🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Fracasso de crítica

A base de assinantes da Netflix cresceu menos que o esperado — e o mercado reagiu mal

Os resultados trimestrais da Netflix decepcionaram o mercado, em especial os números de expansão de novos usuários. Como resultado, as ações despencaram no after market de Nova York

Victor Aguiar
Victor Aguiar
17 de julho de 2019
19:42 - atualizado às 18:20
O balanço da Netflix ficom aquém do esperado e levantou dúvidas sobre o futuro da empresa, considerando a forte concorrência no setorImagem: Divulgação/ Netflix

A Netflix lançou um novo conteúdo no início da noite desta quarta-feira (17): seu balanço financeiro referente ao segundo trimestre de 2019. Só que as reações iniciais a essa série inédita não foram nada positivas.

Quem leu apenas a sinopse pode ter a falsa impressão de que essa produção original seria um sucesso: afinal, a receita líquida da companhia aumentou 26% em relação ao mesmo período de 2018, chegando a US$ 4,923 bilhões. Mas quem foi além dos trailers, se decepcionou.

E o ponto que dominou os comentários negativos nas redes sociais foi a base de assinantes pagos da empresa. Ao todo, 2,7 milhões de novos usuários se cadastraram entre abril e junho deste ano — muito abaixo do previsto pela própria Netflix, que projetava um acréscimo de 5 milhões de espectadores no trimestre.

E dado que a expansão na base de assinantes é fundamental para manter a sustentabilidade da empresa no médio e longo prazo, os mercados não hesitaram em punir as ações da companhia: logo após a divulgação do balanço, as ações da Netflix (NFLX) chegaram a cair mais de 12% no after market de Nova York — uma espécie de prorrogação da sessão regular.

E esse movimento negativo teve continuidade nesta quinta-feira (18): os ativos da companhia desabaram 10,27%, a US$ 325,21. Veja aqui a cobertura completa das oscilações dos mercados financeiros hoje.

A decepção dos agentes financeiros com os resultados da Netflix ocorre num momento crucial para a empresa, uma vez que diversos pesos-pesados do setor de entretenimento possuem planos para entrar na arena dos serviços de conteúdo de vídeo on-demand nos próximos meses.

A Disney pretende lançar em novembro sua própria plataforma de transmissão de conteúdo, a Disney+, contando com todas as séries, filmes e franquias de seus próprios estúdios e de suas subsidiárias — como as gigantes Marvel, Pixar, 21st Century Fox e LucasFilm, detentora da marca Star Wars.

Tabela com projeções da Netflix para a base de usuários pagos
Gráfico com as projeções da Netflix para o crescimento da base de usuários pagos, por trimestre. Fonte: Netflix - Imagem: Netflix

Stranger Things

Além da Disney, a Apple, a Warner e a NBC/Comcast já anunciaram planos para colocar no ar seus serviços de streaming. Assim, além da maior concorrência, há também o fator conteúdo, já que as rivais irão retirar conteúdo próprio da Netflix para usarem em seus canais — a casa do Mickey, por exemplo, já está fazendo isso.

"Grande parte do catálogo doméstico — e, eventualmente, global — da Disney — será retirado dos nossos quadros ao longo dos próximos anos, assim como as séries Friends, The Office e outros conteúdos licenciados", diz a Netflix, em seu balanço trimestral. "Isso abrirá espaço em nosso orçamento para a criação de novos conteúdos originais".

Esse aumento na competição é citado diversas vezes ao longo dos comentários da administração da Netflix a respeito dos números do segundo trimestre. Além dos novos entrantes, a empresa cita os serviços de conteúdo de vídeo on-demand que já estão no mercado, como Hulu, Amazon Prime e YouTube.

"A competição pelo tempo livre dos consumidores é feroz para todas as companhias", pondera a empresa.

13 Reasons Why

Em seu balanço trimestral, a Netflix diz que a expansão menor que a esperada na base de assinantes pagos ocorreu em todas as regiões, mas em intensidade ligeiramente maior nas áreas em que ocorreram aumentos de preço — a empresa, no entanto, não fornece mais detalhes acerca dos resultados por país ou mercado geográfico.

Essa elevação nas taxas de assinatura foi responsável por gerar o aumento na receita, mesmo com o crescimento mais lento do número de usuários. No entanto, os preços de entrada mais altos também são um ponto que preocupa os mercados, já que os novos concorrentes podem apresentar tarifas potencialmente mais baratas na fase de lançamento.

Mas, apesar de a sombra da concorrência atormentar a Netflix, a empresa ressalta que esse fator não foi determinante para os resultados do segundo trimestre, uma vez que, entre abril e junho, não houve maiores mudanças no panorama do setor.

"Acreditamos, sim, que o quadro de conteúdo disponível gerou menos crescimento na base de assinantes que o previsto", diz a empresa. Entre os lançamentos da Netflix no segundo trimestre deste ano, estão as séries "Olhos que Condenam", "Nosso Planeta" e "Disque Amiga Para Matar", e os filmes "Mistério no Mediterrâneo" e "O Date Perfeito".

La Casa de Papel

O mau desempenho das ações da Netflix impediu que o Nasdaq, índice abriga os papéis da empresa, tivesse ganhos mais expressivos nesta quinta-feira. Ao fim da sessão, o Nasdaq teve alta de 0,27%, aos 8.207,24 pontos.

Com a forte baixa de hoje, os ativos da Netflix retornaram aos patamares de preço do início do ano — os papéis não encerravam um pregão abaixo do nível de US$ 330 desde janeiro.

Insatiable

Apesar do fraco resultado do crescimento da base de clientes, a Netflix não pretende reduzir as expectativas para o restante do ano. Pelo contrário: a empresa projeta um aumento de 7 milhões no total de usuários pagantes no terceiro trimestre.

Esse otimismo se deve às diversas estreias previstas para a segunda metade do ano: já está no ar a terceira temporada de Stranger Things — e, de acordo com a companhia, as duas primeiras semanas de exibição tiveram um resultado bastante forte.

A lista de conteúdos inéditos ainda inclui novas temporadas de outras séries de sucesso, como La Casa de Papel, The Crown e Orange is the New Black. Em relação aos longas-metragens, a Netflix destaca os filmes The Irishman, dirigido por Martin Scorsese, e 6 Underground, de Michael Bay.

Compartilhe

Engordando os proventos

Caixa Seguridade (CXSE3) pode pagar mais R$ 230 milhões em dividendos após venda de subsidiárias, diz BofA

14 de setembro de 2022 - 13:22

Analistas acreditam que recursos advindos do desinvestimento serão destinados aos acionistas; companhia tem pelo menos mais duas vendas de participações à vista

OPA a preço atrativo

Gradiente (IGBR3) chega a disparar 47%, mas os acionistas têm um dilema: fechar o capital ou crer na vitória contra a Apple?

12 de setembro de 2022 - 13:09

O controlador da IGB/Gradiente (IGBR3) quer fazer uma OPA para fechar o capital da empresa. Entenda o que está em jogo na operação

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Exclusivo Seu Dinheiro

Magalu (MGLU3) cotação: ação está no fundo do poço ou ainda é possível cair mais? 5 pontos definem o futuro da ação

10 de setembro de 2022 - 10:00

Papel já alcançou máxima de R$ 27 há cerca de dois anos, mas hoje é negociado perto dos R$ 4. Hoje, existem apenas 5 fatores que você deve olhar para ver se a ação está em ponto de compra ou venda

NOVO ACIONISTA

Com olhos no mercado de saúde animal, Mitsui paga R$ 344 milhões por fatias do BNDES e Opportunity na Ourofino (OFSA3)

9 de setembro de 2022 - 11:01

Após a conclusão, participação da companhia japonesa na Ourofino (OFSA3) será de 29,4%

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

Bateu o mercado

BTG Pactual tem a melhor carteira recomendada de ações em agosto e foi a única entre as grandes corretoras a bater o Ibovespa no mês

5 de setembro de 2022 - 15:00

Indicações da corretora do banco tiveram alta de 7,20%, superando o avanço de 6,16% do Ibovespa; todas as demais carteiras do ranking tiveram retorno positivo, porém abaixo do índice

PEQUENAS NOTÁVEIS

Small caps: 3R (RRRP), Locaweb (LWSA3), Vamos (VAMO3) e Burger King (BKBR3) — as opções de investimento do BTG para setembro

1 de setembro de 2022 - 13:50

Banco fez três alterações em sua carteira de small caps em relação ao portfólio de agosto; veja quais são as 10 escolhidas para o mês

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Passando o chapéu: IRB (IRBR3) acerta a venda da própria sede em meio a medidas para se reenquadrar

30 de agosto de 2022 - 11:14

Às vésperas de conhecer o resultado de uma oferta primária por meio da qual pretende levantar R$ 1,2 bilhão, IRB se desfaz de prédio histórico

Exclusivo Seu Dinheiro

Chega de ‘só Petrobras’ (PETR4): fim do monopólio do gás natural beneficia ação que pode subir mais de 50% com a compra de ativos da estatal

30 de agosto de 2022 - 9:00

Conheça a ação que, segundo analista e colunista do Seu Dinheiro, representa uma empresa com histórico de eficiência e futuro promissor; foram 1200% de alta na bolsa em quase 20 anos – e tudo indica que esse é só o começo de um futuro triunfal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar