🔴 AS BIG TECHS ESTÃO ‘SUGANDO’ DINHEIRO DA BOLSA BRASILEIRA? – VEJA COMO SE PROTEGER

Carolina Gama
Formada em jornalismo pela Cásper Líbero, já trabalhou em redações de economia de jornais como DCI e em agências de tempo real como a CMA. Já passou por rádios populares e ganhou prêmio em Portugal.
PASSADO, PRESENTE E FUTURO

Oi (OIBR3): vem coisa boa por aí? Veja as previsões que o BTG Pactual fez para os resultados da empresa

A companhia de telecomunicações ultrapassou recentemente um obstáculo que libera a venda de sua unidade móvel e pode abrir as portas para a saída da recuperação judicial

Carolina Gama
25 de março de 2022
15:17 - atualizado às 12:10
Fachada de loja da Oi (OIBR3), com o logo da empresa em amarelo sobre uma marquise verde
Fachada de loja da Oi - Imagem: Divulgação

Muitos acreditam que só olhando para o passado podemos compreender o presente e fazer um futuro melhor. Isso não vale só para pessoas, mas também se aplica às empresas. Na terça-feira (29), a Oi (OIBR3) divulga os resultados de 2021, e o BTG Pactual fez suas previsões sobre o que os investidores devem esperar.

ATUALIZAÇÃO: a Oi adiou a divulgação de resultados para o final de abril. Saiba mais aqui.

Antes de contar o que o banco de investimentos vê no caminho da Oi, é importante dar uma olhada no passado da empresa

A OIBR3 foi fundada em 1998 e foi uma das empresas que mais se beneficiou dos empréstimos a juros baixos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), com um plano de se tornar uma super tele. 

Mas o projeto não vingou e a companhia se afundou em dívidas, acabando em recuperação judicial em 2016 —  e segue no limbo desde então. Na ocasião, o passivo da Oi era de R$ 65 bilhões; o valor caiu para cerca de R$ 30 bilhões agora e deve ser reduzido a quase metade com a venda da Oi Móvel. 

O presente da Oi (OIBR3)

Depois de visitar o passado da Oi, chegou a vez de olharmos para o presente da empresa, basicamente marcado pela venda da sua unidade móvel para as rivais Vivo, TIM e Claro

O negócio foi fechado em dezembro de 2020, avaliado em R$ 16,5 bilhões, e é considerado um passo fundamental para que a empresa saia da recuperação judicial. 

  • IMPORTANTE: liberamos um guia gratuito com tudo que você precisa para declarar o Imposto de Renda 2022; acesse pelo link da bio do nosso Instagram e aproveite para nos seguir. Basta clicar aqui.

No início do mês, a OIBR3 conseguiu derrubar uma barreira importante à venda da sua unidade móvel, depois que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) desconsiderou um recurso que barrava o negócio. 

Na ocasião, o Cade manteve o Acordo em Controle de Concentração (ACC), mas aprovou por unanimidade a incorporação de imposições unilaterais que assegurem a mitigação dos riscos concorrenciais no setor de telecomunicações.

O que o BTG vê para os resultados do quarto trimestre

Em meio a tantos tropeços, o BTG Pactual projeta resultados brandos para a Oi no quarto trimestre de 2021, mas destaca o desempenho positivo do segmento móvel — principalmente no pré-pago e nos planos “controle”. 

Confira as principais estimativas do banco de investimentos para os resultados da OIBR3:

Oi4T214T20Ano x Ano3T21Tri x Tri
Receita líquidaR$ 4,449 bilhõesR$ 4,720 bilhões-5,70%R$ 4,464 bilhões-0,30%
Ebitda ajustadoR$ 1,424 bilhãoR$ 1,460 bilhão-2,50%R$ 1,443 bilhão-1,40%
Dívida líquidaR$ 32,384 bilhõesR$ 21,797 bilhões48,60%R$ 29,899 bilhões8,30%
Fonte: BTG Pactual

O BTG destaca ainda que as receitas residenciais, que têm sido destaque nos últimos trimestres, não devem apresentar bons resultados. 

Com base em dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), o banco indica que as adições líquidas da Oi tiveram leve desaceleração no quarto trimestre de 2021. 

  • Adição média por mês no quarto trimestre: 72 mil clientes 
  • Adição média por mês no terceiro trimestre: 110 mil clientes 
  • Adição média por mês no segundo trimestre: 123 mil clientes 
  • Adição em janeiro de 2022: 49 mil clientes

Segundo o BTG, a tendência de menores adições não é apenas na Oi, com a deterioração do cenário econômico impactando o setor como um todo. 

Além disso, o banco cita o fato de a maioria das empresas estar experimentando maior rotatividade involuntária, com clientes sendo cortados de suas bases por falta de pagamento, e maior concorrência. 

O futuro da Oi

No futuro da OIBR3, o BTG vê o segmento de fibra óptica como uma fonte de retorno elevado sobre o capital investido, apoiando um forte crescimento nos próximos anos.

A previsão segue em linha com as tendências de aumento da penetração da banda larga no país, a migração de tecnologias para fibra e a consolidação de um mercado fragmentado

Sobre novos clientes, o BTG espera que as adições líquidas retornem para cerca 80 mil por mês no segundo semestre de 2022. 

O banco lembra que será difícil para a Oi voltar ao patamar de adições líquidas visto no pico da pandemia de covid-19, quando a demanda por internet de qualidade era alta. 

Vale lembrar que o BTG comprou 57,9% dos ativos de fibra ótica da Oi, por R$ 12,9 bilhões; as duas empresas, agora, formam a joint-venture V.tal para atuação nessa área.

Venda da Oi Móvel: o que esperar?

Com a venda da unidade móvel para a Vivo, TIM e Claro aprovada pelo Cade em 9 de fevereiro, a Oi poderá iniciar o processo de separação de ativos. 

Segundo o BTG, essa etapa deve levar de seis a oito semanas.

“Esperamos que o fechamento do negócio ocorra até a primeira quinzena de abril — com a possibilidade de acontecer ainda em março”, diz o BTG. 

Compartilhe

MAQUININHA DE LUCRO

PagSeguro (PAGS34) dispara após balanço e puxa ações da Cielo (CIEL3); veja os números do resultado do 2T22

25 de agosto de 2022 - 17:28

A lucro da PagSeguro aumentou 35% na comparação com o mesmo período do ano passado e atingiu R$ 367 milhões

FIM DE TEMPORADA

Nos balanços do segundo trimestre, uma tendência para a bolsa: as receitas cresceram, mas os custos, também

19 de agosto de 2022 - 16:18

Safra de resultados financeiros sofreu efeitos do aumento da Selic, mas sensação é de que o pior já passou

Investidores gostaram

Nubank (NU; NUBR33) chega a subir 20% após balanço, mas visão dos analistas é mista e inadimplência preocupa

16 de agosto de 2022 - 12:03

Investidores gostaram de resultados operacionais, mas analistas seguem atentos ao crescimento da inadimplência; Itaú BBA acha que banco digital pode ter subestimado o risco do crédito pessoal

BALANÇO

Inter (INBR31) reverte prejuízo em lucro de R$ 15,5 milhões no segundo trimestre; confira os números

15 de agosto de 2022 - 21:01

No semestre encerrado em 30 de junho de 2022, o Inter superou a marca de 20 milhões de clientes, o que equivale a 22% de crescimento no período

BALANÇO DA HOLDING

Lucro líquido da Itaúsa (ITSA4) recua 12,5% no segundo trimestre, mas holding anuncia JCP adicional; confira os destaques do balanço

15 de agosto de 2022 - 19:52

Holding lucrou R$ 3 bilhões no segundo trimestre e vai distribuir juros sobre capital próprio no fim de agosto

Resultados

Nubank (NUBR33) tem prejuízo acima do esperado no 2º tri, e inadimplência continuou a se deteriorar; veja os destaques do balanço

15 de agosto de 2022 - 18:42

Prejuízo líquido chegou a quase US$ 30 milhões, ante uma expectativa de US$ 10 milhões; inadimplência veio dentro do esperado, segundo o banco

Bife suculento

Marfrig (MRFG3) anuncia R$ 500 milhões em dividendos e programa de recompra de 31 milhões de ações; veja quem tem direito aos proventos e os destaques do balanço

12 de agosto de 2022 - 13:15

Mercado reage positivamente aos números da companhia nesta sexta (12); dividendos serão pagos em setembro

Balanço

Oi (OIBR3) sai de lucro para prejuízo no 2T22, mas dívida líquida desaba

12 de agosto de 2022 - 6:45

Oi reportou prejuízo líquido de R$ 320,8 milhões entre abril de junho, vinda de um lucro de R$ 1,09 bilhão no mesmo período do ano anterior

Balanço do 2º tri

Cenário difícil para os ativos de risco pesa sobre o balanço da B3 no 2º trimestre; confira os principais números da operadora da bolsa

11 de agosto de 2022 - 19:56

Companhia viu queda nos volumes negociados e também nas principais linhas do balanço, tanto na comparação anual quanto em relação ao trimestre anterior

BALANÇO

Apelo de Luiza Trajano não foi à toa: Magazine Luiza tem prejuízo de R$ 135 milhões no 2T22 — veja o que afetou o Magalu

11 de agosto de 2022 - 19:26

O Magalu conseguiu reduzir as perdas na comparação com o primeiro trimestre de 2022, mas em relação ao mesmo período de 2021, acabou deixando o lucro para trás

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar