🔴 É HOJE! COMO BUSCAR ATÉ R$ 2 MIL DE RENDA EXTRA TODO OS DIAS – CONHEÇA A ESTRATÉGIA

Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
DE OLHO NA COMMODITY

Após queda de braço no petróleo, ouro cai mais de 11% impactado por movimento vendedor

Uma das razões é que as demais posições dos investidores estava deficitária, logo eles tiveram que realizar a venda do metal para cobrir as perdas da carteira

Bruna Furlani
Bruna Furlani
20 de março de 2020
14:16 - atualizado às 10:37
Barras de ouro - Imagem: Shutterstock

Um dia após atingir a maior cotação no ano por conta da queda de braço envolvendo Arábia Saudita e Rússia, o ouro vem sofrendo com um movimento vendedor no mercado. Desde o dia 9 de março deste ano, o principal ETF lastreado no metal e que é negociado em Nova York, o SPDR Gold Trust (GLD) recuou 11,2% até ontem (20).

Durante o mesmo período, o contrato de ouro futuro com vencimento em abril apresentou queda de 10,4%. Ontem, esse contrato terminou o dia negociado a US$ 1501,15 a onça troy, o que representa uma alta de 1,85%. Já o GLD subiu 1,50% e fechou o pregão de sexta-feira cotado em US$ 140,11.

Em relatório divulgado ontem (19) pela World Gold Council, uma das maiores instituições na área, a organização argumentou que as duas últimas semanas foram marcadas por um movimento de venda massiva de ativos e que o ouro não foi exceção.

"Como um ativo de alta qualidade e liquidez, o ouro pode ter sido usado para levantar caixa, especialmente porque era - até agora - um dos poucos ativos com retorno positivo no ano. O ouro estava subindo até 10% até o dia 9 de março, mais do que qualquer um dos grandes ativos", destacaram os especialistas no documento.

A razão é que as demais posições dos investidores estava deficitária, logo eles tiveram que realizar a venda para cobrir as perdas da carteira e não ter que se desfazer de ativos que estavam com retorno negativo.

A instituição disse ainda que costuma existir uma correlação histórica entre a alta no preço do ouro e a queda brusca no preço das ações. Mas que há momentos em que isso não ocorre.

"Parece que há uma exceção durante períodos em que há um movimento de venda desordenada quando a volatilidade aumenta para níveis extremos. Por exemplo, durante a crise financeira de 2008-2009 quando o VIX [índice do medo dos investidores] alcançou níveis recordes e o ouro ficou sob pressão", argumentaram.

Outro ponto destacado pelos especialistas que pode ter levado à queda no preço do ouro é que o movimento parecia mais concentrado em derivativos - que são ativos que derivam de outros ativos - nas corretoras.

Na avaliação deles, alguns investidores estavam segurando algumas posições de derivativos que poderiam estar bastante alavancadas e foram forçados a vender, assim que o preço caiu após o dia 9 de março.

Mas não foi só o ouro que sofreu com a queda de preço. No documento, os especialistas destacaram também que até mesmo os preços dos títulos mais longos do Tesouro americano caíram bastante, apesar do segundo corte surpresa feito pelo Banco Central americano no último dia 15 de março.

Apenas para se ter uma ideia, o título de 10 anos do governo americano está sendo negociado agora com taxas acima de 1%, mas no início do ano as taxas chegaram a bater nas mínimas e ser negociadas 0,33% até o dia 9 de março.

Ouro como porto seguro

Por mais que a cotação do ouro tenha caído nos últimos dias, o metal foi sempre visto como porto seguro dos investidores em momentos de aversão ao risco, como é o caso agora. Saiba como investir.

Para entender melhor porque ele é visto como um instrumento de proteção, é preciso compreender mais sobre a sua precificação. Na prática, o investidor precisa olhar para algumas variáveis.

Em primeiro lugar está a taxa de juros norte-americana. Isso porque quanto maior a taxa de juros dos EUA, menos atrativo é o investimento na commodity.

O motivo é que a moeda americana ganha valor e fica mais interessante investir nos Estados Unidos do que buscar ativos de maior risco em outros mercados, como os emergentes, por exemplo.

Agora, as taxas dos títulos do tesouro americano de 10 anos e de 30 anos, - que são considerados os mais seguros do mundo -, estão nas mínimas históricas. E isso abriu uma janela para que os investidores busquem ativos de maior segurança, mesmo que eles não entreguem retorno.

Aliado a isso, há ainda o fato de que as políticas monetárias dos BCs devem seguir a linha de afrouxamento monetário e fazer com que a "Selic" dos países fique ainda mais baixa para estimular a economia e conter os efeitos do vírus, o que pode favorecer a busca pelo metal dourado.

Além de questões relacionadas à taxa de juros, outra variável que afeta a commodity é a demanda direta. Nesse caso, o destaque vai para China e Índia, que são grandes compradores diretos de joias banhadas a ouro. Logo, quanto maior for o crescimento de ambos os países, maior será a demanda por esse tipo de mercadoria e vice versa.

**A matéria foi atualizada posteriormente com a cotação de fechamento do ouro na última sexta-feira (20) em que a queda foi menor do que a registrada até quinta-feira (19).

Compartilhe

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Sem NY, Ibovespa rompe o ciclo de quedas e sobe com Petrobras (PETR4); dólar fecha a R$ 5,17

27 de maio de 2024 - 17:25

RESUMO DO DIA: A semana mais curta se iniciou com a liquidez reduzida nos mercados. As bolsas de Londres e dos Estados Unidos não operaram por feriados locais. A bolsa brasileira seguiu então a tendência das commodities e conseguiu romper o ciclo de quedas. Após seis baixas consecutivas, o Ibovespa terminou o dia com alta […]

DESTAQUES DA BOLSA

Magazine Luiza (MGLU3) conclui grupamento e ações caem na B3

27 de maio de 2024 - 12:01

A varejista anunciou o grupamento de ações na proporção de 10 para 1, em março; os papéis deixaram de ser negociados próximos a R$ 1

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: Inflação no Brasil e nos EUA são destaques dos próximos dias, mas feriado local drena liquidez da semana

26 de maio de 2024 - 17:03

Além disso, o mercado financeiro permanecerá de olho nas estatísticas fiscais brasileiras e na taxa de desemprego

XERIFE NA ÁREA

Na dúvida, Cade busca esclarecimentos sobre parceria entre Azul (AZUL4) e Gol (GOLL4)

26 de maio de 2024 - 10:18

Necessidade ou dispensa de notificação ao Cade desperta dúvidas desde anúncio de acordo de compartilhamento de malhas da Azul e da Gol

ASSEMBLEIA CONJUNTA CONVOCADA

Trabalhadores da Eletrobras (ELET3) ameaçam iniciar greve por tempo indeterminado

25 de maio de 2024 - 17:04

Assembleia conjunta de sindicatos foi chamada para a segunda-feira; se paralisação for aprovada, greve na Eletrobras deve ter início em 3 de junho

UM PARA DEZ

Como vão ficar os BDRs da Nvidia (NVDC34) com o desdobramento das ações no Nasdaq

25 de maio de 2024 - 15:03

Com resultado melhor que o esperado e reajuste de dividendos, Nvidia promoveu um desdobramento de ações que também vai valer para seus BDRs

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Ibovespa cai 3% na semana com peso da política monetária dos EUA e Petrobras (PETR4); dólar sobe a R$ 5,16

24 de maio de 2024 - 17:38

RESUMO DO DIA: A semana que parecia não ter fim acabou, mas sem alívio nos mercados: o Ibovespa completou seis pregões consecutivos de queda. O principal índice terminou o dia com baixa de 0,34%, aos 124.305 pontos. Na semana, o recuo acumulado foi de 3%. Já o dólar à vista avançou 0,27% ante o real […]

DESTAQUES DA BOLSA

Os números do PagBank (PAGS34) que ‘brilharam’ os olhos dos analistas e fazem as ações subirem na B3 e em NY 

24 de maio de 2024 - 14:53

A companhia teve um lucro líquido recorrente de R$ 522 milhões no primeiro trimestre, um crescimento de 33% na base anual

FUNDOS IMOBILIÁRIOS HOJE

Alianza Trust (ALZR11) fecha compra de imóveis do Oba Hortifruti; veja se há impacto nos dividendos do fundo imobiliário

24 de maio de 2024 - 11:47

A operação foi realizada na modalidade de “sale & leaseback”. Ou seja, os ativos serão locados pelo próprio vendedor

COMO SE ESPERAVA

Conselho de administração aprova e Magda Chambriard assume a presidência da Petrobras (PETR4)

24 de maio de 2024 - 9:41

Reunião do conselho de administração da Petrobras ocorreu na manhã desta sexta-feira; Magda Chambriard sucede Jean Paul Prates à frente da empresa

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar