🔴 É HOJE! COMO COMPRAR CARROS COM ATÉ 50% DE DESCONTO NA TABELA FIPE – CONHEÇA A ESTRATÉGIA

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
MERCADOS HOJE

Bolsa agora: Ibovespa acompanha NY e acelera no fim do pregão, mas queda das commodities limita os ganhos; dólar sobe

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
18 de maio de 2023
7:21 - atualizado às 17:37

RESUMO DO DIA:O dia foi mais uma vez de foco nas questões fiscais do Brasil e dos Estados Unidos.

Por aqui, o relator do arcabouço fiscal, Cláudio Cajado, negou que o seu relatório abra margem para um aumento de gastos de mais de R$ 80 bilhões pelo governo no próximo ano, acalmando o humor dos investidores.

Já no exterior, o grande comandante do dia, houve decepção com alguns dados do mercado de trabalho, mas as bolsas em Wall Street fecharam em alta diante da expectativa de que um acordo para elevar o teto da dívida americano seja selado em breve.

Confira os principais destaques do dia:

SOBE E DESCE DO IBOVESPA

Confira as maiores altas do dia:

CÓDIGONOMEULTVAR
BRFS3BRF ONR$ 7,9611,48%
BEEF3Minerva ONR$ 9,736,92%
VIIA3Via ONR$ 2,235,69%
JHSF3JHSF ONR$ 4,295,67%
HAPV3Hapvida ONR$ 3,675,46%

Confira também as maiores quedas:

CÓDIGONOMEULTVAR
BBSE3BB Seguridade ONR$ 31,32-2,03%
ELET6Eletrobras PNBR$ 38,20-2,03%
SLCE3SLC AgrícolaR$ 35,42-1,69%
GOLL4Gol PNR$ 7,98-1,48%
ELET3Eletrobras ONR$ 34,26-1,18%
FECHAMENTO

O Ibovespa encerrou o dia em alta de 0,59%, aos 110.108 pontos.

FECHAMENTO EM NOVA YORK

Na reta final do pregão, as bolsas em Nova York entraram em um ritmo acelerado de ganhos. Isso porque após temores de que o Federal Reserve pode elevar os juros mais uma vez na próxima reunião, as atenções se voltaram mais uma vez para o teto de gastos americanos.

As negociações ainda estão em andamento, mas os congressistas e o presidente americano Joe Biden se mostram mais otimistas de que um acordo será fechado.

  • Nasdaq: +1,51%
  • S&P 500: +0,94%
  • Dow Jones: +0,34%
The Legend of Zelda: Tears of the Kingdom vende mais de 10 milhões de cópias em três dias e quebra recordes para a Nintendo

Após mais de três anos de espera, Link está de volta aos consoles da Nintendo — e quebrando recordes. Um dos jogos mais aguardados de 2023, The Legend of Zelda: Tears of the Kingdom precisou de apenas três dias para superar os capítulos anteriores da série.

O jogo somou mais de 10 milhões de cópias vendidas em todo o mundo nos três dias desde o seu lançamento, em 12 de maio, de acordo com a companhia japonesa, tornando-se o jogo da franquia Zelda que mais rápido atingiu a marca. 

Com mais de 4 milhões de unidades nas Américas nos três dias após a estreia, Tears of the Kingdom também conquistou os títulos de jogo da Nintendo e do console Switch mais vendidos na região.

As 10 milhões de unidades comercializadas no mundo representam um terço das vendas totais do game anterior da franquia, The Legend of Zelda: Breath of the Wild, e equivale a 20% do jogo mais vendido do Nintendo Switch de todos os tempos — tudo isso em apenas três dias.

Leia mais.

FECHAMENTO

O dólar à vista encerrou o dia em alta de 0,68%, a R$ 4,9680

O Ibovespa vem renovando máximas na reta final do pregão, após a fala do relator do projeto do arcabouço fiscal, Claudio Cajado (PP-BA), de que o texto não abre brechas para aumento das despesas em mais de R$ 80 bilhões nos próximos dois anos.

Além disso, o índice da bolsa brasileira avança com recuperação dos papéis da Petrobras (PETR4) na última meia hora.

LIGHT (LIGT3) SOBE 9%

As ações da companhia de energia elétrica Light (LIGT3) operam em alta de 9,00%, a R$ 4,36, na B3. Os investidores reagiram, durante a sessão, à retirada da classificação de risco da companhia pela Moody's Investors Service.

Além disso, a Justiça do Rio de Janeiro negou recursos de credores contra a recuperação judicial da companhia. A ação era movida por AZ Quest Altro Master Fundo de Investimentos, da Simplific Pavarini, do Vórtx e do banco Morgan Stanley.

Segundo o desembargador da decisão, não foram apresentadas provas de que a não concessão do efeito suspensivo possa causar danos graves ou de difícil reparação, destacando-se a necessidade de se avaliar em profundidade a situação.

IBOVESPA RENOVA MÁXIMA

Com exterior positivo, o Ibovespa renovou novamente a máxima há pouco, com alta de 0,58%, aos 110.095 pontos.

O movimento acontece minutos após o relator do arcabouço fiscal na Câmara dos Deputados, Claudio Cajado (PP-BA), afirmar que o entendimento de que a nova regras fiscal abriria brechas para ampliar as despesas do governo, em cerca de R$ 80 bilhões nos próximos dois anos, é "fantasiosa".

SOBE E DESCE DA BOLSA

Nos últimos minutos do pregão, o Ibovespa tenta sustentar alta a 0,45%, aos 109.951 pontos.

Confira as maiores altas:

CÓDIGONOMEULTVAR
BRFS3BRF ONR$ 7,9110,78%
BEEF3Minerva ONR$ 9,696,48%
VIIA3Via ONR$ 2,246,16%
HAPV3Hapvida ONR$ 3,665,17%
MGLU3Magazine Luiza ONR$ 3,524,76%

E as maiores quedas do dia:

CÓDIGONOMEULTVAR
BBSE3BB Seguridade ONR$ 31,23-2,31%
ELET6Eletrobras PNBR$ 38,18-2,08%
SLCE3SLC AgrícolaR$ 35,40-1,75%
GOLL4Gol PNR$ 7,98-1,48%
ENGI11Engie unitsR$ 43,96-1,35%

O Ibovespa tenta firmar alta de 0,36%, aos 109.853 pontos, com o alívio da queda da Petrobras (PETR4).

FECHAMENTO

O brent encerrou o dia em queda de 1,43%, a US$ 75,86

SE FIRMANDO NO AZUL

Na última hora, o Ibovespa finalmente engatou uma sequência de ganhos para se firmar no azul, após uma sessão oscilando próximo da estabilidade. O movimento coincide com uma melhora pontual das bolsas americanas e também com os comentários de Cajado sobre o texto do arcabouço fiscal.

PINGOS NOS IS

O relator do texto do arcabouço fiscal na Câmara, Cláudio Cajado, explicou alguns trechos do seu relatório que abrem margem para um aumento de gastos em 2025.

Segundo Cajado, o cálculo já leve em conta uma eventual desonerações de combustíveis na arrecadação, e leva em conta um crescimento de 2,9%, ante 3,6% sem o corte nos impostos, estando em linha com as regras do arcabouço.

Os juros futuros reagiram desacelerando a alta e o Ibovespa busca se firmar em alta.

IBOVESPA RENOVA MÁXIMA

Há pouco, o Ibovespa renovou a máxima do dia, em alta de mais de 0,10%.

JUROS FUTUROS SOBEM

Em um dia de cautela para os negócios brasileiros, os juros futuros também operam em alta. Os investidores aguardam o andamento da tramitação do novo arcabouço fiscal. Além disso, no exterior, crescem as apostas de uma nova alta de juros por parte do Federal Reserve.

Confira:

CÓDIGONOME ULT  FEC 
DI1F24DI Jan/2413,32%13,31%
DI1F25DI Jan/2511,76%11,72%
DI1F26DI Jan/2611,30%11,21%
DI1F27DI Jan/2711,36%11,24%
DI1F28DI Jan/2811,50%11,37%
DI1F29DI Jan/2911,67%11,53%
UBS BB REBAIXA BRASKEM PARA NEUTRO E AÇÕES TÊM MAIOR QUEDA DO IBOVESPA

Em meio às discussões sobre a possível venda da participação da Novonor na empresa, a Braskem (BRKM5) teve hoje sua recomendação rebaixada de compra para neutro pelo UBS BB, o que levou suas ações a ficarem entre as maiores baixas do dia.

Por volta das 13h30, o papel BRKM5 recuava 1,84% a R$ 22,94, uma das maiores quedas do Ibovespa. Acompanhe nossa cobertura completa de mercados.

O banco, no entanto, argumenta que sua reavaliação não tem realmente a ver com a possível venda da parte da ex-Odebrecht na petroquímica, mas sim com os fundamentos do negócio, que, na visão dos analistas, não apresentam grandes gatilhos de alta pela frente.

Ação da Braskem (BRKM5) já chegou lá

Negociada hoje na faixa dos R$ 23, a ação da Braskem já se aproxima do preço-alvo definido pelo UBS BB, que foi mantido em R$ 26.

Leia mais.

BUSCANDO ESTABILIDADE

Apesar da forte queda das commodities, o Ibovespa vem limitando a sua queda na última hora. Nos últimos minutos, o principal índice da bolsa brasileira passou a rondar a estabilidade, mas sem força para cruzar ao campo positivo.

SOBE E DESCE DA BOLSA

Em movimento de realização de lucros, o Ibovespa cai 0,11%, aos 109.343 pontos.

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, concede, neste momento, entrevista coletiva sobre o arcabouço fiscal — a matéria teve urgência aprovada ontem (17) e deve ser apreciada na próxima semana pela Câmara dos Deputados.

Confira as maiores altas:

CÓDIGONOMEULTVAR
BRFS3BRF ONR$ 7,576,02%
YDUQ3Yduqs ONR$ 13,315,89%
LWSA3Locaweb ONR$ 7,505,34%
IRBR3IRB Brasil ONR$ 34,325,24%
MGLU3Magazine Luiza ONR$ 3,504,17%

E as maiores quedas do dia:

CÓDIGONOMEULTVAR
SLCE3SLC AgrícolaR$ 35,25-2,16%
ELET6Eletrobras PNBR$ 38,23-1,95%
CPLE6Copel PNR$ 7,47-1,71%
BBSE3BB Seguridade ONR$ 31,46-1,60%
ITSA4Itaúsa PNR$ 8,89-1,33%
BOLSAS EM NY

Com a expectativa de solução para o teto da dívida dos EUA, as bolsas americanas operam em tom positivo.

  • Dow Jones: +0,02%;
  • S&P 500: +0,64%;
  • Nasdaq: +1,29%.
FECHAMENTO NA EUROPA

Em dia de agenda esvaziada, as bolsas europeias fecharam em tom positivo, recuperando as perdas com a cautela sobre o teto de dívidas americanas — que poderia pressionar a economia global.

  • Frankfurt: +1,31%;
  • Paris: +0,64%;
  • Londres: +0,28%.
COMO ANDAM OS MERCADOS

O Ibovespa realiza os lucros recentes, após nove pregões em alta no período de 12 dias. O índice cai 0,14%, aos 109.312 pontos.

As perdas são limitadas com as bolsas americanas em tom positivo, após o presidente da Câmara dos Representantes, Kevin McCarthy, afirmar que uma proposta para solucionar o teto da dívida dos EUA deve ser apreciada, no plenário, na próxima semana.

Por aqui, com a agenda mais esvaziada, os investidores fazer reajustes técnicos. O setor de commodities operam em queda, com a realização dos lucros recentes, apesar do avanço de mais de 1% do minério de ferro na China.

Além disso, são destaques o recuo da Braskem (BRKM5), liderando as perdas da abertura, depois do UBS BB rebaixar a recomendação das ações de compra para neutro e; a queda generalizada dos bancos, acompanhando o desempenho do Ibovespa.

Na ponta positiva, os ganhos são ancorados pela valorização do dólar ante real. Sendo assim, os frigoríficos mais expostos ao exterior, como BRF (BRFS3), Marfrig (MRFG3) e Minerva (BEEF3), e as empresas de celulose Suzano (SUZB3) e Klabin (KLBN11) sobem e figuram entre as maiores altas do dia. As companhia educacionais também avançam com o ajuste de posições.

A moeda americana sobe 0,60%, a R$ 4,9681. Os DIs ampliam os ganhos em toda a curva, na esteira do dólar, e acompanham os Treasuries.

Shein perde dois terços do seu valor de mercado em apenas um ano e pode ter problemas para fazer IPO em Wall Street

A crise das empresas de tecnologia também parece ter atingido a gigante Shein — por mais que a varejista chinesa continue o seu crescimento pelo globo. E isso não tem nada a ver com os planos frustrados de taxação por parte do governo brasileiro.

De acordo com informações do Wall Street Journal, a companhia acaba de finalizar uma nova rodada de captação de recursos com sucesso, levantando cerca de US$ 2 bilhões, mas a operação contou com uma peculiaridade — um valor de mercado de "apenas" US 66 bilhões, o que equivale a um terço do preço visto um ano antes. 

A nova rodada de financiamento foi liderada pelos fundos Sequoia Capital, General Atlantic e o Mubadala. Investidores antigos foram atribuídos com mais ações para que mantivessem a sua fatia na companhia. 

No ano passado, a empresa registrou uma receita de R$ 23 bilhões, com um lucro líquido de mais de US$ 800 milhões. Para algumas fontes ouvidas pela reportagem do WSJ, o valor de mercado mais baixo deixa espaço para que em uma eventual abertura de capital (IPO, na sigla em inglês) dê fôlego ao valor da empresa. 

Leia mais.

BANCOS CAEM EM BLOCO

Acompanhando o movimento de realização do Ibovespa nesta quinta-feira (18), os bancos também caem em bloco.

Confira

CÓDIGONOMEULTVAR
BPAC11BTG Pactual unitsR$ 25,79-1,19%
ITUB4Itaú Unibanco PNR$ 26,90-1,07%
ITSA4Itaúsa PNR$ 8,95-0,67%
BBDC3Bradesco ONR$ 13,43-0,74%
BBAS3Banco do Brasil ONR$ 42,99-0,56%
SANB11Santander Brasil unitsR$ 29,92-0,37%
BBDC4Bradesco PNR$ 15,58-0,45%
FRIGORÍFICOS SOBEM

Os frigoríficos mais expostos ao exterior avançam no Ibovespa, na esteira da valorização do dólar ante o real, já que as receitas das companhias, em linhas gerais, são cotadas na moeda americanas.

Soma-se a isso a expectativa de melhora nas margens das empresas com a queda contínua dos preços do boi gordo e do milho e da soja no Brasil.

CÓDIGONOMEULTVAR
BRFS3BRF ONR$ 7,606,44%
BEEF3Minerva ONR$ 9,504,40%
MRFG3 Marfrig ON R$ 6,432,23%
SETOR DE COMMODITIES METÁLICAS REALIZA

Após o forte avanço nos últimos pregões, as companhias ligadas ao minério de ferro realizam os ganhos no Ibovespa.

CÓDIGONOMEULTVAR
CSAN3Cosan ONR$ 16,10-1,17%
VALE3 Vale ON R$ 69,35 -0,76%
GGBR4Gerdau PN R$ 23,98-0,58%
GOAU4Metalúrgica Gerdau PNR$ 11,10-0,54%
CSNA3 CSN ON R$ 13,24 0,00%
CMIN3 CSN Mineração ON R$ 4,70 0,00%

O Ibovespa não sustentou os ganhos com a melhora de NY e voltou ao tom negativo há pouco. O índice cai 0,01%, aos 109.445 pontos.

NY VIRA

As bolsas americanas, que iniciaram as negociações em queda, deixaram o tom negativo há pouco. Os mercados melhoraram após o presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Kevin McCarthy, afirmar que uma proposta de resolução do impasse do teto da dívida deve ser submetida à votação no plenário na semana que vem.

As informações foram divulgadas há pouco pelo jornal Punchbowl News.

  • S&P 500: +0,45%;
  • Dow Jones: -0,07%;
  • Nasdaq: +0,87%.

Ibovespa mira o tom positivo e ensaia alta a 0,04%, aos 109.508 pontos, com alívio nas quedas das ações de Petrobras (PETR4) e Vale (VALE3).

PETROLEIRAS CAEM

As ações das companhia ligadas ao petróleo recuam em bloco no Ibovespa, acompanhando a queda de quase 1% do petróleo com realização de ganhos. Ontem, a commodity avançou quase 3% com a expectativa de acordo sobre o teto da dívida americana ainda nesta semana.

Entre as maiores quedas estão os papéis da Petrobras (PETR4; PETR3), que puxam o Ibovespa para o tom negativa, já que a empresa é uma das com maiores participações no índice.

CÓDIGONOMEULTVAR
PRIO3PRIO ONR$ 35,87-1,73%
PETR3Petrobras ONR$ 28,75-0,93%
PETR4Petrobras PNR$ 25,45-0,82%
RRRP33R Petroleum ONR$ 31,70-0,56%
BYE BYE, BYTEDANCE?

A guerra entre os Estados Unidos e o TikTok tomou novos contornos nesta semana. Depois de três anos de brigas com o governo para assegurar sua presença nos EUA, pela primeira vez na história a rede social das dancinhas se tornará ilegal em parte do território norte-americano.

O governador do estado de Montana, Greg Gianforte, assinou na quarta-feira uma lei que proibirá o TikTok de operar na região. 

“Para proteger os dados pessoais e privados do povo de Montana do Partido Comunista da China, eu bani o TikTok em Montana”, afirmou Greg Gianforte, em tweet.

A partir de 1º de janeiro de 2024, as lojas de aplicativos do Google e da Apple estarão proibidas de oferecer o TikTok dentro do estado. 

Leia mais.

EDUCACIONAIS AVANÇAM

As companhias de educação Yduqs (YDUQ3) e Cogna (COGN3), cujas ações são negociadas no Ibovespa, lideram os ganhos do dia, em dia de realização dos lucros.

CÓDIGONOMEULTVAR
YDUQ3Yduqs ONR$ 13,104,22%
COGN3Cogna ONR$ 2,573,21%

MAGAZINE LUIZA (MGLU3) ENSAIA RECUPERAÇÃO

Após a queda de mais de 22% na última terça-feira (16), em repercussão do balanço do primeiro trimestre, as ações da Magazine Luiza (MGLU3) operam em alta pelo segundo dia consecutiva, em movimento de recuperação das perdas recentes.

No Ibovespa, os papéis avançam 2,98%, a R$ 3,46.

ABERTURA DE NOVA YORK

Em dia de agenda esvaziada, as bolsas americanas abriram em tom negativo, após dados de pedidos de desemprego mais fracos do que o esperado para a semana. Os investidores também monitoram as negociações de acordo para o teto da dívida dos EUA.

  • S&P 500: 0,00%;
  • Dow Jones: -0,19%;
  • Nasdaq: +0,33%.
TANURE NA LIGHT (LIGT3)? FUNDO SUPOSTAMENTE LIGADO A EMPRESÁRIO JÁ COMPROU 21,8% DAS AÇÕES DA EMPRESA

Tem muita gente no mercado que acredita que onde existe uma crise, há também uma oportunidade. Não é difícil ver gestores comprando papéis de empresas em crise logo a derrocada começa, com frieza e olhos nas oportunidades futuras. E foi assim que a WNT Capital, supostamente ligada ao investidor Nelson Tanure, aumentou sua posição na Light (LIGT3) de 15,2% para 21,8%.

Assim, a casa especializada em crédito passa a ser o segundo maior acionista da Light, que entrou em recuperação judicial há poucos dias.

Em comunicado divulgado nesta quinta-feira (18), a Light detalha que a WNT agora detém 81.205.300 ações ordinárias.

Além disso, a companhia também afirma que a intenção da WNT é apenas de aumentar a exposição dos fundos de investimento sob sua gestão "não havendo, contudo, qualquer acordo ou contrato regulando o exercício do direito de voto ou a compra e venda de valores mobiliários de emissão da companhia por parte dos fundos."

Leia mais.

SUZANO (SUZB3) E KLABIN (KLBN11) SOBEM

As companhias de celulose Suzano (SUZB3) e Klabin (KLBN11) operam em tom positivo, entre as maiores altas do Ibovespa, na esteira da valorização do dólar.

Isso porque as empresas são voltadas ao mercado externo e a moeda americana mais forte ante o real aumenta os ganhos das exportadoras.

CÓDIGONOMEULTVAR
SUZB3Suzano ONR$ 45,073,06%
KLBN11Klabin unitsR$ 21,030,96%
ABERTURA DO IBOVESPA

O Ibovespa cai 0,06%, aos 109.459 pontos. O índice acompanha a virada para o tom negativo dos futuros americanos, após pedidos de auxílio-desemprego abaixo do esperado em dia de agenda esvaziada.

Por lá, os pedidos caíram 22 mil na semana, a 242 mil, ante a previsão de 225 mil.

Contudo, as perdas são limitadas pela aprovação da urgência do arcabouço fiscal, ontem (17), na Câmara dos Deputados. Além disso, há um movimento de realização na bolsa após nove pregões de alta em um período de 12 dias.

MATHEUS SPIESS: MERCADO EM 5 MINUTOS

O IMPOSTOCÓPTERO: VOANDO ALTO PARA ARRECADAR MAIS

Bom dia, pessoal.

Lá fora, a maioria dos mercados de ações asiáticos subiu nesta quinta-feira, acompanhando os ganhos em Wall Street em meio ao otimismo de que o teto da dívida dos EUA será elevado — o governo Biden disse que um acordo para aumentar o teto poderia ser alcançado ainda nesta semana.

Isso ajudou a diminuir os temores de um possível calote da dívida dos EUA, já que o prazo de 1º de junho se aproxima. Os ganhos nos mercados asiáticos só foram contidos pela cautela com a desaceleração do crescimento econômico, principalmente na China.

Os mercados europeus estão em alta nesta manhã, assim como os futuros americanos.

Além da temporada de resultados continuar acontecendo lá fora, contamos também com várias falas de autoridades monetárias, como é o caso de Christine Lagarde, presidente do BCE (Zona do Euro), e de Andrew Bailey, presidente do BoE (Reino Unido).

Eventuais novidades sobre a condução da política monetária podem impactar os mercados internacionais. Por aqui, discutimos a tramitação do arcabouço fiscal, bem como o fim da temporada de resultados do primeiro trimestre.

A ver…

00:53 — O ponto de inflexão

No Brasil, depois do ajuste de terça-feira, voltamos a subir para cima dos 109 mil pontos. O otimismo em Nova York impulsionou o rali do Ibovespa, apesar da realização da Petrobras (as ações da companhia ainda sobem mais de 10% no ano).

Em paralelo, a aprovação da urgência para o arcabouço fiscal deverá contribuir para a continuidade da queda dos juros, reforçando o desempenho positivo da bolsa. Sobre o tema, vale o estudo de Aline Cardoso, do Santander. Resumindo, em períodos de queda de juros, a bolsa geralmente apresenta um desempenho positivo e forte.

Segundo o material, vemos que, em média, o Ibovespa registra ganhos significativos nos meses que antecedem os ciclos de flexibilização dos juros, especialmente em setores cíclicos locais e domésticos.

Na sequência do primeiro corte, temos uma pequena queda no desempenho do índice, mas à medida que os cortes nas taxas começam a impactar positivamente os resultados das empresas, o desempenho da bolsa se torna positivo, especialmente após 6 e 12 meses do início do ciclo de flexibilização. Estamos justamente neste ponto de inflexão.

01:47 — Imposto Man: O Super-Herói da Arrecadação Fiscal

Ainda em solo brasileiro, tivemos ontem a urgência do arcabouço fiscal aprovada com 367 votos contra 102. O plano agora é levar o texto para votação em plenário na próxima terça-feira (23) ou quarta-feira (24). Contudo, algumas aspectos do texto chamam a atenção.

A primeiro deles é uma maior liberdade de gastos para o governo, de cerca de R$ 80 bilhões, nos próximos dois anos. A notícia é ruim. O segundo é a nítida necessidade de R$ 120 bilhões em receitas para viabilizar a nova regra fiscal — conhecemos bem os efeitos de fechar as contas no negativo.

Aliás, o arcabouço fiscal ainda recebe críticas recorrentes em virtude de sua forte dependência. O Governo dispõe de quatro maneiras de gerar recursos e financiar suas atividades:

i) através da cobrança de impostos da população;

ii) por meio da emissão de dívida;

iii) através da venda de ativos por meio de privatizações; e iv) através da emissão de moeda.

O terceiro depende da disponibilidade de ativos governamentais, enquanto o primeiro e o segundo são os preferidos. Levando em conta o custo da dívida hoje, será necessário implementar novos impostos.

02:43 — Um alívio aparente

Nos EUA, as ações mostraram ontem que ainda possuem lenha para queimar, com amplos ganhos em todos os setores.

Os catalisadores para o rali foram algumas vibrações positivas em relação ao teto da dívida e alívio para os bancos regionais sitiados — o Western Alliance, com sede no Arizona, disse que viu um grande influxo de depósitos desde o final do primeiro trimestre, revertendo as saídas anteriores.

Ainda assim, o mercado de títulos continua a enviar um sinal mais pessimista.

Os mercados de crédito não estão enviando um sinal tranquilizador para ativos de risco, pois os custos de financiamento continuam aumentando, os padrões de empréstimo estão se tornando mais rígidos, a demanda por crédito está caindo agressivamente e os pedidos de falência nos EUA no acumulado do ano são os mais altos desde 2010.

Em suma, as ações estão precificando um pouso suave para a economia ou uma recessão leve, enquanto os mercados de dívida estão mais próximos de precificar uma recessão prolongada ou uma possível crise de crédito.

Talvez os investidores em títulos sejam, por natureza, um grupo mais pessimista do que os investidores em ações. Mas parece que muitas variáveis precisam dar certo para que a visão otimista vença.

03:40 — Afinal, o que o futuro reserva para a economia dos EUA?

É a pergunta de um milhão de dólares, não é mesmo? Recentemente o BNY Mellon Investment Management delineou três cenários possíveis, cada um considerando o impacto da crise bancária, a resiliência inflacionária e a trajetória de aumentos de juros.

Hoje, uma recessão, mais cedo ou mais tarde, continua sendo mais provável do que não, sendo que a perspectiva de longo prazo, depois do choque, permanece relativamente positiva para as ações, mas com volatilidade em um primeiro momento.

Os três cenários possíveis e as probabilidades de que eles aconteçam são:

i) A crise de crédito, com 50% de probabilidade, em caso de mais aumento de juros por parte do Fed, o que catapultaria os Estados Unidos para a recessão durante o segundo semestre de 2023 (a Europa e o Reino Unido sentirão isso ainda mais cedo);

ii) O pouso atrasado, com 30% de probabilidade, que viria apenas no segundo semestre de 2024 por conta de uma reaceleração do aperto monetário, que seria parada em um primeiro momento, devido à inflação resistente; e

iii) Por fim, temos o cenário mais benigno de todos, de "soft landing" (pouso suave), mas com apenas 20% de probabilidade (eu acredito que seja até menos), em que o aperto monetário vigente gera uma perda mínima de empregos.

Em outras palavras, apertem o cinto, muito provavelmente vem turbulência por aí.

04:35 — E se dolarizarmos a Argentina?

Não é segredo para ninguém que nossos hermanos do Sul estão passando por dificuldades. Recentemente, a Argentina divulgou novas medidas de emergência para combater sua taxa de inflação de 109% e apoiar o peso em meio à queda rápida das reservas em moeda estrangeira e aos crescentes temores de uma desvalorização.

O problema é que, quanto mais o governo tentar sustentar o peso com controles cambiais e domar os preços em alta com aumentos maciços das taxas de juros, mais sangra a própria economia. Desvalorizar o peso não é uma opção, uma vez que acabaria com o valor da poupança das pessoas, hoje já bem empobrecidas.

Com isso, voltaram a ventilar a ideia de substituir a moeda nacional pelo dólar americano. Quem levanta essa bandeira é Javier Milei, um populista de direita que lidera as pesquisas para as eleições de outubro. Não preciso dizer que a ideia é terrível, dado que a economia não dispõe de dólares o suficiente para tal.

Infelizmente, há pouco espaço para a salvação econômica de nossos vizinhos.

ABERTURA DOS JUROS FUTUROS

Com a retomada da força do dólar ante o real e o avanço dos Treasuries, na expectativa de acordo para o teto da dívida nos EUA, os juros futuros (DIs) abriram em alta, em toda a curva.

Com a agenda doméstica mais esvaziada, a aprovação da urgência da proposta do arcabouço fiscal na Câmara dos Deputados limita o avanço da curva.

Confira a abertura dos DIs:

CÓDIGONOME ULT  FEC 
DI1F24DI Jan/2413,32%13,31%
DI1F25DI Jan/2511,75%11,72%
DI1F26DI Jan/2611,24%11,21%
DI1F27DI Jan/2711,27%11,24%
DI1F28DI Jan/2811,39%11,37%

O dólar à vista acelera os ganhos e sobe 0,50%, a R$ 4,9499.

DESEMPREGO NO BRASIL

A taxa de desemprego avançou a 8,8% no primeiro trimestre no país, segundo informou há pouco o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O dado indicou uma alta de 0,9% na taxa de desocupação em relação ao quatro trimestre do ano passado.

Na comparação com o mesmo período do ano passado, a taxa de desemprego registra queda de 2,4%.

Por fim, as maiores taxas de desocupação foram registrada na Bahia (14,4%), Pernambuco (14,1%) e Amapá (12,2%).

O Ibovespa futuro vem renovando mínimas nos primeiro minutos da sessão. O índice caía, há pouco, 0,47%, aos 110.810 pontos.

GOVERNO PDOERÁ GASTAR ATÉ R4 80 BILHÕES A MAIS EM 2024 E 2025 COM NOVA REGRA FISCAL

A urgência para votação do texto do novo arcabouço fiscal foi aprovada na noite de ontem (17) pela Câmara dos Deputados. Isso significa que a proposta pode passar diretamente para o debate no plenário sem a necessidade de ser avaliada pelas comissões da Casa.

A vitória preliminar do governo ainda inclui dois dispositivos inseridos pelo relator da proposta na Câmara, Cláudio Cajado (PP-BA), que permitirão ao governo de Luiz Inácio Lula da Silva ampliar as despesas em cerca de R$ 80 bilhões adicionais nos próximos dois anos, segundo estimativas do mercado financeiro.

Técnicos da Câmara que assessoram o parlamentar admitem a expansão, mas projetam um valor bem menor, ao redor de R$ 42 bilhões.Na prática, os mecanismos abrem espaço para o governo inflar os gastos nos dois primeiros anos da regra.

Ao Broadcast, Cajado afirmou que os dispositivos foram incluídos para compensar os efeitos da desoneração dos combustíveis em 2022, no governo Jair Bolsonaro (PL).

Leia mais.

ABERTURA DO DÓLAR

O dólar à vista abriu a R$ 4,9519, com alta de 0,35% em relação ao fechamento anterior.

ABERTURA DO IBOVESPA FUTURO

O Ibovespa futuro abriu em queda de 0,22%, aos 110.455 pontos, em movimento de realização dos ganhos recentes e na contramão dos índices futuros em Nova York.

Com a agenda mais esvaziada, os investidores tendem a reagir à aprovação da urgência para apreciação do arcabouço fiscal. A celeridade na matéria foi aprovada ontem (17), por 367 votos a favor e 102 contra na Câmara dos Deputados.

A expectativa agora é que a matéria seja apreciada diretamente no plenário na próxima semana.

MERCADO DE COMMODITIES

A expectativa de acordo sobre o teto da dívida dos EUA elevou o apetite ao risco dos mercados ontem (17) e o otimismo segue nesta quinta-feira (18).

Acompanhando o alívio na cautela, o minério de ferro opera em alta de 1,91%, com a tonelada a US$ 106,18 em Dalian, na China.

Já o petróleo realiza os ganhos do dia anterior e cai 0,23%, a US$ 76,78 o barril. Ontem (17), a commodities avançou quase 3%.

AGENDA DO DIA

No exterior, a agenda volta a ficar mais intensa nessa reta final da semana. Hoje, os destaques do dia é o relatório mensal do Banco Central Europeu (BCE).

Por aqui, os investidores seguem atentos à Brasília. Com a aprovação da urgência da proposta do arcabouço fiscal, a expectativa é que a matéria seja apreciada em plenário na próxima semana.

Confira os principais indicadores a serem divulgados nesta quinta-feira (18):

HorárioPaís / RegiãoEvento
5hZona do EuroRelatório Mensal do BCE
9h30Estados UnidosPedidos iniciais de auxílio-desemprego
9h30Estados UnidosÍndice de atividade industrial do Fed da Filadélfia em maio
11hEstados UnidosVendas de casas usadas em abril
17h30Estados UnidosBalanço do Federal Reserve (Fed, o Banco Central norte americano)
17h30Estados UnidosSaldos de reservas dos bancos com o Federal Reserve
Fonte: Investing.com
CAÇADOR DE TENDÊNCIAS

Após o fechamento do último pregão, identifiquei uma oportunidade de swing trade baseada na análise quant - compra dos papéis da Embraer (EMBR3).

EMBR3: [Entrada] R$ 18.23; [Alvo parcial] R$ 18.87; [Alvo] R$ 19.83; [Stop] R$ 17.16

Recomendo a entrada na operação em R$ 18.23, um alvo parcial em R$ 18.87 e o alvo principal em R$ 19.83, objetivando ganhos de 8.8%.

O stop deve ser colocado em R$ 17.16, evitando perdas maiores caso o modelo não se confirme.

Leia mais.

LULA NO G7, URGÊNCIA NO NOVO ARCABOUÇO E AGENDA FRACA GUIAM IBOVESPA

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva chega para o encontro do G7, o grupo de países mais industrializados do mundo, no Japão. O chefe de Estado brasileiro é convidado para participar das reuniões e deve realizar encontros bilaterais com as nações integrantes.

Na noite de ontem (17), o governo teve vitória na aprovação da urgência para votação do novo arcabouço fiscal. Aprovado com folga por 367 a 102, o texto segue para o plenário da Câmara dos Deputados — sem a necessidade de passar pelas Comissões da Casa — na próxima semana.

Há alguma expectativa de que a proposta vá para votação entre terça-feira (24) e quarta-feira (25) da semana que vem.

Sem maiores eventos ou indicadores para o dia, o Ibovespa deve se apoiar no exterior positivo e ter mais um dia de ganhos.

FUTUROS DE NOVA YORK ABREM EM ALTA

Os índices futuros de Nova York apontam para uma continuidade dos ganhos da sessão anterior.

Após fecharem em alta de mais de 1% no pregão de ontem, Wall Street deve registrar mais um dia de ganhos.

Joe Biden, presidente dos EUA, visita o Japão para a reunião do G7, enquanto emissários da Casa Branca debatem com o Congresso o aumento do teto da dívida dos Estados Unidos. A expectativa é de que os Poderes entrem em acordo até o fim de semana.

Por enquanto, um calote da dívida dos EUA está descartado, o que impulsiona o apetite de risco das bolsas internacionais.

Confira:

  • Dow Jones futuro: +0,12%
  • S&P 500 futuro: +0,19%
  • Nasdaq futuro: +0,18%
BOLSAS DA EUROPA SOBEM COM ALTO APETITE DE RISCO

As bolsas na Europa começaram o dia em alta.

A expectativa com um acordo sobre o teto da dívida dos EUA nos próximo dias impulsiona os índices.

Nos destaques regionais, o vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE) reiterou que o núcleo da inflação da Zona do Euro dará o tom da próxima decisão de juros. A reunião do G7, o grupo de países mais ricos do mundo, permanece no radar.

Confira:

  • DAX: +1,62%
  • FTSE 100: +0,62%
  • CAC 40: +0,93%
  • Euro Stoxx 50: +1,19%
BOLSAS NA ÁSIA FECHAM EM ALTA COM DÍVIDA DOS EUA NO RADAR

Os principais índices asiáticos encerraram a sessão em alta.

O avanço no debate sobre o teto da dívida dos Estados Unidos animou os investidores. É esperado que as negociações terminem favoráveis ao governo — ou seja, o "apagão" das contas públicas está descartado, ao menos por enquanto.

Apesar da desaceleração da demanda chinesa, que pressiona o desempenho das commodities, a alta de ontem das bolsas de Nova York também ajudou no fôlego do dia.

Confira:

  • Xangai: +0,40%
  • Hang Seng: +0,85%
  • Kospi: +0,83%
  • Nikkei: +1,60%
O QUE ROLOU NO PREGÃO DE ONTEM?

O Ibovespa encerrou o dia em alta de 1,17%, aos 109.459 pontos. Já o dólar à vista fechou em leve queda de 0,17%, a R$ 4,9345.

Confira tudo que movimentou os mercados na última quarta-feira (17).

Compartilhe

INVESTIMENTOS

À procura de dividendos? Itaú Asset lança ETF que distribui renda para investidores 

20 de maio de 2024 - 15:14

Sob o código DIVD11, o fundo do Itaú começa a ser negociado em 11 de junho e com referência ao Índice de Dividendos da B3, o IDIV

QUEM CONTROLA O CONTROLADOR

Em vitória dos minoritários, Braskem (BRKM5) sobe forte na B3 após Novonor ser condenada a pagar indenização bilionária à companhia

20 de maio de 2024 - 11:23

Controladora da Braskem, Novonor foi condenada a indenizar a petroquímica em cerca de R$ 5,5 bilhões em processo aberto por acionistas minoritários

REVISÃO

Santander reduz projeção do Ibovespa para 145 mil pontos e muda carteira para enfrentar turbulência; veja as ações favoritas dos analistas

20 de maio de 2024 - 10:59

Mesmo com a redução da projeção em 15 mil pontos, o banco espera crescimento do Ibovespa em 13% neste ano e um retorno de 15% de lucro por ação

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: noticiário esfria após semana de dança das cadeiras na Petrobras (PETR4); encontro do CMN é destaque no Brasil

20 de maio de 2024 - 8:15

Lá fora, os investidores acompanham vários discursos de integrantes do Federal Reserve para buscar um direcionamento do futuro dos juros no país

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa opera em tom negativo com Vale (VALE3) e perda de força de NY; dólar sobe

20 de maio de 2024 - 7:09

RESUMO DO DIA: O Ibovespa entra na penúltima semana de maio com os desdobramentos dos acontecimentos da semana anterior, entre eles da Petrobras (PETR4). O nome de Magda Chambriard como nova CEO da estatal deve ser oficializado até a próxima sexta-feira (24), assim como a indicação de nomes para cargos da diretoria da petroleira, que […]

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Petrobras (PETR4) limita ganhos do Ibovespa; dólar cai a R$ 5,10 e recua mais de 1% na semana

17 de maio de 2024 - 17:35

RESUMO DO DIA: Como uma montanha-russa, o Ibovespa iniciou a semana em alta com a ata do Copom que aliviou, momentaneamente, o temor dos investidores. Mas Petrobras (PETR4) roubou a cena com a demissão repentina de Jean Paul Prates da presidência da estatal. Com isso, o Ibovespa termina a última sessão da semana em baixa […]

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa se recupera do tombo de Petrobras (PETR4) e fecha em alta; dólar cai a R$ 5,13

16 de maio de 2024 - 17:40

RESUMO DO DIA: Após um dia de tensão por conta das mudanças na Petrobras (PETR4), o Ibovespa conseguiu conter as perdas embalado pelas máximas em Wall Street. O principal índice da bolsa brasileira terminou a sessão com alta de 0,20%, aos 128.283 pontos. O dólar fechou a R$ 5,13, com baixa de 0,13% no mercado […]

TEMPOS DE GLÓRIA CHEGARAM?

Nas alturas: Dow Jones ultrapassa os 40 mil pontos pela primeira vez na história 

16 de maio de 2024 - 16:30

Quando começou a operar, Dow Jones era composto apenas por 12 ações. Hoje, o índice tem ações das 30 maiores empresas dos Estados Unidos

DESTAQUES DA BOLSA

De malas prontas: Presidente e dois membros do conselho da CVC (CVCB3) renunciam; ações caem mais de 7% na B3 

16 de maio de 2024 - 13:41

Valdecyr Maciel Gomes renunciou ao cargo depois de três anos na função; movimentação acontece uma semana após balanço do primeiro trimestre

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Petrobras (PETR4) rouba as atenções e Ibovespa fecha em queda em dia de NY nas máximas; dólar sobe a R$ 5,13

15 de maio de 2024 - 17:16

RESUMO DO DIA: Sinal vermelho para os mercados: a repentina demissão de Jean Paul Prates da presidência da Petrobras (PETR4) pegou os investidores de surpresa e as atenções se voltaram para os desdobramentos da mudança no comando da companhia. Dado o peso de Petrobras no principal índice da bolsa brasileira, o Ibovespa terminou o pregão […]

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar