa capacidade única de criar e compartilhar histórias foi fundamental para a formação de grandes grupos sociais e cooperação em larga escala.

Nesse sentido, a fofoca desempenharia um papel na manutenção da coesão e conexão social, por ser uma forma de compartilhar histórias sobre outras pessoas. Além disso, a boataria pode ser um meio de transmitir normas e reforçar a conformidade em um grupo.

No entanto, Harari também alerta para os perigos das narrativas falsas ou distorcidas que podem surgir por meio da fofoca, como a manipulação de informações para controlar as pessoas e perpetuar desigualdades.

Ou seja: sob a perspectiva histórica, a fofoca tem seu valor. Talvez a gente só esteja nesse nível de desenvolvimento social graças à bendita. Partindo dessa análise macro e adentrando mais no mundo do trabalho corporativo, quais papéis e efeitos ela desempenha sobre as nossas carreiras?

A fofoca geralmente se baseia em informações parciais ou não verificadas e pode ser motivada por diferentes razões, como satisfazer a curiosidade, ganhar poder ou influência social, prejudicar a reputação de alguém ou simplesmente como uma forma de entretenimento.

Pare para pensar na última fofoca que você estava disseminando. Você se recorda se realmente tinha checado as informações faladas? E qual era o seu objetivo em (re)passá-la adiante?

No calor da emoção, parece que ela não vai causar problema algum para ninguém, não é? Mas sabemos que há um custo que pode ser bem alto para as pessoas envolvidas em disseminar e, principalmente, para quem é alvo da fofoca.

Leia também

Fofoca pode afetar o clima...

Imagine uma fofoca que começa assim: "Nossa, você viu os resultados da empresa? Já ouvi dizer que vai rolar facão".

E, assim, começa um boato sobre uma coisa que pode ou não acontecer, mas que terá impacto direto sobre o clima de uma área ou empresa.

Uma pessoa trabalhando sob o risco de ser demitida a qualquer momento provavelmente terá seu desempenho afetado em decorrência disso. Ou ainda, mesmo que seja provável um layoff, estaria aquela pessoa ou área na lista?

Decisões de saída antecipada "antes que o barco afunde" poderiam ser tomadas sem o devido aprofundamento da situação por informações parciais ou insuficientes.

...desregular times...

"Vixe, não sei se você ficou sabendo que a área de marketing vai ser fundida com a de vendas."

Nesse exemplo, o time de marketing passa a ser menos colaborativo com vendas, porque quer mostrar que a fusão dessas áreas não é benéfica para ninguém. Dadas as devidas adequações de contexto, você já ouviu essa história antes?

Em decorrência de um rumor infundado, times de alta performance podem deixar de atuar no mesmo patamar por gatilhos como o medo ou a incerteza.

...e segregar pessoas e criar barreiras nas relações

"Desde que fulano veio para o nosso time, nosso chefe tem interagido de uma forma estranha com o restante da equipe."

É só questão de (pouco) tempo para que o "fulano" esteja sendo isolado pelos demais. Afinal, ele pode por em risco a promoção de várias pessoas. Se ele for reconhecido primeiro, vai demorar ainda mais para que outros ascendam. 

Outro clássico do mundo corporativo é: "aquele cara é uma mala sem alça e sem rodinha, dificulta tudo no nosso projeto". De uma opinião — totalmente pessoal e individual — por alguma interação não muito agradável à estigmatização completa é só uma questão rápida de tempo.

É impressionante como nos tornamos rapidamente vítimas e/ou também carrascos em definir ou ser definido por uma imagem estigmatizada. Vale para o bem, mas principalmente para o mal.

E quando falo que vale para o bem, é quando soltamos comentários positivos sobre alguém, tal como: "nossa, sicrano é ótimo em comunicação e apresentação", acreditando que só tem desdobramentos bons a partir disso. Engano seu.

Sicrano pode estar em um momento da carreira em que está tentando se movimentar para outra área, e essa competência em específico não vai jogar a favor — ela só reforça que ele deve continuar onde está e, assim, ele nunca será considerado para essa transição. 

Poxa, mas então fofoca nunca é bom? 

Como bem apontado por Harari, há uma perspectiva positiva, sim. E, no caso do mundo do trabalho, também. 

Conversas informais, vulgo fofoquinhas no café da firma, podem ser uma forma de compartilhar informações importantes ou alertar para problemas em potencial. Por exemplo, estar atento aos comentários que a alta liderança faz sobre os resultados da empresa, como forma de ter um termômetro para direcionar suas ações dentro e fora do seu departamento.

Em alguns casos, a fofoca pode até mesmo ser uma forma de conexão social e alívio do estresse, quando por exemplo se faz um comentário sobre um artista famoso ou algum evento externo à organização — interações que não interferem em nada no dia a dia do trabalho.

Como zelador do clima organizacional na minha empresa e também mentor de profissionais, meu conselho é atentar-se para que a fofoca não se torne demasiadamente tóxica. Aqui vão algumas regras e checklist que eu uso para endereçar isso:

  1. Não às fake news: o que estou dizendo tem fundamento? Eu realmente chequei a origem e veracidade da informação que vou compartilhar?
  2. Qual a minha real intenção em criar e/ou compartilhar a fofoca: o que direi sobre a pessoa ou situação tem qual intenção real: derrubar o coleguinha? Prejudicar um trabalho que eu sei que foi muito bem executado? Ou ainda: estou fazendo uso da fofoca para dificultar a vida da pessoa porque eu tenho inveja do sucesso dela?
  3. Ao espalhar uma fofoca, é bom lembrar que podem estar fazendo o mesmo sobre nós: eu gostaria de estar sendo condenado a uma imagem ou estigma pelas costas, como consequência de uma fofoca maldosa e infundada?

Por fim, vale lembrar que fofoca é condenar alguém, de certa forma, àquela imagem ou julgamento que eu estou fazendo. Não é legal fazer com o outro aquilo que não gostaria que fosse feito comigo.

E, por mais piegas que seja dizer isso, quando João está falando de Maria, João está, no fundo, falando dele mesmo. A forma como eu julgo alguém ou uma situação fala muito mais sobre mim do que o outro. A fofoca tem essa mesma essência: ela fala muito mais de quem cria e repassa do que quem está sendo alvo da história. 

Fofocar é um ato geralmente irresponsável; muitas vezes, quem cria ou repassa a fofoca não arca com as consequências e impactos sobre quem é o alvo.

Até a próxima,

Compartilhe

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: ChatGPT resiste às tentações de uma linda narrativa?

17 de abril de 2024 - 20:11

Não somos perfeitos em tarefas de raciocínio lógico, mas tudo bem: inventamos a inteligência artificial justamente para cuidar desses problemas mais chatos, não é verdade?

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Ataque do Irã poderia ter sido muito pior: não estamos diante da Terceira Guerra Mundial — mas saiba como você pode proteger seu dinheiro

16 de abril de 2024 - 6:17

Em outubro, após o ataque do Hamas, apontei para um “Kit Geopolítico” para auxiliar investidores a navegar por esse ambiente incerto

EXILE ON WALL STREET

Felipe Miranda: Cinco coisas que deveriam acabar no mercado financeiro

15 de abril de 2024 - 20:01

O sócio-fundador da Empiricus lista práticas do universo dos investimentos que gostaria de ver eliminadas

DE REPENTE NO MERCADO

O que Elon Musk, Javier Milei, Alexandre de Moraes, o halving do bitcoin e a China têm em comum? 

14 de abril de 2024 - 12:00

Acredite: tudo isso movimentou o mercado financeiro esta semana; veja os destaques

Especial IR 2024

Meu dependente paga pensão alimentícia; posso abatê-la no imposto de renda?

13 de abril de 2024 - 8:00

Titular da declaração de imposto de renda declara o pai como dependente, e ele paga pensão alimentícia à mãe dela. E agora?

SEXTOU COM O RUY

Enquanto você se preocupa com a Oi (OIBR3), esta empresa da B3 virou a campeã de qualidade no serviço de internet – e ainda está barata na bolsa

12 de abril de 2024 - 6:07

Para se diferenciar, essa companhia construiu uma infraestrutura de qualidade, que tem proporcionado prêmios de internet fixa mais rápida do Estado de São Paulo, à frente das gigantes de telecom

EXILE ON WALL STREET

Rodolfo Amstalden: Quintal da China, quintal do mundo

10 de abril de 2024 - 19:15

Se a economia chinesa sofre, nós necessariamente compartilhamos dessa desgraça?

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Juro real de volta aos 6%: com bolsa na pior e dólar nas alturas, essa é uma nova oportunidade?

9 de abril de 2024 - 6:40

Uma regra prática comum para investimentos em renda fixa no Brasil sugere vender títulos quando os juros reais atingem 3% e comprá-los a 6%

EXILE ON WALL STREET

Além do bitcoin (BTC): esta carteira já rendeu 447% acima da maior criptomoeda do mercado

8 de abril de 2024 - 20:01

Acredito que exista uma forma melhor de pensar sobre a ciclicidade do preço do bitcoin (BTC), que historicamente nos ajudou a gerar alfa neste mercado

BOMBOU NO SD

Argentina entra na rota de ‘paraíso fiscal’, China encara mesma crise do Japão e inteligência artificial “sugando” o Ibovespa — veja tudo o que foi destaque na semana

6 de abril de 2024 - 13:36

A crise e os seus reflexos no país vizinho no Brasil despertaram o interesse dos leitores do Seu Dinheiro nos últimos dias

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar