Você pode ter uma renda semanal de até 500 dólares na sua conta; descubra como aqui

Cotações por TradingView
2022-12-04T11:49:51-03:00
Carolina Gama
OPEP+

Putin influenciou? A decisão dos produtores de petróleo após o teto de preços da Europa e a ameaça da Rússia

Presidente russo disse que vai cortar o fornecimento da commodity para os países europeus que adotarem o limite de US$ 60 para o barril russo — a ameaça bateu também na porta da Opep e de seus aliados

4 de dezembro de 2022
11:49
Presidente russo, Vladimir Putin, apoiado em uma mesa, com o dedão na boca
O presidente da Rússia, Vladimir Putin - Imagem: Flickr

Os maiores produtores de petróleo do mundo se sentaram à mesa de negociações neste domingo (04) para definir metas de produção com uma crise batendo na porta. De um lado, o teto de preços da Europa para o barril russo e, do outro, as ameaças do presidente Vladimir Putin de suspender o fornecimento da commodity

Foi nesse clima nada amistoso que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados, grupo conhecido como Opep+, tomaram talvez a decisão mais prudente: não mexer nos níveis de oferta — pelo menos por enquanto — e ver o que acontece daqui pra frente. 

O acerto, no entanto, não foi fácil, já que a Opep+ está lidando com uma baixa expressiva do petróleo, que teve uma queda de 13% apenas no mês passado.

Russos, sauditas e americanos: a treta de milhões (de barris)

Na última reunião da Opep+, os produtores do bloco concordaram em reduzir a oferta em 2 milhões de barris por dia, reabrindo uma ferida entre a Arábia Saudita — o maior exportador do grupo — e os EUA. 

Na ocasião, os norte-americanos acusaram os sauditas de diminuir a produção para sustentar os preços do petróleo no mercado internacional e apoiar a Rússia na guerra contra a Ucrânia — um argumento refutado por Riad. 

A irritação da Casa Branca não foi à toa: a decisão da Opep+ em cortar a oferta, elevando os preços, prejudicava o presidente norte-americano, Joe Biden, antes das eleições de meio de mandato e que podiam mudar o equilíbrio de forças no Congresso. 

Vale lembrar que um dos principais efeitos colaterais da guerra entre Rússia e Ucrânia foi a disparada dos preços do petróleo, que alimentou a inflação em todo o mundo, inclusive nos EUA. Por lá, o aumento de preços da gasolina afetou diretamente a popularidade de Biden. 

Esse imbróglio entre EUA, Arábia Saudita e Rússia é tamanho que delegados da Opep+ contaram que a reunião deste domingo havia sido planejada para ocorrer presencialmente na sede do cartel, em Viena, mas acabou sendo realizada de forma remota para evitar pressões, inclusive da imprensa.

Por que a Opep se reúne tanto? 

A Opep e seus aliados vêm cortando a produção desde 2020, quando o auge da pandemia de covid-19 e o fechamento das economias para conter a disseminação do novo coronavírus derrubaram as cotações do petróleo. 

Desde então, o grupo vem se reunindo periodicamente para decidir se retoma ou aumenta os níveis de oferta anteriores à pandemia ou não. O acerto é feito a cada encontro e leva em consideração as condições de oferta e demanda e os preços praticados no mercado internacional. 

De acordo com a consultoria Kpler, a produção da Opep caiu 550.000 barris por dia (bpd) em novembro, para 28,1 milhões de bpd — em linha com a decisão de outubro de reduzir a oferta em 2 milhões de bpd. Os dados oficiais ainda não foram divulgados. 

A ameaça de Putin

A decisão da Opep+ de manter a produção foi tomada após a União Europeia e países do G7 (grupo formado por EUA, Alemanha, França, Itália, Canadá, Japão e Reino Unido) terem concordado com um teto de US$ 60 por barril de petróleo russo. 

A ideia do teto de preços é garantir que as sanções contra a Rússia tenham efeito sobre a capacidade de Putin de financiar a invasão da Ucrânia sem estrangular o mercado mundial de petróleo.

Putin não deixou a medida, que deve ser oficializada na segunda-feira (05), barato. O representante permanente da Rússia para organizações internacionais em Viena, Mikhail Ulyanov, disse que os apoiadores europeus do teto de preços lamentariam a decisão.

“A partir deste ano, a Europa viverá sem petróleo russo”, disse Ulyanov. “Moscou já deixou claro que não fornecerá petróleo aos países que apoiam o limite de preço antimercado. Espere, muito em breve a UE acusará a Rússia de usar o petróleo como arma."

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

CRIPTOMOEDAS HOJE

Bitcoin (BTC) e ethereum (ETH) se sustentam em alta, mas fala de dirigente pode mudar o curso das criptomoedas hoje. Veja o que mexe com o mercado

7 de fevereiro de 2023 - 10:57

Discurso de Jerome Powell, o presidente do BC norte-americando, marcado para esta tarde, permanece no radar dos investidores cripto nesta terça-feira (07)

32 PARÁGRAFOS

Resposta a Lula? Banco Central publica ata mais longa para justificar Selic alta; veja o que o Copom escreveu

7 de fevereiro de 2023 - 10:07

Os diretores do Banco Central decidiram caprichar: escreveram nove parágrafos a mais na ata da reunião do Copom publicada hoje

JÁ FAZ 25 ANOS…

Titanic volta aos cinemas em comemoração de 25 anos e atrapalha os planos de Avatar 2; entenda

7 de fevereiro de 2023 - 9:15

Até hoje, a produção arrecadou US$ 2,194 bilhões e assegurou a 3ª posição na lista de maiores sucessos nos cinemas, segundo dados do Box Office Mojo

MERCADOS HOJE

Bolsa agora: Com NY instável, Ibovespa abre em queda com incertezas sobre reação de Brasília à ata do Copom; dólar ensaia alta

7 de fevereiro de 2023 - 7:08

RESUMO DO DIA: A terça-feira começa com a expectativa diante do teor da ata do Copom. A atenção dos investidores também estará voltada para discursos dos presidentes do Banco Central do Brasil, Roberto Campos Neto, e do Federal Reserve, Jerome Powell. No mundo das balanços, a expectativa envolve os resultados do Itaú Unibanco, previstos apenas […]

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Quem vai falar mais grosso: Lula ou Roberto Campos Neto?

7 de fevereiro de 2023 - 6:45

Da maneira como o debate foi colocado, fica difícil estabelecer qualquer entendimento saudável das intenções do governo Lula

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies