🔴 ALGORITMO MOSTRA COMO BUSCAR ATÉ R$ 3 MIL POR DIA – CONHEÇA

Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @Renan_SanSousa
Ricardo Gozzi
DE OLHO NA BOLSA

Esquenta dos mercados: Bolsas internacionais avançam após virada de ontem; Ibovespa aguarda novas pesquisas Ipespe e Datafolha

Os investidores aguardam ainda hoje a participação de Pualo Guedes em evento do FMI e do Banco Mundial

Renan Sousa
Renan Sousa, Ricardo Gozzi
14 de outubro de 2022
7:42 - atualizado às 7:45
ibovespa futuro bolsa dólar
Confira o que movimenta a bolsa, o dólar e o Ibovespa hoje. -

Imagine um jogo de futebol no qual seu time terminou o primeiro tempo perdendo por 0 x 3. Mas, numa reação heroica, não apenas virou o jogo como aplicou uma goleada. 5 x 3, 6 x 3, tanto faz. Foi mais ou menos isso o que aconteceu ontem com as bolsas em Wall Street.

Rick Rieder qualificou a quinta-feira como “um dos dias mais malucos” de sua carreira. O comentário do CIO da BlackRock foi feito em entrevista ao MarketWatch depois de as bolsas de Nova York terem protagonizado a maior virada no mercado em anos.

Depois de ter renovado os piores níveis em mais de dois anos com os dados de inflação pela manhã, o Dow Jones mudou de direção no meio do dia para registrar a sessão mais volátil desde abril de 2020 e fechar em alta de 2,83%. No índice S&P 500, a virada foi a maior desde dezembro de 2008.

Essa guinada repentina foi atribuída à expectativa do mercado com os balanços de alguns dos maiores bancos dos Estados Unidos. O JP Morgan, o Citigroup, o Morgan Stanley e o Wells Fargo divulgam hoje seus resultados trimestrais.

Por aqui, o Ibovespa até tentou acompanhar a virada observada em Wall Street, mas o mau desempenho das empresas do setor de varejo, mineração e siderurgia não deixou e a bolsa brasileira fechou no vermelho pelo quarto pregão seguido.

O índice caiu 0,46%, aos 114.300 pontos, enquanto o dólar à vista teve leve alta de 0,02%, a R$ 5,2730.

Após brincarem de montanha russa, confira o que movimenta as bolsas, o dólar e o Ibovespa no pregão de hoje:

Bolsas pela manhã: fim da diversão

Nesta sexta-feira (14), os índices futuros de Nova York amanheceram em queda com os investidores à espera dos balanços dos bancos e dos números das vendas no varejo nos Estados Unidos em setembro.

No outro lado do Atlântico Norte, as bolsas de valores da Europa abriram em alta. O alívio vem de especulações segundo as quais a primeira-ministra do Reino Unido, Liz Truss, estaria prestes a dar um cavalo-de-pau em suas controversas medidas fiscais.

Na noite de ontem, o ministro das Finanças do Reino Unido, Kwasi Kwarteng, deixou o encontro do Fundo Monetário Internacional (FMI) em Washington e voltou para Londres para uma reunião emergencial de gabinete convocada para tratar do caos econômico no país.

Inflação do outro lado do mundo

Enquanto o dia mal amanhecia no Brasil, o tempo regular de pregão na Ásia se encerrava com uma boa notícia. A inflação da China atingiu o maior patamar em quase 30 meses, a 2,8% em setembro — mas aquém das expectativas e abaixo do teto oficial de 3%.  

Com isso, Pequim tem espaço para continuar a injeção de dinheiro na economia, como vem fazendo nos últimos meses. As medidas visam conter os impactos na atividade após a pior fase da pandemia de covid-19.

Permanece no radar, por fim, altas pontuais de casos de covid-19 no país, que adotou uma política de “covid zero” para estabelecer lockdowns durante o avanço da doença.

Ibovespa e a política nacional

Diante da agenda local fraca, o Ibovespa deve reagir hoje às oscilações dos mercados estrangeiros e ao andamento das campanhas de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PL) com vistas ao segundo turno das eleições presidenciais.

Ontem (13), foram divulgados os números da mais recente pesquisa Atlas Intel. De acordo com o levantamento, Lula tem 51,1% das intenções de voto contra 46,5% de Bolsonaro. Brancos, nulos e indecisos somam 2,4%.

A margem é apertada, porém, as chances de o ex-presidente voltar a morar no Palácio do Planalto seguem como a tendência mais provável. 

Mais pesquisas para o dia

Ainda hoje, as pesquisas de intenção de voto devem voltar ao radar do investidor. Os institutos que divulgam seus levantamentos hoje são o Datafolha e o Ipespe.

Por falar em institutos de pesquisa, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Alexandre de Moraes, tornou sem efeito as investigações abertas por determinação do Ministério da Justiça e do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) sobre os institutos de pesquisa eleitoral.

Diversas entidades passaram a questionar os institutos após grandes divergências entre os números apurados e o resultado das urnas. Porém, esses órgãos já identificaram seus pontos de falha e recalibraram as bases de dados para os novos levantamentos.

Bolsa hoje: agenda do dia

  • IBGE: Volume de serviços em agosto (9h)
  • Estados Unidos: Vendas no varejo (9h30)
  • Estados Unidos: Diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, participa de painel na reunião anual do FMI e Banco Mundial (15h)
  • Ministério da Economia: Ministro da Economia, Paulo Guedes, concede coletiva na sede da embaixada do Brasil em Washington (17h)

Balanços do dia

Antes da abertura:

  • JP Morgan (EUA)
  • Wells Fargo (EUA)
  • Exxon Mobil (EUA)
  • Citigroup (EUA)
  • Morgan Stanley (EUA)
  • UnitedHealth (EUA)

Compartilhe

FECHAMENTO DO MERCADO

Dólar supera os R$ 5,46: por que a moeda norte-americana voltou a subir e fechou no maior nível em quase dois anos

20 de junho de 2024 - 17:34

O dólar abriu o dia em queda, mas o alívio pós-decisão do Copom durou pouco e a moeda emendou o quinta pregão consecutivo de ganhos

GESTORAS

Studio Investimentos muda gestão de fundo após queda acumulada de mais de 30% no ano

20 de junho de 2024 - 16:57

A saída aconteceu pela necessidade de “alterar e reforçar a gestão” da família de fundos da casa, de acordo com a Studio, que tem R$1 bilhão sob gestão

(MAIS) DINHEIRO NO BOLSO

Os dividendos deste fundo imobiliário com mais de 40 mil cotistas devem subir nos próximos meses, segundo os cálculos da gestão

20 de junho de 2024 - 15:07

O SNCI11 já pagará proventos cerca de 5% maiores neste mês e, com um novo cenário macroeconômico traçado pelo mercado, a gestão espera dividendos ainda maiores

LADEIRA ABAIXO

Ações da rede social de Trump chegam a cair 15% hoje — o que explica a queda livre dos papéis?

20 de junho de 2024 - 14:11

A empresa que controla Truth Social perdeu US$ 2 bilhões em valor desde o início do mês; entenda o que está acontecendo com os papéis

AS QUERIDINHAS DA BAIXA RENDA

Cinco fatores por trás do otimismo com as ações de Direcional (DIRR3) e Cury (CURY3) — e qual delas é a favorita do Itaú BBA

20 de junho de 2024 - 13:21

O banco de investimentos revisou as suas estimativas para ambas as companhias e reforçou a visão positiva para o setor

MERCADOS HOJE

Lula não gostou, mas o mercado sim: após decisão de manter Selic em 10,5% e comunicado duro, Ibovespa salta 1% hoje

20 de junho de 2024 - 12:15

No mesmo horário, o dólar à vista era negociado próximo da estabilidade, ainda na faixa de R$ 5,40, reagindo ao cenário internacional

REPORTAGEM ESPECIAL

Taesa (TAEE11) e ISA Cteep (TRPL4): por que parte do mercado aposta na queda das ações preferidas dos “caçadores de dividendos”

20 de junho de 2024 - 6:18

Duas das principais transmissoras de energia do País, Taesa e ISA Cteep vêm recebendo desde o ano passado recomendações de “venda” de analistas

MOEDA EM ALTA

Não para de subir: dólar salta para R$ 5,47 hoje — e desta vez, o responsável não é (só) Lula

19 de junho de 2024 - 11:46

O feriado nos Estados Unidos reduziu a liquidez do dia, contribuindo com a volatilidade, além da aversão ao risco em relação à expectativas com o fim da reunião do Copom

DESTAQUES DA BOLSA

Ações de desenvolvedora imobiliária disparam mais de 5% na bolsa após contratação de banco para venda de ativos, incluindo hotéis em SP

18 de junho de 2024 - 11:22

A HBR Realty contratou o Bradesco BBI para ajudar na execução da estratégia de reciclagem de ativos da companhia

DE OLHO NAS REDES

O Brasil não tem condições para uma Selic de um dígito em 2024: por que este estrategista acredita ser impossível juros abaixo de 10% em 2024

17 de junho de 2024 - 16:41

Com a próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) se aproximando, o mercado parece está cada vez menos esperançoso sobre os cortes na taxa básica de juros, a Selic. Para Rogério Benevente, sócio da GWM Investments e convidado desta semana do podcast Touros e Ursos, “é impossível pensar numa Selic abaixo de 10% em […]

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar